Arquivos do Blog

Vitória 1×2 Palmeiras – BR16

E acabou o melhor Brasileiro de pontos corridos da história. Pra gente, é claro, porque é só o que importa.

Ainda fomos jogar na Bahia com o time inteiro modificado, e mesmo assim fizemos nossa obrigação, que era mandar o Vitória pra Série B, que só não foi porque o Inter quis mais. E também, porque o Vitória já quis mais que a gente em 2014. A cicatriz de 2002 está finalmente remediada, pelo menos com o time baiano, mas nunca vai sair dos nossos corações.

Lembro como se fosse hoje aquela tarde maldita de domingo no Barradão, lembro onde eu estava, com quem, a tristeza aumentando, os minutos acabando, aquela angústia do caralho e a desgraça total no apito final.

14 anos e duas malditas séries B depois, finalmente terminamos o campeonato no Barradão com o já conquistado título, pro ódio profundo das redações esportivas do Brasil. Essa banca de inimigos da imprensa que habitam os jornais, rádios, e programas esportivos do país não tem ódio, na verdade eles tem é um medo enorme de ver o Palmeiras nesse estágio.

Sabem que quando nossa hora chega, ela chega mesmo. Isso aliado à uma administração competente, à camisa mais valiosa do Brasil e ao estádio e programa de sócio torcedor mais rentáveis do país, deve ser fruto da insônia da gambazada que trabalha com o microfone na mão.

E não há como negar que a administração do Palmeiras foi competente. Isso depois da quase tragédia do primeiro mandato, quando o presidente finalmente entendeu que seu lugar não era conduzindo o futebol, e sim administrando o Palmeiras e deixando quem é do ramo tocar o barco. Basta ver a diferença de resultados e de qualidade técnica do time entre 13/14 e 15/16 pra se ver o óbvio.

Tivesse sido assim logo no primeiro mandato, talvez hoje o Palmeiras estivesse no Japão se preparando pra algo ainda maior do que esse dificílimo título brasileiro. Mas, enfim, o que passou já foi e é hora de olhar para a frente.

Paulo Nobre teve muito mais acertos do que erros, e assim deve ser lembrado, apesar de errar na maior parte das vezes com a nossa torcida. Segue o jogo. Obrigado, e que venha o Maurício pra manter o que foi feito de correto, e corrigir os erros de percurso pra tornar o Palmeiras ainda mais gigante.

O jogo de ontem marcou a despedida do profético e indecifrável Cuca. Quantos não foram os jogos que quebramos a cabeça tentando entender que diabo ele tava fazendo com aquela escalação, com aquela substituição e quase sempre quebramos a cara quando no final tudo dava certo. Mas quem duvidou dele quando ele cravou, na semana em que ia começar o BR, que a gente ia ser o campeão? Eu não!

Cheguei ao ponto de escrever várias vezes aqui, que desisti de entender o que o Cuca tava fazendo, pra mim bastava acreditar que ia vingar, e pronto, vingava. Uma ou outra vez, claro, não vingou, mas pensa num cara intuitivo e iluminado, é esse Alex Stival… Hoje eu até entendo o que a torcida do Galo quer dizer com aquele ridículo “Eu acredito” que, aliás, desde que ele saiu de lá, nunca mais funcionou … Fará uma puta falta pra gente no próximo ano, sua obstinação e competência (e sorte também) não se encontram em qualquer esquina.

Mas, igualmente, obrigado Cuca, volte sempre e que venha o Eduardo pra seguir nesse caminho de conquistas e glórias.

E se tem um a quem realmente devo me redimir, esse é o Alecsandro. Quantas vezes não foi aloprado aqui? Nem vou contar porque foram várias. Mas mostrou que merece vestir essa camisa, principalmente no último semestre, quando desbancou todas as demais opções – mais jovens ou mais badaladas – pra ser o substituto direto do Jesus, função que restou coroada com o último gol do Verdão na competição, que nos garantiu a 24ª vitória e os 80 pontos conquistados. Valeu Alecgol!

E o que falar do Jaílson, o Invencível?

Do Gabriel?

Do Highlander ZR?

Do incansável Tchê Tchê?

Do Maestro Moisés?

Do Dudu – finalmente um 7 pra valer?

Do Jesus?

Do Jean?

Do Mina?

Do VH?

Do Dracena?

Ia passar semanas escrevendo sobre cada um, até caírem os dedos…

Só nos resta torcer que fiquem todos, que saíam apenas aqueles que pouco agregaram e que os que cheguem continuem essa trilha vitoriosa.

Vamos prum 2017 ainda mais foda do que 2016.

Obrigado, Palmeiras!

Minha vida é você!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×0 Botafogo – Br16

Falta muito pouco pra essa angústia toda acabar. Nunca na história dos pontos corridos um time foi tão provado, reprovado, desdenhado, ameaçado e duvidado pela imprensa como nessa edição.

Nunca houve tanto equilíbrio, tantos candidatos ao título, é verdade, mas um a um ficaram pelo caminho os queridinhos, os preferidos  da imprensa maldita, que bem aos poucos foi parando de se inconformar com a nossa conquista iminente.

Até festa em aeroporto só era bonita a dos outros, a nossa era motivo de polêmica. Nem numa coisa tão banal como essa conseguiram disfarçar o quanto o Palmeiras incomoda quem vive de noticiar esporte.

O tal padrão de futebol bonito jamais exigido nas 13 edições anteriores do BR disputado por pontos corridos – sempre se falou em regularidade – agora pro Palmeiras era obrigação, não aceitavam o tal do Cucabol, que nada mais é do que o melhor futebol do Brasil…

De repente treinadores que nunca ganharam porra nenhuma na vida – Zé Ricardo, Roger, os péssimos Dorival e Marcelo Oliveira, todos, sem exceção, eram melhores do que o Cuca, que lidera a competição ininterruptamente há nada menos que 24 das 36 rodadas disputadas até aqui. Vai entender…

A melhor defesa do campeonato sempre acusada injustamente de correr riscos demais. O melhor ataque sempre acusado de não ter criatividade: só arremessam lateral dentro da área, diziam os língua podres de plantão.

Vergonha alheia era mato pra boa parte das emissoras. Aquele vídeo do cheirinho da Sportv é o emblema do quanto o Palmeiras desagrada as redações esportivas do Brasil. Por favor, sigam torcendo contra, a gente agradece…

Pouquíssimos se propuseram a fazer o contraponto. E coube mesmo aos de sangue verde – Antero, Beting, Oddi – exercer a resistência obrigatória contra a injusta campanha contra o sucesso do Palmeiras, que mais recentemente passou a ser seguida por parte dos demais que ainda ligam para não passar – muita – vergonha.

E com toda essa torcida contra é natural que o palmeirense esteja esgotado nessa reta final de campeonato. Às vezes duvido se quero o Palmeiras disputando títulos no ano que vem, tamanho o stress e desgaste que estamos suportando rumo ao título, mas depois isso logo passa. Palmeiras tem que disputar tudo, sempre foi assim e a gente vai estar lá aguentando o que vier pela frente.

Hoje tivemos um dos melhores primeiros tempos dos últimos jogos, mas a bola teimava em não entrar, ora na cabeçada do Moisés, ora na joelhada do Jesus, o Palmeiras chegava mas não conseguia abrir o placar.

Fomos pro intervalo com o Cruzeiro vencendo o Santos, um dos resultados que nos daria o título. Mas nada disso bastaria se não fizéssemos o gol. E era óbvio que o gol não sairia com o péssimo Cleiton Xavier em campo.

A melhor definição que ouvi dele hoje foi: – que cara fora de sintonia. É isso mesmo, jogador desalmado, um walking dead de chuteiras, o Palmeiras tem obrigação de dispensar ele já no dia 05 de dezembro.  O time inteiro voando, suando sangue, e o cara apático, como se estivesse participando dum amigos do Romario x Amigos do Bebeto. Terá ido tarde…

Me custa demais admitir, mas o Palmeiras estaria bem melhor com o sem vergonha do Valdívia do que com esse enganador aí…

Veio o Alecsandro, o Palmeiras foi melhorando e finalmente Dudu, o melhor em campo ao lado do Moisés, fez, de cabeça, em passe certeiro do Gabriel Jesus. 1×0 merecido e mais três pontos garantidos no caminho do nono caneco.

Como o Santos teve mais um penalti absurdo marcado a seu favor, o título não veio hoje, e teria vindo, vejam só, com gols de Amaral e Judas, que garantiram o empate do Coxa e a eliminação da Mulambada. Cheirinho? Caffung my egg e sente o cheirinho, seus otários AHAHAHAHAH

Melhor assim, lugar de levantar o caneco é dentro de campo. Ser campeão no vestiário não teria a mesma satisfação pra nossa torcida. Queremos pular, gritar, chorar e abraçar uns aos outros ao som do apito final dentro da nossa casa. Não pode ser de outro jeito…

Temos 6 pontos pela frente precisando fazer 1. E os Lambaris tem que ganhar os dois. Eu se sou o Palmeiras só entro em campo as 18:40, e ficaria de camarote vendo Urubu e Lambari se matarem pra ver quem vai ser o vice. Porque o campeão, esse nós já sabemos quem será.

Mas não vamos falar, né? Respeitar as crenças que não é hora de mexer com orixá nenhum…. Por enquanto só um Aiaiaiai, tá chegando a hora…

E ninguém segura mais os porco…

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 X 0 BOTAFOGO

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/horário: 20 de novembro de 2016, domingo, às 17h
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva e Bruno Raphael Pires (ambos de GO)
Público e renda: 39.690 presentes/R$ 3.174.042,74
Cartões amarelos: Emerson Silva, Sassá e Fernandes (BOT)
Cartão vermelho: Leandrinho (BOT)

Gol: Dudu, 17’/2ºT (1-0)

PALMEIRAS: Jaílson, Jean, Mina (Thiago Martins, 12’/1ºT), Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Gabriel, 31’/2ºT), Moisés e Cleiton Xavier (Alecsandro, 9’/2ºT); Róger Guedes, Dudu e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca.

BOTAFOGO: Sidão, Emerson, Joel Carli, Emerson Silva e Diogo Barbosa; Dudu Cearense (Sassá, 24’/2ºT) e Rodrigo Lindoso; Alemão (Fernandes, 441/1ºT) (Leandrinho, 35’/2ºT), Camilo e Neilton; Rodrigo Pimpão. Técnico: Jair Ventura.

Atlético/MG 1×1 Palmeira – BR16

Mais um ponto conquistado com muito sangue e suor. Fizemos até por merecer os três pontos, mas paramos um pouco na falta de sorte e numa defesa monstruosa do Victor.

E pecamos também num minuto de vacilo do Roger Guedes, que deixou o Robinho cruzar uma bola improvável pra um desvio mais improvável ainda do excelente Lucas Pratto.

Foi o único lance de perigo do Galo, apesar da pressão constante. E do nosso lado, os contraataques iriam definir a nossa sorte. No primeiro, bola milimétrica do Dudu e finalmente gol do Gabriel Jesus. Amém SE NHOR!

E chega de falar desse jogo, foi tão estressante e desgastante que já é hora de pensar no próximo.

Faltam 9 pontos, se fizermos 6, o caneco é nosso, e temos duas partidas em casa pra confirmar essa porra desse título. Seguimos forte e o caminho é um só.

Os meus cumprimentos aos amigos e parceiros que foram cavar esse ponto pra gente lá em Belo Horizonte. Que tenham uma boa noite e um bom retorno pra casa.

Nos vemos no domingo.

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 1×0 Inter – BR16

Mais 3 pontos conquistados, já são 70 no total, com 21 vitórias, provavelmente mais do que tivemos nos últimos dois anos somados. A vantagem que era de 5 agora é de 6 pontos e faltam 12 para serem disputados. 2 vitórias em casa e dificilmente o Caneco não será nosso. Mas o número que mais preocupa o palmeirense é o 11.

Serão 11 longos, infinitos e intermináveis dias até que o Palmeiras entre em campo novamente pelo BR, graças as malditas datas Fifa. A ansiedade do palmeirense até o jogo do Independência no próximo dia 17 não poderá ser medida por escalas conhecidas pelo homem.

De positivo, será o tempo ideal pra que o bujão dos jogadores esteja completo nesses 4 últimos jogos.

Hoje, se o Palmeiras não foi brilhante, e realmente não foi, teve o controle absoluto e indiscutível da partida o tempo inteiro. O Inter, que precisava do resultado de qualquer jeito – tanto que a derrota o devolveu pra zona do rebaixamento – simplesmente não ameaçou o gol de Jaílson. As duas ou três bolas mais agudas foram todas pra fora.

No ataque, o Palmeiras podia ter sido um pouco mais criativo, mas abriu o placar no momento certo, com Cleiton Xavier aos 16, e depois administrou o resultado. Ainda podia ter feito o segundo no último lance do primeiro tempo, em ótima cabeçada do Vitor Hugo que o Danilo Fernandes tirou praticamente de dentro do gol.

No intervalo, perdemos o Roger Guedes, por contusão, e o Cuca voltou com o Alecsandro, deslocando o Jesus pra direita. Depois, foi a vez de Cleiton Xavier precisar sair por contusão, e Fabiano foi pra lateral direita com o Jean indo fazer a do CX.

E ambos foram muito bem, Fabiano quase fez um golaço de canhota e o Alecsandro participou diretamente da nossa melhor chance no segundo tempo, que terminou com o Jesus entrando de cara pro gol e o goleiro dos caras de novo fez uma defesa monstra e a bola ainda bateu na trave. Tá osso dessa bola do Jesus entrar…

Mas ela vai entrar na hora certa. O time segue firme e confiante no nosso objetivo, e hoje estamos a duas vitórias de consegui-lo. Esses 11 malditos dias vão servir pra entrarmos ainda mais preparados pra mais uma vitória contra um Galo que com a derrota de hoje para o Coxa já deu adeus ao BR e que estará a 6 dias de uma final de Copa do Brasil.

Por fim, não podia deixar de falar da festa linda que a torcida fez ontem, em frente à Academia de Futebol, em demonstração de apoio incondicional ao elenco, como pode ser visto no vídeo abaixo. Pena que boa parte dessa torcida é a mesma que fica impedida de sequer chegar perto do estádio pela ação absurda e desprezível da PM, que impede o cidadão de ir e vir  aos arredores do Allianz se não tiver ingresso e documento na mão. Coisa lamentável…

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 x 0 INTERNACIONAL

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-hora: 6/11/2016 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (Fifa-PE)
Auxiliares: Clóvis Amaral da Silva (PE) e Cleberson do Nascimento Leite (PE)
Cartões amarelos: Não houve
Público/renda: 31.967/R$ 2.112.466,12

GOL: Cleiton Xavier, aos 16/1ºT (1-0).

Palmeiras 2×1 Sport – BR16

Mais um passo gigante foi dado. E foi do nosso jeito, com muito sofrimento, contra um adversário filho da puta que só serve nessa vida pra atrapalhar o Palmeiras.

Estreamos o estádio novo contra esses malditos, 0x2. Ano passado, 0x2 de novo. Mas dessa vez as coisas foram diferentes.

E o Palmeiras não fez uma grande partida, muito por conta do time que Cuca escolheu pra começar jogando, mas ao mesmo tempo o time foi eficiente, e pra mim tá mais do que bom.

À exceção do Jailsão, que voou em campo. Pegou uma, duas, três, quatro bolas impossíveis de defender, e garantiu os 03 pontos que agora nos dão 6 de vantagem pro vice.

A única vacilada foi ter levado o terceiro cartão amarelo, absolutamente desnecessário. Mas que San Gennaro ilumine o Vagner, se até o Fabiano tá jogando não vai faltar luz divina pro nosso goleiro reserva na Vila semana que vem.

Na linha, o Palmeiras foi melhor no primeiro tempo, e fez um belo gol de contra-ataque, depois de um passe perfeito do Moisés, que Dudu dominou, invadiu a área e bateu na saída do goleiro das Cadelas.

Mas o Palmeiras seguiu deixando o Sport chegar em bolas paradas e escanteios, e num deles, batido no primeiro pau, com falha de marcação do Fabiano, a bola ainda bateu no travessão e sobrou pro jogador do Sport marcar.

O Verdão não se abalou e aos 46 do primeiro tempo, em lance de cobrança de lateral do Moisés (CHUPA LINGUABOL!), a bola foi desviada pelo Barrios e sobrou pro Tche Tche bater no cantinho e botar o Verdão de novo na frente do marcador.

No segundo tempo, o Palmeiras voltou sem Fabiano e com Thiago Santos, cuja função foi marcar aquele refugo que joga com a 87 das Cadelas. E foi do refugo o chute que contou com a defesa mais bonita do Jailsão no jogo.

Depois Cuca tirou o Barrios e colocou o Alecsandro, e foi só pra queimar uma substituição, porque nada mudou, aliás até piorou, já que o 29 quase deu um gol pro Sport numa bola que ele resolveu chutar pra cima lá no meio de campo, eacabou lançando o Apodi na boca da nossa área…

E por último, sacou o Allione pra colocar o CX, e confesso pra vocês que o 10 sempre me engana. Fico achando que ele vai se consagrar, mas esse dia nunca chega. Complicado…

Mas que se foda, vamos sofrer até o final, já sabemos disso, então segue o jogo, Cuca!

E agora temos uma semana pra nos preparar pro jogo da Vila Belmiro, com Vagner no gol e tudo, vamos pra cima dos lambaris!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 SPORT
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/ Hora: 23/10, às 17h (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Nadine Schramm Camara Bastos (SC) e Pablo Almeida da Costa (MG)
Público/ Renda: 31.107/ R$ 2.172.551,24
Cartões amarelos: Fabiano, Thiago Santos e Jailson(PAL); Diego Souza e Luis Ruíz (SPO)
Gols: Dudu, aos 20’/1T (1-0); Rogério, aos 32’/1T (1-1) e Tchê Tchê, aos 45’/1T (2-1)

PALMEIRAS: Jailson; Fabiano (Thiago Santos, intervalo), Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê, Moisés e Jean; Dudu, Allione (Cleiton Xavier, aos 28’/2T) e Lucas Barrios (Alecsandro, aos 18’/2T). Técnico: Cuca.

SPORT: Magrão; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Ronaldo Alves e Renê; Rithely, Paulo Roberto, Diego Souza, Everton Felipe (Apodi, aos 17’/2T) e Rodney Wallace (Luis Ruíz, aos 18’/T); Rogério (Vinícius Araújo, aos 34’/2T). Técnico: Daniel Paulista.

   

   

 

 

Palmeiras 0x0 Cruzeiro – BR16

Foi um resultado ruim, é fato. Mas dentro do planejamento pra essa reta final do campeonato, não se pode achar que foi uma tragédia. Enquanto os resultados mantiverem o Palmeiras na frente, se foi empate, vitória ou derrota, pouco importa.

É lógico que a 8 rodadas do fim, seria muito melhor ter mantido os 03 pontos de vantagem, mas se dos últimos 15 pontos disputados fizemos 13, fica difícil reclamar de alguma coisa.

É claro também que a cada resultado não ideal, aumenta a responsabilidade pro próximo jogo. Se o Palmeiras tivesse vencido ontem, podia até ir pra Floripa pensando em empate, afinal, o Figueira só perdeu uma partida em casa até aqui. Agora, ou vence ou pode terminar a rodada fora da liderança.

Sobre o jogo, o Palmeiras começou muito bem, criando várias chances, teve pelo menos 03 claríssimas oportunidades de abrir o placar, mas a bola não entrou, seja na displicência do GJ, na falta de estatura do Dudu, ou dos 5 cm a mais de perna que o Dracena não tem.

A essa altura, não dá mais pra perder tanto gol, especialmente num jogo complicado como o de ontem, com um time ameaçado e com um elenco até que razoável. Apareceu chance, tem que guardar.

O segundo problema de ontem, que vem se repetindo nos últimos jogos, é que o Palmeiras morre no segundo tempo. América, Santa Cruz, Cruzeiro, todos voltaram do intervalo jogando bem mais que o Palmeiras, é verdade que nos dois primeiros jogos já tínhamos o placar favorável, mas não pode um time cair tanto de produção assim de uma etapa pra outra.

Principalmente Moisés e Dudu voltaram pra segunda etapa com o freio de mão puxado, e o time sentiu em campo, o Cruzeiro cresceu, teve algumas chances de marcar, uma delas, do Robinho, que foi tirada de cima da linha pelo Zé Roberto de carrinho e com a barriga, um lance inacreditável. Se formos campeões com um ponto de vantagem, a taça vai ter que ficar um ano na casa do Zé.

E tudo isso porque o bom futebol que o Palmeiras produziu no primeiro tempo não voltou do vestiário para o fim do jogo. Se a questão é física ou tática eu não sei dizer, mas o Cuca precisa corrigir isso, e rápido.

E o terceiro problema ontem foram as substituições. Com o Palmeiras perdendo em velocidade desde o início do segundo tempo, jamais poderiam ser substituídos Roger, Dudu e Moisés, por Rafael Marques, Cleiton Xavier e Alecsandro, nessa ordem.

O que já estava devagar quase parou com a entrada dos 3 Reis Mortos. Por sorte, calhou de ser o momento que o Cruzeiro perdeu fôlego e parou de incomodar o Palmeiras, mas também a recíproca é verdadeira: tirando um cruzamento do Cleiton Xavier daqueles que a bola pinga na pequena área e que o lateral do Cruzeiro evitou o gol do Alecsandro, o Palmeiras mal chegou perto do gol do Cruzeiro no segundo tempo.

Teve ainda pelo menos 1, senão dois pênaltis não marcados no Jesus, que o fraquíssimo Jailson de Freitas (com quem o Palmeiras só teve uma vitória em 10 jogos) obviamente não marcou. Mas longe de querer responsabilizar o árbitro por mais uma atuação abaixo do esperado do Palmeiras.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro até desafio de VT – tipo aquele do volei, sabe – tá valendo pra ajudar esse time mentiroso do Flamengo seguir tentando roubar o nosso título. Ontem um gol irregular anotado a favor, mais um, e um gol anulado contra, com a ajuda da boa e velha amiga emissora de TV.

E se o presidente do Fluminense acha que foi a primeira vez na vida que isso aconteceu, te garanto, meu senhor, não foi não. Só lembrar do gol do Barcos em 2012 no Beira Rio, anulado pelo delegado da partida, com ajuda indiscutível da TV. O que tem de comum esse lance e o de ontem? Direta ou indiretamente, o prejudicado nessas horas sempre vai ser o Palmeiras. Agora deixa o Fluminense ir lá passar vergonha no STJD, se pedirem a anulação do jogo mesmo, o resultado disso daí todo mundo já sabe.

O resumo dessa ópera toda é um só: temos que continuar fazendo nossa parte, seguir pontuando e esquecer o que acontece com os rivais: hoje, como há mais de uma dezena de rodadas, seguimos dependendo apenas de nós mesmos.

AVANTI PALESTRA!

América/MG 0x2 Palmeiras – BR16

O Palmeiras visitou Londrina na campanha rumo ao Nono Caneco e fez o necessário pra vencer o lanterna do Brasileirão, com 1 gol em cada etapa da partida, que couberam a Tche Tche e Alecssandro marcar.

Com os 3 pontos, o Verdão chegou a 60 pontos, manteve a distância de 3 pro vice e aumentou pra 7 o gap pro Galo.

Mas esteve longe de ser um jogo agradável pro torcedor palmeirense. Foi uma partida tranquila, porque o América pouco fez pra ameaçar o Jailson, principalmente no primeiro tempo, só que o Palmeiras rendeu bem menos do que se esperava diante de um adversário tão fraco.

Dudu, Moisés, Tche Tche e Zé Roberto não conseguiram dar fluência pro jogo do Palmeiras no meio de campo, em parte porque o América jogava com o time inteiro atrás da linha da bola, e em parte porque o Verdão estava realmente pouco inspirado em campo.

Agora, jogando bem ou não, 3 pontos na conta, é isso o que importa. Se jogar que nem hoje  e fizer 2×0 até o fim do campeonato, quem vai achar ruim? Eu não.

De qualquer forma, precisa melhorar, porque o próximo jogo não é simples. Nenhum é.

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

AMÉRICA-MG 0 x 2 PALMEIRAS

Local: Estádio do Café, em Londrina (PR)
Data-hora: 09/10/2016, às 17h
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Dibert Pedrosa Moisés (RJ)
Público/renda: 21.773 pagantes (27.895 presentes) / R$ 1.103.380,00
Cartões amarelos: Roger e Gilson (América-MG); Róger Guedes (Palmeiras)
Cartão vermelho: Fernando Leal (do banco de reservas), 9’/2ºT (América-MG)
Gols: Tchê Tchê, 2’/1ºT (0-1); Alecsandro, 42’/2ºT (0-2)

AMÉRICA-MG: João Ricardo, Pablo, Éder Lima, Roger (Messias – 7’/2ºT) e Gilson; Juninho, Leandro Guerreiro, Ernandes (Danilo Barcelos – 35’/2ºT) e Tony; Matheusinho (Osman – 18’/2ºT) e Michael. Técnico: Enderson Moreira.

PALMEIRAS: Jailson, Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio; Tchê Tchê, Moisés (Cleiton Xavier – 28’/2ºT) e Zé Roberto; Róger Guedes, Erik (Alecsandro – 13’/2ºT) e Dudu (Rafael Marques – 37’/2ºT). Técnico: Cuca.

Santa Cruz 2×3 Palmeiras – BR16

Sem sufoco não é Palmeiras. Podia abrir e encerrar esse post apenas com essa frase. E principalmente no segundo tempo.

Mas já no fim do primeiro o Palmeiras que, depois de um golaço do ZR, mandava no jogo sem muita dor de cabeça – senão pelo muito bom Keno, que desgraçou a vida do Jean hoje – mostrava pra bom entendedor que vinha treta depois do intervalo.

E não precisou nem 10 minutos pro Santa Cruz empatar, num lance de falha generalizada da marcação pela nossa direita.

Mas o Palestra não se abalou e fez o segundo, com Leandro Pereira, gol típico de centro avante.

E foi lá o Jean fazer um pênalti do mais besta, pra gente comer até as pontas dos dedos, puta que pariu… 2×2.

Mas ai o Jean se redimiu, roubou uma bola na intermediária e abriu pro quase defunto Cleiton Xavier ressuscitar de uma quase dezena de jogos sem fazer nada de bom, e acertar um cruzamento rasteiro pro Roger Guedes – que já vinha há mais trocentos jogos sem marcar – só tirar do goleiro. 3×2 pro Verdão e um CHUPA estrondoso pra toda a zicação de plantão AHAHAHAHH

É lider, mas é muito líder.E que venha o próximo.

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

SANTA CRUZ 2 X 3 PALMEIRAS
Local: Arruda, Recife (PE)
Data-Hora: 3/10/2016 – 20h
Árbitro: Dewson Freitas da Silva (Fifa-PA)  
Auxiliares: Marcio Gleidson Correia Dias (PA) e Helcio Araújo Neves (PA)
Público/renda: 7.184 pagantes/R$ 102.040,00
Cartões amarelos: Grafite, Pisano, Derley, Néris, Danny Morais, Allan (STA), Jailson, Gabriel Jesus, Erik (PAL)
Cartões vermelhos: –
Gols: Zé Roberto (32’/1ºT) (0-1), Arthur (10’/2ºT) (1-1), Leandro Pereira (20’/2ºT) (1-2), Grafite (24’/2ºT) (2-2), Róger Guedes (34’/2ºT) (2-3)

SANTA CRUZ: Edson Kolln; Danilo Pires, Néris, Danny Morais e Allan (Jadson, aos 18’/2ºT); Uillian Correia, Derley (Arthur, no intervalo), Pisano (Wagner, 26’/2ºT) e João Paulo; Keno e Grafite. Técnico: Doriva.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio (Cleiton Xavier, aos 18’/2ºT); Tchê Tchê, Moisés e Zé Roberto; Róger Guedes (Thiago Santos, aos 37’/2ºT), Erik (Leandro Pereira, no intervalo) e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca.

Palmeiras 2×1 Coritiba – BR16

Depois de um primeiro tempo vem desagradável, o Palmeiras rapidamente construiu o placar garantiria a vitória sobre o Coritiba.

Cuca mandou a campo um time bem ofensivo, com RG, GJ e Erik como os três homens de ataque, Dudu recuado na armação e Moises e TcheTche fechando o meio. Só que o Coritibsa tava trancado num 9-0-1 e o ue se viu foi um primeiro tempo com quase nenhuma chance clara de gol, à exceção d euma bola do Jesus que o goleiro fechou bem o ângulo. Um 0x0 que era tudo que o Coritiba queria.

No intervalo, Cuca tirou Erik e colocou o Leandro Pereira, e em pouco mais de 3 minutos o Palmeiras já tinha criado mais chances que o primeiro tempo inteiro. Numa delas, Jesus acertou uma cabeçada no travessão, o gol era questão de tempo.

E aos 05 ele veio, numa cobrança de falta que a zaga do Coritiba cabeceou para trás, Leandro subiu com o goleiro, sem falta, e abriu o placar. Foi o primeiro gol dele dese o retorno, e o primeiro também desde que saiu do Verdão.

Aos 11, numa linda jogada ensaiada em cobrança de falta (alô Mauram barrabrava do Racing, tá bom de Cucabol pra você, trouxa?), Roger Guedes cruzou pro Mina fazer o segundo.

Jesus ainda teve algumas boas chances, mas a bola não entrou. O Coritiba ainda achou um gol num lance mais de azar da nossa zaga do que falha, mas não chegou a ameaçar o empate.

De baixa mesmo, só o Dudu, que pelo terceiro amarelo, não enfrenta o Santa na segunda-feira que vem. Menos mal que zeraram os pendurados entre os titulares, Dudu era o último daquela montanha de jogadores ameaçados pela suspensão. Agora, fará uma falta gigante no Recife, ah se tivéssemos um camisa 10 decente…

Antes disso, temos o Grêmio no Sul, pela Copa do Brasil. Jogo complicado, mas o Palestra tem time suficiente pra jogar bem contra os gaúchos.

Hoje fizemos a nossa parte, agora o que vai acontecer nos jogos dos adversários amanhã é problema deles. Basta continuarmos fazendo o nosso que não precisamos zicar ninguém. E segue o líder. 

AVANTI PALESTRA! 

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

 PALMEIRAS 2 X 1 CORITIBA

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-hora: 24/09/2016, às 16h
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (CBF-RN)
Auxiliares: Flavio Gomes Barroca e Vinicius Melo de Lima (ambos de RN)
Público/renda: 30.962 presentes / R$ 2202282,76
Cartões amarelos: Dudu (Palmeiras); Iago, Bareiro, Edinho (Coritiba)
Gols: Leandro Pereira, 5’/2ºT (1-0); Mina, 11’/2ºT (2-0) e Iago, 30’/2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Mina, Vitor Hugo e Egídio; Tchê Tchê e Moisés; Erik (Leandro Pereira – intervalo), Dudu (Rafael Marques – 37’/2ºT) e Róger Guedes (Thiago Santos – 23’/2ºT); Gabriel Jesus. Técnico: Cuca.

CORITIBA: Wilson; Walisson Maia, Bareiro, Juninho e Juan; Edinho (Alan Santos – 34’/2ºT), João Paulo, Yan (Felipe Amorim – 7’/2ºT) e González (Evandro – 7’/2ºT); Kazim e Iago. Técnico: Paulo César Carpegiani. 

Gambá 0 x 2 Palmeiras – BR16

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

KAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAISKAIS!

Ah como é bom ganhar da Galinhada, três jogos no ano, três fubecadas no Lixão, ahahahah 34 jogos sem perder naquele lixo de estádio porque foram 34 jogos sem enfrentar o Palmeiras AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!

E o MIna, hein? Nem seis meses de Palmeiras e já marcou gol em todos os clássicos… Viu Gabriel Jesus????? AHAHAHAHAHHAHAHAHAHAH

Foi tão fácil, mas tão fácil ganhar dos favelados que nem vou me dar o trabalho de comentar o jogo. Isso a gente deixa pros jogos sérios do Campeonato, a diversão não tem que ser analisada nunca! E mais um pouquinho de AHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAAHHAHA!!!!!!!

Ainda caiu o treineiro, a torcidinha linguiceira da sofrência seletiva ainda ficou de mal com o presidente e também levou uns cafunés da PM, tudo apenas e tão somente a merecer mais um tantinho de KAISKAIASKAISKAISKAISKAIS!!!!!! Aliás, tinha faixa de organizada no jogo, quero ver se vai ter punição ou se isso só vale pra gente…

Numa sequência com dois clássicos e dois adversários diretos, o Palmeiras fez 8 pontos, não perdeu, ganhou dos dois rivais e não deixou os concorrentes tirarem pontos da gente. Tá bom demais da conta…

Se a tabela parece menos problemática pelos próximos 6 jogos – Coritiba (C), Santa Cruz (F), America (F), Cruzeiro (C), Figueirense (F) e Sport (C), a postura do Palmeiras tem que ser a mesma: não tomar conhecimento do adversário e enfrentar como se fossem clássicos e adversários diretos pelo título. Com uma lição de casa bem feita nessas 6 próximas rodadas, as coisas deverão estar muito bem encaminhadas.

Agora vou tentar dormir, mas é que não consigo parar de fazer a dancinha do Mina, já até me deu câimbra AHAHAHAHAHAHAH

CHUPA GAMBAZADA!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

gambá 0 X 2 PALMEIRAS
Local: Arena Lava-Jato, São Paulo (SP)
Data-Hora: 17/9/2016 – 16h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (Fifa-SC) e Carlos Berkembrock (SC)
Público/renda: 39.879 pagantes/R$ 2.344.829,00
Cartões amarelos: Balbuena (COR), Thiago Santos, Moisés, Gabriel, Leandro Pereira (PAL)
Cartões vermelhos: Léo Príncipe (30’/2ºT)
Gols: Moisés (4’/1ºT) (0-1), Mina (31’/2ºT) (0-2)

gambá: Cássio; Léo Príncipe, Vilson, Balbuena e Guilherme Arana; Cristian (Marquinhos Gabriel, aos 15’/2ºT); Marlone, Camacho, Rodriguinho e Lucca (Romero, no intervalo); Gustavo. Técnico: Cristóvão Borges.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Mina, Edu Dracena e Egídio; Gabriel (Thiago Santos, no intervalo), Tchê Tchê e Moisés; Dudu (Rafael Marques, aos 25’/2ºT), Erik e Leandro Pereira (Róger Guedes, aos 34’/2ºT). Técnico: Cuca.

%d blogueiros gostam disto: