Arquivos do Blog

Palmeiras 0 (3) x (4) 1 Gambá – Paulistão18

Fiquei aqui pensando qual foi o título que o Palmeiras ganhou que pudesse ser creditado a uma decisão polêmica da arbitragem. Não lembrei de nenhum, acho que ia ser sem graça nenhuma comemorar não um gol ou uma vitória do seu time, mas sim mais uma apitada certeira pra evitar o óbvio…

Eu achei até que a entrevista do presidente Maurício Galiotti foi branda. Devia ter falado mais, batido mais, nessa sujeira que tomou conta do futebol brasileiro.

Espero que ano que vem o Palmeiras jogue esse torneio imundo apenas com jogadores da base, lembrando que nos últimos dois anos perdemos o Moises por quase meia temporada graças a essa bosta de disputa, tão manchada e direcionada sempre em favor do mesmo time.

É impressionante que a cada novo jogo seja necessária uma palhaçada dessas, já não bastasse na primeira fase aquela baixaria toda, dessa vez a interferência externa ficou muito mais do que clara. Assistam o vídeo da Espn Brasil, quando Sálvio Espíndola mostra, com IMAGENS, que o juiz teve auxílio não do quarto árbitro, mais do coordenador da comissão de arbitragens (que não faz parte do quarteto de árbitros), para decidir, depois de 8 minutos, por anular um penalti que ele, MELHOR POSICIONADO NO LANCE, marcou.

Se estava errado, ou não, é questão de interpretação, se o Ralf acertou primeiro a bola por baixo ou primeiro o Dudu por cima, nem mesmo o replay assistido 150 vezes pode permitir dizer. O fato é que o árbitro que estava mais inteiro no lance do que ninguém, marcou. E depois voltou atrás, confiando em quem? Se ele estava mais próximo e na diagonal do lance do que qualquer outro? Pra ter tanta segurança em voltar atrás, só pode ser óbvio que foi com a ajuda da interferência externa, e é isso que revolta, errar ou acertar faz parte do futebol, mas voltar atrás sempre a favor do mesmo time e sempre com ajuda externa, não faz. Isso tem outro nome, e não é corrigir o erro (e nem erro foi): é su jei ra.   

E justo o time que foi contra o VAR é o mais ajudado com a interferência da TV. O motivo é claro: porque vamos querer que os outros usufruam da tecnologia da TV que nós já temos? Vota contra essa porra ai…

Nada mais precisa ser dito. Mais um asterisco pra ficha corrida do lado de lá, espero que a festa lá na Federal de Curitiba esteja bem divertida.

Sigamos em frente, porque um time que tem uma história decente como a nossa, não se curva aos patifes e às suas patifarias. Quem sabe este ano não está nos reservando algo maior? Tem torneio internacional esse ano, com arbitragem estrangeira, a história sempre foi outra…

AVANTI PALESTRA!

Gambá 0X1 Palmeiras – Paulistão18

Peço desculpas.

Não vai ter post.

Semana que vem escrevo sobre hoje. E escrevo sobre o jogo do próximo domingo.

Porque qualquer coisa que eu escrever será ou piegas ou pretensioso demais, e não quero correr esse risco à véspera de uma decisão.

Fico com o meu silêncio.

Só finalizo dizendo que o Palmeiras foi hoje, é e sempre será GIGANTE!

OBRIGADO!

AVANTI PALESTRA!!

Palmeiras (5)1×2(3) Santos – Paulistão18

E depois de 03 anos, voltamos a uma decisão de Campeonato Paulista. E foi com mais sofrimento do que o necessário.

Porque o Santos fez apenas o que podia fazer, time muito inferior que é: bater, bater e bater na defesa, e jogar por uma bola no ataque.

No caso, duas.  A primeira em falha de Keno e Victor Luiz, que deixaram o jogador santista cruzar sozinho pro Sasha cabecear, sem chance pro Jaílson.

O empate, com Bruno Henrique, veio três minutos depois. 

E a segunda bola do Santos foi uma mistura de muito azar do Palmeiras com muita sorte do jogador do Lambari, que pegou totalmente sem querer, mas a bola entrou.

Pelo volume do Palmeiras no primeiro tempo, assim como no jogo de ida, o placar era mentiroso. Daí veio o problema realmente preocupante: o time prega no segundo tempo, e achei que o Roger arriscou demais, principalmente nas duas últimas substituições, em que vieram a campo os “pesados” Moisés e Deyverson, este último praticamente estreando na temporada.

Mas verdade seja dita, tava difícil de fazer muito diferente pelo que o jogo apresentava. Bruno Henrique, o melhor em campo, foi à exaustão, e o William simplesmente não flui no meio de dois zagueiros, especialmente quando o jogo se apresenta pra que ele faça o pivô. Era o que tinha pra hoje mesmo…

Quanto aos titulares, Lucas Lima e Dudu precisam entrar mais ligados nesses jogos decisivos, pelo menos hoje eram os que mais podiam fazer a diferença, mas pouco conseguiram criar. Terão a chance de mostrar bem mais nas finais.

No fim, dá pra dizer que o placar não foi injusto, porque apesar da sorte bizarra do Lambari no segundo gol, o Palmeiras também não conseguiu criar grandes lances de perigo pra empatar o jogo e evitar as penalidades. O que pesou mesmo, foi o time não ter aproveitado os 30 minutos de muita bola jogados na primeira partida, quando já podia ter sido resolvida a disputa.

Que fique a lição, por mais abissal que seja a diferença entre elencos, num clássico e numa partida decisiva, as coisas meio que se igualam, nunca tem favorito, e cansamos de chegar prum jogo desses com time mais fraco e sair com a vitória. E a recíproca também é muito verdadeira. Por isso, tendo chance, tem que liquidar a fatura.

Por sorte, nosso goleiro vive uma fase iluminada, coube ao Jaílson mais uma vez garantir o Verdão seguindo em frente, rumo a mais uma decisão. Como fez todo o segundo turno de 2016.

O prazer de não ter visto – mas apenas ouvido – a defesa monstruosa do Anjo Negro no estádio ainda vai ficar marcado na minha memória por anos a fio. Eu, que nunca vejo pênalti, consegui me arrumar uma desculpa perfeita na hora das cobranças: fui levar meu velho (bem velho) amigo Pedrão, com o joelho torcido, pra enfermaria do Municipal.

E lá ficamos, ele na maca, eu num canto estrategicamente posicionado sem visão pro campo, mais os médicos e enfermeiras presentes, só esperando o Verdão classificar pra irmos embora comemorar. Aquela angústia de não ver talvez até maior do que a de ver… mas seguirei assim, não vendo, e imaginando o camisa 42 se agigantando frente aos minúsculos adversários, quase lacrando o gol. Enquanto seguir dando certo…

Que venha o próximo.

AVANTI PALESTRA!

Santos 0x1 Palmeiras- Paulistão18

Com um primeiro tempo perfeito, menos no placar, e um segundo tempo difícil, mas sem grandes sufocos, com Jailson inspirado e Keno fazendo chover, o Palmeiras saiu na frente na disputa pela vaga na final.

O domínio e a superioridade do Palmeiras no primeiro tempo foi tamanho que não seria exagero dizer que o Palmeiras podia ter decidido as duas partidas ainda no primeiro tempo de hoje.

Foram várias as descidas de perigo, que podiam ter resultado em gol do Verdão.

Quase todas elas passando pelos pés do Keno. Inclusive a do gol, jogada do Keno pela esquerda, que fez a bola girar pelo BH, ate chegar ao Dudu do outro lado, que cruzou rasteiro pro William guardar.

E podia ter sido mais.

No segundo tempo, Marcos Rocha sentiu e aí começaram os problemas. Tchê Tchê entrou meio que dormindo e o Santos começou a crescer justo naquele setor.

Ainda acabou o bujão do Melo e do BH, e TS e Moises precisaram vir pro jogo.

A partir dos 30, o Palmeiras reequilibrou o jogo e soube sofrer sem ser vazado, graças a mais uma atuação monstra do Jailsão, que garantiu a parada nas poucas vezes que nossa zaga nao conseguiu brecar o ataque adversário. Aliás, que partida do Antonio Carlos e do Victor Luiz.

Os dois laterais preocupam pro jogo de volta. Marcos Rocha pq pediu pra sair com suspeita de lesão muscular, e o VL com um pisão no tornozelo que podia ter acabado com a carreira dele.

Com quase nenhum tempo de recuperação, seria uma perda gigantesca pro Verdão nao contar com os dois.

De qualquer forma, foi um passo importante, mais um, rumo.ao título.

Que venha logo essa terça.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 5×0 Novorizontino – Paulistão18

E o Palmeiras trucidou a 3a melhor campanha do campeonato.

Ah, mas foi o Novorizontino, ah mas não valia mais nada… çei…

FODA-SE, O Verdão atropelou e que não venha um salafrário diminuir a vitória maiúscula que o Verdão aplicou no adversário.

Podia perder de 2 a 0, mas o Palmeiras não quis saber de vantagem, já foi logo abrindo o placar aos 9, com Bruno Henrique.

Mais um pouco e Keno deixou o seu, de cobertura.

Marcos Rocha num passe alto de respeito deu a assistência pro William, de primeira, fazer o terceiro.

E Dudu, em lance pela linha da grande área, de canhota, guardou o quarto gol.

Foi assim um primeiro tempo eletrizante do Verdão, os melhores 45 minutos do ano.

Roger deixou Marcos Rocha e TM no vestiário e voltou pro segundo tempo com Tche Tche na direita e Edu Dracena, em sua primeira partida na zaga do Palestra neste ano.

Ainda teve um penalti bem mal batido pelo Felipe Melo, que até agora deixou o mundo pensando porque cazzo foi ele bater.

E a conta fechou com Papagaio de cabeça, em passe milimétrico de Lucas Lima, ele que tinha entrado no lugar do William e marcou seu primeiro gol como profissional.

Pela combinação de resultados de ontem e de hoje, o Verdão pega os sardinhas ou o Bragantino na próxima fase e, se chegar na final, decidirá em casa. Não importa, nosso caminho está cada vez mais trilhado.

AVANTI PALESTRA! 

 

 

 

 

Novorizontino 0x3 Palmeiras – Paulistão18

O Palmeiras conseguiu um importante resultado contra o bom time do Novorizontino pela partida de ida das quartas de final do Paulistão.

O placar elástico pode dar a falsa ideia de que o jogo foi facil: não foi.

Com 20 minutos o Novorizontino ja tinha mandado uma bola na trave do Jailson e perdido um gol numa cabeçada que passou a milímetros do nosso gol.

Nossa zaga, e principalmente o Jailsão, tiveram muito trabalho durante todo o jogo. Só pra variar, nosso goleiro fez pelo menos duas defesas monstruosas, incrível como ta pegando o 42.

O primeiro gol foi marcado por Dudu, convertendo penalti sofrido pelo Borja, aos 21. A imprensa tá falando que o penalti foi polêmico. A mesma imprensa que pouco falou do escandaloso penalti nao marcado no Dudu, pelo mesmo apitador, no classico contra o Bambi. É…

O segundo foi de William, que matou o goleiro do Novorinzontino num drible de corpo e só tocou pro gol vazio, aos 31 do segundo tempo.

Keno fechou o placar, aos 43, fuzilando o gol e praticamente carimbando a classificação do Verdão pra proxima fase.

Mas quarta-feira tem que jogar pra valer, porque o Novorizontino mostrou ontem que a terceira melhor campanha do campeonato não foi por acidente.

AVANTI PALESTRA!

Ituano 0x3 Palmeiras – Paulistão18

Hoje Roger mostrou que a semana foi de grande aprendizado. Mesmo sem usar o time titular, Roger mesclou jogadores ao invés de usar um time 100% reserva como na segunda-feira.

Os jogadores que não tinham tomado o terceiro amarelo na quinta-feira e os que foram suspensos ficaram de fora, mas Dudu, Thiago Martins, Bruno Henrique, Scarpa e Moisés -os dois últimos com status de titulares, embora ainda não sejam – foram pro jogo e com isso o Verdão não ficou parecendo uma galinha sem cabeça em campo como contra o São Caetano.

Muito pelo contrário, o Palmeiras finalmente foi jogar uma bela partida de futebol em Itu, onde não vencia o dono da casa há absurdos 13 anos. Com BH e Moises na proteção e Dudu, Scarpa e Guerra, e mais o Papagaio na referência, o sistema ofensivo do Palmeiras ficou mais leve, e com isso o professor mostrou que entendeu que improvisos como Guerra de falso 9 e três volantes na armação era muito pouco prum elenco qualificado como o que o Palmeiras tem.

Os gols foram consequência da bola redonda que o Verdão jogou, Scarpa fez dois golaços, o primeiro com jeito, no ângulo, depois de uma excelente jogada de Guerra pela direita, e o segundo uma patada, cruzada, depois de uma boa troca de passes do Palmeiras que terminou com assistência do Bruno Henrique.

E a tarde tava tão favorável pro Palestra que até os muito contestados Juninho e Tche Tche, que tiraram a torcida do sério depois do jogo de segunda-feira, ganharam chance nas laterais e, pasmem, foram inesperadamente bem.

Tche Tche iniciou a jogada do primeiro gol e Juninho deu a assistência pro terceiro, gol do prata da casa Fernando. Sim, até gol de jogador da base teve hoje… Tava favorável assim kkkkk

Teve ainda a estreia do Weverton, que no pouco que trabalhou mostrou qualidade.

Agora o Verdão viaja para Novo Horizonte, onde enfrenta o dono da 3a melhor campanha do Campeonato pela primeira partida das quartas, uma das maravilhas desse Regulamento esquisito que os clubes aceitaram e, por isso, não podem reclamar.

Como nada é fácil na vida do Palmeiras, teremos o adversário mais complicado na próxima fase, apesar da melhor campanha no geral (aliás, melhor em tudo – mais vitórias, menos derrotas, mais gols marcadas, menos gols sofridos e o artilheiro da competição, é tudo nosso). Mas foda-se, quem quer ser campeão tem que ganhar de todos, apesar do regulamento esdrúxulo.

O que importa é que com Moisés começando o jogo e, com Dracena e Diogo treinando normalmente com o resto da equipe, o Palmeiras chega pra fase decisiva do Paulistão com o time pronto e com o que temos de melhor à disposição.

Pode parecer bobagem, mas fechar a primeira fase com vitória em Itu, pra mim, tem um simbolismo importante, tantas que foram as vezes que cruzamos o time local e passamos nervoso e depois o resultado ruim fez falta. Perdemos no ano passado, em 2015 empatamos, em 2014 fomos eliminados na semifinal, em 2013 tomamos o gol da derrota no último minuto e ficamos fora do G4, enfim, não foram poucos os jogos em que o Palmeiras foi péssimo diante dum adversário sempre tão inferior. Tanto que a última vitória em Itu tinha sido em 2005, 4×1 pro Verdão.

Que o excelente resultado de hoje signifique muito mais que uma simples vitória contra o Ituano, mas também o passo final que faltava na preparação pra caminhada decisiva rumo ao título. Porque obsessão, É TODO TÍTULO, né pai?

AVANTI PALESTRA!     

Palmeiras 2×0 SPFW – Paulistão18

E ficou barato pras gazelas, podia ter sido 4, se não fosse o bandeira e o juiz darem aquela forcinha pros rapazes alegres de Jardim Leonor. Mas como sempre digo aqui, tem que jogar bola e ganhar apesar da arbitragem, e hoje foi um dia desses.

O Palmeiras simplesmente amassou, espancou, trucidou, atropelou, jantou, humilhou, deitou, zuou, ignorou e não tomou conhecimento do amontoado de perebetes do time adversário. Com hoje, já são 6 espancamentos sumários em 6 visitas da turma da floresta encantada no Allianz Parque… Imagino que Penelope Charmosa, a motorista do Onibus Colorido da Rainha do Deserto, deva ter OHHHH RROOORRRRR de trazer seus pupilos pra mais uma surra aqui na nossa casa.

Aquela falta de vontade que tanto decepcionou o palmeirense em alguns dos últimos jogos hoje ficou bem de fora, e o que se viu foi um time voando em campo, muito em conta das duas alterações que o Roger promoveu na equipe titular: saem Tche Tche e Michel Bastos, entram Bruno Henrique e Victor Luiz.

Difícil dizer, inclusive, qual dos dois foi o melhor em campo, e justiça será feita se qualquer um dos dois for o escolhido: partida de gente grande dos dois, como a torcida quer ver sempre.

As alterações do banco de reservas também surtiram o resultado que não tivemos nos últimos jogos, o que mostra que o Roger também fez sua lição de casa e acertou na leitura do jogo, com as trocas de Felipe Melo por Thiago Santos, William por Gustavo Scarpa e Bruno Henrique por Moisés.

Na defesa, tirando uma bola meio sem querer no travessão, Jaílson poderia muito bem ter ficado no banco e dado lugar pra alguma palestrina que ganhasse o direito de, em homenagem ao dia internacional das mulheres, assistir o jogo de dentro do campo. Tudo isso, é claro, em razão de uma partida muito segura e eficiente de todo o sistema defensivo.

Vitória sobre o Lambari com gol de AC e Borja e hoje a dupla de artilheiros repetiu a dose. Que seja assim todo santo clássico daqui até o fim do ano.

Mais um ponto e a vantagem de decidir em casa estará encaminhada, embora os pontos continuem somando nas próximas fases, então bora ganhar do Ituano que não tá podendo dar moleza pra ninguém.

AVANTI PALESTRA!   

Palmeiras 0x1 São Caetano – Paulistão18

Até que ponto vale levar a sério o jogo ridículo de hoje? A resposta virá ao final da 1a fase do Paulistão: se o Palmeiras perder a vantagem de decidir em casa os jogos decisivos do campeonato, terá sido uma tragédia anunciada. Será o castigo merecido a uma injustificável soberba. Se isso não acontecer, terá sido apenas um bom teste do que não fazer mais até o fim do ano.

Porque tem cinco jogadores que deveriam ser necessariamente poupados: os pendurados Antonio Carlos, Victor Luiz, Felipe Melo, Lucas Lima e Borja. O resto, deveria e poderia muito bem ter jogado. E não é só, porque vergonha alheia de um time que me entra com 3 volantes pra enfrentar o limitadíssimo São Caetano. É óbvio que ia dar errado…

Mas se o jogo de hoje serviu pra alguma coisa, foi pra já ir formando a lista de dispensas: Michel, Fabiano, Juninho não têm condições de vestir nossa camisa. Por mim, já podiam ir embora hoje mesmo. Se era pra fazer testes, duvido que 03 moleques da base teriam ido pior que essas três tranqueiras. No lance do gol, Michel assistiu o cruzamento e o Fabiano assistiu o atacante (que não fazia gol há 03 anos) dominar e bater cruzado pra abrir o placar. Isso aos 10/15 do 1T…

E o Juninho então, MeuDeusdoCéu que cara grosso, não é possível que o Palmeiras continua contratando Jecis, Leandros Almeidas, e sei lá mais quantas bizarrices que saíram dos porões do Coritiba pra virem aqui fazer o coração do palmeirense palpitar de tanta raiva. 

Pela frente, duas bolas na trave, uma em cada tempo, podiam ter selado melhor sorte do Verdão na partida, uma do TS de cabeça e uma falta do Scarpa no fim do segundo tempo. Só não era dia de entrar, mais um desses…

Mas foi muito pouco pra quem se deu ao luxo de colocar um time 80% reserva em campo. De novo, se viu um time sem vontade, muito acomodado com tudo, tava perdendo e parecia que o Verdão ganhava de 3×0, o adversário fazendo a maior cera e ninguém, NINGUÉM chegava junto do juiz pra fazer valer o mando de campo…

Pelo menos vimos Moisés de volta ao Verdão, mas nem ele conseguiu fazer milagre em meio a tanta ruindade e falta de vontade juntas.

Mesmo assim, não podia faltar o dedo decisivo da arbitragem mais uma vez contra o Palmeiras, dessa vez um penalti não marcado no William com o juiz bem de frente para o lance. Cabe à diretoria do Palmeiras mostrar um pouco os dentes contra todos esses erros de arbitragem, ou já sabemos o que vai acontecer de novo, mais um título roubado pra quem não cansa de ter asteriscos na sala de troféus.  

Às vésperas de um clássico, e a duas rodadas do fim, essa trapalhada de hoje só serviu pra jogar ainda mais lenha na fogueira do sempre explosivo confronto; um resultado ruim pode significar a perda da liderança geral já nessa rodada.

Depois de 4 jogos sem vencer no Paulistão, e de quase toda a gordura perdida, espero que o Roger ao menos consiga fazer esse time entrar em campo com brio e com ódio do adversário, por que se jogar com essa falta de vontade protocolar das últimas semanas…

AVANTI PALESTRA!    

 

Gambá_FPF 2×0 Palmeiras – Paulistão18

Há duas formas de se analisar o jogo de hoje, e todas devem ser respeitadas.
Os que defendem que o Palmeiras não teve brio tem a sua razão.
Até a absurda e safada expulsão de Jailson.
O Juiz não viu, o bandeira não viu, mas o 4o árbitro “sem recurso de tv” viu um penalti com visão de raio-x… Um lance em que o goleiro acertou primeiro a bola, mas só o recurso da TV pode dar aquela garantia de só quem é amigo do rei pode confiar, porque ah se fosse do lado de cá…
O penalti já teria sido dano o bastante, mas para o safado do Rafael Klaus, ainda “precisava” expulsar o Jaílson, que nem falta fez… Se critério houvesse, Fagner teria sido expulso ainda no primeiro tempo, pelo segundo amarelo, mas o critério só pendia pro lado que sempre pende, como a gente tá cansado de saber…
Analisar e criticar o jogo depois de tamanha safadeza é complicado. Pode até ser que o Palmeiras não chegasse ao empate, que não tivesse forças para reverter o até então injusto e sem vergonha placar – e pelo que jogou até então, possivelmente não teria , mas tudo ficaria no campo da suposição.
O fato é que, perdendo, e com um a menos, o Palmeiras realmente não teve forças pra reagir. Klaus decidiu o jogo, pra orgulho dos gambás, sempre o melhor em campo é o cara do apito…
Deus queira que, excluídas as forças safadas da equação, o Palmeiras possa de novo cruzar o caminho da lixaiada de igual pra igual, sem o apitador fazendo toda a diferença, e que o melhor time ganhe jogando bola, e não dependendo daquele apito amigo de sempre.
AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: