Arquivos do Blog

Notícia de Ontem

Não podiam ser mais melancólicos e deploráveis os dias finais de Jorge Toro Valdivia na Sociedade Esportiva Palmeiras.

Tamanho é o mal-estar que o chileno, que nunca se dispôs a atender a mídia de acordo com o que a liturgia que a camisa 10 do PALMEIRAS exigia, apareceu em nada menos do que TODOS os programas esportivos possíveis (Bola da Vez, Jogo Aberto, Globo Esporte), basicamente em todos os canais esportivos onde acumulou desafetos durante sua lamentável segunda passagem pelo Palmeiras e, para que?

Para tentar explicar o porque – segundo sua ótica deturpada das coisas – ele foi “injustiçado” na não renovação do seu contrato.

Antes de mais nada, UM MINUTO DE APLAUSOS EM PÉ para Paulo Nobre e Alexandre Mattos, por terem se livrado dessa renovação de contrato, que seria um desastre em todos os aspectos imagináveis.

A verdade é que o retorno do Valdivia, de uma esperança de tempos melhores, acabou se tornando um marco de má gestão e desperdício dos recursos do clube que tanto nos vitimaram nos últimos 15 anos. Valdívia é o símbolo maior de que um investimento populista, “custe ele o que custar”, não tem mais lugar no futebol do Século XXI.

Não imagino um palmeirense que, 05 anos atrás, não tenha pensado “agora vai” quando, de uma só vez, em meio à Copa do Mundo da África, o Palmeiras repatriou o chileno, o Judas e o Bigode. E deu no que deu (apesar da Copa do BR 2012)…

Felipão e Kleber saíram no meio do caminho, mas Valdívia não, ele seguiu até o fim. Até a última gota do nosso sangue. Da nossa paciência. Até o último segundo do último minuto de contrato. Até o último centavo.

E agora, depois de ter participado de menos da metade das partidas para as quais lhe foi pago 100% do polpudo salário, eis que o cara se sente no direito de ir em todos os programas de TV pagar de injustiçado. Pois é…

Primeiro que eu, advogado que sou, tendo participado de diversos acordos e negociações, NUNCA vi uma parte fazer uma oferta (neste caso o Palmeiras) e a outra simplesmente, como se estivesse do alto de um pedestal, responder com um: NÃO, ME FAÇA OUTRA PROPOSTA.

Na minha experiência funciona assim: A quer pagar 40, B quer receber 100. A oferece 10, B pede 90, e assim por diante segue um tomá-lá-dá-cá até que se chegue a um número que estejam ambos de acordo. Mas se A oferece 10 e B fala – NÃO, quero outra proposta, acabou a conversa. E quem fechou as portas foi B.

Então, não foi a Diretoria que não quis o Valdívia, foi ele que não se dispôs a sequer fazer uma contraproposta ao que lhe foi oferecido, o que, aliás, seria muito próximo dos vencimentos atuais, bastando para isso ele estar em campo. Contrato que, inclusive, vale pra quase todo o elenco, ao menos pra todos que chegaram nesses últimos anos e sob o novo modelo de gestão.

E, tem mais, até Flamengo e Cruzeiro virem a público e confirmarem que fizeram proposta oficial para contratar o chileno, pra mim é tudo conversa. E também é conversa essa história de que no Brasil só joga no Palmeiras, porque jogador tem que ser profissional, não tem que pagar de torcedor.

E o cara quando merece ser idolatrado, pode até ter cagado de vestir as cores do rival, que será perdoado. Sampaio e Edmundo vestiram o pano de chão do gambá, Evair posou com o baby doll dos bambis, e nem por isso são menos ídolos do palmeirense, porque fizeram por merecer quando vestiram nossa camisa. Já o caso do chileno é um pouco diferente…

Valdívia é, sobretudo, um tema polêmico entre os palmeirenses: há os que o veneram incondicionalmente, há os que queriam muito que ele ficasse, e há os que, como eu, não viam a hora dele picar a mula. Cada um na sua razão e respeito os entendimentos contrários ao meu.

Mas, ao passo que me aproximo dos 40 anos – ainda faltam alguns – de idolatria ao Palestra, conto às dezenas os jogadores que, na minha opinião, honraram muito mais o nosso manto. Muitos deles não tinham a metade do talento que o chileno indiscutivelmente tem, mas em termos de comprometimento com a filosofia e com o manto palmeirense, estiveram anos luz a frente dele.

No mais, Valdívia é assunto de ontem. Pra mim, podia estar comendo areia nas Arábias desde o fim da Copa América.

Tchau, vá com Deus, e tenta achar uma sombra lá no deserto. Que a força esteja com você. Mamasté. Até nunca mais. Obrigado por (quase) nada. Ciao.

AVANTI PALESTRA!

Volta, El Mago!

Acabei de ver Chile x México pela Copa América, e eis que o camisa 10 chileno, o nosso 10, deitou e rolou, principalmente no segundo tempo, até gol – mal – anulado fez, de fora da área, de primeira e de canhota!

Como dá gosto de ver, né?

PORRA NENHUMA!

Não vejo a hora do Chile cair fora da Copa América e o Sr. Valdívia voltar pro Palmeiras pra cumprir os pouco mais de 60 dias de contrato que lhe restam.

Pra justificar o gordo salário, não precisa muito.

Pelas minhas contas, se ele marcar 43 gols e der 85 assistências nesses 02 meses, pode ir embora com a benção de toda a torcida palmeirense.

Se eu tô brincando? Negativo, amigos…

Façam as contas, prum cara ganhando o que ele ganha, 1 gol por mês (uma média de 05 jogos por mês) é pedir muito? Não? Então tá. 60 meses de contrato, 60 gols. Valdivia marcou 17 desde 2010, faltam – olha só – 43 gols.

E duas assistências por mês, é querer demais? Também não? Nestes 05 anos de contrato, não tenho os números aqui, mas a considerar que foram 07 assistências no ano passado e – até aqui – uma em 2015, vamos usar a média de 2014 e considerar que foram 35 assistências desde o retorno do “Mago”. Faltam então, olha lá, 85 passes pra gol pra chegar à meta que um craque – digno das cifras fantásticas que o Palmeiras pagou – deve ter.

E há quem o defenda…

Por isso, chega de farra pro Mago na Copa America e venha logo cumprir o contrato, porque vai ter que ralar muito pra compensar os 4 anos e 10 meses de férias absurdamente bem remuneradas e contando…

Aproveito a oportunidade pra desejar boa sorte ao Marcelo Oliveira no comando do nosso Palestra. Ia fazer um bem-vindo Marcelo Oliveira, assim como fiz pro Carmona, Daniel Carvalho, Felipão, Judas (que não veio, amém!) e Gareca, mas vi por aí que já andaram fazendo um post do gênero e aí não faz sentido, até porque o que fizeram tá bem engraçado, apesar do foco ser o – vejam só – Valdivia… Leiam lá no facebook.

Agradeço ao meu amigo Nigri pela inspiração e auxílio intelectual na publicação deste post AHAHAHAHAH

AVANTI PALESTRA!

Lobo em Pele de Chileno

Não ia nem falar nada a respeito da entrevista esdrúxula do “Mago” ao final do jogo que “ficou marcado” para a imprensa esportiva como a volta de Valdivia.

“Mago” porque só sendo mágico mesmo pra ficar sem jogar mais de metade dos jogos e ainda assim conseguir ser ídolo de parte da torcida.

“Ficou marcado” porque só a imprensa esportiva poderia valorizar a medíocre atuação como uma “volta”, sendo que o jogo já estava ganho e sem qualquer interferência desse sujeito.

Mas depois de ficar sabendo que o Palmeiras já fez proposta para a renovação do vínculo do “atleta”, e que  a cobrança feita pelos microfones, além de descabida, era absolutamente injusta, não tinha como não registrar aqui minha indignação com a safadeza e a falta de consideração com a instituição Palmeiras e o palmeirense.

Primeiro, porque na situação dele, tendo participado de um jogo pelo Palmeiras depois de 120 dias sem jogar bola, mais de 1/3 de um ano, menos era mais, quanto menos ele falasse, melhor seria pra todos os envolvidos.

Segundo, porque a cobrança feita em público quanto à renovação soou como desrespeito e, pior, em tom de ameaça – por terem sido citados os exemplos das negociações fracassadas de Alan Kardec e Wesley – quando ele devia era dar graças a Deus que seu contrato ainda não foi rescindido.

Sem traçar paralelos ou comparar qualidades, talvez nem todos se lembrem a atitude do meia Pedrinho, um dos grandes meio-campistas que já vestiu nossa camisa, depois de seguidas contusões que o tiravam de combate no ano de 2003, que chegou a pedir ao presidente do Palmeiras à época que não recebesse salários enquanto estivesse em recuperação. A matéria da época pode ser vista aqui.

O Santo, quando da sua última renovação em 2009, declarou que não queria roubar o Palmeiras, em referência às suas diversas contusões, e se propôs a fazer um acordo que previsse uma situação diferente caso ficasse de fora de vários jogos.

São bons exemplos de jogadores que tiveram compromisso com a SEP. Marcos, aliás, se arrebentou várias vezes não porque era podre como o chileno, mas porque defendeu nossa camisa muito mais do que o próprio corpo podia aguentar. Quem esquece?

 

Já o Sr. Valdívia, além de não ter compromisso nenhum com sua fonte pagadora – de quem recebeu mais da metade do tempo para simplesmente usar a jacuzzi do Departamento Médico – ainda se sente no direito de cobrar a diretoria por uma renovação que ele não mereceria em nenhum outro emprego do mundo, senão no futebol. Aliás, nem no futebol ele merece…

E a culpa é de parte de vocês, senhores, que deram moral a esse sujeito a esse ponto, que gritavam em faniquito cada vez que o telão do Allianz mostrou a cara de peroba dele, que tentaram gritar mais alto o nome dele do que o do Palmeiras durante o jogo, e que esquecem que o maior ídolo que todos nós temos se chama Sociedade Esportiva Palmeiras, que o que mais importa é o distintivo no peito e não o nome que vai nas costas da camisa.

Porque, vamos reconhecer, essa marra toda não seria nem a metade se ele não tivesse o apoio incondicional de parte da torcida do Palmeiras. Ou vocês imaginam algum outro jogador do elenco se comportando assim, sem jogar e ainda fazendo exigência?

Por isso que eu vou festejar o dia que o contrato dele acabar em agosto e, queira San Gennaro, não seja renovado. Excelente jogador, mas perdeu o direito de jogar aqui faz muito tempo. E cada vez que abre a boca nos microfones, perde mais um pouquinho.

É como diz o tal rei da Espanha, por que non te calas?

AVANTI PALESTRA!

Honesto, Burro ou um Safado?

Essa foi, ontem, a dúvida que surgiu no twitter num debate com alguns amigos, sobre a atitude de Valdívia ao dar entrevista após o jogo contra o Flamengo, no qual, depois de ter contribuído diretamente para o Palmeiras empatar o jogo, foi expulso por uma imbecilidade digna dele mesmo.

Some-se a isso o fato de que o jogador, que teve sua re-estréia depois da Copa retardada por uma muito mal explicada transferência fracassada pro Oriente Médio, que ainda teve direito a uma semana de sumiço na Disney, voltava de longo período de contusão, depois de ter atuado apenas 13 minutos contra o São Paulo, ocasião em que disse ao mundo (e aos médicos do Palmeiras) que o problema era uma fratura no nariz – ocorrida dias antes – e não a coxa, essa sim, que o tirou de campo todo esse tempo. Desde a Copa, que acabou há 60 dias, ele jogou até aqui 50 minutos…

Todo esse contexto já fez boa parte da torcida nem sentir raiva do árbitro quando o camisa 10 foi expulso, tamanha a consciência de que nem precisava de replay pra saber que ele tinha feito mais uma fuleragem com o Palmeiras.

Mas aí, pra piorar ainda mais a própria situação, eis que ele decide explicar nos microfones o lance: “Fiz cagada, peço desculpas e peço que não peguem muito pesado…”

Ah, Valdivia, puta que o pariu! Se tinha alguma chance de o jogador não ser suspenso por trocentos jogos, ela foi jogada na latrina com a declaração e confissão da agressão. Podiam falar que foi sem querer, que ele tropeçou, que tentou apoiar o pé mas não conseguiu, que foi um lance de jogo, enfim, nenhuma dessas defesas, por mais que fossem argumentos pra brigar com uma imagem clara da agressão estúpida, poderão concorrer com a confissão imbecil e desnecessária da própria cagada.  

E aí é que fica a dúvida: se o Valdívia, assim como o palmeirense, tá cansado de saber que a Justiça Desportiva é implacável com o Palmeiras e com ele, tendo inclusive suspendido o jogador por confessar que forçou o terceiro cartão amarelo – coisa que tantos outros fizeram e não aconteceu absolutamente nada, né Rizek? – fica “difícil” dizer se a entrevista dada depois do jogo do Palmeiras foi burrice, honestidade, ou simplesmente a mais pura safadeza pra ganhar mais alguns dias de mamata e sem honrar o salário astronômico que pagam pra ele jogar bola..

Eu ia até subir uma enquete aqui, mas, honestamente, qual o propósito disso? Opinião, cada um tem a sua, e em se tratando de quem é, a relação da torcida está dividida entre amor e ódio profundos, ou seja, a enquete ia dar empate e embate, com o perdão do trocadilho.

Mas, não posso deixar de dizer pros que gostam do meia, sigam venerando ele daí, que eu sigo venerando só o Palmeiras daqui. Acordem…

AVANTI PALESTRA!

Xau, Valpinga!

Ame-o ou odeie-o, está chegando ao fim o ciclo de um dos camisas 10 mais polêmicos que o Palmeiras já teve.

Quando esse blog foi criado, Valdivia tinha chegado fazia questão de meses, e a cega confiança sobre o meia ainda restava indene de dúvidas.

Com o passar das rodadas, das contusões, das noitadas, do compromisso quase nenhum com o clube que pagava seu gigantesco salário, pelo menos pra mim, a confiança foi dando lugar a um ódio profundo. Quantos e quantos jogos o Palmeiras precisou dele nesses 4 anos e o cara ou tava no DM, ou em campo simplesmente não correspondendo?

De qualidade indiscutível, quando queria jogar, podia ser facilmente apontado como o melhor camisa 10 em atividade no Brasil. Mas quantos foram esses jogos? 5? 10? Não pode ter sido muito mais que isso.

Como vêem, estou aqui pra engrossar o coro daqueles que estão aliviados com a saída do jogador. Já vai tarde, muito tarde. E quem acha que ele era ídolo, só lamento, mas falta um pouco de conhecimento da história dos homens que já vestiram nossa camisa, como Marcos, Evair, Leivinha, Dudu, Ademir, Cesar, Oberdan entre tantos outros que estão a mil anos luz à frente do chileno nesse quesito.

Até respeito quem o idolatra, numa lembrança justa daquilo que o Valdivia jogou na sua primeira passagem pelo Palmeiras, entre 2007 e 2008, tantos e tantos lances humilhando os bambis e os gambás. Chute no vácuo, dancinha na frente do goleiro de Hockei, chororô, a dança do siri, lembro de cada um desses dias…

Mas na sua segunda passagem por aqui, muito pouco disso se viu… Pelo contrário, quando estava em campo, quantos e quantos não foram os cartões amarelos imbecis que os tiraram de campo dos já poucos jogos em que tinha condições físicas de atuar? Quantos jogos ele esteve à disposição no BR 2012, enquanto o time rumava ladeira abaixo pro segundo maior vexame de sua história? E a expulsão infantil na primeira partida da final da Copa BR daquele ano? 

Enfim, esse post era pra ser curto.

Resumindo, Valpinga já deu o que tinha que dar no Palmeiras, vendê-lo era mais do que necessário pra compensar uma parte do prejuízo que o Palmeiras teve em trazê-lo de volta, e quem sabe agora o time possa investir num novo camisa 10, menos badalado e mais disponível, e que tenha consciência da responsabilidade que é vestir a dez que já foi um dia de Ademir da Guia.

Segue o jogo.

AVANTI PALESTRA!

No Fundo do Poço, e Cavando

Caminhamos para o fim do futebol, senhores.

Chega a notícia de que o camisa 10, o Pingaiada, digo, o Valpinga, digo, o Valdivia, foi punido com 02 jogos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva, por ter forçado o terceiro cartão amarelo no jogo contra o Paraná. O lance foi a julgamento porque o meia, burro pra carai, anunciou que ia tomar o terceiro cartão antes do jogo e ainda fez piada sobre o fato no fim da partida.

Dois pontos são importantes para a conclusão que empresta título a  esse texto.

O primeiro é que, forçar o cartão é tão ou mais velho que andar pra frente. Não foi o Valdívia quem inventou. Faz parte da malandragem do futebol, sempre que o jogador é convocado, sempre que está na antevéspera de um clássico ou jogo decisivo, os jogadores forçam o cartão pra cumprirem a punição durante a ausência temporária. Cumprem a regra do campeonato e não prejudicam o time. Pronto, assunto encerrado.

Tem uns que forçam o cartão pra não precisar jogar na rodada do Carnaval, pra não ter que viajar pra muito longe, enfim, pra toda e qualquer coisa. Nada que mereça muita atenção.

Forçar o cartão faz parte do jogo, assim como o time pequeno que faz um gol no time grande e passa a fazer cera o resto do jogo, revezando na botinada, fazendo o famoso rodízio de cartões, tudo isso faz parte da malandragem do futebol em geral. É parte do DNA do esporte.

Pra não ficarmos presos a clubismos, pra não acusarem esse texto de teoria da conspiração palestrina, peço que assistam ao lance abaixo:

Na última rodada da fase classificatória da Copa do Mundo de 1962, o Brasil perdia pra Espanha por 1×0, num jogo em que o derrotado voltava pra casa. Foi aí que Nilton Santos, logo depois de cometer o penalti do vídeo acima, deu dois passos pra fora da grande área, e enganou o juiz, que marcou falta no lance. Aquela altura, um gol poderia ter fechado o caixão brasileiro, e o resultado seria uma estrela a menos na camisa da seleção.

Não fosse a malandragem, o Brasil talvez não tivesse sido campeão do mundo de 1962, assim como a Argentina talvez não teria levantado o caneco em 1986:

El Pibe, por sinal, ao final do jogo disse sobre o gol que “Lo marqué un poco con la cabeza y un poco con la mano de Dios”, mas não teve STJD nenhum pra ir lá e anular o gol do Maradona e que poderia ter decretado não ter valido de nada um dos gols mais antológicos na história do futebol (não o demão, mas o segundo, que desempatou a partida). Já parou pra pensar no estrago?

Permitir, portanto, que um Tribunal privado formado por gente que nunca tirou um contra na rua com gol caixote, passe a exercer o fiel da balança entre o bem e o mal, a dizer o que é certo ou errado dentro de campo, a punir a malandragem tão antiga quanto o próprio futebol, é sepultar mais de uma centena de anos daquilo que faz o futebol ser o que ainda é hoje.

O segundo ponto é que um episódio como o de hoje mostra o quanto o rabo está balançando o cachorro no futebol. Autorizar que um apresentador de TV influencie na punição de um jogador de futebol, sem que o próprio árbitro da partida tenha incluído qualquer relevância ao cartão amarelo do atleta na súmula, é o fim dos mundos.

Com o Palmeiras, não é novidade. Já tivemos até delegado da partida anulando gol depois de ter sido avisado da irregularidade do lance pela repórter de campo:

Vejam só que curioso o Sr. André Rizeck dando a entender no video acima que os recursos de TV não podem influenciar as decisões do árbitro da partida. Já influenciar as decisões do STJD, tipo assim, ligando pro presidente do Tribunal pra dedar uma das coisas mais manjadas do futebol, isso parece não ter problema nenhum…

Pois então, quando o jornalista que devia estar ali só pra comentar o jogo começa a influenciar resultado de partidas, a provocar punições pros jogadores, enfim, a participar do jogo – e de forma absolutamente parcial, sem esconder a vontade de prejudicar o rival do time do coração – é que alguma coisa está muito errada.

Fico imaginando Mario Filho, Armando Nogueira, Fiori Gigliotti e tantos outros grandes nomes do jornalismo esportivo se revirando nos seus túmulos de ver tamanho absurdo.

Começa que esse senhor, feito o estrago, sequer teve a coragem de assumir o que disse na oportunidade, adiante reproduzido:

Foram várias vezes que se repetiu “ELE BURLOU A REGRA DO JOGO”, “ELE AGIU DE MÁ-FÉ”, “ELE BURLOU O ESPÍRITO DO CARTÃO”, e blablabla. Isso é defender a punição, especialmente depois de entrevistar o presidente do Tribunal, certo?

Errado, pelo menos pro proprio jornalista:

E esse é o grande problema. Esses Andrés Rizeck que aí estão ultrapassam os limites das redações esportivas, transcendem do outro lado do microfone, e passam a virar protagonistas, interferir nos resultados das partidas, na punição dos jogadores, muitas vezes pautados por suas preferências clubísticas ou pela pauta das emissoras.

Some-se a isso os tira-teimas, os comentaristas de arbitragem, as bolas com chip,  e em breve o futebol virará aquele jogo monótono e bizarro tipo futebol americano, que o jogo pára 3 minutos pro juiz assistir o VT e depois decidir se teve ou não o first down.

Se já não bastasse as emissoras ditarem os horários esdrúxulos das partidas – pergunte a um argentino o que ele acha do horário e ele vai te perguntar porque brasileiro gosta tanto de novela – de criarem bizarrices como João Sorrisão e congêneres, agora vão pautar decisões de tribunal desportivos, resultados de jogo e por aí vai o futebol pro ralo.

E ainda há quem critique o ódio eterno ao futebol moderno. Tristes de vocês que não tiveram chance de assistir uma partida de futebol no Século passado…

Pobre futebol.

AVANTI PALESTRA! 

 

Que la chupen, y que la sigan chupando

A célebre frase acima pertence a Diego Maradona, e foi proferida logo após o jogo que culminou na desacreditada classificação da seleção argentina para a Copa do Mundo da África do Sul.

Uma tradução não tão chula – se é que é possível – seria “que se fodam e que continuem se fodendo”, dirigida aos jornalistas esportivos que tanto duvidaram de El Pibe no comando da escrete dos hermanos.

Num outro contexto, essa frase encaixaria perfeitamente ao compromisso do Valdivia para com o Palmeiras e sua torcida.

Convocado para servir a seleção depois de ter perdido nada menos do que os últimos 11 (O-N-Z-E) jogos pelo Palmeiras, o gringo queria ter sido liberado, afinal, no começo do ano deixou claro que sua meta pessoal era voltar à seleção de seu País, a Venezuela, ops, o Chile, não pera…

Enfim, a diretoria do Palmeiras não o liberou, afinal, i) era um jogo amistoso e não era uma data FIFA, e ii) o Palmeiras está em fase decisiva nas duas competições que disputa e nas quais não pôde contar com o chileno nos últimos 11 (ONZE, eu disse ONZE) jogos.

Um dia depois do que teria sido seu retorno à seleção chilena, eis que o jogador pede pra ficar de fora dos próximos 02 jogos decisivos do Palmeiras, nos próximas dias 26 e 30 de abril. Alega FALTA DE CONFIANÇA, embora os exames clínicos apontem recuperação da lesão que o tirou dos últimos 11 (ONZE, isso mesmo, ONZE) jogos do Palmeiras.

Alguém me explica, porque provavelmente eu sou muito BURRO pra entender: Tinha CONFIANÇA pra jogar pela seleção, não tem mais pra jogar pelo Palmeiras, confere produção?

E, há um mês atrás, o CEO dando entrevista de que o chinelo seria O Cara do Palmeiras em 2013… Alow, Brunoro, já foi um terço do ano, amigão!!!!!!

Ah, mas faltou confiança…

Confiança? Confiança é o CARALEO! Ah se sou eu que ligo no trampo e falo que hoje não tô confiante pra ir trampar, AHAHAHAH

Devia era faltar confiança na hora de pagar o salário desse puto, isso sim.

Pra mim já chega desse pinguço, e já faz tempo. Resta ver se a Gestão Profissional, que agora é a palavra da moda nas Alamedas, vai adotar as medidas que se espera quando se tem um colaborador de performance deficitária no staff.

Enquanto isso, o Palmeiras, e os palmeireses, que la chupem, y que la sigan chupando.

Certa é a Thati Sinetti, que deixou bem claro pro vagabundo como pensam os palmeirenses… Resta a massa seguir a mesma linha:

VAZA VALPINGA! 

Encontrado!

UFA!

Tudo não passou de um pesadelo pra parte da nossa torcida fã incondicional do pudim de cana Valpinga, ops, do jogador Valdivia: ele foi encontrado!

E está tudo bem com ele, graças a Deus! AMÉM!

Alguns diziam que ele estava tratando do joelho lesionado que não o deixou jogar desde 06 de outubro passado, ou então da fibrose na coxa esquerda que o tirou de mais da metade dos jogos disputados pelo Palmeiras desde o seu retorno, no segundo semestre de 2010.

Mas não foi nada disso.

O Mago decidiu mudar de carreira, já que no futebol as coisas não estão indo lá muito bem, a não ser o salário formidável que pinga todo mês na conta do chinelo, ops, chileno.

No melhor estilo Juanes, Valdívia vai virar cantor. Isso mesmo, moçada, e o vídeo abaixo não me deixa mentir a carreira já começou:

Sim, ainda falta muito pro cachaceiro, ops, atleta, poder se chamar de cantor, mas, sem dúvida, ele já é muito mais “artista” do que jogador de bola…

E, com isso, já dá pra ter uma boa idéia do quanto esse safado, ops, aliás, é SAFADO mesmo, vai fazer pelo Palmeiras em 2013…

Acorda Palmeirense, isto é, os POUQUÍSSIMOS que ainda não acordaram! Chega de vagabundos!

AVANTI PALESTRA! 

SINVERGÜENZA!

Ei, Valdívia! Pra Fora do Verdão!

Esse venezuelano sem-vergonha faz o Pedrinho parecer o Homem de Ferro…

Por isso, chega! Ele é carta fora do baralho.

Alow, Bigode, promove um moleque da base pro grupo e começa a colocar o Carmona pra jogar. E manda o chinezuelano ir tomar na bunda dele lá no Chile/Venezuela ou onde quer que o aplique dele cole. Aqui já deu.

FORA VAGABUNDO!

AVANTI PALESTRA!

PorcoNews n.72

Buenas, palestras! PorcoNews atrasa mas não falha.

WESLEY

Passada uma semana do lançamento da “vaquinha” para contratar o jogador Wesley, a campanha arrecadou até agora R$ 363.100,00. UFA! Só faltam R$ 21.014.200,00… Não se podia esperar nada diferente. Afinal, o departamento de marketing conseguiu superar, e muito, o desastroso lançamento do AVANTI, que pra quem não lembra ocorreu em novembro de 2009, o Palmeiras ia deixando escapar pelos dedos o título do brasileiro e o programa foi apresentado no intervalo de um jogo que o Palmeiras perdia em casa pro Sport por 2×0. Coisa de gênio.

Dessa vez resolveram lançar a campanha no início de um clássico, mas a coletiva de explicação da vaquinha só ocorreu 02 dias depois. Quem acessou o site logo no primeiro dia e viu que os 13,8 milhões de reais (€ 6MM) tinham virado 21 milhões ficou sem entender nada e, na dúvida, acharam que estavam sendo ludibriados. SEN-SA-CIO-NAL!, diria meu parceiro Robgol…

Mas não é só. Uma campanha dessas não pode ser lançada da noite para o dia, sem uma pesquisa de mercado, sem um norte. Desse jeito, deram um tiro no escuro, e acertaram o próprio pé. Uma campanha dessas tem que ser muito bem planejada e, obviamente, não pode ser usada em qualquer caso.

Minha primeira objeção é justamente por ter sido usada para trazer o Wesley. Nada contra o jogador, pelo contrário, acho que vai cair que nem uma luva no esquema tático do Bigode. Mas, definitivamente, Wesley não é um jogador pra esse tipo de campanha, porque i) não tem nenhum vínculo com a torcida; e ii) não tem currículo suficiente pra que o torcedor se sinta na obrigação de ajudar na sua contratação.

Mas não é só. Antes de pedir ajuda à torcida, o clube tem que olhar o que está fazendo pra ajudar a galera da bancada. O palmeirense hoje paga um valor absurdo pra assistir o jogo, em muito porque não existe um programa de sócio torcedor decente e o que tinha foi suspenso, sem data pra voltar. O sócio do clube não pode eleger o presidente da sociedade. Isso só pra citar alguns exemplos mais imediatos.

Pago a mensalidade do clube e o Avanti, compro pelo menos 02 camisas oficiais por ano e vou a quase todos os jogos do Palmeiras aqui em São Paulo. Eu faço a minha parte. Se quiserem mais dinheiro meu, vão ter que merecer primeiro. Simples assim.

Quem quiser entender melhor sobre a campanha, o Verdazzo! fez dois posts muito esclarecedores. Veja aqui e aqui. E no Forza Palestra, uma resposta muito bem articulada ao vice presidente frasista que, no lançamento da campanha mandou um “quem ama, doa.”

Pra completar o fiasco, toma mais essa: Wesley dificilmente jogará o Paulistão. Realmente…

VALPINGA VOLTA

E o enganador está de volta. Apenas até a próxima contusão de 25 dias, é claro. Pelo menos uma boa notícia. Vai ficar no banco, de onde vai ter que merecer pra poder sair. Minha paciência com esse comédia acabou. Nunca se pôde contar tão pouco com um jogador que custou tão caro aos cofres do clube. Enquanto isso Daniel Carvalho, tão cornetado por causa do peso – inclusive aqui –  vai merecendo a titularidade incontestável. E num time que não joga com 2 meias nem por decreto, o ex-Mago tem mais é que esquentar o banco mesmo. Pelo menos assim ele não machuca. Vai ter que ganhar a torcida de novo, gringo sem vergonha.

FESTA DA GAVETA

É amanhã! Venha participar da Festa da Gaveta e comemorar o primeiro aniversário que o pedido de Diretas Já completa dentro da gaveta do Sr. Vergamini, também conhecido como Vergaveta. É 11 horas da manhã, lá na Turiassu, antes do jogo do Verdão contra o São Caetano no Pacaembu. E tem muita gente boa apoiando a iniciativa pelas Diretas Já no Palmeiras:

TEM JOGO! PALESTRA X SÃO CAETANO, PAULISTÃO 12, R. 12 

Amanhã, 16 hs, depois da Festa da Gaveta, o Verdão enfrenta o São Caetano pela Rodada 12 do Paulistão. Leandro Amaro e Artur, suspensos não jogam. Assunção volta, assim com o chileno chinelo, que deve esquentar o banco de reservas. Assim, o Palmeiras enfrenta o Azulão com Deola, Cicinho, Román, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vitor e Daniel Carvalho; Maikon Leite e Barcos.

Ainda é uma incógnita quem joga no Azulão: Luiz, Marcone, Jorge Luiz, Eli Sabiá (Preto Costa) e Vicente; Augusto Recife, Moradei, Ailton e Marcelo Costa(Kleber); Geovane e Isael (Pedro Júnior).

Palpito do Maluco é de 3×0, gols de Barcos, Daniel Carvalho e Assunção.

FORÇA RAULZITO!

Este blog foi criado há um ano e meio atrás sem qualquer pretensão que não fosse dividir com os amigos e torcedores as opiniões sobre o dia a dia da SEP e, principalmente sobre a visão do torcedor de arquibancada, que acompanha o time pra cima e pra baixo e vive e respira Palmeiras 24 horas por dia. 

A caminhada do Maluco pelo Palmeiras nesses 18 meses acabou agregando muitos novos amigos a este blogueiro, conhecidos ali nas imediações do Palestra, do Pacaembu ou na quadra da Mancha Verde. Muita gente boa, muita gente maluca pelo Palmeiras e cujas opiniões muitas vezes são refletidas nos posts e comentários publicados por aqui.

E um desses caras é o Raulzito, que muitos de vocês também conhecem, muleque presença e do mais ponta firme, que eu tive a chance de conhecer pela primeira vez no Palmeiras e Goias da Sulamericana de 2010. De lá pra cá foram poucos os jogos do Verdão no Pacaembu no Canindé ou onde quer que fosse que não dividimos o alambrado e os momentos de alegria e de decepção que só o Palmeiras sabe proporcionar.

No último domingo, o Raulzito sofreu um grave acidente de carro e passou essa semana inteira em estado grave na UTI do hospital.  Ontem, a melhor notícia que eu recebi desde que descobri que ia ser pai de gêmeos, foi que o Raul tá reagindo e, se San Gennaro quiser – e ele vai querer, logo mais estará de volta ao lado da família e da gente, fazendo a nossa vida mais feliz. 

Quem conhecer o Raul e quiser acompanhar a evolução dele, a mãe do Raulzito tem postado diariamente atualizações do estado dele no Facebook. E assim que ele puder receber visitas, vamos marcar de uma galera ir visitá-lo e passar aquele calor que só nossa torcida sabe.

AVANTI RAUL!

%d blogueiros gostam disto: