Arquivos do Blog

Palmeiras 2×2 Cruzeiro – BR17

Mais um ponto diminuído. Já são 12 no total. E faltam 5 pra buscar. Hoje poderiam faltar apenas 03, não fosse uma partida lamentável do Juninho, que deu os 02 gols do Cruzeiro, um ele mesmo que marcou, e também não fosse a atuação decisiva do árbitro Heber Roberto Lopes, o grande responsável pelo resultado.

Eu disse aqui num dos últimos posts que não podia depender de arbitragem, pois na dúvida, é sempre contra o Palmeiras. Mas dessa vez teve exagero: o árbitro não marcou um penalti claro no Keno e ainda anulou um gol bom do Borja.

Mas nada disso seria de se lamentar se o Palmeiras não tivesse vacilado nos dois gols que o Cruzeiro marcou e ainda nos gols desperdiçados pelo Keno e pelo Dudu, ainda no 1T e que teriam lacrado o jogo.

De qualquer forma, tirando as mancadas do camisa 4, o Palmeiras fez uma partida muito consistente, teve muito volume de jogo e não se abalou com o revés logo aos 6 minutos de jogo, buscou o empate, fez o segundo bem mal anulado, podia ter feito mais dois, e o primeiro tempo terminou num injustíssimo 1×1.

No segundo tempo o time manteve o volume, com um pouco menos de intensidade, mas quase levou o segundo gol, evitado por uma defesa monstruosa de Fernando Prass. Seguíamos buscando a vitória, só que aos 20 e poucos novo vacilo do Juninho e outro gol do Cruzeiro.

Foi o pior momento do Palmeiras na partida, Valentin logo sacou Jean pra entrar o Roger Guedes e depois trocou Keno por Deyverson.

Seguimos amassando o adversário até que aos 40, de novo Miguel Borja – viu Cuca? – colocou o Palmeiras em igualdade no placar, um gol de centro avante, dominou e pegou a bola na subida, sem chance pro goleiro.

Ainda foram mais 9 minutos de pressão, mas a bola não entraria mais na rede do Cruzeiro. 4 jogos esse ano com as Marias, 3 empates e 1 derrota, a qual também teve um pênalti absurdo não marcado no Roger Guedes, bem debaixo o nariz daquele espantalho que fica fantasiado de juiz na linha de fundo, assim como o lance de hoje no Keno…

O balanço final da partida é que o caminho será longo nos próximos 7 jogos. 21 pontos em disputa e a ordem é pontuar o máximo possível, por isso, nos dois próximos jogos, mesmo fora de casa, a pegada tem que ser pra vencer e tentar diminuir ainda mais a distância pra liderança, que pode ficar a 2 pontos já no próximo domingo, caso o Palmeiras vença no Entulhão.

Se jogar como hoje, só com um pouco mais de atenção na defesa, a vitória virá, ah e como virá…

AVANTI PALESTRA!

Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras – CdB17

Sejamos honestos. A Copa do Brasil terminou pro Palmeiras no apito que decretou o fim do 0x3 no primeiro tempo da partida de ida, no Allianz Parque.

Tudo que se passou depois disso foi lucro. O empate milagroso e inesperado no segundo tempo daquele jogo serviu pra inflar o brio do torcedor palmeirense, mas o Cuca, na coletiva aqui em SP já indicava o golpe: podíamos ter virado e não viramos…

Entramos em campo pro jogo da volta e tivemos um primeiro tempo apagado pra quem tinha a obrigação de buscar o resultado. Nenhum chute a gol na primeira etapa, que foi cozida pela presença de mais um juiz caseiro que apita jogo do Palmeiras fora de casa depois de pressão do adversário dono da casa, vergonha alheia da diretoria que tudo vê silente…

Cuca mexeu bem, e conseguimos, aos 27, num lance único até então – de sorte, aliás – abrir o placar com um gol de Keno, com desvio de Lucas Romero.

Mas o Palmeiras cometeu o pecado mortal do desperdício. Num lance aos 30 e poucos em que estávamos 4 contra 2, Egídio podia abrir pro Veiga na esquerda ou pro Guedes na direita, enquanto o Borja fechava pelo meio, Ele fez a única coisa que não tinha nada a ver, tentou bater no gol…

O castigo veio logo depois, um cruzamento que o Guedes deixou acontecer, e pegou o Mina mal posicionado, acabou virando gol do Cruzeiro, aos 39 do segundo tempo. Castigo até injusto pelo jogo de hoje, e até pela reação no jogo de ida, mas também merecido pelo vacilo inadmissível do primeiro tempo do jogo de ida.

Convenhamos que essa desclassificação, assim como no Paulista, está bem aquém da expectativa do palmeirense pra 2017. Mas também serve de correção de percurso e choque de realidade, ainda temos 1 ou 2 torneios pra disputar, e está mais que na hora de definir prioridades, porque já está desenhado que não temos time pra ganhar todas as disputas, mas ainda temos muita lenha pra queimar nas duas que restam.

Pra cima Palmeiras.

AVANTI PALESTRA!

Cruzeiro 3×1 Palmeiras – BR17

Que lixo de semana. 

Tão pavorosa quanto a quantidade absurda de calças roxas na rua em dia de jogo no Allianz Parque. É tão zica quanto andar com pé de coelho, trevo de 4 folhas, ferradura etc.

Depois do 2Tempo horroroso em Guayaquil se esperava um pouco mais. 

E o Palmeiras até que começou bem a partida. Com mais volume, levando mais perigo. 

Até que numa bola quase morta, sempre pela direita do Maike, aquele morfético que eu não falo o nome contou com mais uma falha de posicionamento do Prass pra abrir o placar pras Marias. 

O que já estava ruim – e a essa altura já contávamos com 2 penaltis não marcados pelo sempre péssimo Pericles Bassols – ficou ainda pior quando um chute despretensioso desviou pra mostrar que o Prass, além de mal, também está com um puta dum azar. 2×0. 

Voltamos pro segundo tempo como sempre voltamos quando o Palmeiras está perdendo com o Maike de titular: sem o Maike. Keno entrou e Tche Tche foi fazer a lateral direita. 

Foi em jogada dele com o Guedes que saiu o cruzamento para William descontar pro Palmeiras. 2×1. 

O Palmeiras seguiu pressionando, mas sempre sem qualidade, e quando tinha alguma o safado do juiz dava um jeito de empatar pro nosso lado.

No fim, bem no fim, Luan errou o bote, o atacante do Cruzeiro entrou sozinho, Prass fez uma defesa monstra, mas, quando a zica tá braba, a bola desviou no nosso zagueiro, sobrando livre pro Maria marcar. 3×1 mentiroso, mas ainda assim 3×1. 

Prass está em má fase. E com azar. Assim como o Palmeiras. Sobrando azar e faltando futebol. 

Endeuzaram demais o Cuca, essa turma que veste a calça vinho, como se fosse resolver todos os nossos problemas só pq o cara usa a calça da mesma cor que o treinador… mas ele não é milagreiro, se não tiver peças de qualidade à disposição não consegue resolver. Hoje jogamos mais um jogo sem 9, sem 10 (volta Moises, pelo amor de San Genaro), com o ZR inventado no meio, com um 2 improvisado (pq o contratado nao resolveu) e depois com um 6 improvisado (pq o contratado nao resolveu).

Enquanto isso fica esse mistério nos bastidores como se o Diego Souza fosse chegar e todos os problemas do Palmeiras fossem acabar. Não vão. 

Talvez quando o Borja jogar bola, quando o Moisés voltar, quando o Jailson entrar, quando o Cuca achar o time e esquema ideiais, sei lá…

Que até quarta-feira esse time renasça e se reinvente, que o Cuca se ilumine e defina a escalação certa pra atropelarmos o Gambá. Time pra isso nós temos, e não tem nada melhor que uma surra no velho freguês pra recolocar as coisas no rumo.

E ela virá!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×3 Cruzeiro – Copa BR17

Que jogo foi esse… Hoje é pra dormir só as 4 da manhã…

Depois de uma quase tragédia, graças a uma escalação muito da equivocada, especialmente em razão da definição da zaga bem mais pesada, com Fabiano, Mina, Dracena e Zé Roberto,  contra um Cruzeiro jogando sem referência, o Palmeiras virou presa fácil e, em 3 contra-ataques, levou 3 gols.

E olha que o Palmeiras começou pressionando bem, criando algumas oportunidades até que, numa falha generalizada num rebote de escanteio, o Cruzeiro fez 0X1. Em mais alguns minutos e já estaria 3. Uma semi-tragédia.

Cuca não perdeu tempo e sacou Fabiano, ainda no primeiro tempo, colocou Egydio e corrigiu de uma só vez toda a defesa: Egidio foi pro lugar do Zé, Zé foi pro lugar do Tche Tche e este, por sua vez, foi para a direita.

Corrigida a marcação, o Palmeiras fechou a porteira na defesa, mas sem conseguir ameaçar o gol do Fabio.

Voltamos do intervalo com o óbvio ululante que apenas o Cuca não quer ver, mas hoje não tinha muita escolha: B O R J A.

Em 20 minutos empatamos o jogo, com uma participação determinante no primeiro e uma assistência de cabeça no segundo gol, o colombiano comandou a reação do Verdão quando boa parte da imprensa já dava a derrota como certa. foi sua melhor partida com a nossa camisa, e isso que nem gol ele fez…

É verdade que depois disso o time acomodou, respirou, e ainda teve algumas chances de chegar ao 4o gol, mas ele não veio.

No fim, o resultado foi justo pela vacilada monstra do Cuca na montagem do time pra essa partida, justo ele que tanto se empenha em escalar o time de acordo com o adversário, colocou a nossa zaga mais pesada contra o ataque mais leve do Cruzeiro. Errou.

E corrigiu o erro. Espero apenas que ele tenha entendido a importância do Borja na partida, bem como a incapacidade do William de ser a referência, o que inclusive contribuiu pra tantas e tantas bolas que estavam no nosso ataque virarem lances ofensivos perigosos e até gols do nosso adversário. Já adianto que, pelo que ouvi da entrevista, ele não entendeu.

Mais duas coisas: Dudu monstro chamou a responsa, fazia tempo qu enão tínhamos um 7 tão a vontade com a nossa camisa, e William sem jogar de centroavante até gol fez, viu professor?

Apesar da desvantagem de ter sofrido gols em casa, o que impede o Verdão de empatar em 0x0, 1×1 ou 2×2 lá no Mineirão, quem saiu pior nessa foi o Cruzeiro, que deixou escapar a chance de fechar a tampa do nosso caixão, e agora vai ter que jogar com a responsa de saber que podia ter matado o confronto no primeiro jogo, mas deixaram a gente buscar, agora quero ver segurar Mariazinha…

AVANTI PALESTRA! 

 

 

Palmeiras 0x0 Cruzeiro – BR16

Foi um resultado ruim, é fato. Mas dentro do planejamento pra essa reta final do campeonato, não se pode achar que foi uma tragédia. Enquanto os resultados mantiverem o Palmeiras na frente, se foi empate, vitória ou derrota, pouco importa.

É lógico que a 8 rodadas do fim, seria muito melhor ter mantido os 03 pontos de vantagem, mas se dos últimos 15 pontos disputados fizemos 13, fica difícil reclamar de alguma coisa.

É claro também que a cada resultado não ideal, aumenta a responsabilidade pro próximo jogo. Se o Palmeiras tivesse vencido ontem, podia até ir pra Floripa pensando em empate, afinal, o Figueira só perdeu uma partida em casa até aqui. Agora, ou vence ou pode terminar a rodada fora da liderança.

Sobre o jogo, o Palmeiras começou muito bem, criando várias chances, teve pelo menos 03 claríssimas oportunidades de abrir o placar, mas a bola não entrou, seja na displicência do GJ, na falta de estatura do Dudu, ou dos 5 cm a mais de perna que o Dracena não tem.

A essa altura, não dá mais pra perder tanto gol, especialmente num jogo complicado como o de ontem, com um time ameaçado e com um elenco até que razoável. Apareceu chance, tem que guardar.

O segundo problema de ontem, que vem se repetindo nos últimos jogos, é que o Palmeiras morre no segundo tempo. América, Santa Cruz, Cruzeiro, todos voltaram do intervalo jogando bem mais que o Palmeiras, é verdade que nos dois primeiros jogos já tínhamos o placar favorável, mas não pode um time cair tanto de produção assim de uma etapa pra outra.

Principalmente Moisés e Dudu voltaram pra segunda etapa com o freio de mão puxado, e o time sentiu em campo, o Cruzeiro cresceu, teve algumas chances de marcar, uma delas, do Robinho, que foi tirada de cima da linha pelo Zé Roberto de carrinho e com a barriga, um lance inacreditável. Se formos campeões com um ponto de vantagem, a taça vai ter que ficar um ano na casa do Zé.

E tudo isso porque o bom futebol que o Palmeiras produziu no primeiro tempo não voltou do vestiário para o fim do jogo. Se a questão é física ou tática eu não sei dizer, mas o Cuca precisa corrigir isso, e rápido.

E o terceiro problema ontem foram as substituições. Com o Palmeiras perdendo em velocidade desde o início do segundo tempo, jamais poderiam ser substituídos Roger, Dudu e Moisés, por Rafael Marques, Cleiton Xavier e Alecsandro, nessa ordem.

O que já estava devagar quase parou com a entrada dos 3 Reis Mortos. Por sorte, calhou de ser o momento que o Cruzeiro perdeu fôlego e parou de incomodar o Palmeiras, mas também a recíproca é verdadeira: tirando um cruzamento do Cleiton Xavier daqueles que a bola pinga na pequena área e que o lateral do Cruzeiro evitou o gol do Alecsandro, o Palmeiras mal chegou perto do gol do Cruzeiro no segundo tempo.

Teve ainda pelo menos 1, senão dois pênaltis não marcados no Jesus, que o fraquíssimo Jailson de Freitas (com quem o Palmeiras só teve uma vitória em 10 jogos) obviamente não marcou. Mas longe de querer responsabilizar o árbitro por mais uma atuação abaixo do esperado do Palmeiras.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro até desafio de VT – tipo aquele do volei, sabe – tá valendo pra ajudar esse time mentiroso do Flamengo seguir tentando roubar o nosso título. Ontem um gol irregular anotado a favor, mais um, e um gol anulado contra, com a ajuda da boa e velha amiga emissora de TV.

E se o presidente do Fluminense acha que foi a primeira vez na vida que isso aconteceu, te garanto, meu senhor, não foi não. Só lembrar do gol do Barcos em 2012 no Beira Rio, anulado pelo delegado da partida, com ajuda indiscutível da TV. O que tem de comum esse lance e o de ontem? Direta ou indiretamente, o prejudicado nessas horas sempre vai ser o Palmeiras. Agora deixa o Fluminense ir lá passar vergonha no STJD, se pedirem a anulação do jogo mesmo, o resultado disso daí todo mundo já sabe.

O resumo dessa ópera toda é um só: temos que continuar fazendo nossa parte, seguir pontuando e esquecer o que acontece com os rivais: hoje, como há mais de uma dezena de rodadas, seguimos dependendo apenas de nós mesmos.

AVANTI PALESTRA!

Cruzeiro 2×1 Palmeiras – BR16

A atuação do Palmeiras ontem diante do Cruzeiro foi abaixo da crítica. A derrota, que quebrou uma série de 6 jogos invicto do Verdão, foi mais que merecida. 

Nada deu certo, nem mesmo as alterações que o Cuca fez no intervalo. A entrada do Luan no lugar do CX, aos 5 do segundo tempo, terminou de enterrar de vez o Palmeiras no jogo. 

Mas o principal problema segue sendo a zaga. Ontem descobrimos porque a torcida do Cruzeiro ficou feliz da vida quando Fabiano foi embora, e o Vitor Hugo continua suspenso desde o jogo do Gambá, porque de lá pra cá, não jogou absolutamente nada. Egídio segue sendo ele mesmo, e só o Dracena se salvou; ao lado do Prass, evitaram que o Palmeiras fosse goleado. 

E só pra variar, ainda teve dedo da arbitragem, no fim do jogo, num pênalti não marcado sobre o Edu Dracena. O que não apaga a atuação pavorosa do Palmeiras. Todo mundo sabia que não seria fácil jogar lá em Minas, mas ontem o Palmeiras conseguiu o mais difícil, que foi marcar antes, mas depois foi presa fácil prum time bem do comum…

Sinal amarelo pra quem quer ser campeão: não tem que ganhar todas, mas um mínimo de qualidade precisa ter todo jogo. 

Pra cima do Figueira na quinta. 

AVANTI PALESTRA!

Cruzeiro 2×3 Palmeiras – BR15

E o Palmeiras atropelou o Cruzeiro, como devia ter acontecido no jogo de domingo retrasado, contra esse mesmo (fraco) adversário.

O Palmeiras já tinha merecido melhor sorte contra o Galo no fim de semana pelo BR, principalmente pelo segundo tempo, mas a bola teimava em não entrar.

Hoje, com 30 minutos o jogo estava definido.

Num dia em que Gabriel Jesus finalmente mostrou o porque o palmeirense confia tanto no seu futebol, com uma assistência pro Barrios e dois gols, o Verdão abriu 3×0, além do moleque ter cavado a expulsão do zagueiro Bruno Rodrigo, isso tudo ainda no primeiro tempo.

Depois o Palmeiras se acomodou e passou a jogar com o regulamento embaixo do braço (podia perder de 4×3), acabou tomando dois gols, um de penalti (que dessa vez foi), embora, é óbvio, o juiz deixou de marcar um penalti absurdo no Barrios ainda no primeiro tempo.

O importante é que o Palmeiras fez valer a vantagem conquistada em casa e não tomou conhecimento do Cruzeiro. Foi mais time o jogo inteiro. Que seja assim no domingo, contra o Joinville, que será um jogo bem difícil, pelo que a equipe catarinense evoluiu nas últimas rodadas.

E lá em Itaquera, nosso rival segue 100% em mata-mata: 03 disputas, três eliminações no estádio do Governo Federal. Que dó da formiguinha… ahahahahahah

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 2×1 Cruzeiro – Copa Br15

Foi um jogo difícil. Os números comprovam que o Palmeiras não foi muito bem.

Até os 10 do segundo tempo, eram 02 chutes a gol do Palmeiras contra 11 do Cruzeiro.

Tudo bem que o jogo ia muito bem administrado, com o gol marcado aos 07, depois de uma assistência monstra do Barrios pro CX, até que mais uma vez uma lesão muscular veio deixar o palmeirense em pânico: justo o Arouca, o outro volante titular do elenco, saiu com suspeita de lesão muscular. Puta que pariu, que zica…

Marcelo optou por deixar o 4-4-2 clássico escolhido pro jogo de lado – até porque não tinha outro segundo volante no banco – e mandou Rafael Marques pro usual 4-1-4-1. Decisão certa, mas parecia não funcionar. Foram raros os contra-ataques que o Palmeiras conseguiu encaixar no primeiro tempo, os jogadores que estavam encarregados de iniciar os contragolpes não acertavam uma, mas o Cruzeiro também não chegava com muito perigo.

Ai veio o segundo tempo e logo aos 04, numa saída de bola errada do VH, o Jackson ficou marcando o Damião como se fosse um jogador qualquer, deu espaço, aí o cara chutou forte, e o Prass não foi muito bem. 1×1.

Cristaldo entrou no lugar do Barrios e o time melhorou, embora Marcelo Henrique Lima, sempre ele, tenha marcado tudo que ele pôde e não pôde contra o Churry. Não deixou passar uma…

Num lance de falta em que a ordem do treinador era que o Andrei Girotto desse mais um daqueles chutes ridículos direto pro gol, coube ao CX botar ordem na casa e mandar ele sair da bola. CX bateu alçada na área, ganhamos um lateral e, na cobrança, bola rebatida pro Dudu, cruzamento certeiro pro Rafael Marques fazer o gol da vitória.

Pouco depois, o Cristaldo recebeu uma bola sozinho na área, mas o bandeirinha entrou na onda do juiz e, se é contra o Churry, marca. Impedimento inexistente e tome mais uma bucha da arbitragem em lance claro de gol pro Palmeiras. Mas dizer o que se preferem divulgar até Nota Oficial pra elogiar justo a arbitragem que tanto fode o Palmeiras, nunca comentamos a escala de apitadores como o de hoje, que nunca vai bem jogos do Palmeiras… Pra mim tem que reclamar SEMPRE. Assim o cara pega um gancho e depois pensa duas vezes antes de apitar frouxo jogo nosso. Mas isso é, bom, opinativo, né? 

Por falar em arbitragem, vejam como são as coisas: em pelo menos dois lances claros, deu pra ver que a orientação passada pros jogadores do Cruzeiro em bolas alçadas no segundo pau, era pra tentar cabecear a bola na mão do zagueiro – um lance do Marquinhos no primeiro tempo e outro do Damião, na etapa final. É, o Luxa não perde tempo em tentar ser malandrão, mas não colou, então chupa mané e põe gelo nesse dedinho!

Entre os destaques do time, CX comeu a bola enquanto aguentou. Já ficou claro que quarta e domingo não vira pra ele. Hoje Felype Gabriel esteve no banco à disposição, mas com um jogador tendo que ser substituído mais uma vez por lesão, não era hora pra inventar mesmo, e a entrada do Amaral foi suficiente pra segurar o resultado. Andrei mostrou alguma evolução ao mesmo tempo que tem ainda alguma insegurança.

Do lado negativo, Egidio fez uma das piores partidas com a camisa do Palmeiras. Fraco no apoio, na marcação, nas malditas cobranças de escanteio, péssimo. Jakcson dormiu no gol dos Marias e o Barrios, ao mesmo passo que demonstrou uma qualidade ímpar na assistência pro gol do CX, deixa claro que não consegue se adaptar ao esquema tático, especialmente o defensivo, do treinador.

Quero entender a saída do Leandro Pereira do time, porque pelo mostrado pelo Barrios hoje, ela é injustificável. A opção técnica do Marcelo até agora não me convenceu nem mesmo pela desculpa do “ganhar ritmo”, como não colou também pra boa parte dos palmeirenses que frequentam os jogos com o Maluco, e que se auto-intitulam Os Imbecis. ahahah que nominho pra inspirar confiança, mas enfim não fui eu que batizei os imbecis então segue o jogo…

Pra finalizar, a diretoria do Palmeiras segue sem fazer a lição de casa. 24 mil pessoas hoje, contra os 38 mil de domingo. 60% de ocupação hoje contra 90% do jogo contra os Mulambos… E isso porque era um mata-mata, contra um time grande, mas ao mesmo tempo, 3 dias depois do jogo – apesar da goelada – em que o ticket médio de R$ 77,00 furou o bolso da palestrinidade… Não tem mágica, presidente, o palmeirense num guenta pagar tão caro pra acompanhar o time. E olha que hoje o ticket médio foi de R$ 65,00, ou seja, os ingressos mais baratos foram possivelmente esgotados, enquanto que os setores que ainda seguem absurdamente caros – As Centrais – ficaram vazios.

Um pacote que tivesse oferecido os ingressos de domingo e quarta a preços promocionais, por exemplo, podia ter solucionado a lotação do estádio hoje que, aliás, em termos de momento de cada competição, era muito mais importante hoje do que domingo.

Mas sei lá, eu sou só mais um imbecil frequentador das arquibancadas, não tenho formação nenhuma pra falar dessas coisas. Os senhores, doutores e PhDs em modelos de mercado e uiscambau que expliquem pro seu investidor – nós, os porcos desinformados – como a ocupação pode oscilar tanto, ainda mais num jogo decisivo. Com a palavra, os sábios. Mas se quiserem a resposta, eu digo: PORQUE TÁ CARO PRA CARALHO!!!!

Domingo vai ser jogo pra judiar do coração do palmeirense. Mas não há de ser nada com o Arouca, #ajudanoix San Gennaro!

AVANTI PALESTRA:

OS GOLS:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 CRUZEIRO

Data/Horário: 19 de agosto de 2014, às 22h
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (PE)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Rafael da Silva Alves (RS)
Cartões amarelos: Zé Roberto (PAL) e Fabrício (CRU)
Publico e renda: 24.889 pagantes/R$ 1.621.115
Gols: Cleiton Xavier, 8’1ºT (1-0); Leandro Damião, 4’2ºT (1-1); Rafael Marques, 17’2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Jackson, Vitor Hugo e Egídio; Arouca (Rafael Marques 25’1ºT), Andrei Girotto, Zé Roberto, Cleiton Xavier (Amaral 33’2ºT), Dudu; Lucas Barrios (Cristaldo 14’2ºT).
Técnico: Marcelo Oliveira

CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Manoel, Paulo André e Mena; Chales (Ariel Cabral 26’2ºT), Fabrício e Henrique; Marquinhos (Vinícius Araújo 21’2ºT), Leandro Damião e Alisson (Arrascaeta 33’2ºT).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo 

Cruzeiro 2 x 1 Palmeiras – BR 15

E o Palmeiras conseguiu entrar em campo podendo assumir a terceira posição no campeonato e vai fechar a rodada em sétimo.

Se alguém achava que o time tinha elenco pra suprir a falta do Gabriel até o fim do ano, hoje deve ter sido um dia bem sofrido. 

No primeiro tempo, Amaral mostrou porque a torcida do Goiás não sente nenhuma falta dele. E no segundo, Cleiton Xavier deu um seminário pra quem ainda não entendeu que repatriar ex-jogador é, na maior parte das vezes, uma roubada interminável.

Ah, tem mais uma coisa, quem acha que time pra ser campeão não precisa de bastidores também teve uma bela lição hoje, fomos jantados pelo bandeirinha e não tem ninguém pra aparecer com o dedo na cara do safado, ninguém fala nada… ai azeda o pé do frango…

Era a rodada perfeita pra entrar na briga pelo título, pra se consolidar de vez como um candidato ao G4, mas o Palmeiras fraquejou.

A verdade é essa. Faltou perna, faltou bola e, sobretudo, faltou elenco. Não conseguimos ganhar dum time manjado e meia boca como o Cruzeiro. E ainda termos esses bostas pela frente na Copa do Brasil…

Quarta-feira, contra o Coritiba, é jogo de vida ou morte. Com Gambá x Sport e Galo x Gremio, e Paranaense e Fluminense jogando fora. o Palmeiras tem boas chances de, vejam só, assumir a terceira posição do campeonato de novo, e qualquer coisa que não seja uma vitória maíuscula será o fim de qualquer chance de algo diferente pra esse 2015.

Duas derrotas seguidas é o limite, tá mais que na hora de reagir, Palmeiras.

AVANTI PALESTRA!   

Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras – BR14

Tem duas maneiras de se interpretar o jogo de hoje. Se analisarmos que o Palmeiras marcou aos 43 do segundo tempo e tomou um gol aos 48, sentiremos um gosto de derrota. Se analisarmos o jogo inteiro, as defesas absurdas do Prass durante todo o jogo, sentiremos que o empate foi de muito bom tamanho.

Vai na conta da diretoria mais um jogo em que o Palmeiras foi vergonhosamente prejudicado: primeiro pela não expulsão de Egidio, que tirou um gol do Palmeiras de cima da linha quando já era pra estar no chuveiro, e ainda fez mais uma falta pra amarelo não marcada, e depois pelos inexplicáveis 05 minutos de acréscimo dados pelo safado do juiz dentro dos quais o Cruzeiro conseguiu empatar. Enquanto isso, a FPF passando pano pros gambás não se foderem… É então…

O jogo foi o que a gente esperava, o Palmeiras sem Valdivia se limitou a defender e o Cruxeiro a atacar. Uma partida fantástica de Fernando Prass, até mesmo pelo último lance, que resultou no gol do Cruzeiro, que um corta luz involuntário da nossa zaga elimina qualquer hipótese de se falar em falha.

Um único chute no gol durante todo primeiro tempo, contra nove do Cruzeiro. O empate estava ótimo.

Daí começou o segundo tempo, o Prass continuava operando um milagre atrás do outro e o Palmeiras foi se soltando, especialmente nos pés de Bernardo, que jogou bola hoje como nunca tinha feito com nossa camisa.

Daí, o primeiro lance capital: Egidio parou um contraataque com falta por trás, lance pra amarelo, e já tendo tomado um cartão, foi “perdoado” pelo Pericles Bassols. Logo na seqüência, ataque do Palmeiras, bola na trave do Mouche e coube ao mesmo Egidio tirar a bola em cima da linha.

Daí, tudo que ninguém jamais sonhou: 43 minutos, contra-ataque perfeito do Palmeiras, Menezes/Henrique/Golaço do Mouche.

Coube de novo ao Pericles Bassols resolver pro Cruzeiro: absurdos 05 minutos de acréscimo num jogo que não teve uma interrupção, uma cera, um atendimento em campo, absolutamente nada. Safado. E depois dos 48, o Cruzeiro empatou, num lance de novo pela direita, 03 gols em 02 jogos, viu Dorival…

Foi triste não ter ganho os 03 pontos, mas convenhamos, pontuar em Minas contra o líder e sem o nosso principal jogador está de muito bom tamanho. Mas os 03 pontos iam ser perfeitos. Que sirva de lição pra que o Palmeiras entre com sangue nos olhos contra os Gambás malditos no sábado.

Pra cima Palmeiras! PRA CIMA PALMEEEEEEEIRASSSSS!!!  

 

%d blogueiros gostam disto: