Arquivos do Blog

Palmeiras 3 x 0 Rio Claro – Paulistão16

A preocupação era grande com a possibilidade de mais uma derrota, a quinta seguida, afundar de vez o Palmeiras no Paulista, e significaria ainda risco efetivo de rebaixamento. Pra completar, o adversário de hoje estava em último na tabela, o que, ao longo dos últimos anos, se tornou um prato cheio pro Palmeiras praticar mais um vexame contra sua história e torcida: o famoso levanta-defunto…

Cheguei depois das oito no Pacaembu, quase que o trampo impede minha presença hoje no Municipal. Assumi o posto no alambrado e vi o que mais ou menos vimos em todos os últimos jogos: o Palmeiras começando pra cima, criando uma, duas, cinco chances de gol e a bola não entrando, o goleiro defendendo e o tempo passando…

Aí veio o que se tornou fatídico pro Palmeiras pelo menos nos últimos dois jogos: o primeiro escanteio do adversário. E numa falha bizarra da zaga, mais uma, a bola do corner foi desviada pro meio da nossa pequena área, o zagueiro do Rio Claro, sozinho, se jogou na bola, mas eis que dessa vez, finalmente, ela não entrou: subiu sem muito perigo e o Prass desviou para outro escanteio.

Logo depois, Robinho saiu do time com indisposição (leia-se, gorfou em campo), a Mancha cessou o protesto e começou a cantar e, já no primeiro escanteio que não foi batido pelo 27 ou pelo Egídio, Jean colocou a bola certinha na cabeça do Alecsandro, e a finalização foi de almanaque: cabeçada pro chão, bola pingando na pequena área, batendo no travessão e morrendo no gol. 1×0 Palmeiras e um peso monstro saindo das costas do torcedor.

Finalmente um intervalo de jogo sem aquele sentimento de tragédia depois do time criar, criar, criar e, a cinco minutos do fim do primeiro tempo, tomar 1 ou 2 ou (…) gols de uma só vez…

Voltou o segundo tempo e, aos poucos, o Palmeiras foi segurando as fracas investidas do Rio Claro e, nos contra-ataques, liquidou o jogo. Com um bonito gol de Gabriel Jesus e outro de Rafael Marques, que entrou no lugar do fraco Barrios, o Palmeiras fez 3×0 e respirou aliviado depois de 15 dias de derrota atrás de derrota. Foi a primeira vitória do Cuca à frente do Verdão.

Mesmo jogando contra o pior time da competição, o jogo foi tenso: só do Palmeiras foram amarelados Mateus (terceiro), Robinho, Thiago Santos, Egídio e Alecsandro. Pena que perdemos o Salles, um dos melhores em campo, ao lado de Jean, Gabriel Jesus e Alecsandro.

Agora, nada de relaxar, domingo tem Derby e é a chance que o Palmeiras precisa pra chutar a crise – e os Gambás – na bunda, e irmos pra Rosario com o peito estufado.

Pra cima Palmeiras! Pra cima Palmeeeeeirasss!

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 3 x 0 Rio Claro – Paulistão 15

Custou mas finalmente saiu a primeira vitória do Palmeiras como mandante no Allianz Parque, depois de malditas 03 derrotas e 1 empate.

Oswaldo tirou Maikon Leite e Leandro Pereira do time que começou jogando contra os Gambás, e mandou o Palmeiras pra campo com Prass; Lucas, Tobio, Victor Hugo e Zé Roberto; Gabriel, Robinho, Alione, Alan Patrick e Dudu; Cristaldo.

Apesar da ofensividade de um meio de campo formado por 1 volante e 4 meias, o Palmeiras demorou pra desenrolar o jogo amarrado que o Rio Claro, com 10 jogadores atrás da linha da bola, impunha.

Aos 32, finalmente, depois de poucas oportunidades, Cristaldo abriu o placar numa boa jogada de Alan Patrick pela esquerda, e foi só no primeiro tempo.

Aos 18 do segundo tempo, nova assistência do Alan Patrick, e gol do Zé Roberto. O 2×0 liquidava a fatura e decretava a primeira vitória do Verdão como mandante no Allianz Parque.

Oswaldo aproveitou pra tirar Allione e colocar Rafael Marques, e João Paulo no lugar do Zé Roberto. Ainda deu tempo pro Rafael Marques fazer o terceiro, num bom cruzamento de Robinho pela esquerda.

Foi um jogo fácil contra um adversário fraco. A falta de entrosamento fica evidente ante a dificuldade que o time tem de criar lances ofensivos com times pequenos que jogam fechados na defesa por uma bola, como o Rio Claro e as duas Pontes Pretas, nosso últimos adversários.

Mas com o tempo, com a estreia de Cleiton Xavier e Arouca, esse time deve engrenar. O resultado de hoje, aliás, foi importante pra manter a tranquilidade nesse início de trabalho de formação de um elenco que teve 21 saídas e 19 chegadas. Que o trabalho continue, mas sem invenções, hein, professor? Maikon Leite nunca mais!

Depois de quatro partidas na Capital, agora o Palmeiras enfrenta o São Bento em Sorocaba  – a R$ 120,00 o ingresso do visitante – ó lá o presidente fazendo escola – e depois vai a Penápolis, no dia 21, voltando a atuar no Allianz Parque apenas no dia 28, contra o Capivariano.

Público de hoje, mesmo com a revisão do preço dos ingressos, foi de 17 mil pessoas, para R$ 1,2 MM de renda. Ou seja, mais de 25 mil assentos vazios… Quem sabe esses 17 dias iluminem as mentes da diretoria e finalmente achem a fórmula correta pra fazer o estádio encher. Sugestão: corta tudo pela metade, presidente!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

 

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 0 RIO CLARO

Data/Horário: 11/2/2015, às 20h30
Local: Allianz Parque
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo
Assistentes: Anderson José Moraes Coelho e Fábio Rogério Baesteiro
Público/Renda: 17.528 pagantes/R$ 1.134.780,00
Cartões amarelos: Jaílson (PAL); Guaru (RCL)

GOLS: Cristaldo, aos 34’/1ºT (1-0); Zé Roberto, aos 19’/2ºT (2-0) e Rafael Marques, aos 39’/2ºT (3-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Tobio, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel e Robinho; Allione (Rafael Marques, aos 22’/2ºT), Alan Patrick (João Paulo, aos 29’/2ºT) e Dudu; Cristaldo (Leandro Pereira, aos 39’/2ºT). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

RIO CLARO: Richard; Vinicius Bovi, Pitty, Gilberto (Luiz Eduardo – Intervalo) e Renan Luis; Nando Carandina (Nenê Bonilha – Intervalo), Alê, Matheus e Guaru; Paulinho (Carlinhos, aos 24’/2ºT) e Macena. Técnico: Buião.  

%d blogueiros gostam disto: