Arquivos do Blog

Palmeiras 2×0 Ponte Preta – BR17

Terceiro e subindo.

Os 14 pontos viraram 9. A distância pro segundo morreu.

E FALTAM 9 JOGOS.

Imagino como deve estar a cabeça do ex-treinador vendo que dos últimos 05 gols do Palmeiras, todos tiveram participação do Keno, sendo 4 assistências, uma pro Borja que não marcava desde as primeiras rodadas do BR, e ainda fez o seu na vitória de hoje…

Maior respeito pelo Cuca mas ele estava atrasando o nosso lado.

Agora começa a fase mais decisiva do campeonato, principalmente pra gente, que teremos  Gremio, Cruzeiro e Gamba, o primeiro e o último fora de casa. Será o desempenho do Palmeiras nesses 03 próximos jogos que definirá o que ainda pode acontecer neste campeonato.

É o famoso ou vai ou racha.

Se vitórias contra Atlético/Go e Ponte Preta não devem ser consideradas grandes feitos, também não é correto negar que o Palmeiras evoluiu, os jogadores evoluíram e os resultados que não vieram nem nos jogos fáceis voltaram a aparecer.

É hora de esquecer os fracassos até aqui e focar no que ainda pode ser feito este ano, e a depender desses próximos 03 jogos, muita coisa boa pode estar por vir.

AVANTI PALESTRA!

Ponte Preta 1×2 Palmeiras – BR17

SAI ZICAAAAAA!!!!

Ja eram seis jogos sem vencer esse time salafrário que é a Ponte Preta.

E graças a uma atuação monstruosa do Guerra, mais uma, finalmente conseguimos tirar essa tiriça dos infernos.

Assim como no ano passado, toda vez que o time que o Cuca armou conseguiu os 3 pontos, eu não me preocupei em entender o esquema tático, escalação, substituições, etc. O que vale é sempre a vitória.

Mas hoje é preciso pontuar. Zagueiro improvisado na lateral esquerda (muito bem, aliás), William improvisado de 9, Erik improvisado de jogador, no 2T Fabiano improvisado de volante… Depois de tudo isso, San Gennaro deve estar exausto de tantas preces que ouviu hoje…

E se o Cuca sabe o que faz, e a gente confia demais que ele saiba mesmo, fica muito difícil de entender a opção do treinador em sempre deixar no banco o investimento mais caro do clube para esta temporada. 

Ao deslocar o William pra jogar no meio dos dois zagueiros, o que ele efetivamente não sabe fazer, o Palmeiras perde duas vezes: na referência, onde ele é inoperante, e na ponta em que ele poderia estar rendendo muito mais do que o Erik, por falta de capacidade, consegue.

E olha que o Erik ainda arrematou uma assistência de calcanhar, pro segundo gol do Guerra, mas o conjunto da obra é muito, mas muito negativo.

E faltando pouco mais de 10 minutos pro jogo acabar, lá foi o Borja pro campo substituir o Guerra. Num jogo em que ele poderia ter sido fundamental, o nosso 9 ficou 80 minutos no banco olhando William fora de posição e o Erik assessor de lateral – como diz o Tostão – jogarem…

Complicado, mas, enfim, os 3 pontos vieram então All Hail King Cuca! Que fique o registro, porém: Borjão precisa jogar, professor!

Pra sequência do campeonato, perdemos Mina, Guerra e Tche Tche pro jogo contra o Gremio. Se o Cuca tava pensando em poupar, já não vai ter muita escolha sem a espinha dorsal do time.

Antes disso temos o Cruzeiro em casa pela CdB, e depois começamos uma maratona sinistra com Liberta e jogos cascudos no BR um atrás do outro.

O bom é que com essas 03 vitórias seguidas, e o que era pra ser uma quina, não fosse o juiz safadeeenho do jogo da Vila, o Verdão está crescendo na hora certa, chegou no 4o lugar depois de estar em 16o.  Estamos chegando, e ai já viu…

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×0 Ponte Preta – Paulistão17

Antes do jogo tive a tristeza de acompanhar o velório do irmão de um grande amigo palmeirense, que aos 54 anos foi cedo demais acompanhar o Palestra lá de cima. Descanse em paz, Álvaro e força pra sua família, Nandão…

Sobre o jogo, finalmente o Palmeiras venceu a maldita Ponte Preta no Allianz Parque. O resultado, todavia, não foi o bastante pra garantir o Verdão na final do Paulistão.

Quase 40 mil palmeirenses ficaram a cargo de dar o combustível que o time precisava da arquibancada, mas em campo as coisas não fluíram do mesmo jeito.

O Palmeiras enfrentou – como era de se esperar – uma Ponte Preta preocupada apenas em se defender, abusando das faltas e que contou – como também já esperado – com a conivência do péssimo Rafael Klaus, que teve influência decisiva no resultado ao não marcar dois penaltis claros pro Palmeiras, um em cima do Jean no 1T e outro no Dudu no 2T.

Mas, é como eu sempre digo aqui, se for pra depender de juiz acertar pra gente, o Palmeiras vai se foder 11 de cada 10 vezes…

Também precisa ser dito que o Eduardo Baptista, assim como em Campinas, teve participação direta em nosso insucesso. Na semana passada colocou um time cansado contra uma Ponte Preta com o butijão cheio de uma semana de descanso; demorou demais pra mexer e quando o fez, foi pra colocar um morto-vivo como o Alecsandro em campo, foi ridículo.

Hoje, de novo foi mal: esperou uma eternidade pra mexer no time e, precisando ganhar o jogo de 3, me tira o melhor atacante pra colocar o William improvisado de centroavante, o que a gente tá cansado de saber que não funciona.

Não dá pra entender porque o Keno, nessas duas partidas, jogou menos de 30 minutos. Podia muito bem ter sido titular tanto lá em Campinas como aqui. Michel Bastos idem, não pode ficar de fora e, se ficar, não pode entrar só na metade do 2T.

No fim, o que pesou mesmo foi a atuação trágica e azarada do primeiro jogo. Por pior que o Palmeiras tenha jogado lá, 3×0 não foi um resultado justo, demos um puta azar, principalmente no terceiro gol, aquela tragédia. Um 2×1 teria sido muito mais verdadeiro e a essa altura estaríamos todos bêbados abraçados na r. Caraibas e comemorando a classificação do Verdão pra mais uma final, possivelmente contra a carniça, o que seria ainda melhor…

O que preocupa é que jogamos fora o Paulista mais fácil dos últimos 10 anos, dava pra ganhar jogando até com time misto, e perder a chance de jogar a final contra um rival porque não conseguiu passar de uma bosta feito a Ponte Preta é pra acender a luz de alerta na diretoria.

A cobrança tem que ser severa em time e comissão. Não pode o melhor elenco do País, com todo esse investimento, ser eliminado de forma tão juvenil como foi.

Se o foco desse ano não era o Paulistão, e não era mesmo, o olhar do palmeirense se volta pro desempenho na Libertadores, em que os 7 pontos conquistados num dos grupos mais fáceis da competição o foram a custo de suar sangue, primeiro com um empate fora de casa contra o pior time da chave (tudo bem que com um a menos o jogo todo, mas mesmo assim dava pra ter ganho), e depois com 2 vitórias em casa conquistadas na bacia das almas, nos últimos segundos do jogo…

Em resumo, era pro Palmeiras estar sobrando na Liberta, e pelo menos na final do Paulistão. Ou seja, daqui pra frente os resultados tem que ser mais convincentes, ou já é hora de começar a mudar.

E sem tempo pra respirar, quarta-feira já tem pedreira em Montevideu, acorda EB…

AVANTI PALESTRA!

Ponte Preta 3×0 Palmeiras – Paulistão 17

Pro bem geral, meu e de vocês, falemos desse jogo somente no sábado que vem.

Vamos buscar. Do lado de lá é só a Ponte Preta, é só o modesto Gilson Kleina.

Eu farei minha parte na bancada, que os jogadores e treinador façam a deles em campo.

AVANTI PALESTRA!

Ponte Preta 1×0 Palmeiras – Paulistão17

Sem comentários perder pra essa maldita Ponte Preta.

Sem comentários mesmo. 

Escalação pífia – Erik de tirular e Keno no banco, por exemplo – somada a uma desastrosa atuação pelo lado esquerdo da defesa e ainda um bocado de falta de sorte no chute de fora da área do Veiga que parou no travessão e numa defesa improvável do Aranha – sempre mão de alface contra o gambá – em chute certeito do Hyoran.

Enfim, jogo péssimo, como já tinha sido fraco o último e hora de ter atenção. Melhor campanha não vale nada senão vantagem de mando de campo.

Vantagem que podia ser de 3 vitorias e 7 pontos e caiu pra 1 vitoria e 1 ponto.

Mas acredito que o time e comissão aprenderam a lição. No domingo tem que liquidar o NH pra não ter dor de cabeça no jogo da volta no Pacaembu. 

Pra cima deles!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2x2Ponte Preta – BR16

Mais um puta vacilo do Palmeiras. Inadmissível somar 1 ponto de 6 possíveis contra um time absolutamente medíocre, hoje e sempre, como essa porra de Ponte Preta. Se for olhar todos os campeões de pontos corridos, aposto que ninguém foi tão mal contra a Ponte Preta como o Palmeiras.

E apesar dos desfalques, não tem como aliviar a barra do treinador, porque a culpa é dele e de quase mais ninguém por um resultado ridículo como o de hoje. Começa por escolher Rafa Marques pra começar como titular, e termina nas saída do Cleiton Xavier e entrada do Thiago Santos no segundo tempo.

Contra o Coxa, no primeiro turno, o Palmeiras ganhava o jogo fora de casa e Cuca resolveu fazer a mesma substituição covarde: tirar um atacante pra colocar um jogador que só marca. Lá em Curitiba, e hoje, aqui de novo, o castigo não tardou a vir. Tomamos o empate nos dois jogos.

E o que mais surpreende no Cuca, é que ele faz esse tipo de escolha sempre quando jogamos com times pequenos, e isso não costuma se repetir nos jogos contra os times grandes. Vai entender o que pensa nosso treineiro…

Hoje, com menos de 1 minuto que o Cuca tinha tirado o Roger Guedes pra colocar o Thiago Santos, última alteração, tomamos o gol. E aí o Palmeiras já não tinha mais um armador de ofício, CX já tinha saído pra entrada de Allione, e dos três atacantes, estavam em campo apenas Dudu e o inútil Rafa Marques.

Ou seja, o Palmeiras levou o empate e não tinha mais o poderio ofensivo necessário pra reagir. Tudo porque o Cuca quis segurar o resultado contra um adversário mais fraco. Abriu mão de matar o jogo pra privilegiar a marcação, num jogo em que dava pra ter feito 3, 4 gols tranquilamente…

Mas o Cuca não cagou sozinho, Vitor Hugo e Thiago Martins teriam sérios problemas pra deixar o campo se o jogo de hoje tivesse sido numa várzea da vida. Falhas bisonhas, imperdoáveis. E o Dracena no banco, hein professor??

Galo e Flamengo ganharam, o que tornava nossa vitória importantíssima, principalmente porque o Santos depois iria perder, e teríamos colocado 4 pontos de vantagem. Como os lambaris perderam, ficamos 2 na frente do Galo, mas com aquela sensação tremenda de vacilo que time que quer ser campeão não pode dar.

Enfim, a cagada já tá feita, que seja a última, porque daqui pra frente qualquer fraquejada dessa pode ser definitiva pra continuação do campeonato. Ainda bem que ainda tínhamos gordura pra queimar. Seguimos líderes mesmo depois dos desfalques dessa maldita Olimpíada. E o Jesus segue artilheiro ahahah

Que esses pontos jogados fora hoje voltem contra o Fluminense no Rio de Janeiro. Com Jesus em campo, e com uma mudança significativa principalmente na defesa, espero muito mais do verde do que foi visto hoje.

AVANTI PALESTRA!

 

 

Ponte Preta 2×1 Palmeiras – BR16

Sabem porque o Palmeiras nunca foi campeão brasileiro por pontos corridos? Por causa de jogos como o de ontem.

A Ponte Preta dificilmente deixará de brigar nesse campeonato para não ser rebaixada. Qualquer time que pretenda ser campeão precisa fazer pelo menos 4 pontos contra a Ponte, o ideal mesmo seriam 6.

E aí vem o Palmeiras e perde pra maldita Ponte Preta. Esses 1 -ou 3 – pontos perdidos ontem vão fazer falta.

E o pior é que o jogo começou com o Palmeiras criando uma, duas, três chances claras de gol antes dos 10 minutos de jogo. Duas puta defesas do goleiro da Ponte – o mesmo que irá, daqui a algumas rodadas, entregar o jogo pra algum rival na disputa pela liderança – e o nosso gol não saiu.

E o Palmeiras esfriou um pouco. De diferente do jogo anterior, o time parecia muito prejudicado pela ausência de Barrios, que na última partida teve função tática importantíssima tanto no pivô como na facilitação da passagem da bola pelas pontas no ataque.

Alecsandro, o substituto, em nada correspondia o paraguaio. Praticamente não tocou na bola no ataque, e foi quem errou nas duas jogadas de gol da Ponte.

Primeiro, numa bola parada, o jogador da Ponte entrou sozinho, entre ele e o Jesus, pra fazer sem dificuldade de cabeça. Depois, numa bola enfiada pela direita, nem sei o que ele tava fazendo ali, mas foi quem deixou o jogador da Ponte cruzar pro mesmo camisa 11 fazer o segundo.

Segundo tempo o Cuca tirou os dois piores, o Alecsandro e o Mateus Salles, e voltou com Dudu e Rafael Marques. Não deu certo. Dudu, quase 60 dias sem jogar, foi burocrático, e o Rafael Marques, também não entrou no jogo com tesão.

Aos 15, Cuca tirou o Roger Guedes, também muito apagado no jogo, e colocou o Moisés. E aí, sim, o futebol do Palmeiras começou a aparecer. As chances foram aparecendo, o Palmeiras foi pressionando até que aos 39, numa bola que o zagueiro cabeceou pra trás – e, portanto, não tinha impedimento – Jesus fez o gol, mas o péssimo bandeirinha parou o lance e o pior ainda Vuaden anulou.

Aos 43, o que seria nosso gol de empate, veio num rebote de cobrança de escanteio, Moisés fez e colocou o Palmeiras de volta no jogo, mas não deu tempo de fazer o segundo.

Numa atuação bem fraca da defesa, principalmente dos laterais, o Palmeiras não conseguiu reproduzir as boas atuações que já rendiam oito jogos sem derrota. O time ainda se ressente de um centroavante de qualidade pra quando Barrios não jogar, e o Alecsandro – que até vinha bem – ontem deixou claro que nem sempre vai dar conta do recado.

E duas coisas poderiam ter feito diferença ontem: se o Cuca tivesse colocado o Moises desde o começo do segundo tempo, ao invés do inútil Rafael Marques, e se o bandeirinha não tivesse operado o Palmeiras num lance fácil, pelo menos 1 ponto estaria garantido.

Paciência, pé no chão e pra cima do Fluminense.

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 0x1 Ponte Preta – BR15

Mais um episódio pavoroso na história do Palmeiras foi testemunhado hoje por 28 mil pobres coitados.

Primeiro, por mais uma atuação nefasta da arbitragem dentro da nossa própria casa, e não há quem se indigne, não há um maldito dum representante da Sociedade Esportiva Palmeiras pra cobrar, em público, uma semvergonhice dessas, mais uma, praticada contra a nossa instituição.

E o time vai no embalo da diretoria, ninguém se indigna, ninguém reclama com o juiz, ninguém pressiona, pra eles foda-se, tanto faz como tanto fez… O emblema dessa porra toda é o Sr. Gabriel Jesus, devolvendo a bola pros vagabundos de Campinas depois de mais de 02 minutos de jogo parado prum corno daqueles ficar fazendo cera. Alo, Gabriel, Edmundo não foi ídolo no Palmeiras porque era um bom rapaz não, viu? Torcedor quer ver sangue nos olhos e ódio ao adversário, principalmente quando estão de putaria. Vai devolver bola lá na casa do caralho!

Esse é o primeiro motivo da derrota de hoje, que, não fosse o juiz e o time sem brio nenhum, seria um empate safado e canalha de um time extremamente mal montado e sem padrão tático nenhum – o segundo motivo.

É digno de muita reflexão e muito estudo do que pode levar um treinador a, depois de 10 dias de treinamento, depois de ter levado uma surra sem precedentes de um time que estava na zona do rebaixamento, ter mandado a campo Alecsandro e João Paulo, de ter deixado Allione no banco, de ter tirado o Dudu, enfim, de ter contribuído diretamente pra essa merda toda que se viu em campo. 40 lançamentos defesa-ataque, sendo que 27 foram errados, 27 cruzamentos na área, 21 errados, e por aí vai…

Isso porque o time folga dois dias depois de jogos, afinal, com esses números, quem precisa treinar, né?

Como que esse cara foi bicampeão brasileiro?? Começo a pensar que o Cruzeiro conseguiu essa façanha, apesar dele… Não é possível tantos e tantos jogos com as peças erradas na escalação, sem padrão nenhum e, como hoje, errando absurdamente nas substituições também. O cara tá aí há 20 e poucas rodadas e ainda não sabe montar o time, cazzo????

E o terceiro motivo e, pra mim, o verdadeiro campeão, é a lastimável preparação física e a situação vergonhosa do departamento médico do clube, que é incapaz de colocar Fellype Gabriel e Cleiton Xavier em condições de jogo (o primeiro já está há quase um ano no clube e ainda não conseguiu nem estrear), que tem Arouca e Robinho entrando e saindo do DM a cada 3 rodadas, enfim, aquela bosta toda que nós já sabemos.

O mais curioso é que o departamento médico do clube é o mesmo desde mil novecentos e guaraná com rolha e não há um Cristo que olhe pra isso com um pouco mais de atenção.

Investem em cientistas, softwares, fazem congresso e os carario a quatro, mas não há no universo um departamento médico tão lotado de jogadores que nem no Palmeiras…

Enquanto isso nossos 3 melhores jogadores seguem fora de combate, temos os dois melhores volantes do Brasil marcando as enfermeiras do DM, e os 03 meias do elenco CX, Fellype e Robinho armando mais uma sessão de fisioterapia… Até quando, Palmeiras??

Enfim, por essas coisas que o resultado de hoje não me impressiona, embora me deixe absurdamente indignado.

Pra mim, o ano terminou domingo retrasado em Chapecó, não vejo esse time reagindo nos 10 a 12 jogos que faltam pro fim da temporada, minha última esperança era hoje… Não acredito mais na vaga da Libertadores e muito menos em título de Copa do Brasil. Vou torcer, vou apoiar, vou sofrer, mas se algo diferente do fracasso vier, será muita surpresa.

Esse time e comissão técnica chegaram no limite. As peças mais importantes seguirão fora de combate, as de reposição não o são à altura e o fracasso é a única opção, mesmo porque o time e treinador não estão conseguindo se reinventar. 

Embora queiramos acreditar que vai ser diferente, mas só no resta dizer uma coisa:

– Feliz 2016, palestrino.

AVANTI PALESTRA!  

Ponte Preta 0 x 2 Palmeiras – BR15

Quando as coisas começam a funcionar, até quem tava devendo pra torcida vai lá e marca dois gols numa única partida.

Dudu desencantou e quem sabe tenha finalmente colocado uma pedra sobre aquele penalti na final do Paulistão. 

Afinal, foram 02 gols, ainda no primeiro tempo, depois de dois passes fantásticos de Rafael Marques.

E, sem falar do jogo, vamos falar da tabela. Com os resultados da rodada, o Verdão marcou nada menos que 17 pontos, 06 contra a Ponte e ainda tiramos 03 de diferença pro Atletico/PR e mais 02 de Gambá, Bambi, Fluminense e Sport,

São 08 posições conquistadas em 04 jogos com Marcelo Oliveira no comando.

Na semana teremos o Avaí, em casa, na quarta, e o Sport fora no domingo. Serão dois jogos pra mostrar a consolidação dessa arrancada, principalmente domingo.

O importante é que o time está encaixando, os adversários, fáceis ou difíceis, estão sucumbindo e o Palmeiras já vai deixando claro que não vai pagar comédia pra ninguém nesse campeonato.

Pra cima deles!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PONTE PRETA 0 X 2 PALMEIRAS

Local: Arena Pantanal, em Cuiabá (MT)
Data/hora: 5 de julho de 2015, às 18h30 (de Brasília)
Juiz: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Alex Alexandrino (ambos de SP)
Público/Renda: 11.074 pagantes / R$ 800.370,00
Cartões amarelos: Cesinha, Vitor Xavier, Renato Chaves (PON); Lucas, Victor Ramos e Dudu (PAL)

GOLS: Dudu, 8’/1ºT (0-1) e Dudu, 39’/1ºT (0-2)

PONTE PRETA: Marcelo Lomba; Rodinei, Renato Chaves, Pablo e Gilson; Juninho, Paulinho (Leandrinho 17’/2ºT), Roni (Biro Biro, 29’/2ºT) e Vitor Xavier; Cesinha (Diego Oliveira, 35’/2ºT) e Felipe Azevedo. Técnico: Guto Ferreira.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel, Arouca, Rafael Marques (Cleiton Xavier, 28’/2ºT), Robinho (Zé Roberto, intervalo) e Dudu; Leandro Pereira (Cristaldo, 14’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira

AVANTI PALESTRA! 

 

Palmeiras 0 x 1 Ponte Preta – Paulistão 15

Não vou escrever que foi uma derrota pra conter a euforia e botar os pés no chão.

Nem que o time está em formação, até encontrar os 11 titulares leva tempo, que o Paulista é pra isso mesmo e blalablá.

Não é hora de falar disso. 

O que eu quero falar hoje é que faltou estádio.

Sim, porque de novo o Palmeiras jogou pra metade da capacidade do Allianz Parque, com os setores Gol Norte e Superior praticamente lotados, e as laterais do campo com nem 10% da capacidade, especialmente a Leste.

Daí, o que acontece é que por mais que a gente faça a nossa parte ali atrás do gol e no setor superior, aquela pressão de caldeirão do Velho Palestra sobre o adversário e sobre o juiz nunca sai completa, porque o estádio está metade vazio, principalmente no meio do campo.

Dirão que teve 1,7 milhões de renda, que foram 24 mil pessoas no jogo de hoje e etc. Ok, isso porque o ingresso do Palmeiras é o mais caro do Brasil. Imaginem se o valor fosse decente, quantas pessoas não seriam no jogo hoje? 35? 40 mil?

Quem sabe com 40% a mais de torcedores não tivéssemos sido vergonhosamente assaltados mais uma vez dentro de casa, e o adversário não se sentisse tão a vontade pra catimbar e amarrar o jogo. Com estádio metade vazio, principalmente no meio do campo, onde mais importa, isso vai continuar acontecendo com a mesma frequência de sempre.

No jogo de sábado, foram 93 os pagantes no setor Leste. 93. Somando os Avantis, foram 226 pessoas ao todo. Dá tipo 10 pessoas por fileira, num espaço que cabe tranquilamente 6000 palmeirenses. Enquanto isso, 6167 pessoas se amontoavam no Gol Norte, e 13.325 no setor Superior.

Na noite de hoje, foi isso mesmo que se viu no Gol Norte e Superior:

FullSizeRender

Enquanto isso, no Setor Leste:

FullSizeRender

Que fizessem ali o antigo ingresso Fam[ilia do Setor Limão do velho Palestra. Que pusessem ingresso a R$ 300,00, válido para dois adultos e duas crianças. Mas não, custa R$ 350,00 paus, pra um único pobre mortal…

Porra, acorde pra realidade, Paulo Nobre, abra o olho e veja bem em frente ao seu camarote o quanto é deprimente aquele vasto mar de cadeiras vazias. Deixa eu te ajudar.

É assim que está:

palmeiras-rib

É assim que devia estar:

palmeiras86

Veja, Presidente, que só time bom e estádio de última geração não é sinônimo de casa cheia. Ninguém em sã consciência vai pagar 350,00 pra ir ver Palmeiras e Ponte Preta numa quinta-feira de chuva, 19:30 hs. Deu pra entender?

E sim, não vou falar mais nada do jogo. Não quero criticar ninguém no segundo jogo do ano. E o que importa é dia 08.

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: