Arquivos do Blog

Gambá 1×0 Palmeiras – Paulistão17

Complicado demais perder de forma tão vexatória. 

Que o gambá tem menos time, que ia jogar por uma bola só, todo mundo sabia. Ou quase todo mundo…

Mas do jeito que foi é inaceitável. O Palmeiras foi passivo demais. Parecia que quem tinha tido um jogador expulso injustamente era a gente.

Não que o Gabriel não tivesse que ser expulso, pois o juiz deixou de dar amarelo pra ele na primeira falta violenta que ele fez. Quando finalmente tomou o primeiro amarelo, já era pra ter sido expulso.

Mas não justifica o erro absurdo do juiz. E menos ainda a inércia do Palmeiras. A falta de criatividade. A incapacidade de criar lances de perigo contra um adversário acuado que só se defendia. A falha bizarra generalizada no lance que definiu o jogo. Tudo inadmissível. 

O Palmeiras precisa decidir logo o que quer da vida. Com todo esse investimento, já passou da hora desse grupo não ter elos fracos.

AVANTI PALESTRA!

Gambá 0 x 2 Palmeiras – BR16

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

KAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAIS!

Ah como é bom ganhar da Galinhada, três jogos no ano, três fubecadas no Lixão, ahahahah 34 jogos sem perder naquele lixo de estádio porque foram 34 jogos sem enfrentar o Palmeiras AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!

E o MIna, hein? Nem seis meses de Palmeiras e já marcou gol em todos os clássicos… Viu Gabriel Jesus????? AHAHAHAHAHHAHAHAHAHAH

Foi tão fácil, mas tão fácil ganhar dos favelados que nem vou me dar o trabalho de comentar o jogo. Isso a gente deixa pros jogos sérios do Campeonato, a diversão não tem que ser analisada nunca! E mais um pouquinho de AHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAAHHAHA!!!!!!!

Ainda caiu o treineiro, a torcidinha linguiceira da sofrência seletiva ainda ficou de mal com o presidente e também levou uns cafunés da PM, tudo apenas e tão somente a merecer mais um tantinho de KAISKAIASKAISKAISKAISKAIS!!!!!! Aliás, tinha faixa de organizada no jogo, quero ver se vai ter punição ou se isso só vale pra gente…

Numa sequência com dois clássicos e dois adversários diretos, o Palmeiras fez 8 pontos, não perdeu, ganhou dos dois rivais e não deixou os concorrentes tirarem pontos da gente. Tá bom demais da conta…

Se a tabela parece menos problemática pelos próximos 6 jogos – Coritiba (C), Santa Cruz (F), America (F), Cruzeiro (C), Figueirense (F) e Sport (C), a postura do Palmeiras tem que ser a mesma: não tomar conhecimento do adversário e enfrentar como se fossem clássicos e adversários diretos pelo título. Com uma lição de casa bem feita nessas 6 próximas rodadas, as coisas deverão estar muito bem encaminhadas.

Agora vou tentar dormir, mas é que não consigo parar de fazer a dancinha do Mina, já até me deu câimbra AHAHAHAHAHAHAH

CHUPA GAMBAZADA!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

gambá 0 X 2 PALMEIRAS
Local: Arena Lava-Jato, São Paulo (SP)
Data-Hora: 17/9/2016 – 16h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (Fifa-SC) e Carlos Berkembrock (SC)
Público/renda: 39.879 pagantes/R$ 2.344.829,00
Cartões amarelos: Balbuena (COR), Thiago Santos, Moisés, Gabriel, Leandro Pereira (PAL)
Cartões vermelhos: Léo Príncipe (30’/2ºT)
Gols: Moisés (4’/1ºT) (0-1), Mina (31’/2ºT) (0-2)

gambá: Cássio; Léo Príncipe, Vilson, Balbuena e Guilherme Arana; Cristian (Marquinhos Gabriel, aos 15’/2ºT); Marlone, Camacho, Rodriguinho e Lucca (Romero, no intervalo); Gustavo. Técnico: Cristóvão Borges.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Mina, Edu Dracena e Egídio; Gabriel (Thiago Santos, no intervalo), Tchê Tchê e Moisés; Dudu (Rafael Marques, aos 25’/2ºT), Erik e Leandro Pereira (Róger Guedes, aos 34’/2ºT). Técnico: Cuca.

Palmeiras 3×3 Gambá – BR15

O ódio me impede de escrever qualquer coisa coerente.

Ainda to tentando entender a presença do Leandro Almeida no time titular. Do Amaral também.

Queria entender qual o critério do Marcelo para colocar um zagueiro que estava quase um mês sem jogar porque, pelas partidas que tinha feito antes, ficou claro que não tinha a menor condição de vestir nossa camisa.

Amaral é jogador pra jogo pequeno. Não aguenta o rojão de jogar clássico. É nítido isso só não vê quem não quer. Puta que pariu, que falta faz o Gabriel…

Rafael Marques, nossa melhor arma em clássicos, foi preterido pra dar lugar pro Allione, voltando de 07 meses de contusão.

Difícil compreender mesmo.

A vitória hoje seria um divisor de águas pro time no campeonato.

Tivessem vindo os 03 pontos, o Palmeiras mostraria força e colaria de vez na briga pela vaga da Libertadores.

Como terminou, o Palmeiras deixa claro que é um time ainda em formação, com claras limitações na defesa – são 14 gols sofridos em 07 jogos – embora no ataque, com 39 gols marcados em 23 jogos, as coisas vão muito bem obrigado.

Embora não possamos reclamar diretamente da arbitragem, dói saber que se fosse o Prass que tivesse dado aquela dividida sem pegar a bola no atacante do Gambá, seria pênalti, nosso goleiro seria expulso e provavelmente ia levar um gancho daqueles.

O juiz também não deu falta de Gil no Arouca, no terceiro gol do Gambá – a camisa foi puxada o suficiente pra impedir que o Arouca cortasse o cruzamento que resultou no gol; nosso time foi inteiro amarelado (perdemos 4 jogadores pro próximo jogo), faltas invertidas, faltas não marcadas no nosso ataque, enfim, foi um serviço muito discreto, mas mesmo assim prejudicial.

E o pior, o palmeirense não pode reclamar, afinal, essa diretoria é dada a elogiar as arbitragens tão nefastas e vexatórias desse campeonato, com que propriedade vamos vociferar contra mais uma ruim?

Mas a verdade mesmo é que o Palmeiras deixou os três pontos escaparem pra si mesmo. A única coisa que não podia acontecer era oferecer a bola parada, mas foi justamente isso que fizemos.

Levamos 02 gols iguais, falha totalmente do Palmeiras, mérito nenhum do adversário.

Pelo menos, somamos 4 pontos contra o rival, não tivemos o prazer de ganhar em casa deles – mas isso virá na hora certa – porém fechamos o ano com uma vitória e uma eliminação em cima deles lá no lixão.

Pro time que é sempre o do ano que vem, tá de bom tamanho.

Só fico esperando esse ano chegar…

AVANTI PALESTRA!

Gambá 2 (5) x (6) 2 Palmeiras – Paulistão15

Campeonato Paulista, 2011. Semifinal. Palmeiras x Gambá (e Paulo Cesar de Oliveira).

Danilo e Felipão expulsos ainda no primeiro tempo. Valdivia machucado com 20 minutos de jogo. Cicinho, também com lesão, saiu aos 38. Mesmo assim, fomos pra cima do time sempre covarde do Gambá e abrimos o placar, aos 7 do segundo tempo. O castigo viria duplamente com João Vitor, primeiro ao mandar uma bola fácil pra escanteio, que resultou no empate dos Gambás, e depois ao perder o pênalti decisivo que classificou os imundos para a final. 6×5 pros lixos, e o Palmeiras eliminado “em casa”- jogamos no Pacaembu.

04 anos depois, muitas desgraças e injustiças depois, finalmente foi a vez de darmos o troco.

E não podia ter sido melhor: o primeiro mata-mata na “casa”do rival – na verdade, o estádio foi construído em meio à farra do dinheiro público federal, estadual e municipal e, logo, não passa de mais um Pacaembu, é do contribuinte, é da Construtora, é da Caixa e do BNDES mas não é “deles”-, o time do “tite-taka”(sério que vergonha desse nome), “a nova potência do futebol mundial”(êêê Casagrande, menos campeão…), o time que já estava na final segundo 98 a cada 100 cronistas esportivos, o invicto e blábláblá…

Quanto maior fosse a adversidade, maior seria a grandeza da nossa vitória. E dito e feito: por um detalhe ela não veio no tempo normal. Melhor assim.

Primeiro, veio o inesperado gol de Victor Ramos, quando os times ainda se estudavam. Parecia bom demais pra ser verdade, e era mesmo. A dois minutos do fim, o Gambá já tinha virado o jogo, com mais um gol do maldito Danilo, e um de Mendoza, em falha geral da zaga.

O intervalo parecia ter 17 horas. A gambazada do setor sul cansou de cantar a vitória antes da hora. Mas isso só fez ser ainda mais gostoso ver aquele setor esvaziar em menos de 30 segundos quando tudo acabou AHAHAHAHAH

E veio o segundo tempo. E Oswaldo corrigiu a trágica escalação de Wellington como lateral esquerdo, e mudou pro 3-5-2, com Cleiton Xavier entrando em campo no lugar de Lucas. O Palmeiras melhorou e começou a crescer na partida.

Numa troca de passes pelo meio, a bola sobrou pra Dudu e acabou na trave depois de uma defesa impressionante do goleiro Gambá.

Oswaldo então decidiu arriscar tudo. Mandou Gabriel Jesus e tirou Valdivia, e sacou Wellington e mandou o atacante Kelvin pruma “roubada”na lateral esquerda.

Aos 30, finalmente o eixo da Terra voltava a girar no sentido horário. Bola pela esquerda, cruzamento milimétrico do Dudu pra entrada no segundo pau pro Rafael Marques, de cabeça, empatar o jogo. 2 x 2, que já podiam ser 2×3. Puta que pariu!

E como nada é fácil pra gente, bora ir pros penaltis, que eu fiz questão de não ver ali na bancada. Olho fechado, cabeça pra baixo, santinho na mão e… Robinho bate logo o primeiro pênalti pra fora.

Os próximos quatro penaltis foram convertidos pelo Verdão. E aí, 4×4, era o Gambá marcar e tudo estava acabado. Elias pegou a bola. O mundo parou e um silêncio de 1 milésimo de segundo durou horas. Abri os olhos e vi os amigos pulando e comemorando. CARALHO! Vamos pras alternadas, na bacia das almas…

E eis que o Prass encarnou o Santo de novo e foi lá e pegou mais um, dessa vez do Petros, pra calar a boca da gambazada de vez. Chupa freguesada. Foram esnobes, mandaram time misto pro campo, e esqueceram que do outro lado tinha um gigante, o seu maior terror…

Agora quero ver aquela empáfia toda nas entrevistas infindáveis e repetitivas daquele mocorongo de treinador. Chupabilidade, essa é a palavra. Chupabilidade, seu troxa!

Aliás, muito obrigado Rupert Murdoch! Foi o multibilionário magnata da FOX quem deu cabo da mamata de quarta-e-domingo no horário nobre que o Gambá tinha garantido com a Rede Globo. Fez o Gambá jogar quinta-feira, dez da noite, igual qualquer outro time do universo. Acabou a teta, gambazada! AHAHAHAHAH Vai reclamar do regulamento agora???? AHAHAHAHAH Reclama lá então AHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

Pra terminar, uma imagem que vale mais do que mil palavras:

Foto: Ari Ferreira

Ta na hora de miar as desavenças e fechar com o time inteiro, e o time com a torcida, viu Presidente? Pedimos que a Academia fosse aberta no sábado pra incentivarmos os jogadores antes do jogo e ouvimos um belo não como resposta. Que essa mentalidade mude enquanto é tempo.

E muito boa noite, Gambazada! Lembrem-se: decisão em Itaquera, o Porco atropela! AHAHAHAHAHAHHA Um abraço do Eli!

Que venham os lambaris.

PRA CIMA PALMEEEEEEIRAS!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 2 X 2 PALMEIRAS

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 19/4/2015 – 16h
Árbitro: Thiago Peixoto (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Alex Ang Ribeiro

Renda/Público: R$ 3.194.302,50 / 38.457 pagantes
Cartões Amarelos: Fagner e Felipe (COR); Lucas e Arouca (PAL)
GOLS: Victor Ramos, 13’/1ºT (0-1); Danilo, 33’/1ºT (1-1); Mendoza, 44’/1ºT (2-1) e Rafael Marques, 32’/2ºT (2-2)
PÊNALTIS: Corinthians: Fábio Santos (Gol), Renato Augusto (Gol), Fagner (Gol), Ralf (Gol); Elias (Errou), Gil (Gol), Petros (Errou); Palmeiras: Robinho (Errou), Rafael Marques (Gol), Victor Ramos (Gol), Cleiton Xavier (Gol); Dudu (Gol), Kelvin (Gol), Jackson (Gol)

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Fábio Santos; Ralf, Bruno Henrique (Petros, 32’/2ºT), Jadson (Renato Augusto, 16’/2ºT), Danilo e Mendoza; Vagner Love (Elias, 15’/2ºT).  Técnico: Tite.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas (Cleiton Xavier, intervalo), Victor Ramos, Jackson (Kelvin, 24’/2ºT) e Wellington; Gabriel, Arouca, Robinho e Valdivia (Gabriel Jesus, 24’/2ºT); Dudu e Rafael Marques.  Técnico: Oswaldo de Oliveira.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0 x 1 Gambá – Paulistão 15

Clássico se ganha no detalhe, dizem. Palmeiras e Gambá tem sido assim. No último jogo, no Pacaembu, um acidente nos minutos finais nos tirou a vitória merecida, mais uma.

Hoje não foi um desses dias. Dessa vez, o Palmeiras mereceu perder.

A imprensa suja dirá que os reservas do Gambá ganharam do Palmeiras, mas não dirão que o time foi pra campo sem o seu camisa 5 e o 10 – estou falando do Cleiton Xavier, porque o outro já não considero mais jogador do Palmeiras, ficou de fora de mais um jogo importante. Que passe fome no Flamengo.

Mas, como eu dizia, clássico ganha quem erra menos. E o Palmeiras abusou de errar. Era tudo o que Gambá queria pra fazer esse joguinho sujo e morfético de sempre, arrastar o jogo até o fim sem deixar a bola rolar. 

Errou o Victor Hugo, que chegou falando muito e jogando pouco, e teve participação direta nas duas derrotas até aqui.

Errou o Amaral, que deu cento e oitenta passes para trás, um deles o que resultou no gol dos lixos. Futebol é pra frente chapa…

Errou o treinador, que abusou da boa vontade do torcedor, ao achar que Maikon Leite tinha alguma possibilidade de ser titular num clássico.

E errou o presidente, que ao que parece transformou um dos jogos mais importantes da Arena até aqui numa verdadeira baderna, tudo, só pra variar, por causa de dinheiro.

Sim, segundo aquele blogueiro do UOL, o Palmeiras teria tentado articular a torcida única – ou pelo menos juntou a fome com a vontade de comer caso assim tivesse sido – pra poder vender mais 12 mil ingressos que, caso os gambas estivessem no Allianz Parque, estariam vetados pela PM. Se isso aconteceu, deixou-se de lado toda a tradição do Derby por meia dúzia de moedas. Uma vergonha.

Levou um baile nos bastidores, fez mais um papelão numa semana de clássico – quem se esquece do “jogo da paz”, quando era pra gente ter passado o carro na lixaiada em crise? – e só por isso a derrota foi merecida pra você Paulo Nobre.

Pobre do torcedor, que não tem nada a ver com isso e vai pagar o pato com as piadas dos rivais. Sério, é vergonhoso o despreparo dessas pessoas que cuidam do futebol do Palmeiras.

Pensem se a situação fosse inversa: se o clássico fosse jogado no Cadeião e o MP decidisse que ia ter torcida única, alguém acha que o presidente do Palmeiras ia mover uma palha pra garantir nossa torcida lá em Itaquera?

Nem precisa responder. Um cara que põe ingresso mais barato a R$ 100,00, que cobra R$ 350,00 num jogo numa quinta a noite com chuva não quer ver torcedor em campo, quer é plateia de ópera. Entenderam?

De todos os males, pelo menos ontem conseguimos eleger vários torcedores de arquibancada pro Conselho, que irão nos defender naquele antro retrógrado que tanto atrasa o lado do Palmeiras.

Que essa derrota sirva de lição pro Victor Hugo, pro Amaral e pro Oswaldinho. Da diretoria, assim como do Valdivia, eu já desisti.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×1 Gambá – BR14

Novamente o Palmeiras foi melhor e não soube converter a vantagem em 03 pontos. De novo no fim da partida, cedemos o empate. Era pra termos 40 pontos, precisando de mais 06. Só que não, ainda faltam 10 pra termos sossego. E só faltam 07 jogos, precisaremos de 50% de aproveitamento nos próximos jogos.

E o que foi igual nos dois últimos jogos? O Palmeiras marcou, entregou o campo pro adversário, recuou demais e acabou sofrendo o gol de empate. Injusto. De novo com a trave impedindo a vitória, dessa vez duas vezes…

Dorival, na minha opinião, errou ao colocar o Diogo ao invés do Mouche. O argentino tinha ido muito bem contra o Gremio e contra o Cruzeiro, e seria a melhor opção para os contra-ataques. Diogo entrou mal, não ajudou em nada. E pra mim Marcelo Oliveira sobrecarrega a defesa, apesar de Tobio e Nathan terem jogado muita bola hoje.

E de novo tomamos o gol numa dessas cagadas malditas que só acontecem com a gente: uma bola que ia pra fora desvia nas costas do zica do Juninho e entra.

Injusto.

Ganhar do Bahia lá passou a ser obrigatório. Tá na hora do Kleina pagar a dívida que tem com a gente.

AVANTI PALESTRA!  

Gambá 2×0 Palmeiras – BR14

Mais uma vez, faltaram jogadores aptos a vestir nossa camisa.

Nenhuma análise de jogo precisa ser feita, quando se vê que o Palmeiras não conseguiu sequer chutar no gol do fraco time do Gambá no primeiro tempo.

E se não deu jogo no primeiro tempo, era só olhar pro banco e ter certeza que no segundo tempo não seria muito diferente. Wendel, Marcelo Oliveira, Wesley, Henrique, Felipe Menezes, Leandro, Mendieta, entre outros, não merecem vestir nossa camisa.

Dava pra esperar bem mais do Palmeiras hoje, afinal, jogamos com um velho freguês, que sempre treme pra gente e hoje não foi diferente: se o Palmeiras tivesse um mínimo de qualidade, o atropelo na freguesia seria como de costume.

 Como eu disse há algum tempo atrás, quando o técnico foi contratado, que ele não seria milagreiro, é o que estamos vendo: 03 jogos, 03 derrotas, e o que falta é nitidamente jogadores que sejam dignos de jogar pelo Palmeiras. São tão poucos os bons que, machucados apenas 02 (Lucio e Diogo, nossos melhores) já parece que não temos um time inteiro em campo.

E a diretoria, como sempre, só esta preocupada em contar moedinhas. Venderam os dois laterais esquerdos, dois meias, inclusive o camisa dez, e até agora não se ouve falar de peça de reposição. Não temos um lateral direito desde o início do ano. Perdemos o camisa 9 pro rival. E nem falo mais nada sobre patrocínio. Isso que é planejamento e profissionalismo?

Que vergonha no ano do centenário ter que lutar pra não cair. Parabéns aos responsáveis.  

Única coisa da qual podemos continuar nos orgulhando é a nossa torcida. Essa sim é digna da camisa, mas continua sem merecer o time modorrento que veste nosso manto.  Parabéns aos que puderam nos representar no Entulhão, que carregaram nossas cores, que vestiram máscaras pra não sentir o cheiro da podridão que aquela estrutura representa, levantada dos nossos restos.

Sem ficha técnica ou lances.  

AVANTI PALESTRINOS!

Eeeeemmmmmmm 93!!!!!

Aquele 12 de junho de 1993 foi um dos dias mais lindos na vida de um palmeirense.

Se bem que nem tudo foi fácil. A derrota na semana anterior, o gol porco, o início de jogo nervoso, pegado, e os 16 anos sem conquistas (pra mim, eram 14) provocavam uma tensão fora do comum. Pelo menos até os 40 do primeiro tempo, quando saiu o gol do Zinho, o primeiro da sacolada que os Gambás ainda levariam naquela tarde.

Segundo tempo e aquele baile em campo, dava até dó dos lixos. Aliás, não dava dó porra nenhuma. A gente queria era mais, se fosse 6, 7, nunca ia ser o bastante.

Quando o Matador guardou, de penalti, o quarto gol, já na prorrogação, olhei pro Rubão, meu tio, com uma cara de “o que eu faço agora?”. 14 anos e não sabia comemorar um título.

De lá pra cá isso mudou. Nos anos que seguiram aquele 12 de junho, não tinha pra ninguém, o Verdão passava o carro e faturava tudo. Mas nenhum time, nem o dream team de 96 ou o time campeão da América, fizeram este palmeirense tão feliz quanto Ségio, Mazinho, Antonio Carlos, Tonhão e Roberto Carlos, Sampaio, Daniel Frasson, Zinho e Edilson, Edmundo e Evair.

 A vocês, o muito obrigado da nação palmeirense. Esse título a gente nunca vai esquecer!

EM 93, NÓS GANHAMOS O PAULISTÃO, FOI EM CIMA DOS GAMBÁS, FILHOS DA PUTA, 4X0 PRO VERDÃO!

AVANTI PALESTRA!

PS – Texto publicado originalmente em 12.06.2011. Hoje tive o prazer, pela primeira vez, de colocar meus dois filhos no colo, e mostrar o vídeo dos gols daquele jogo, pra gente comemorar junto. Se bem que, do alto dos seus 02 anos, o Marcos e o Felipe não entenderam muito bem porque o pai estava chorando a cada gol narrado pelo José Silvério. Logo mais eles saberão…

Gamba/FPF 1 x 1 Palmeiras

Já disse aqui que o Palmeiras, quando for pra ganhar da gambazada, vai ter que ganhar dos lixos de preto e branco e dos lixos de amarelo também. Então não vou nem perder tempo de falar da arbitragem safada e descarada do árbitro Raphael Claus, porque contra os imundos sempre vai ser assim.

Mesmo com toda a patifaria a favor, o Gambá não conseguiu vencer o Palmeiras, e segue afundado na merda até a ponta das orelhas, como devia ser sempre.

Gilson Kleina segue demonstrando ser o elo fraco do Palmeiras para o ano do Centenário. Depois de 07 jogos vendo que Mazinho e Leandro tão de sacanagem com o torcedor do Palmeiras, o que ele fez? Mandou os dois pro time titular de novo, e ainda devolveu a titularidade da lateral esquerda pro morfético do Juninho.

O Mazinho perdeu um gol feito no primeiro tempo, e ainda desperdiçou dois contra-ataques que era pra entrar com bola e tudo nos lixos. E o Leandro parecia que tinha coisa mais importante pra fazer do que jogar futebol.

Daí não tem como elogiar o treinador. Vai ser elogiado a hora que tirar o Leandro e o Mazinho do time na PRELEÇÃO, e não na metade do segundo tempo.

Partida excelente do Marcelo Oliveira, melhor homem em campo. E o Diogo, segue sendo um predestinado: de novo, na primeira  bola que pega, cruzou na cabeça do Alan Kardec, que empatou o jogo e calou a boca do lixão.

No fim das contas, se não era pra ganhar dessa vez, pelo menos fizemos o gol do empate por último, e deixamos o Gambá na mesma merda que já estavam. Aliás, 22 mil pagantes, sendo que 2.000 éramos nós, a Gambazada devia ter vergonha… 

Kleina, por gentileza, vê se acerta a porra da escalação! Se todo jogo você precisa mudar pra consertar o time, não é que vicê mexe bem no time, é que você ESCALA MAL! Acorda!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

 

GAMBÁ 1X1 PALMEIRAS

 

Estádio: Estádio do Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 16/2/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse
Renda/público: R$ 668.600,50/22.222 pagantes
Cartões amarelos: Jadson, Guilherme e Guerrero (COR); Valdivia, Leandro, Lúcio e Mendieta (PAL)
GOLS: Gambazinho, 15’/2ºT (1-0); Alan Kardec, 38’/2ºT (1-1)

 

GAMBÁ: Cássio; Fagner, Gil, Felipe e Uendel; Ralf, Guilherme, Bruno Henrique (Ramírez, 34’/2ºT) e Jadson (Renato Augusto, 31’/2ºT); Gambazinho (Jocinei, 36’/2ºT) e Paolo Guerrero. Técnico: Mano Menezes.

 

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Wellington (Diogo, 37’/2ºT) e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley, Mazinho (Marquinhos Gabriel, 10’/2ºT) e Valdivia; Leandro (Mendieta, 29’/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA!  

Saia do Teclado e Vá pro Alambrado!

Véi, na boa, se eu ficar sabendo de mais um abaixo assinado de “torcedor” do Palmeiras, largo todos esses antros de alienados chamados redes sociais. Não é possível reunir tanta gente sem noção assim…

Primeiro, inventaram de fazer um abaixo assinado pela vinda de Riquelme. O mentor dessa ideia imbecil e seus “fiéis” seguidores deviam estar pensando que o Palmeiras estava contratando o meia de 21/22 anos do Boca Jrs que atropelou o Palmeiras em duas Libertadores, em 2000 e 2001.

Certamente não assistiram as finais da Libertadores de 2012, um senhor de 34 anos andando em campo, apático, pouquíssimo preocupado se o seu time do coração seria o campeão daquele “simples” torneio.

Não se importaram que, desde então, há 210 dias atrás, o cara não disputa uma partida oficial.

Pouco ligaram para os nababescos aspectos financeiros da proposta que El Rubio levou à Argentina, prometendo rios de dólares pro cara enquanto que, aqui, o elenco atual tinha salários atrasados e o clube nem sonhava ter meios pra quitar quaisquer um desses compromissos.

Nada disso importa: #NobreQueremosRiquelme!

Por sorte, o presidente atualmente em exercício manteve os pés no chão e não os meteu pelas mãos.

Vish, e agora? – devem ter pensado os alienados verdes…

Até que um estalou – Ah, se não vem o Riquelme, vamos pedir o Cleiton Xavier, aquele meia que jogou aqui a… num lembro quantos anos atrás e não ganhou nada, mas dessa vez vai, porque ele deu entrevista lá de Alagoas dizendo que adoraria voltar pro Palmeiras, desde que continuasse ganhando os mesmos petrodólares que recebia na Ucrânia!

#NobreQueremosCX10!

Sério, algumas pessoas deviam perder o direito de usar a internet, isso devia ser um tipo de sanção penal…

Eis que, não satisfeitos, alguns dos anarquistas virtuais decidiram fazer um abaixo assinado contra a Mancha Verde, torcida organizada que, neste janeiro, completou 30 anos de existência. – A Mancha é todos os “problema” do Palmeiras, escreveu um dos bravos reivindicantes digitais. Outros, mais atrevidos, insinuaram: – Perdemos o Tite, o Diego Souza e o Luan por causa deles! 

Antes de mais nada, permitam uma citação extraída do prefácio assinado por Mauro Cezar Pereira do livro La Doce, de Gustavo Grabia, que conta a história da torcida organizada do Boca Jrs.:

No final dos anos 1970, início dos 1980, para muitos a torcida do Palmeiras tinha a (má) fama de sempre apanhar. Assim, componentes de três facções – Império Verde, Inferno Verde e Grêmio Alviverde – se uniram para criar a Mancha Verde, Esse conceito traduz a frase utilizada para definir a razão da existência do grupo: ‘Sentia-se a necessidade de se organizar uma nova e sólida representação para a torcida palmeirense nas arquibancadas.’ 

Essa é apenas uma versão de um jornalista a respeito do surgimento da torcida, mas não tenha dúvida, alienadinho, que a Mancha surgiu pra que seu pai ou avô parassem de apanhar toda vez que iam no jogo do Palmeiras contra os Gambás, por exemplo, isto é, se é que eles iam em clássicos.

Sabe aquele jogo importantíssimo que o Palmeiras disputou fora de São Paulo, por exemplo, aquele Gremio e Palmeiras que encaminhou a conquista da Copa do Brasil 2012, e que você assistiu todo pimpão pela TV? Sabe quem tava lá na arquibancada visitante, incentivando o Palmeiras até ficar sem voz? A Mancha, mané, assim como a TUP, PORKs, SAVOIA, e tantos outros torcedores que, mesmo não sendo vinculados a esta ou aquela organizada, sabem que lugar de torcedor é na arquibancada dos estádios em que o Palmeiras joga – em casa ou fora – e não cagando regra nas redes sociais.

E aquela foto que tanto te orgulha que fica de papel de parede do seu perfil no Facebook, que exibe o rosto de São Marcos estampado num mosaico na arquibancada do Pacaembu, sabe quem fez? Sabe como faz? Sabe quanto custou?

E as diretas, que tanto te autoriza a dizer pros seus amiguinhos bambis que vai salvar o Palmeiras, sabe quem foi que cobrou primeiro os conselheiros do clube? 

Então, camarada, morde a língua – no caso, os seus dedinhos no teclado – antes de sair por aí cagando regra pela Internet. É muita inocência acreditar que 200 e poucas assinaturas vão bastar pra conseguir alguma coisa que não seja trocar a lâmpada na porta do seu condomínio, quanto mais convencer um administrador de clube a celebrar um contrato desvantajoso, ou então promover a extinção de uma instituição criada pra defender o Palmeiras e o seu torcedor, onde quer que ele estiver.

Abaixo assinado é coisa de Gambá, manezão!

SAIA DO TECLADO E VÁ PRO ALAMBRADO, ver se aprende uma ou duas coisas na vida, filhão…

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: