Arquivos do Blog

Fluminese 0x1 Palmeiras – BR17

Com um golaçasso de Egydio, o Verdão volta com 03 pontos muito mais que merecidos do Rio de Janeiro.

Cuca repetiu a escalação do jogo com o Coxa, só devolveu ao time titular o William. Fomos pra campo com Prass, Mayke, Dracena, Juninho e Egydio, Jena, Tche Tche Moises e Dudu, Deyverson e William.

E o Verdão mandou no Maraca do 1’aos 45′ do T, controlou o jogo do início ao fim e não se intimidou na casa do adversário.

O gol foi consequência de um 1T muito bem jogado e não podia ter sido mais bonito do que a patada da meia cancha que o Egydio encaixou.

Na volta do intervalo o Palmeiras deu uma acomodada mas foi bem incisivo nos contra-ataques, só faltou encaixar o segundo, por um pouco de falta de capricho.

Lá pela metade da etapa complementar Cuca sacou Jean e Deyverson e colocou TS e RG, demorou um pouco pro time reorganizar mas logo mais já tava encaixado de novo.

A poucos minutos do fim, William deu lugar pro Borja, que mal teve tempo de mostrar alguma coisa. 

A vitória merecida colocou o Palmeiras na mesma pontuação dos gaúchos, que ainda jogam hoje, e a um ponto da vice-liderança. De quebra encaixou a quinta vitória consecutiva contra a freguesada carioca.

Ponto baixo do jogo foi a apitagem sem vergonha de sempre que deixou de marcar um penalti claro a favor do Verdão e ainda tirou Dracena e o Egydio do jogo contra os sardinhas. Mas mesmo assim não foi o suficiente pra segurar o Palestra, que jogou o fino da bola hoje no Rio de Janeiro.

Agora são 11 pontos pra buscar, e a chance de assumir a vice-liderança já na próxima rodada, a depender do resultado do Bahia x Gremio logo mais e, é claro, da vitória que com certeza virá contra aquele time ridículo do litoral.

SEGURA OS PORCO!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×1 Fluminense – BR17

Nada como uma boa vitória pra acalmar os ânimos da torcida palestrina.

Mesmo sem Mina, Dudu e Borja, o Palmeiras conseguiu superar o Fluminense.

Com alguma dificuldade, é verdade, mas no fim o que vale são os 3 pontos, os 3 gols depois de 4 jogos sem vencer e/ou marcar.

A volta do Guerra com certeza fez a diferença no sistema ofensivo, que passou a ter organização e estruturação, bem diferente daquele bumba meu boi que foi em Curitiba.

Logo aos 9 o Palmeiras abriu o placar, em jogada de cobrança de lateral batido pelo ZR, que o William desviou na medida pro Guerra bater de primeira, indefensável.

E tudo parecia que ia caminhar prum jogo tranquilo, mas depois de um novo chutão pra frente nas costas do nosso lateral direito, Jean saiu antes mas perdeu vergonhosamente na corrida, e a bola cruzada sobrou fácil pro Henrique Dourado empatar.

Mas o Palmeiras não se abalou. Seguiu criando e depois de uma excelente jogada do RG pela direita, até que enfim Senhor…, Keno desempatou.

Ainda teve tempo do Prass fazer uma defesa monstra numa jogada que o Henrique Dourado entrou nas costas do Juninho/ZR.

Pro segundo tempo, Cuca sacou o Jean – péssimo, sem nenhuma condição de jogo – e colocou o Thiago Santos, deslocando o Tche Tche pra direita. Mais tarde, com a contusão do sempre excelente Felipe Melo, Fabiano entrou e Tche Tche voltou pro meio de campo.

Keno, exausto, ainda deu lugar pro MB, e o Palmeiras até conseguia desenvolver algumas jogadas de contra-ataque, embora faltasse algum capricho – assim como em Curitiba – pra matar o jogo.

Numa das raras vaciladas da nossa zaga, que foi muito bem no geral, Marco Junior cabeceou sozinho, na pequena área, pruma defesa absurdamente monstruosa do Prass.

Pouco depois, num contraataque armado por Juninho, Roger Guedes ganhou dos zagueiros do Fluminense e bateu cruzado de canhota pra lacrar o caixão do time que deve a série C, foi literalmente o último jogo da partida.

Foi o jogo da redenção do Prass e do RG, justo os mais criticados pela torcida nas últimas partidas. Guedes deu um gol e fez outro, e o Prass pegou duas bolas à queima-roupa pra chutar a má-fase do Palmeiras na bunda.

Quarta-feira vamos pra nossa Casa de Praia consolidar a recuperação e descamar um pouco mais nosso velho freguês litorâneo.

AVANTI PALESTRA!

 

 

FluminenC 0x2 Palmeiras – BR16

Ah se todo jogo fora fosse em Brasília… Foi mais uma aula de bola que o Verdão aplicou pra cima do queridinho do STJD. E dessa vez não teve Carlos Simon nenhum pra segurar o Palestra, o passeio foi dos zero aos 90 minutos, sem dó, como deve ser sempre.

Cuca ajeitou a zaga e colocou Mina no lugar do TM. No meio, Gabriel ganhou a vaga de CX, e na frente Erik herdou a posição de RG, enquanto o GJ retomou o lugar que o RM jamais deveria ter ocupado. Com isso, o Palmeiras não demorou a mandar no jogo, e em menos de 30 minutos já fazia 2×0 pra cima do time carioca. 

Dudu, numa releitura do gol porco, e Jean, numa bela patada de primeira de fora da área, fizeram os gols do Palmeiras. E podia ter sido bem mais, tamanha a facilidade com que o Palmeiras chegava no gol do adversário, mesmo com as investidas do Fluminense no 2º tempo, nenhuma que fosse suficiente pra passar pelo Jailson, em mais uma partida de almanaque do nosso goleiro. 

Não fosse a vitória  do Flamengo  com direito a pênalti bem duvidoso lá em Chapecó, o Palmeiras teria aberto 4 pontos de vantagem pra cima do segundo colocado, mas, enfim, três pontos, uma vitória e uma porrada de saldo a mais tá mais do que bom também.
Os próximos 4 jogos serão mais do que cruciais, o Palmeiras vai enfrentar Bambi, Gremio fora, Flamengo e Gambá fora, dois clássicos  e dois adversários diretos numa estilingada só. Se jogar como jogou hoje, 12 pontos vai ser pouco.

Antes disso, tem o Botafogo/PB pela C. Do Brasil. Chance do Cuca dar ritmo de jogo pra quem nao vem atuando, mas sem desrespeitar o adversário, porque não é hora de arrumar pra cabeça…

AVANTI PALESTRA!

OS GOLS

A FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 0 X 2 PALMEIRAS

Local: Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Data/Hora: 28/8/2016 – 16h

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Sidmar dos Santos Meurer (MG) 

Público/Renda: 12.037 pessoas/ R$ 630.135

Cartões amarelos: Douglas, Wellington, Cícero, Marcos Júnior, Marquinho, Gum e Danilinho (FLU); Gabriel Jesus, Yerry Mina, Vitor Hugo, Dudu e Arouca (PAL)

Cartões vermelhos: – 

Gols: Dudu 19’/1T (0-1) e Jean 24’/1T (0-2)

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Douglas (Marquinho, intervalo) e Cícero; Gustavo Scarpa (Danilinho, aos 26’/2T), Marcos Júnior e Wellington; Henrique Dourado (Claudio Aquino, intervalo). Técnico: Levir Culpi

PALMEIRAS: Jaílson; Jean, Yerry Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel (Arouca, aos 30’/2T) e Tchê Tchê; Erik (Róger Guedes, aos 17’/2T), Moisés (Cleiton Xavier, aos 24’/2T) e Dudu; Gabriel Jesus. Técnico: Cuca

Palmeiras 2×0 FluminenC – BR16

Num jogo mais uma vez marcado por uma arbitragem sem-vergonha contra o Palmeiras, e nem se podia esperar algo de diferente desse Sr. Sandro Meira Ricci, o Verdão precisou da força do banco de reservas para, em pouco menos de 15 minutos, e num intervalo de 02 minutos, liquidar o time que deve duas Séries B.

No jogo de sábado, comentei aqui que se o Cuca tivesse colocado o Moisés ainda no intervalo, e anos aos 18 minutos do segundo tempo, talvez o Palmeiras tivesse conseguido reagir ao péssimo primeiro tempo e teríamos voltado com pelo menos 1 ponto.

O treinador percebeu a mesma coisa, e mesmo estando 0x0 ao fim de um primeiro tempo em que o Palmeiras foi melhor, mas a melhor chance de gol foi do adversário, e que só não saiu graças à uma reencarnação de Gordon Banks que baixou no Prass no fimzinho da etapa inicial, Cuca mandou logo CX e Egídio pro chuveiro, e voltou com Alecsandro e Moises.

Dudu assumiu a meia, Tche Tche foi pra esquerda e o Moises fechou na organização, com Roger pela direita, Gabriel pela esquerda e Alecsandro no meio.

Diferente do que se viu em Campinas, o centro-avante estava inspirado hoje. Ganhou divididas, deu carrinho, fez gol e até um chapéu no Fred ele ensaiou, que bom seria se jogasse sempre assim…

E aos 12, depois de cobrança de falta de Dudu, Vitor Hugo “chutou” de cabeça, sem chance pro Cavalieri: bola no barbante e cambalhota aérea do camisa 4.

E mal o Flor deu a saída e o Palmeiras já fez o segundo, em bela jogada de Roger Guedes e Jean pela direita, corta luz do Dudu e uma bomba do meio da área encaixada pelo Alecsandro. 2×0 e mais um adversário aniquilado no Allianz na volta do vestiário. Não deu nem pro time do STJD respirar, ensaiar um tapetão, nada…

Mais pro fim do jogo, Gabriel Jesus – que não marcou gol, mas jogou bola pra valer hoje –  deu lugar ao Zé Roberto, que entrou pra reforçar a lateral esquerda da defesa e o Palmeiras soube conduzir o jogo até o fim sem muitas surpresas.

Com o resultado o Verdão assume por ora a segunda posição da tabela, um ponto atrás do Santa, que sapecou 4 nas Marias.

Domingo, no Morumbi, o Palmeiras precisa recuperar os pontos perdidos em Campinas. Chegou a hora de voltar a vencer no Panetonne, e infelizmente vai ser sem a nossa presença.

E o por quê? Por que o Palmeiras tem uma diretoria que é inimiga do seu torcedor, não sabe ou se faz de rogada da importância do torcedor no estádio. Vejam só os senhores que logo mais as 10h inicia a venda dos ingressos para o jogo contra o Grêmio no Pacaembu, no próximo dia 02.

Adivinhem o que fez a Nobre diretoria? Colocou o Avanti Ouro, sabidamente o plano de ST dos torcedores organizados, no longínquo Tobogã, ao invés de respeitar o tradicional espaço que sempre foi ocupado pelas Organizadas, as arquibancadas Verde e Amarela. É ou não é uma IMBECILIDADE?

Por isso que eu insisto, o Palmeiras, se Deus quiser, será campeão, apesar da sua diretoria ser inimiga do torcedor… Agora, imagina se não fosse, ninguém iria segurar… Burros!

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 0 FLUMINENSE 

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/horário: 25 de maio de 2016, quarta-feira, às 21h45
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Assistentes: Nadine Schramm Camara Bastos e Helton Nunes (ambos de SC) 
Público/renda: 28.534 presentes / R$ 1.567.292,04
Cartão  amarelo: Thiago Martins (PAL)
Gols: Vitor Hugo, 12’/2ºT (1-0); Alecsandro, 13’/2ºT (2-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Tchê Tchê, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio (Moisés – intervalo); Matheus Sales e Jean; Róger Guedes, Cleiton Xavier (Alecsandro – intervalo) e Dudu; Gabriel Jesus (Zé Roberto – 34’/2ºT). Técnico: Cuquinha.

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Jonathan, Gum, Henrique e Wellington Silva; Pierre, Edson (Marcos Junior – 16’/2ºT), Cícero e Gustavo Scarpa (Magno Alves – 31’/2ºT); Osvaldo (Richarlison – 16’/2ºT) e Fred. Técnico: Levir Culpi.

OS LANCES:

em breve

AVANTI PALESTRA! 


 

   

Palmeiras 2 (4) x (1) 1 Fluminense – Copa BR 1ão

Primeiramente, chupa Peter Siemsen, chupa Fred, chupa Vinícius, chupa Scarpa, chupa Gum, chupa Eduardo Baptista e o pai dele também, e chupa pra toda a meia dúzia de integrantes da minúscula, quase pueril, torcida do Fluminense.

Chupa, Somos Palmeiras!!!! Voltem pra Série B e fiquem por lá, obrigado de nada a e até a próxima! AHAHAHAHAHA

Falando do jogo, porque ficar falando de time pequeno não dá liga, o coração do palestrino foi colocado à prova hoje no Allianz Parque, que teve mais de 38 mil torcedores que fizeram sua parte e apoiaram do início ao fim.

E começou bem demais, com 14 minutos já estava 2×0 – dois de Barrios – e parecia que o Palmeiras ia aniquilar aquele time maldito de vez e de novo.

Aí, o Palmeiras foi acomodando, o Robinho que voltava de contusão foi cansando, e o Fluminense começou a crescer em campo. Tiveram 03 chances, nenhuma clara, de gol, antes de encerrar o primeiro tempo, e o Palmeiras teve mais uma com Barrios, num lance que podia muito bem ter sido marcado pênalti.

No segundo tempo, o Robinho já completamente extenuado, o Palmeiras retomou a rotina de correr atrás da bola na defesa e de não ficar nunca com ela no ataque. Jogávamos por um contra-ataque pra trancar o caixão dos caras, uma estratégia bem arriscada, mas era o que tinha pra hoje.

E foi justamente numa saída errada de contra-ataque que os bambis cariocas acharam um gol, o que levaria o jogo para os penaltis.

O Palmeiras conseguiu marcar o terceiro em cobrança de falta de Allione pra área, mas o Dudu estava um pouco a frente, gol bem anulado pelo bandeira.

Já nos acréscimos, num lance péssimo da zaga, num lateral, a bola sobrou pro Fred, ele e o Prass, e nosso goleiro fez uma defesa monstra, anunciando o que estava por vir na cobrança dos penaltis.

Eu não vi, sei que foi 4×1 pra gente, mas eu não assisto pênalti desde Itaquera, e olha, tá dando certo: Prass pegou um, Gum isolou outro, e nem deu tempo do Fred perder o quinto.

Destaques só positivos hoje: Mateus Salles, Barrios e PRASS, com letras garrafais, PRASSSSSS!!!!!!

Estamos na final. E temos 4 semanas pra zerar o DM e acertar o preparo físico desse time, porque tá complicado…

E que venham os lambaris. No Paulista, éramos favoritos – segundo a imprensa – e perdemos o caneco. Agora parece que as coisas estão invertidas pra grande maioria da mídia esportiva. Veremos.

Pra cima Palmeiras, pra cima Palmeiras!!!!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA: 

PALMEIRAS 2 (4) X (1) 1 FLUMINENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 28/10/2015 – 22h
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Alessandro Rocha de Matos (BA) e Guilherme Dias Camilo (MG)

Renda/Público: R$ 2.760.200,00 / 38.562 pagantes
Cartões Amarelos: Jackson (PAL); Wellington Silva e Fred (FLU)
Cartões Vermelhos: 
GOLS: Lucas Barrios, 13’/1ºT (1-0); Lucas Barrios, 17’/1ºT (2-0); Fred, 25’/2ºT (2-1)

PÊNALTIS: 
Palmeiras: 
Rafael Marques (Gol), Jackson (Gol), Cristaldo (Gol) e Allione (Gol)
Fluminense: Jean (Gol), Gustavo Scarpa (Errou) e Gum (Errou)

PALMEIRAS: Fernando Prass, Lucas, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Amaral, Matheus Sales e Robinho (Rafael Marques, 17’/2ºT); Dudu, Lucas Barrios (Cristaldo, 38’/2ºT) e Gabriel Jesus (Allione, 29’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Gum, Marlon e Breno Lopes (Osvaldo, 16’/2ºT); Jean, Cícero, Vinícius (Magno Alves, 23’/2ºT) e Gustavo Scarpa; Marcos Junior (Gerson, intervalo) e Fred. Técnico: Eduardo Baptista

Tem Jogo! Palmeiras x Fluminense – Copa BR 15 – jogo de volta

Em pouco menos de 24 horas, o Palmeiras entra em campo no Allianz Parque pra selar seu destino pro ano de 2016.

Passar pelo Fluminense amanhã confirmará o Palmeiras em mais uma final de Copa do Brasil – o Santos deve ser o adversário para o título e mantém as chances do Verdão chegar na Liberta sem depender do BR.

E a campanha desenvolvida nos últimos 05 jogos serviu pra deixar o palmeirense bastante apreensivo: o Palmeiras perdeu pra Chapecoense, Ponte Preta, Fluminense e Sport e só ganhou do Avai nos últimos 5 jogos. Perdeu a chance de consolidar a classificação pra Libertadores no BR com o que seria pelo menos 05 pontos de vantagem pro quinto colocado, e pra isso bastava ter empatado com a Chape e vencido Ponte e Sport dentro de casa.

Mas nunca é assim e a gente sabe bem como a banda toca pro Palmeiras, ora jogando pessimamente, ora sendo assaltado pela arbitragem com a nossa própria conivência institucional, enfim a mesma história dos últimos sei-lá-quantos anos…

Ainda temos que quebrar a cabeça pra tentar adivinhar que time vai entrar em campo, tantas que são as surpresas e invenções de Marcelo Oliveira na montagem do time titular. Quarta passada a escolha injustificável de Vitor Ramos pesou: os dois gols do Fluminense saíram em falhas dele, que também contou com a ajuda de Andrei Girotto nas presepadas. Mas o time reagiu bem com as modificações – os dois perebas saíram – e só não saímos do Maracanã com o empate porque, pra variar, tivemos um gol mal anulado pela arbitragem…

Só que, dessa vez, não dá mais pra errar. Qualquer falha na escolha do time que vai a campo, durante o jogo e até mesmo da arbitragem, vai custar caro pro Palmeiras. E o Fluminense, que nunca foi flor que se cheire, com o perdão do trocadilho, trabalhou pesado nos bastidores pro jogo de amanhã.

Os refletores do Maraca nem tinham apagado e já estava o presidente deles literalmente chorando pras câmeras de TV, como se o Fluminense não tivesse duas Séries B pra pagar…

Ainda foram ao STJD pra “brigar” por 10% dos ingressos pra torcida deles, sendo que nem 600 torcedores compraram ingresso pra ver o time jogar no Allianz. Nítida manobra de bastidores pra tumultuar a partida. Afinal, quanto mais nervoso o Palmeiras estiver, melhor pro Fluminense, na ótica deles.

Mas aí eu espero que Marcelo Oliveira seja um monstro na preleção, e faça virar todo esse nervosismo a nosso favor.

Tem que por no telão o quanto esse Fluminense e um lixo:

E o quanto somos melhores e maiores que eles:

Não custa lembrar a história desse jogo, valido pela última rodada do BR 05. O Palmeiras vinha em franca ascensão no campeonato, saindo da décima sexta posição, e chegou na última rodada em quinto com 67 pontos, pra jogar justamente contra o quarto colocado, o Fluminense, que tinha 68.

A vitória punha o Palmeiras na Liberta, o empate bastava pro Fluminense. Ainda no primeiro tempo, o Fluminense abriu o placar com Tuta.

No segundo tempo o Palmeiras foi pra cima, mas com um ataque que tinha Washington Orelha e Gioino, não ia ser nada fácil…

A virada do Verdão começou justamente nos pés – e não nas mãos – de São Marcos: uma bola quase perdida na zona do escanteio da nossa defesa, ali em frente ao antigo setor família do Palestra, o Marcão correu, evitou a saída, deu um lançamento de 70 metros pro Gioino, que pela primeira e talvez única vez na carreira acertou o domínio, cruzou pro Washington que dominou, ajeitou e sentou a bota: 1×1.

Mas aos 22, um chutaço de fora da área dum moleque da base do Fluminense, que atendia por “Arouca”, indefensável até mesmo pro Santo, e de novo o Fluminense, que só precisava empatar, estava na nossa frente.

E precisou de apenas 12 minutos pro Palmeiras colocar o Fluminense no devido lugar: Juninho Paulista de falta, com ajuda de Petkovic, e Corrêa, também de falta, colocaram o Verdão na Liberta 2006.

10 anos depois e recebemos de novo na nossa casa o time do Fluminense, eles só precisando empatar, pra mantermos viva a chance do título a Copa do Brasil e, por consequência, da vaga na Liberta 2016.

Só que agora, além de mais uma Série B, o Fluminense ainda nos deve aquele jogo sujo do BR 2009, que nos custou o título e valeu pra eles mais uma fuga bem pouco ortodoxa do rebaixamento…

Por isso, espero que os jogadores entrem amanhã com sangue nos olhos, o mesmo que teve um time tão modesto quanto Marcos, André Cunha, Daniel, Gamarra, LúcioMarcinho Guerreiro, Correa, Juninho, Diego Souza (Gioino), Marcinho e Washington. Se eles conseguiram, não vai ser o atual elenco que vai ramelar.

E na bancada não pode ser diferente, estaremos diante de um inimigo genuíno, e temos que fazer a nossa parte com louvor, o Allianz tem que tremer!

PRA CIMA PALMEIRAS, PRAAAAAA CIMAAAA PALMEEEEEEIRASSSSSS!!!!!!!!!!!!

AVANTI PALESTRA!

Flor 2×1 Palmeiras – Copa BR 15

O resultado não foi o mais desejado, mas está longe de ser uma tragédia. Seguimos vivendo um dilema no meio de campo, se vale a pena colocar o ZR ali ou na esquerda no lugar do Egídio.

Hoje, o Egídio funcionou bem na esquerda, depois de entrar no lugar do Andrei no 2.o tempo . Não comprometeu e até ajudou, na medida do possível, na zaga. Mas se botar na balança a dívida ainda é muito longa…

O primeiro tempo pode ser definido por duas chances do Flor, de bolas paradas que viraram dois gols, e duas chances pro Palmeiras, uma de bola parada, que não deram em nada.

 Ainda no fim do primeiro tempo, o divisor de águas veio com uma contusão de joelho E tornozelo do Fred, que se Deus quiser vai valer pra hoje e pra semana que vem.

No segundo tempo, Marcelo fez duas mudanças, saíram Andrei e Vitor Ramos, que nem deveriam ter jogado, e entraram Egídio e Jackson.

O Palmeiras cresceu, começou a pressionar o Flor e logo, num passe sinistro do Barrios, ZR entrou sozinho na área e foi derrubado, penalti pro Palmeiras, que o ZR bateu e fez. 

Depois, o Flor se perdeu em campo e o Palmeiras começou a crescer. Falta batida na área e o Amaral, na mesma linha, empatou o jogo, masssss, o bandeirinha fodeu a gente. Só pra variar um pouco…  

Na sequência, moscada da zaga e gol do Flor anulado, absolutamente impedido: seguiu 2 x 1 até o fim, não sem antes o Palmeiras ter mais uma ou duas chances claras de empatar o jogo, mas pra que facilitar…

Diante das circunstâncias, contando as pataquadas de Andrei Girotto e Vitor Ramos (x2), até que saiu barato, o Palmeiras só não venceu porque o jogo foi 2×1, mas gol fora vale ouro, entáo, segue o jogo….

Quarta que vem vamos entupir o Allianz e garantir a vaga na final dessa porra, é tudo nosso!

E os meus parabéns pela empreitada dos amigos que compareceram hoje ao Errejota e fizeram valer a nossa força na bancada! Pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA! 

Fluminense 1×4 Palmeiras – BR15

Depois de um primeiro tempo digno do palmeirense querer cometer um suinocídio, Marcelo Oliveira – esperamos que para TODO O SEMPRE – se convenceu da imprestabilidade de Egídio e AlecDonalds, e mandou pra campo Rafael Marques e Lucas Barrios.

E o resultado foi gritante, 4 gols marcados em questão de minutos, 03 deles do “reserva” Lucas Barrios.

Fica complicado tentar entender a motivação do treinador em insistir com jogadores em gritante má fase, sacrificando o time durante toda uma etapa de jogo, pra depois corrigir e buscar a vitória fácil, não sem antes impor ao palmeirense um sofrimento infinito de 45 minutos, se é que isso é fisicamente possível… Sem falar que, por vezes, os 45 minutos do segundo tempo não foram suficientes pra reverter o resultado negativo do primeiro tempo… Pra que isso, professor?

A diferença de comportamento do time nos dois tempos de jogo mostra não que o treinador é genial, mas sim que teve a esperteza de corrigir uma cagada imperdoável na hora de escalar o time pro jogo.

Curioso que esse “defeito” era recorrente também com o último treinador, e agora vemos a mesma coisa acontecendo com o Marcelo. Será que o problema é mesmo o treinador?

Que a partida lastimável do 666 e do 90KG seja emblemática pra eles nunca mais comporem o escrete inicial da SEP. E que os 03 gols de Barrios sejam definitivos pra confirmar sua titularidade, mesmo porque ser reserva dum caneludo e barrigudo como Alecsandro deveria ser motivo pra rescisão imediata do contrato por culpa do empregador.

Só nos resta orar pra que o Marcelo tenha essa sensatez já pro próximo sábado.

Que venha o Pacaembu, que venham os gaúchos.

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 1 X 4 PALMEIRAS

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 16/9/2015 – 19h30
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Jose Javel Silveira (RS) e Rafael da Silva Alves (RS)

Renda/Público: R$ 403.865,00 / 11.063 presentes
Cartões Amarelos: Wellington Silva (FLU) / Egídio, Thiago Santos e Fernando Prass (PAL)
GOLS: Jean (36’/1ºT 1 – 0), Lucas Barrios (23’/2ºT 1 – 1), Gabriel Jesus (30’/2ºT 1 – 2), Lucas Barrios (45’/2ºT 1 – 3) e Lucas Barrios (47’/2ºT 1 – 4)

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Antônio Carlos, Marlon e Léo Pelé; Edson, Jean (Vinícius – 31’/2ºT), Cícero e Gerson (Osvaldo – 30’/1ºT); Marcos Júnior (Michael – 34’/2ºT) e Fred. Técnico: Enderson Moreira.

PALMEIRAS: Fernando Prass, Lucas, Victor Ramos, Jackson e Egídio (Rafael Marques – Intervalo); Thiago Santos, Arouca (Allione – 15’/2ºT), Robinho e Zé Roberto; Gabriel Jesus e Alecsandro (Lucas Barrios – 15’/2ºT) Técnico: Marcelo Oliveira 

      

Palmeiras 2×1 Fluminense – BR15

Foi na bacia das almas. Mas não podia ter sido mais justo. Nos últimos tempos o Fluminense representou tudo de pior que um time de futebol pode ter, principalmente quando jogou contra nós. 

Vai demorar ainda pra esquecermos aquele 2009 no Maracanã, Simon e cia., só pra citar o mais emblemático dos episódios que bem traduzem que tipo de sentimento devemos nutrir por esse clube.

E, pra variar, o Palmeiras entrou bem no jogo, criava e não conseguia transformar em gol e, no primeiro – dos vários – vacilos de Vitor Ramos, gol dos caras.

E o Fluminense teve algumas chances de ampliar, o Palmeiras parecia um pouco amarrado, não conseguia ir pro abafa. 

Mas, aos 47, escanteio no primeiro pau, e Rafael Marques subiu pra empatar o jogo. Justo.

E ai, eis que o Palmeiras volta do intervalo sem Zé Roberto e com Alecsandro. Coisa que o Oswaldo jamais faria, a não ser que tivesse perdendo o jogo. – e “precisando” ganhar.

E o Palmeiras foi pra cima, encurralou o Fluminense e teve várias chances de virar o jogo, até uma cabeçada do Victor Hugo, que se não fosse meu parça Pedrão gritar gol antes da hora, ia na rede, e não no travessão…

E o Palmeiras seguiu pressionando e o Valentim continuou acertando tudo. Tirou o apagado CX8 e mandou Robinho pro campo, e mais pro fim mandou Cristaldo no Arouca. Estavámos com 1 a mais e logo depois ficaríamos com 2. 

E foi de novo na última bola, aos 46, que o gol da vitória saiu, depois de rebote do Cavalieri em cobrança de falta do Egídio e duas tentativas de cabeça do Cristaldo, a primeira na trave e a segunda pro abraço.

Chupa! E paguem a Série B antes de querer reclamar de arbitragem!

Com a vitória, o Palmeiras saiu do Z4 e foi pra 12ª posição, e tirou 2 pontos de diferença pra liderança  Agora são 7 pontos pra ponta da tabela.

É muita coisa, levando em conta que só foram disputados 7 jogos até aqui. Marcelo Oliveira vai ter muito trabalho pela frente.

Agora vamos buscar mais 3 pontos em Porco Alegre.

OS LANCES:

 

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 FLUMINENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 14 de junho de 2015, às 16h (de Brasília)
Juiz: Dewson Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Guilherme Camilo (MG) e Marcio Santiago (MG)
Público pagante/Renda: 26.181 / R$ 1.637.815,00
Cartões amarelos: Antônio Carlos, Pierre, Jean, Gum, Marcos Junior e Renato (FLU)
Cartões vermelhos: Magno Alves, 14’/2ºT e Gum, 43’/2ºT (FLU)

GOLS: Jean, 16’/1ºT (0-1); Rafael Marques, 47’/1ºT (1-1) e Cristaldo, 45’/2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Vctor Ramos, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel, Arouca (Cristaldo, 36’/2ºT), Cleiton Xavier (Robinho, 21’/2ºT), Zé Roberto (Alecsandro, intervalo) e Dudu; Rafael Marques. Técnico: Alberto Valentim (interino)

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Renato, Gum, Antônio Carlos (Henrique, intervalo) e Giovanni; Pierre, Edson, Jean, Gerson (Lucas Gomes, 42’/2ºT) e Vinícius (Marcos Junior, 24’/2ºT); Magno Alves. Técnico: Enderson Moreira.

AVANTI PALESTRA!

STJDense 3×0 Palmeiras – BR14

Às vezes, a melhor explicação tem que ser desenhada antes do que falada.

Então deixa eu desenhar pra vocês: o Fluminense chutou 06 bolas no gol, 05 delas certas, 03 delas foram gols. O Palmeiras chutou 17 vezes, 03 delas foram certas, nenhuma delas foi gol.

Isso só demonstra o quanto o Palmeiras é ruim na defesa E no ataque. Tomamos 03 gois ridículos. O primeiro podia resultar na demissão sumária de Weldinho, tamanha a vergonha. O segundo, é culpa da diretoria, pois o pênalti marcado pros caras foi bem menos pênalti do que o sofrido pelo Diogo logo depois. Adivinhem qual foi marcado, qual não foi?

E o terceiro, bom, o terceiro vai na conta do frangueiro do Fabio, mais um gol sofrido por esse morfético e não há cristo que tire esse desgraçado do gol. Cazzo, Dorival! Mexe na porra do gol, caralho!

No ataque, é inexplicável a insistência com Juninho no meio e não um meia de ofício, Mendieta, por pior que seja, jogou muito mais bola do que os demais pseudo meias do time. Henrique seguir como titular é outra pra ir na conta do treinador. Apesar de que os gols que o Cristaldo perdeu são inaceitáveis…

Enfim, o Palmeiras é hoje um time de merda, que perde pra adversários que não fazem o menor esforço pra vencer, e ainda conta a partir de hoje com a pior defesa do campeonato e um ataque medíocre, e o treinador segue forçando a barra com os mesmos morféticos de sempre. Tem mais é que se foder mesmo.

Abre o olho Dorival, sobe os moleques e para de brincadeira, antes que seja tarde demais…

Maldita Portuguesa…

Quarta-feira, contra os lixos cariocas, 03 pontos não é mais que obrigação.

ACORDA PALESTRA!    

%d blogueiros gostam disto: