Arquivos do Blog

Atlético/PR 0x1 Palmeiras – BR16

Virada de turno, 2012. O Palmeiras vinha mal das pernas, no Z4, a ressaca do título da Copa do Brasil já tinha pasado e o Palmeiras precisava reagir pra escapar do perigo do rebaixamento. Fomos enfrentar a Lusa no Canindé, e o que era pra ser o divisor de águas daquele campeonato, foi o início de uma tragédia dolorosa demais pro torcedor palmeirense. 3×0 pros Portugas e a crônica de uma morte anunciada começava a ficar gravada na alma do palmeirense.

Virada de turno, 2016. O Palmeiras chegou no returno o melhor time, mas já não era tão melhor como tinha sido no decorrer do campeonato, diziam alguns. A diferença que chegou a ser de 5 pontos, tinha caído pra um. E o Palmeiras teve pela frente um time que tinha conquistado 23 pontos de 27 disputados em casa, sete vitórias e dois empates, nenhuma derrota sofrida.

Mas dessa vez, as coisas funcionaram bem diferente. O Palmeiras, mesmo desfalcado, entrou em campo determinado a fazer sua melhor partida como visitante no torneio. E fez.

O time inteiro voou em campo, mas foi no meio que o Palmeiras sobrou: Thiago Santos, Tchê Tchê e Moisés jantaram os jogadores do Atlético, e com isso o Palmeiras teve domínio e controle plenos da partida.

O gol de cabeça de Vitor Hugo, no final do primeiro tempo, num escanteio batido por Dudu, apenas confirmou quem era o melhor time em campo: O Palmeiras chegava e não deixava o Atlético chegar.   

No segundo tempo o jogo até podia ter sido mais fácil, um pouco mais de capricho nos contra-ataques teriam garantido placar mais elástico, mas, de novo, aí não seria o Palmeiras…

E mesmo quando a bola passou a nossa marcação quase infalível, lá estava Jailson pra afastar o perigo da nossa meta. Pegou tudo o 49, até lance de impedimento o Jailsão bloqueou…

Que partida, senhores! Que vitória! Ah se fosse sempre assim, acho que esse blog nem ia existir ahahahah

Primeiro grande desafio na parte de cima da tabela, e 03 pontos pro Verdão. Ainda é cedo pra pensar qualquer coisa, o Palestra pode até não ter o melhor elenco, com certeza não é o time queridinho da imprensa, da CBF e da juizado, mas que o Palmeiras está nadando de braçada no caminho certo e mais que todo mundo, isso ninguém pode negar. E que siga assim, pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 0 X 1 PALMEIRAS
Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data-Hora: 14/8/2016 – 18h30
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Auxiliares: Leirson Peng Martins (RS) e Mauricio Coelho Silva Penna (RS)
Público/renda: 23.911 pagantes/R$ 866.100,00
Cartões amarelos: Otávio, Léo, Hernani (APR), Cleiton Xavier, Erik, Thiago Santos (PAL)
Cartões vermelhos: –
Gols: Vitor Hugo (43’/1ºT) (0-1)

ATLÉTICO-PR: Santos; Léo (Matheus Rosseto, aos 26’/1ºT), Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Hernani, Luciano Cabral (André Lima, no intervalo) e Lucas Fernandes; Yago (Marcos Guilherme, aos 27’/2ºT) e Walter. Técnico: Paulo Autuori.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Thiago Santos, Tchê Tchê e Moisés; Róger Guedes (Cleiton Xavier, 31’/2ºT), Dudu (Rafael Marques, aos 39’/2ºT) e Erik (Fabrício, aos 42’/2ºT). Técnico: Cuca. 

Palmeiras 4 x 0 Atlético/PR – BR16

O martírio de ficar 03 semanas sem ver o Palmeiras jogar não podia ter terminado melhor.

Nesses 20 dias pensei várias vezes em escrever aqui sobre a preparação para o Brasileiro, sobre a expectativa, mas faltou inspiração… Que graça ficar comentando jogo-treino, o dia-a-dia dos treinamentos? Pra mim não vira, quero falar só de jogo. Até porque, sem Palmeiras em campo, é como naquele samba: Longe de ti, não sei sorrir, sinto até saudades de mim…

E o adversário da estréia tinha que ser justamente o Atlético/PR. Que nos derrotou em casa aqui em agosto do ano passado, daquele 3×3 maluco do returno, com uma das piores arbitragens da história da bola. Fechamos o ano passado com 1 ponto contra esse timezinho, inaceitável.

E houve quem dissesse que o Atlético deveria ser temido, afinal, era o campeão do expressivo campeonato paranaense de futebol. E ainda teve a entrevista do Autuori, esse perdeu uma gigantesca chance de ficar em silêncio. Se fode aí troxa!

Sobre o jogo, o que se viu em campo foi um Palmeiras compactado, envolvente e, principalmente, consciente. Todo mundo sabia o que tinha que fazer, como e por onde.

 Demorou um pouco pro time encaixar, é verdade, os primeiros 10, 15 minutos foram modorrentos, mas depois o time começou a se soltar e, finalmente, depois de infinitas partidas sem um maestro desde o início, Cleiton Xavier fez chover no Parque.

Calmo, preciso, eficiente. Duas assistências diretas, e o passe milimétrico que originou a jogada do primeiro gol, só pra citar os lances mais agudos, mas não se resume a isso a atuação clássica e de gala do nosso camisa 10. Até que enfim.

Ainda pudemos ver pelo menos duas novas jogadas ensaiadas em bolas paradas, inversão do Tche Tche com Jean pela direita o jogo todo, Gabriel Jesus e Roger Guedes infiltrando na diagonal, dando uma cara nova e bem arrojada pro futebol do Palmeiras. Pelo menos pra isso serviu essa interminável eternidade sem jogo do Verde…

E o público – 33 mil pessoas – não deixou de reconhecer a entrega e a qualidade vistas em campo e aplaudiu em pé as saídas de campo de CX, Barrios e Roger Guedes (pras entradas de Moises, Alecsandro e Rafael Marques).

E ainda tem o Dudu pra voltar…

Pois é Autuori, o Palmeiras é pretensioso mesmo, toma esses 4 e pensa que clube grande não entra em torneio pra participar. Entra pra levantar a taça.

Legal, né? Agora, voltemos ao solo. Por melhor que tenha sido a estréia, goleada e tals, foi só a primeira rodada, foi só o Atlético/PR, não é motivo pra euforia nenhuma. Agora, se jogar o campeonato inteiro como hoje, aí já pode começar a preparar pra festa…

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 4 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-Hora: 14/5/2016 – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Auxiliares: Luiz Claudio Regazone (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Público total/Renda: 33.629 pagantes / R$ 2.078.159,34
Cartões amarelos: Barrios (PAL); Paulo André, Walter e Nikão (CAP)
Cartão vermelho: Léo (CAP)
Gols: Róger Guedes 18′ 1ºT (1-0); Gabriel Jesus 1º 2T (2-0); Thiago Martins 7′ 2ºT (3-0); Gabriel Jesus 41′ 2ºT (4-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Tchê Tchê, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Matheus Sales, Jean, Cleiton Xavier (Moisés 24′ 2ºT) e Róger Guedes (Rafael Marques 38′ 2ºT); Gabriel Jesus e Lucas Barrios (Alecsandro 28′ 2ºT). Técnico: Cuca

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Jadson (Hernani 14′ 2ºT), Vinícius (Pablo 13′ 2ºT), Ewandro e Nikão; Walter.Técnico: Paulo Autuori

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0x1 Atlético/PR

Ainda tô tentando entender que porra aconteceu hoje de manhã no Allianz Parque. 

Esse horário das 11 realmente não é pro Palmeiras. Dois jogos no BR e duas derrotas. E no Paulista, uma vitória modorrenta contra o modesto XV de Piracicaba. Se depender de mim, jogo as 11 mumca mais. 

E numa partida que nada deu certo, não se pode deixar de falar que a saída de Gabriel, machucado, foi o começo do fim trágico que estava reservado pro Palmeiras. 

Não pela entrada do Andrei, que até não foi mal, embora o time não tenha desempenhado no mesmo nível de quando o Gabriel estava jogando. Mas, principalmente porque num dia em que Robinho e Rafa Marques não tavam jogando nada, perdemos uma substituição por contusão. 

Era jogo pro Cleiton entrar no lugar do Robinho (ou o Zé), mas o Marcelo, só podendo trocar dois jogadores, e sabendo que o Leandro não ia aguentar o ritmo até o fim, optou por colocar Kelvin no lugar do Rafa. Não deu certo.

Tudo bem que não era pra perder. Mas aí ninguém imaginava que o Lucas ia entregar a rapadura e cabecear uma bola pra trás na cobrança de escanteio, anulando o impedimento escancarado daquele atacante gordinho que me recuso a dizer o nome… 

Some-se a isso a arbitragem sempre prejudicial desse Ricardo Marques, que deixou o Atletico bater sem dó, não deu cartões, liberou a cera e ainda não decidiu nenhum lance duvidoso a favor do Palmeiras, e a desgraça tava anunciada. 

Pior pro coitado torcedor, que não consegue sonhar com coisas melhores nem por 10 dias: já estamos em 6º de novo. Isso sem falar que nessa partida o Palmeiras brecou a compra das meia entradas pelo futebolcard e o preço do ticket médio foi pra nada menos que 86 Dilmas. Um absurdo, uma verdadeira exploração da torcida, mais uma, isso pra ver o time perder mais um jogo em casa… assim fica difícil…

Voltamos a ficar 7 pontos e três vitórias atrás do Galo, com a proeza de ter sido o único mandante que perdeu na rodada.  Se o Palmeiras e o torcedor sonham chegar em algum lugar nesse campeonato, é hora de por os pés no chão. Não jogamos nada pra ganhar do limitado Santos, aí passamos o carro no cachorro morto do Vasco e hoje de manhã já tinha torcedor na porta do Allianz apostado no título. 

Calma lá, galera. Em 2009 estavámos em primeiro, uma porrada de ponto na frente de todo mundo e nem pra Liberta fomos. E são jogos como este, Goiás, etc, que vão matando nossas chances aos poucos. Temos dois jogos fora pela frente e o maldito Flamengo em casa até fechar o turno, e se o Palmeiras quer sonhar com alguma possibilidade de título, só os 9 pontos resolvem.

E o Marcelo precisa achar urgente o “camisa 10” desse elenco. Quando o Robinho não vai bem, como hoje, o time sofre em campo. Fellype Gabriel, Cleiton Xavier, Zé Roberto, enfim, alguém tem que assumir a bronca e fazer esse time funcionar. E tem mais, estamos há várias rodadas com Lucas, Gabriel, Arouca e Robinho pendurados, e sem substituto a altura pra qualquer um deles…

Enfim, o time precisa precisa trabalhar muito mais, e a torcida segurar a onda. Não pode cair na pilha da imprensa, porque excesso de confiança só serve pra atrapalhar. E a diretoria, podia pensar menos em como esfolar o torcedor e mais em como agir no bastidores pra evitar que juízes que só fazem por nos fuder venham apitar nossos jogos, principalmente na nossa casa.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×1 Atlético/PR – BR14

Um dos piores Palmeiras que já se viu jogar pisou no gramado sagrado de Palestra Itália para, mais uma vez, nos envergonhar nesse ano maldito que, graças a San Gennaro, acabou sem que uma desgraça maior tivesse ocorrido.

Não fossem os competentes jogadores de Santos e Coritiba, podíamos ter vivenciado uma das maiores tragédias do futebol. Em 06 jogos, o Palmeiras conseguiu marcar 1 único ponto, sofreu 12 gols e marcou 2. Terminou o campeonato como a pior defesa, com 59 gols sofridos, um belo troféu pra ser exibido por essa diretoria.

Dorival Júnior mostrou toda sua incompetência ao mandar pra campo um time com 03 volantes e só 1 atacante, isso precisando de uma vitória pra não passar sufoco. E o que se viu foi um festival de Gabriel Dias e Renato aramando o jogo. Vai entender o que se passa na cabeça desse cara, ou então de quem contrata um treinador com um gabarito tão baixo quanto esse…

Mas, na real, nem quero falar do jogo em si. Falemos apenas de Fernando Prass e Valdívia, os únicos que podem merecer algum respeito do torcedor. Sem eles, esse time estaria completamente fudido.

Prass foi mais uma vez monstruoso. Evitou que o Palmeiras fosse goleado. Mais uma vez. 

Já o Valdívia é um caso a parte, temos todos os motivos do mundo pra odiá-lo, mas na tarde de hoje não teve ninguém em campo mais empenhado em vencer do que ele. Foram carrinhos às dezenas, passes perfeitos, bronca nos perebas a todo momento e muita luta, mesmo estando claramente baleado. Hoje, mereceu vestir nossa camisa. Quem dera fosse sempre assim, quem sabe não passe a ser de agora em diante…

E a torcida foi disparado o melhor homem em campo. O Palmeiras não merece a torcida que tem. Tantos e tantos anos de tropeço atrás de tropeço e o palmeirense parece que fica cada vez mais fanático. E ainda tivemos a desonra de ter que comemorar pela primeira vez uma vitória na nova casa, só que quem ganhou o jogo foi o Santos… Puta que pariu, é muito sofrimento pruma torcida só!

E agora vou dormir finalmente em paz. O que não conseguia há quase 06 meses, Time maldito, reflexo de uma diretoria absurdamente incompetente, que fez de tudo pra que esse time fosse rebaixado, mas por um milagre divino e por muita bola jogada por Flamengo, Santos e Coritiba, não conseguiram.

Que no ano que vem, esse clube renasça com a certeza da sua grandeza, que toda essa banca de incompetentes suma, um por um, e caiam no nosso esquecimento e eterno desprezo.

Que comece a faxina.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×0 Atlético/PR – Copa do Brasil 2013

A defesa do título da Copa do Brasil começou com uma vitória magra que, se podia ter sido melhor, pra liquidar a fatura, por outro lado não teve gol do adversário, o que conta – e muito – nesse torneio.

Kleina ameaçou jogar com 3 atacantes, com Ananias no lugar do Charles, mas a contusão de Leandro fez o treinador manter o esquema com 3 volantes e Ananias a frente ao lado do Kardec, no 4-3-1-2 de sempre.

E o Palmeiras teve toda a oportunidade do mundo de liquidar a fatura já no jogo de ida. Abriu o placar bem no comecinho do jogo, era só administrar a posse de bola e encaixar um contra-ataque pra fazer o segundo e ir por Paraná mais tranquilo. Mas quem teve chance mesmo foi o adversário, com pelo menos 7 boas oportunidades de empatar. O Palmeiras teve mais 3 chances de gol, duas com Mendieta e uma com o Kardec, mas que também foram perdidas.

Preocupou o volume do jogo do adversário, e a falta de capacidade do time em prender a bola no ataque e evitar as investidas do Atlético que, porém, não reverteram em gol.

Melhor pro Palmeiras. Diante de todas as circunstâncias, 1×0 foi goleada.

Menção honrosa ao Prass. Pegou tudo que foi no gol hoje. Goleiro bom faz a diferença.

E as fazetes do chileno, gostaram do partidão que ele fez ? Não, pera…

William Mendieta jogou muito. De novo. MERECE a 10, que está vaga. Não, pera…

Marcio Araujo e sua incrivel habilidade de deixar o jogador adversário sempre na cara do gol. Até quando?

E o Vilsão salvador, pra alegria do público feminino do alambrado (e de um certo senhor mooquense).

Última coisa: ingresso mínimo a R$ 50,00, 20 mil pessoas no estádio hoje. No jogo contra o Paraná, ingresso a R$ 40, foram 32 mil. Porque será?

Agora, é só marcar um gol no jogo da volta e o caixão do Atlético estará lacrado.

Enquanto isso, no Mato Grosso, teve time queridinho da imprensa levando sapecada do LuVERDEnse. E teve beijoqueiro expulso, aquele mesmo, o exemplo de profissionalismo, que acha feio cavar cartão, mas cavar falta pode, soquenão. Foi pro vestiário beijar o outro gambá que tinha sido expulso. Que dó da formigaynha…

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 21/08/2013, às 19h30
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Guilherme Dias camilo (MG) e Cleriston Clay (SE)

Renda/público: R$ 801.315,00 / 20.856 pagantes
Cartões amarelos: Mendieta, Eguren e Alan Kardec (PAL); Zezinho, Jonas e Everton (ATP)
Cartões vermelhos: Não houve

GOL: Vilson, 3’/1ºT (0-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho (Ronny, 38’/2ºT); Márcio Araújo, Charles (Eguren, 31’/2º), Wesley e Mendieta; Ananias (Serginho, 47’/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo (Jonas, 31’/1ºT), Manoel, Luiz Alberto e Pedro Botelho; João Paulo, Zezinho, Everton e Elias (Ederson, intervalo); Marcelo e Dellatorre (Felipe, 33’/2ºT). Técnico: Vagner Mancini.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Atlético/PR – Copa do Brasil 12

Antes de mais nada, gostaria de homenagear os desgraçados que defendem um time da grandeza do Palmeiras jogando naquele estádio pútrido. Mais de 1 hora (sim, Senhores, 1 hora) pra conseguir chegar à estrada que nos levaria pra longe daquele lugar maldito. É inaceitável que o Palmeiras pise no gramado de Barueri mais uma vez nesta Copa do Brasil, ou em qualquer outro torneio. INACEITÁVEL!

Depois de um primeiro tempo bastante irregular, com o Betinho mostrando a que veio – nada, e Mazinho e Valdivia errando boa parte das jogadas de ataque e em que só não passamos perrengue porque jogavámos contra um time de 2.a Divsião, Felipão resolveu decidir o jogo promovendo a entrada de Luan no Betinho e do Maikon Leite no Mazinho. Na primeira jogada do Milk, meia-lua no marcador, bola rolada pro Valdivia e assitência pro gol do Luan. Bela jogada, gol de futebol de salão.

 Na sequência, num esquenteio do Maikon Leite, desvio do Valdivia e complementação do Henrique. 2×0, duas assistências do Mago. Vai fazer falta ele que, além dos dois passes, levou o terceiro amarelo e está fora do primeiro jogo da semi-final, seja ela contra o Gremio ou contra o Bahia.

Após muitos anos, o Palmeiras finalmente volta a uma semi-final de um torneio de expressão. Agora é com o Bigode. Já é o segundo jogo que ele resolve do banco. Apesar da insistência com o Patrik todo santo jogo (ontem a Torcida mandou um “Não, não, não, não!” quando ele foi chamado), o Bigode parece ter entendido que o Luan e Maikon Leite são excelentes reservas, mas não podem sair jogando nunca. Nos próximos 20 dias, tem que acertar os ponteiros e se preparar pra disputa da semi. Eu começaria fechando as portas geral pra imprensa…

Hoje saberemos quem vai ser o adversário: Bahia ou Gremio. Qualquer um dos dois, o Palmeiras é muito maior. Pra cima Palmeiras!

OS LANCES:

O BONDE:

Este slideshow necessita de JavaScript.

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2X0 ATLÉTICO-PR

Estádio: Arena Barueri, em São Paulo (SP)
Data/hora: 22/5/2012 – 19h30
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Auxiliares: Marcos Eustaquio Santiago (Fifa-MG) e Cleriston Clay Barreto (SE)

Renda e público: R$ 460.195,00 / 17.574 pagantes
Cartões amarelos: João Vitor, Betinho e Valdivia (Palmeiras); Zezinho (Atlético-PR)
GOLS: Luan, 23’/2ºT (1-0); Henrique, 37’/2ºT (2-0) 

PALMEIRAS: Bruno, Cicinho, Leandro Amaro, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vitor (Patrik, 39’/2ºT), Valdivia e Mazinho (Maikon Leite, 21’/2ºT); Betinho (Luan, 15’/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-PR: Rodolfo, Pablo, Manoel, Renan Foguinho e Heracles (Gabriel Marques, 33’/2ºT); Deivid, Alan Bahia, Zezinho e Martín Ligüera; Guerrón (Edgar Junio, intervalo) e Bruno Mineiro. Técnico: Juan Carrasco.

AVANTI PALESTRA!

Tem Jogo! Palestra x Atlético/PR – Copa do Brasil 12 – Quartas – Volta

Senhores, entramos em campo nesta quarta-feira jogando pela nossa honra. O horário vergonhoso da partida e o fato de que não jogaremos podendo até perder é sinal que emissoras de TV e comissões de arbitragem respeitam cada vez menos o Palmeiras.

Resta ao clube revidar. E se há alguma chance de se exigir melhor postura dessa gente que comanda e arruina o futebol, é esse título da Copa do Brasil.

Sim, é muito cedo pra se falar em título, e otimismo não combina com o palmeirense ultimamente. Mas o que nos cabe é acreditar na vitória nestas próximas 5 finais, ser “campeão” em cada um desses jogos e fazer a nossa parte na bancada. O resto é com o Bigode e com os jogadores. Se eles vão ficar ou não no ano que vem, eu quero que se foda. O que importa é agora.

Para esta primeira final, o Palmeiras não contará com Barcos, suspenso, e Daniel Carvalho, machucado. Com isso devemos ter Bruno, Cicinho, Henrique, M. Ramos e Juninho, Araujo, Assunção, Joao Vitor e Valdivia, Mazinho e Luan. Betinho ou Maikon Leite podem aparecer no time também.

Do lado de lá, o time deve ser Rodolfo; Pablo, Manoel, Renan Foguinho e Heracles; Deivid, Alan Bahia, Zezinho e Martín Ligëra; Edigar Junio e Bruno Mineiro. Pode ser que Guerron jogue, enquanto que Paulo Baier deve ser banco mesmo. Não podemos esquecer de homenagear o técnico Juan Carrasco, que acertou uma cotovelada em Valdivia no ultimo jogo. Não pode deixar barato.

Sem palpite. Cismei que dá azar. Mas é nóis, manolo!

17hs parte o Bonde do Caveirão rumo a Barueri.

AVANTI PALESTRA! 

 

 

A/PR 2 x 2 Palmeiras – Copa do Brasil 2012

E quando o time joga bola, eis que vem o velho fantasma da arbitragem prejudicar o Palmeiras. Houvesse justiça no futebol – entenda-se,  árbitros que não fossem verdadeiros salafrários – o Verdão teria liquidado a fatura com pelo menos 3×1 em cima do modesto time de Curitiba.

Mas o Palmeiras – leia-se a diretoria – é especialista nisso: mão mole na direção, os caras fazem a festa. Roubar o Palmeiras não pega nada, deve até dar status… Mas foda-se, falar de arbitragem contra a gente ou a favor dos imundos já virou piegas. As coisas são assim e pronto.

Hoje é dia de enaltecer a grande partida que o Palmeiras fez. Duas vezes atrás do placar, foi buscar, mandou duas na trave e independentemente da arbitragem vagabunda, merecia ter ganhado mesmo sem os dois penaltis não marcados e o gol impedido dos patéticos.

Até mesmo o Bigode, tão criticado neste espaço, merece reconhecimento pelo resultado: mexeu bem pela primeira vez no ano (FOOOOMMMMMM). Mandou dois atacantes pro campo e foi tirar a diferença, garantiu a vantagem do Palmeiras. Aí sim, Bugode, aí sim!

Como não pode faltar a cornetagem, o lado esquerdo da defesa segue sendo o caminho da nossa desgraça. Juninho precisa melhorar, ou então precisa reforçar aquele lado. Problema que não poderia acontecer com 3 zagueiros em campo…

Valdívia voltou a jogar bem, ainda descolou a expulsão do técnico cretino dos patéticos. Barcos, apesar do terceiro amarelo desnecessário, tirou a zica e fez um belo gol. E Maikon Leite reforça a tese de que, quando ele tira os patins – by Orelha – é o melhor do melhor do mundo em ser a arma mortífera do segundo tempo.

Agora ficou na nossa mão: é só não tomar gol no jogo de volta e se preparar pras semi-finais.

Bora entupir aquele estádio maldito! E já fica avisado pros integrantes do bonde do Caveirão que não compareceram hoje (Simi, Rova, Rogerinho, Otavio e Caio): cartão amarelo pros senhores!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 2  x 2 PALMEIRAS

Local: Durival de Britto, Curitiba (PR)
Data/Hora: 16/5/2012 – 19h30
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC)
Assistentes: Márcio E. Santiago (MG) e Ângelo Rudimar Bechi (SC)

Cartões Amarelos: Cleberson e Deivid (CAP); Cicinho, Valdivia e Barcos (PAL)
Cartões Vermelhos:
Público/renda: 7.307 pagantes / R$ 166.230,00
GOLS: Bruno Mineiro, 16’/1ºT (1-0); Barcos, 21’/1ºT (1-1); Edigar Junio, 22’/1ºT (2-1); Maikon Leite, 14’/2ºT (2-2)

ATLÉTICO-PR: Rodolfo, Cleberson (Pablo – intervalo), Manoel, Renan Foguinho e Zezinho; Deivid, Alan Bahia e Ligüera; Bruno Mineiro, Guerrón (Ricardinho – 23’/2ºT) e Edigar Junio. Técnico: Juan Carrasco.

PALMEIRAS: Bruno, Cicinho (Luan – 11’/2ºT), Leandro Amaro, Maurício Ramos (Román – 37’/2ºT) e Juninho; Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vítor e Valdivia; Mazinho (Maikon Leite – 11’/2ºT) e Barcos. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

AVANTI PALESTRA!

Tem Jogo – Atlético/PR x Palestra – Copa do Brasil Quartas

Às 19:30 de hoje começa mais uma decisão na história da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Bruno, Cicinho, Roman, Maurício Ramos e Juninho, Araujo, Assunção, João Vitor e Valdivia, Barcos e Mazinho serão os responsáveis por honrar em campo 98 anos de Palmeiras.

Nao aceitaremos nada menos que isso.

Do lado de lá, segundo o Verdazzo, devem jogar Rodolfo; Cleberson (Gabriel Marques), Manoel, Renan Foguinho e Héracles (Paulo Otávio ou Zezinho); Deivid, Paulo Baier (Alan Bahia ou Zezinho) e Ligüera; Guerrón, Edigar Junio e Bruno Mineiro.

Time por time, é pra passar o carro. Mas nao é bem assim. Por isso, qualquer que seja o resultado hoje, que o Palmeiras marque vários gols.

Palpite do Maluco é de 2×1, dois do Barcos, que vai arrancar a chuteira zica do pé e acertar na orelha daquele gordinho da torcida dos caras.

18:30 na LOsteria.

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: