Arquivos do Blog

Avai 2×1 Palmeiras – BR17

Tô aqui fazendo esse post com a mesma vontade que os jogadores mostraram em campo na derrota pro Avaí ontem, na Ressacada.

Tudo bem que o campeonato acabou, que afora uns trocados a mais não muda mais nada terminar em segundo ou quarto colocado.

Mas aí deveria entrar aquilo que se chama honra à camisa, respeito ao torcedor palmeirense do Sul que este ano praticamente não teve oportunidade de ver o Verdão jogar, além dos que saem dos 4 cantos do País pra acompanhar o Palestra onde quer que ele jogue.

E foi isso que faltou no jogo de ontem, vontade e respeito com a camisa.

Valentim, mais uma vez, assim como contra o Gambá e contra o Vitória, segue cavando sua própria cova e, embora parte da torcida ainda confie que ele seria a melhor opção (não necessariamente por ele mesmo, mas pelas alternativas que o mercado apresenta), vai tornando sua permanência no comando do Palmeiras em 2018 insustentável.

Afinal, ressuscitamos todos os defuntos desse campeonato, o principal deles foi o líder capenga que vinha caindo pelas tabelas, sem vencer há 4 jogos até enfrentar a grande mãe que foi o Palmeiras nessa temporada.

Ontem, o Avaí vinha de uma vitória em 12 jogos, não ganhava uma partida desde agosto e a derrota seria a garantia de Série B, ou seja, não podia ter adversário melhor pra eles do que o Palmeiras.

O troféu da incompetência de ontem vai, na zaga, pro Mina, péssimo e culpado direto pelos dois gols,  e pro Dudu, que – em parte por culpa do Valentim, que insistia com ele pelo meio, o que desde OO todo mundo sabe que não vira – jogou um futebolzinho bem sofrível.

Pra nossa sorte, faltam só dois jogos pra acabar esse ano maldito.

AVANTI PALESTRA!

 

 

 

  

 

     

Palmeiras 2×0 Avaí – BR17

Vou fazer igual o Cuca na coletiva, primeiro falo do jogo, depois do afastamento do Felipe Melo.

Sobre o jogo, o Palmeiras não teve dificuldades pra ganhar do Avaí, fez 2 gols sem muita dificuldades e o jogo terminou ainda no primeiro tempo, quando Juan foi expulso. Depois disso o Palmeiras administrou a partida e só esperou o tempo passar.

Dudu, de fora da área, fez o primeiro, já aos 10, limpou o zagueiro e bateu cruzado, abrindo o placar pro Palmeiras.

Aos 34, Deyverson recebeu de Veiga (que entrou no lugar do Guerra – machucado), girou e bateu no contrapé do goleiro, 2×0.

Logo depois o Avaí ficou com um a menos e aí já estava resolvida a partida.

Anotou a escalação palestrino? Jailson, Mayke, Mina, Luan e Egidio, Bruno Henrique, Jean e Guerra, Dudu, Guedes e Deyverson. Deve ser esse o time que joga contra o Barcelona daqui duas quartas-feiras, pela partida de volta das oitavas da Liberta. Mudanças pontuais podem ser o TS no lugar do Jean e o Moisés no lugar do Guerra. A conferir.

Sobre o afastamento do Felipe Melo, como aqui não é site de fofoca, não vou reproduzir o que eu ouvi de conselheiros do clube hoje, mas ninguém aqui começou a acompanhar futebol ontem, jogador que não encaixa no esquema tático não é mandado embora, mas quando muito é destacado para aprimorar fundamentos, forma física etc. Ou seja, a história que o Cuca contou na entrevista não cola.

Mas também não importa. Felipe Melo é passado. Nenhum jogador é maior que o Palmeiras. Obrigado pelo soco na cara do uruguaio – com responsabilidade – pela dancinha da vitória na Vila Belmiro e boa sorte nessa vida ousada e no resto da carreira.

AVANTI PALESTRA!

Avai 1x 3 Palmeiras – BR15

E o Marcelo Oliveira teve uma aula dele próprio hoje. Aprendeu que Cristaldo, Allione e Mouche são excelentes alternativas pro Palmeiras, e dão conta do recado.

Quantos jogos não ficamos sem nenhuma opção na meia por causa das lesões do Robinho, do Cleiton Xavier (quem?) etc, e o Allione e o Mouche ali à disposição? Quantos jogos eles não podiam ter sido titulares – quarta passada, por exemplo – e o Palmeiras teria melhor sorte nesse campeonato?

Então…

Enfim, a vitória – inesperada pra mim – veio até com certa facilidade, mais pelo péssimo time do Avaí do que pela competência do Palmeiras, e até que não faltou tanta.

Depois de uma jogada de perseverança do Mouche, e um passe magistral pro Cristaldo, Gabriel Jesus completou na saída do goleiro pra fazer 1×0 – e aos 15 do primeiro tempo.

Depois disso, logo na sequência, perdemos dois gols feitos. Parece até que existe uma ordem divina pro palmeirense nunca ter sossego. Que seja.

Veio o segundo tempo e depois de uma falha bisonha da zaga do Avaí, Cristaldo fez o segundo. Era pra ter sido o último prego na tampa do caixão avaíano. Mas, aqui é Palmeiras, então, logo menos o jogo já estava 2×1… e Quase 2×2 numa meia bicicleta de André Lima, depois de uma patinada de Leandro Almeida, pois é…

Mas, um pouco depois Dudu limpou a zaga inteira do Avaí e mais o goleiro e fez o terceiro, numa das vitórias mais fáceis do Palmeiras no ano…

Podia ser sempre assim.

Dormimos no G4, mas será uma surpresa fechar a rodada nele, considerando que o Vasco e o Goiás são os adversários de Bambi e Lambaris, ambos jogando em casa.

Agora vira a chave e pra cima do Flor no Rio de Janeiro, é decisão, vale o ano inteiro. Rimou até, mas não foi proposital.

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A CAPIVARA:

AVAÍ 1 X 3 PALMEIRAS

Local: Estádio da Ressacada, Florianóplis (SC)
Data-Hora: 17/10/2015 – 18h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva (PE) e Ricardo Bezerra Chianca (PE)
Público/renda: 9.313 pagantes/R$ 208.224,00
Cartões amarelos: Nino Paraíba, Marquinhos e Adriano (AVA), Andrei Girotto, Allione, Dudu e Thiago Santos (PAL)
Cartões vermelhos: –
Gols: Gabriel Jesus (16’/1ºT), Cristaldo (14’/2ºT) e Dudu (32’/2ºT) (PAL), André Lima (23’/2ºT) (AVA)

AVAÍ: Vágner; Nino Paraíba, Jéci, Emerson e Romário; Renan, Adriano (Roberto, aos 18’/2ºT), Pablo e Marquinhos (Nestor Camacho, aos 33’/2ºT); Léo Gamalho (Rômulo, no intervalo) e André Lima. Técnico: Gilson Kleina.

PALMEIRAS: Fernando Prass; João Pedro, Jackson, Leandro Almeida e Egídio; Thiago Santos, Andrei Girotto (Amaral, no intervalo) e Allione (Rafael Marques, aos 35’/2ºT); Mouche (Dudu, aos 21’/2ºT), Gabriel Jesus e Cristaldo. Técnico: Marcelo Oliveira.

Palmeiras 4*x0 Avai – BR15

Pro mundo inteiro foi 4×0. Menos pro canalha do bandeirinha, que se não viu o gol do Kelvin, foi por que não quis.

Kelvin, aliás, que levou o motorádio pra casa no jogo de hoje. Ele e o Marcelo Oliveira, que teve a “coragem” de deixar o time num 4-2-4 digno da década de 70, mesmo com o jogo 1×0 pra gente.

E o porque disso? Simples, porque a melhor defesa é sempre o ataque. Depois de um primeiro tempo bastante consistente, com o ZR no lugar do machucado Robinho, e no qual o Palmeiras podia ter feito pelo menos mais 02 gols além do golaço de fora da área do Rafael Marques, o time voltou pra segunda etapa apagado.

E o problema era nítido: ZR tinha cansado, e o Palmeiras não conseguia mais fazer a transição defesa-ataque com eficiência, os contra-ataques eram desperdiçados e rapidamente a bola já estava na nossa área de novo.

Em coisa de 20 minutos, o Avai já tinha perdido várias chances de gol, uma inclusive que parou no travessão, num vacilo generalizado pelo lado esquerdo.

E o Marcelo Oliveira, que se fosse outro Oliveira teria reforçado a defesa pra tentar garantir o resultado, mostrou porque é o atual bi-campeão brasileiro: tirou o único meia-armador e colocou Kelvin, como quarto atacante. E foi justamente o divisor de águas da partida.

Em questão de minutos, jogada incrível dentro da área do Kelvin pela esquerda, bola no segundo pau e gol de cabeça do Lucas. O jogo estava liquidado. Gol com dedo do técnico.

Depois, foi só colocar o Cristaldo pra fazer o dele e fechar de vez o caixão de Gilson Kleina, Tinga, Jeci e companhia limitada (onde esse Avai quer chegar assim, Dio mio??).

E ainda teve tempo pro Kelvin fazer dois gols, um que ele fez, e o outro que o bom goleiro do Avaí, ex-Ituano campeão paulista de 2014, pegou ainda-não-se-sabe-bem-como.

5 jogos com o novo treinador, o Palmeiras tem uma – injusta – derrota, 4 vitórias, 11 gols marcados e 1 único sofrido. De penúltimo fora do Z4, chegamos, temporariamente, ao quarto lugar. 11 posições em 5 jogos. Se o Gambá empatar amanhã e o Fluminense perder, terminamos a rodada no G4 e vamos pra Recife lutar pela segunda posição.

Cenário pouco imaginável há algumas semanas atrás.

Mas a caminhada é longa e não dá tempo de acomodar.

Olhando pra tabela, temos apenas o Sport – próximo adversário – na nossa frente, já com chance direta de ultrapassá-lo no domingo. Depois ainda temos – não nessa ordem – Cruzeiro, Flamengo e Atlético/Pr (atualmente na intermediária), e três dos quatro atuais ocupantes do Z4, Santos, Coxa e Vasco.

Tem muito ponto pra ganhar nessas próximas sete rodadas, e começar o segundo turno indo pra Minas disputar o título contra o Galo. Que assim seja.

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 0 AVAÍ

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 8/7/2015 – 21h
Árbitro: Igor Junior Benevenuto (MG)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Pablo Almeida da Costa (MG)

Público/Renda: 37.530 pagantes / R$ 2.405.755,00
Cartões Amarelos: Egídio e Victor Ramos (PAL); Renan, André Lima, Claudinei, Emerson, Nino Paraíba e Roberto (AVA)
GOLS: Rafael Marques, 7’/1ºT (1-0); Lucas, 19’/2ºT (2-0) e Cristaldo, 43’/2ºT (3-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo (Leandro Almeida, intervalo) e Egídio; Gabriel, Arouca e Zé Roberto (Kelvin, 15’/2ºT); Dudu, Rafael Marques e Leandro Pereira (Cristaldo, 30’/2ºT).  Técnico:  Marcelo Oliveira

AVAÍ: Vagner; Nnino Paraíba, Jeci, Emerson e Romário; Renan, Tinga e Claudinei (Renan Oliveira, intervalo); Rômulo (Roberto, 18’/2ºT), Anderson Lopes e William (Tauã, 31’/2ºT).  Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×0 Avai – Copa BR 2014

O Palmeiras entrou em campo hoje com um pé na próxima fase, graças à vitória por 2 gols conseguida em Santa Catarina.

Poderia até se esperar um time misto, mas Gareca decidiu deixar só Marcelo Oliveira no banco, pra nossa alegria. O que é até compreensível, a se considerar as péssimas partidas do Palmeiras nos últimos jogos, o que justifica a presença do time quase completo.

A estreia oficial do argentino Allione acabou ofuscada pela quantidade de erros de Wesley, Leandro e Henrique, que enquanto estiveram em campo, cagaram simplesmente tudo.

E foi justamente quando eles começaram a ser substituídos, no meio do segundo tempo, que o Palmeiras finalmente entrou no jogo. Tanto que o gol saiu de uma batida de primeira do Mouche, que entrou no lugar do Leandro. Wesley saiu no Marcelo Oliveira e o Henrique no Bruno Cesar Menotti e Fabiano, não é esse o nome dele?

O Leandro e o Wesley, já não é de hoje, beiram o descaso e a filhadaputagem tantas e tantas atuações ridículas. Curiosamente, Leandro foi comprado e teve que aceitar muito menos do que pedia de salário pra renovar o empréstimo, e Wesley também não conseguiu até agora prorrogar seu vínculo. Coincidência?

Mesmo com um bagre como Felipe Menezes em campo, a simples presença de um jogador com a qualidade do Allione já mudou a disposição do time no ataque e algumas jogadas apareceram, o Palmeiras chutou no gol e criou oportunidades, e não fosse a falta de qualidade o Palmeiras teria obtido um bom resultado com 03 ou mais gols.

Na zaga, Lucio abusou nas saídas de bola erradas, e Tobio das faltas. Mas o Avai é tão limitado que mesmo assim não ofereceu perigo.

Mas o grande fato a se lamentar hoje foi a 200ª partida de Wendel com a camisa do Palmeiras. Como se já não fosse vergonha suficiente ter visto duzentas vezes um pereba desse jogar, sem nunca ter feito um mísero golzinho, ainda há sádicos no Palmeiras que acham que o fato devia ser alardeado ao mundo, com uma camisa com o número vexatório estampado nas costas do perna de pau. Já não tinha sido demais o Márcio Araújo, agora mais essa mediocridade festejada?

Pelo menos uma boa notícia: o cartão amarelo do Leandro foi o terceiro e, pelo menos na próxima partida na Copa BR, seremos poupados desse verme.

E amanhã tem coletiva do Valpinga! Já até imagino o fã-clube dançando ao som de OOOOOOO, o Valpinga voltooooouuuuu! Me poupem… Vamos ver só o que vai ser a desculpa da vez.

Domingo pra cima do Galo, só a vitória é admissível.

AVANTI PALESTRA!

Avai 0x2 Palmeiras – Copa BR 14

Enfim, a primeira vitória de Ricardo Gareca no comando do Palmeiras. Mesmo com todos os defeitos, mesmo com o time misto, mesmo com vários jogadores que não tem qualquer condição de vestir a camisa do Palmeiras, a vitória veio. É verdade que o adversário modesto contribuiu, mas isso não importa pro merecido resultado.

A evolução do Palmeiras no segundo tempo, em comparação com o primeiro, deste e do jogo anterior, parece indicar que temos um treinador que sabe ganhar jogo no intervalo, mesmo sem mexer no time logo na volta do jogo. Um cara que entende do riscado. O mesmo time que matou o palmeirense dos nervos no primeiro tempo foi o que, no segundo, começou a apresentar um futebol mais condizente com o que esperamos, considerados, é claro, os evidentes limites técnicos dos jogadores que hoje foram pra campo.

04 jogadores da base em campo (Fabio, Wellington, Victor Luiz e Gabriel Dias) também é sinal de novos tempos no Palestra , algo que há muito tempo não se via. Nenhum deles foi mal, e isso vem em benefício do time. Investir na base depende, necessariamente, dos jogadores terem chance no time principal, coisa que acontecia muito pouco com os treinadores anteriores.

Mas, otimismo a parte, sabemos que só isso não é o bastante. Ainda falta muito pra termos uma equipe competitiva, ainda virão muitos tropeços, como os dois da semana passada, mas, vindo os reforços que tanto precisamos, estaremos no caminho certo.

Quem diria que algum dia ganharíamos um jogo (oficial) com dois gols do Felipe Menezes? Pois esse dia chegou. Muito antes de olhar o nome que está nas costas, temos que ver como o cara defende o escudo que leva no peito. Hoje, depois de um primeiro tempo de entristecer (e depois de muitas e muitas partidas lastimáveis), o camisa 18 honrou o escudo. Que siga assim.

Mas que ninguém se iluda de achar que o Menezes é o novo Alex, pois que será um terrível pecado. Ele é o Menezes, e pra ganhar do Avaí, hoje, serviu. Pode ser uma boa opção de banco, mas nunca o camisa 10 do Palmeiras. Esse, ainda falta comprar. Assim como um 9, um lateral direito, um primeiro volante, etc.

E Domingo eh dia de fazer a Laje do entulhão tremer igual tremia quando ainda era um concreto de primeira linha no Palestra, lá pelos anos 90. Pra cima do Lixão, Palestra!  

OS GOLS:

A FICHA TÉCNICA:

AVAÍ 0 X 2 PALMEIRAS

Local: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data/Horário: 23/7/2014 
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Paulo César Silva Faria (MT) e Lincoln Ribeiro Taques (MT)
Cartões amarelos: Eduardo Costa, Marrone, Marquinhos (Avaí); Josimar, Wesley, Mouche, Victor Luis (Palmeiras)
Público/renda: 8.512 presentes/R$ 147.440,00

GOLS: Felipe Menezes, aos 17 e 25 do 2º tempo.

AVAÍ: Vagner; Marrone, Pablo, Bruno Maia e Eltinho (Revson 28’/1º T) ; Eduardo Costa, Eduardo Neto, Cleber Santana (Diego Jardel 37’/2ºT), Marquinhos; Paulo Sergio (Roberto 10’/2º T) e Anderson Lopes. Técnico: Geninho.

PALMEIRAS: Fábio; Weldinho, Wellington, Marcelo Oliveira e William Matheus; Josimar (Gabriel Dias 35’/2º T), Wesley, Felipe Menezes (Mazinho 31’/2º T) ; Leandro (Bruno César 15’/2º T), Mouche e Henrique. Técnico: Ricardo Gareca.

AVANTI PALESTRA! 

Avai 2×4 Palmeiras – BRB13

No intervalo do jogo, só se falava da arbitragem – péssima, por sinal – que tinha anulado um “gol” do Valdívia e não marcado 2 penaltis pro Verdão. Mas, porra, o Palmeiras é assaltado pela arbitragem – vergonhosamente – há pelo menos 10 anos, e não há um Cristo dirigente que se oponha. Além disso, jogamos Série B, com juízes de nível série B. O que mais vocês queriam?

Cinco minutos que o Palmeiras se empenhou e esqueceu do juiz no primeiro tempo, empatou com o Valpinharagem e quase virou o jogo que tava 1×0 pros caras.

Mas o retorno pro segundo tempo foi apático. Virsão, que já tinha cagado no primeiro gol – com a ajuda fundamental do Wesley – tomou um giro humilhante e ficou de bunda no chão, pros caras desempatarem o jogo. 2 x 1. Eram 22. E chora a Mooca…

Logo aos 25, jogada pela direita do 10, bola nos pés do Mendieta, que até então tinha errado tudo, mas dessa vez fez o suficiente – 2×2.

Aos 36, golaço do Vinicius, grande fase e grande ano do moleque. Faz falta quando não joga. Mas, tá jogando bem na Série B, precisa continuar jogando bem no ano que vem.

E um pouco depois, cobrança de falta do Wesley na trave, rebote do brutal Eguren, 4×2.

Não é motivo pra comemorar. O Palmeiras fez de tudo pra não ganhar. Os jogadores perderam a cabeça de forma infantil no primeiro tempo. Foram 3 cartões amarelos por reclamações, todas justas por sinal. Com isso, perdemos o Mendieta pro próximo jogo. Time grande em campeonato como a Série B, tem que entender que é o adversário a ser batido. O pau já tinha comido contra o Paysandu e contra o América, e hoje de novo quase acontece a mesma coisa.

Os adversários vão continuar batendo, vão continuar provocando. E os juízes vão continuar sendo a mesma merda de sempre ou até piores. É só jogar bola que – pra série B – basta. Já subimos, só falta ter paciência pros 15 jogos que faltam passarem voando.

No segundo tempo, Kleina perdeu completamente o meio de campo, e enquanto o Avai mexia pra ganhar ainda mais campo, o treinador palmeirense não tinha a menor ideia do que fazer. Chamou o Charles. Tomou o segundo gol, mandou o Charles sentar e chamou o Caio. Isso mesmo, o Caio. Ai, por sorte, o Palmeiras empatou antes do Caio entrar, e foi o Charles pro campo. Restabelecido o domínio do meio de campo, foi só questão de tempo pro time virar o jogo.

Mas pensem que, se o segundo gol tivesse demorado pra sair, tínhamos ido de Caio e provavelmente teríamos perdido o jogo. O Kleina demora muito pra enxergar onde mexer, e normalmente isso acaba virando resultado desfavorável, aí ele escancara o time inteiro e fica contando com a sorte ou com a ruindade dos adversários pra reverter o placar. Se quiser treinar o Palmeiras no ano que vem, precisa melhorar.

18/07/2010. Estadio da Ressacada. Estreia oficial de Luis Felipe Scolari de volta ao comando do Palmeiras. 4×2 pros caras, num jogo improvável. Que, além do vexame, nos rendeu um jogador aqui chamado apenas  /\ , que desgraçou a lateral esquerda do Palmeiras por quase 02 anos.

Naquele  mesmo ano, retribuimos a goleada com um 4×1 em casa, mas faltava voltar à Ressacada maldita e exorcizar de vez o capeta que habita a lateral esquerda do Palmeiras desde então. E não podia ter sido aberto o caminho da vitória – do bem sobre o mal – de outra forma que não fosse pelos pés de um dos mais desnutridos jogadores que já vestiram a camisa 6 verde e branca: cruzamento milimétrico do Juninho, gol do Chilenébrio. Incrivel…

Missão cumprida, demonho eliminado, agora vamos ver se sem a intervenção do capiroto o futebol do Juninho aparece… Tá “fassiu”…

Ah, e pra torcida do Avai, que gritou timinho a cada nova garfada que o juiz os favorecia, só uma coisa: Chupa Maryeva! 

Sábado tem que afundar o Sport. Estaremos lá.

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

AVAÍ 2×4 PALMEIRAS

Local: Ressacada, Florianópolis (SC)
Data-Hora: 17/9/2013 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR)
Auxiliares: Diego Grubba Schitkovski (PR) e Édina Alves Batista (PR)

GOLS: Márcio Diogo, aos 14’/1°T (1-0); Valdivia, aos 37’/1°T (1-1); Luciano, aos 21’/2°T (2-1); Mendieta, aos 24’/2°T (2-2); Vinícius, aos 36’/2°T (2-3) e Eguren, aos 43’/2°T (2-4).
CARTÕES AMARELOS: Wendel, Valdivia, Mendieta e Henrique (Palmeiras); Anderson Uchoa, Eduardo Costa, Marquinhos e Héracles (Avaí)
CARTÕES VERMELHOS: Nenhum
PÚBLICO E RENDA: Não disponíveis

AVAÍ: Diego; Ricardinho, Alex Lima, Bruno Maia e Héracles; Eduardo Costa, Anderson Uchôa (Diego Jardel, 36’/2°T), Cleber Santana e Marquinhos; Márcio Diogo (Luciano, 11’/2°T) e Beto (Tauã, 11’/2°T). Técnico: Hemerson Maria.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Vilson, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Wesley, Mendieta (Charles, aos 27’/2°T) e Valdivia (Eguren, 40’/2°T); Vinicius e Leandro (Ananias, 18’/2°T). Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA! 

Hawaii 1×1 Palmeiras – BR2011

A pouca moral que Felipão ainda tinha comigo acabou no jogo deste domingo. É um absurdo que este senhor, cada dia mais se confirmando como um ex-técnico vencedor, se volte contra os justos protestos da torcida que, há mais de 500 kms de casa, foi assistir a mais um empate, contra mais um time vagabundo e pré-rebaixado, pela décima-primeira vez, com mais uma escalação ridícula. A paciência do torcedor tem limite, e a minha, como a de muita gente, já foi pro saco.

Não aguento mais ouvir ruim com ele, pior sem ele… fico impressionado com a passividade que tomou conta de parte da torcida. Só porque é o Felipão, o Marcos, ou até mesmo o Judas e o Assunção, não podem ser cobrados??? Aqui é Palmeiras caralho, TODO MUNDO TEM QUE SER COBRADO!

Se tem um responsável por mais uma partida sem vitória, este é Luis Felipe Scolari. Até quando teremos que aceitar estas escalações ridículas? Todo santo jogo o time é mal armado. TODO SANTO JOGO! Hoje, de novo, não foi diferente. Em um dia de Paulo Bonamigo, ter optado por Tinga e Rivaldo foi pra sacanear com a torcida, só pode… Eram tantas opções na minha cabeça, nenhuma delas Tinga e Rivaldo seriam sequer relacionados para o banco. Mas o PENTACAMPEÃO do mundo, o gênio, teimoso que a porra, opta sempre pelo time mais filho da puta possível.

Com cinco minutos, o time já estava perdendo. Lance de azar, é verdade. Mas prum time vaiado como o que foi escalado, nada mais certo que alguma merda dessas fosse acontecer.

Rivaldo, esse desgraçado, o mais desgraçado que já vestiu nossa camisa nos últimos 20 anos, fez o que se esperava que ele fizesse. Assim como no jogo contra o Coritiba, foi expulso. A diferença é que dessa vez o vagabundo conseguiu ser expeulso com 25 minutos de jogo. Na hora, me levantei na L’Osteria e bati palmas para o Felipão. Parabéns, Bigode! Essa é pra você. BURRO! Pra que trouxe o Gerley, um lateral esquerdo de ofício, se vai jogar com o cretino do Rivaldo?

Ah, mas o Gerley também foi expulso. Verdade. Só que o Gerley deu carrinho pela frente, pegou a bola, foi forte demais, mas pegou a bola. Se fosse um juiz menos safado teria dado no máximo um amarelo. Mas, em se tratando de um canalha, vermelho direto. A pergunta que tem ser feita, na verdade, é o que o Gerley estava fazendo em campo àquela altura do campeonato. Era pro cara ter sido titular, mas o nosso Rhinus Mitchell optou pelo Rivaldo. Daí, quando o Rivaldo foi expulso, o gênio resolveu “garantir a derrota”, tirou um atacante pra compor a lateral esquerda, embora o time estivesse perdendo. Ah, se fosse no Playstation que o cara dá uma dessas…

2 a menos e pau no c* do esquema tático. E num jogo que era obrigação vencer, só não foi derrota porque o Avai é um time que merece estar onde está. O Avaí é tão ruim que, se o Palmeiras fosse um pouquinho melhor dirigido, dava até pra ganhar. Mas, o estrategista acabou de foder de vez com o jogo quando tirou o nulo Tinga, que ele insiste em escalar como titular, pra colocar o João Vitor, que foi jogar na lateral direita, promovendo a ida do vigésimo volante pro meio, Marcio Araújo e acabando de vez com o fiozinho de superioridade que inexplicavelmente o Palmeiras tinha. Puta falta de coragem, tudo isso pra garantir mais uma merda de 1 ponto. Uma vergonha que palmeirense nenhum merece passar.

Fim de jogo e a cobrança da torcida que estava em Florianópolis era muito mais do que justa e merecida. Afinal, uma escalação e alterações ridículas como essas, nada mais esperado. Não importa que o Palmeiras ficou com 9. Isso foi simples consequência das péssimas escolhas que o treinador fez (e tem feito jogo após jogo). Ficaram no banco, o jogo inteiro, Maikon Leite e Pedro Carmona. Com o time que entrou em campo, é inadmissivel que esses dois jogadores sejam reservas. Pode estar voltando de contusão, chegando agora no time, foda-se. É simplesmente inadmissível.

Então Felipão, abaixa o facho. Nunca, JAMAIS se volte contra a torcida novamente. Se não fossemos nós, o Palmeiras já teria acabado. Ponha a mão na consciência e lembre que qualquer outro treinador já teria sua cabeça pedida com esse desempenho vergonhoso de um time que conseguiu empatar quase metade dos jogos disputados no campeonato. Pare de abusar do seu prestígio. E faça esse time jogar bola, porra! Aí ninguém reclama. Muito simples…

Quanto aos que acharam que o time foi guerreiro, que jogou com 2 a menos e tal, lembrem-se, estávamos jogando contra o Avai! Sim, o penúltimo colocado do campeonato, um time que levou de 5 aqui no Canindé, que tem Toninho Cecílio de treinador, ou seja, não há merda igual no mundo. Se fossem 4 a menos a obrigação ainda assim era vencer. Mesmo porque, o Palmeiras está em oitavo colocado, não pode mais perder NENHUM ponto. Que bela merda que empatou. Preferia que tivesse perdido, juro.

Foda viu, tá cada dia mais difícil aguentar tanta mediocridade. Principalmente de quem a gente mais espera. Tenha dó de nós, Scolari…

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

AVAÍ 1 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data/hora: 18/9/2011 – 16h
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Cleriston Clay Barreto Rios (SE)
Renda e público: R$ 106.755,00 / 8.312 pagantes
Cartão amarelo: Rivaldo e Kleber (PAL); Pedro Ken, Batista, Bruno e Gian (AVA)
Cartões vermelhos: Rivaldo e Gerley (PAL); Rafael Coelho (AVA)

GOLS: Batista, 5’/1ºT (1-0); Chico, 41’/1ºT (1-1)

AVAÍ: Felipe, Arlan, Dirceu, Gian e Pará (Leandrinho, 22’/2ºT); Bruno, Batista (Rafael Coelho, 13’/2ºT), Pedro Ken (Estrada, Intervalo), Cleverson e Robinho; William. Técnico: Toninho Cecílio.

PALMEIRAS: Marcos, Márcio Araújo, Henrique, Maurício Ramos (Thiago Heleno, 35’/2ºT) e Rivaldo; Chico, Marcos Assunção e Tinga (João Vitor, 19’/2ºT); Kleber, Luan e Fernandão (Gerley, 29’/1ºT) . Técnico: Luiz Felipe Scolari.

AVANTI PALESTRA!

Tem Jogo! Hawaii x Palmeiras – R24 BR2011

O Palmeiras volta à Ressacada onde, há pouco mais de um ano, Felipão reestreiou no comando do Palmeiras. Naquela ocasião, tomamos de 4×2, num jogo bem esquisito. Dessa vez, a se considerar o discurso dos jogadores, a visita do presidente na Academia durante a semana, espera-se um outro panorama.

O Palmeiras joga contra a péssima marca de ainda não ter ganho nenhum jogo no segundo turno, embora seja o time que mais finaliza pro gol no campeonato. Fruto de muita falta de qualidade nos arremates. A semana foi de trabalho na Academia, especialmente nos fundamentos. Fico imaginando a paciência do Felipão em ter que ensinar jogador de futebol profissional a chutar no gol… É tão absurdo quanto ter que ensinar uma datilógrafa a ler. Mas, segue o jogo…

Para o jogo deste domingo o Palmeiras não terá Patrik e Gabriel Silva, suspensos, além da ausência de Valdivia e ButtHead, machucados. Na vaga dos laterais, Araujo deve ir pra direita enquanto que na esquerda jogará Géééééééééééérley. No meio, mistério. Felipão acena com Tinga, mas fica a reza pra que ele reconsidere e já promova a estréia de Pedro Carmona logo de cara. Segundo o Lance!, Felipão estaria preocupado com a falta de entrosamento de Carmona com elenco. Ô Felipão???? Que entrosamento tem o Tinga com o time???? Chega de gracinhas, hein?

Assim, o time do Verdão que deve começar jogando amanhã é Marcos; Araujo, TH, Henrique e Géééérley; Chico, Assunção, Tinga (não, pelo amor de San Genaro não! – Carmona) e Luan; Judas e Fernandão.

O Avaí não terá Chinelincoln para o jogo, porque quem ainda paga 70% do salário do comédia é o Verdão. Aliás, com o que esse cretino andou falando, deviam atrasar uns 03 meses, pra ele ficar ligeiro. O técnico Toninho “Descarte” fechou o treino e fez suspense com a escalação. Só vai me surpreender se entrar com a Maryeva em campo, senão pouco importa quem vai jogar. Afinal, não vai ser muito diferente do time que levou de 5×0 no primeiro turno.

Por isso, o Palmeiras TEM QUE ganhar. Os jogadores TEM QUE dar o sangue. E o placar TEM QUE ser 3xo pro Verdão, gols de Judas (2) e Fernandão. É o Palpite do Maluquinho, como sempre, sem qualquer razão ou fundamento…

Amanhã finalmente de volta à L’Osteria! Vamo aê?

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 5×0 Hawaii – BR 2011

Chupa, Guga! Chupa Maryeva!

O Palmeiras passou o carro sem dó no lanterna do campeonato. Fazia tempo que não fazíamos 4 gols no primeiro tempo.

Foi um jogo tranquilo, com atuações perfeitas de Cicinho, Kléber, @luansantanaevc, Thiago Heleno e Marcos, o Hawaii não teve a menor chance.

Finalmente o time começou com a formação adequada do meio pra frente, com Marcos, ButtHead, TH, Leandro Amaro e Rivaldo, Araujo, Assunção, Lincoln e @luansantanaevc, Kleber e W. Palestra. Como era óbvio, Patrik e MJ não fizeram nenhuma falta.

A partir dos 18, começou a  festa, com gol contra de Georg Lucas. O sertanejo vesgo, fez mais dois pra assumir a artilharia do campeonato e, ainda teve um golaço do Kléber, de fora da área, antes de acabar o primeiro tempo.

No segundo tempo, Felipão sacou o W. Palestra, só pra mostrar que ele manda, e colocou o Chico. Pra falar a real, o W. Paletsra não jogou nada. Pra quem quer ser titular do Palmeiras, tem que mostrar mais bola.

Ainda teve penalti no Lincoln que a torcida e os jogadores pediram pro Marcão bater, mas o Santo não quis e o Felipão não deixou… Aliás, o Bigode tá maleta, hein?

No fim do jogo, Kléber meteu a boca no Tirone, por causa de uma entrevista infeliz (mais uma) do presidente. Depois o Tirone entrou no ar na Rádio Bandeirantes e tentou consertar a obra… Parabéns, Tirone!

5 jogos, 11 pontos, 100% em casa e sem perder fora,o Palmeiras segue à risca o planejamento traçado pela comissão técnica. No próximo domingo já tem pedreira de novo, Ceará, que perdeu hoje pros Bambis, lá em Fortaleza. Pra cima deles, Verdão!

OS LANCES DO JOGO:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 5 X 0 AVAÍ

Estádio: Canindé, São Paulo (SP)
Data/hora: 19/6/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Fabricio Neves Correa
Auxiliares: Altemir Hausmann e Marcelo Bertanha Barison
Público e renda: 12.138/ R$319.419,00
Cartões amarelos: Luan e Wellington Paulista (PAL); Juninho, Bruno Silva, Marcinho Guerreiro e Acleisson (AVA)
Gols:  Lincoln, 18’/1ºT (1-0), Luan, 22’/1ºT (2-0) Luan, 40’/1ºT (3-0) e Kleber, 42’/2ºT (4-0) e Kleber, 26’/2ºT (5-0)

PALMEIRAS: Marcos, Cicinho, Thiago Heleno, Leandro Amaro e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção e Lincoln (Patrik, 27’/2ºT); Wellington Paulista (Chico, 17’/2ºT), Luan e Kleber. Técnico Luiz Felipe Scolari.

AVAÍ: Aleks, George Lucas (Estrada, Intervalo), Cássio, Bruno e Julinho; Acleisson, Marcinho Guerreiro e Marquinhos Gabriel; Pedro Ken, William e Robinho (Fábio Santos, Intervalo). Técnico: Alexandre Gallo.

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: