Arquivo mensal: dezembro 2017

Atlético/PR 3×0 Palmeiras – BR17

Nada como mais uma derrota vexatória pra fechar com a devida melancolia o pior 2017 que o Palmeiras poderia ter.

Saímos das 4 competições disputadas sempre de forma ridícula, abrindo caminho pra equipes muito menos qualificadas se consagrarem. Nunca esteve tão fácil ganhar qualquer um – ou todos os títulos num mesmo ano – e o Palmeiras, por uma combinação sinistra de fatores e muita incompetência, deixou os títulos escaparem entre os dedos.

No Paulista, a derrota pro time da Ponte Preta nos tirou o direito de disputar o título contra o rival. Na Copa do Brasil, um gol nos minutos finais derrubou o Palmeiras contra o Cruzeiro, e o péssimo resultado na partida de ida cobrou sua conta. Na Libertadores uma derrocada nos penaltis prum time muito limitado, depois de um jogo de ida muito mal jogado também. E o Palmeiras só escolheu disputar o Brasileiro depois que tinha perdido todo o resto, mas já era tarde, não conseguimos superar as próprias falhas e os erros seguidos da arbitragem.

O ano em branco foi merecido, fruto de diversas escolhas erradas, a primeira delas tomada a quase um ano, quando o Palmeiras anunciava Eduardo Baptista como treinador, depois de ter deixado Roger Machado, o pretendido, escapar pelos dedos.

Mas não pretendo agora fazer uma retrospectiva do nosso ano, sinceramente, por preguiça de ficar lembrando tanta coisa ruim.

O fato é que o Palmeiras perdeu o ano na zaga, hoje mais uma vez foi exemplo claro de quanto o Verdão regrediu anos-luz em termos de sistema defensivo, fruto de três trocas de treinador e também de contratações muito duvidosas para o setor.

Entramos em campo hoje com Fabiano, Mina, Luan e Michel Bastos na zaga, protegidos por um Thiago Santos que não é nem a sombra do trator de 2016. Curioso ou não – já foi falado aqui – Felipe Melo não jogou, Palmeiras perdeu…

O primeiro gol do Atlético foi um daqueles que só Palmeiras toma, contra-ataque despretensioso e de repente tem um cara entrando sozinho na nossa área e batendo por cima do goleiro. Devem ter sido uns 10 gols assim só nesse semestre…

Depois uma combinação também quase que exclusiva do Palmeiras – Mina tomou um chapéu da própria bola, de novo o peão entra sozinho na nossa e o juiz marca penalti pros caras num lance que não foi absolutamente nada: falha bisonha + tungada do apitador? O Palmeiras devia patentear essa dobradinha…

E pra fechar, mais uma exclusividade palmeirense nesse 2017: levar 3 gols antes dos 30 do primeiro tempo: Ponte Preta, Cruzeiro, Gambá, Vitória, A/PR… esqueci alguém? Deve ter tido mais e meu coração verde foi lá e apagou da cachola…

Ou seja, o Palmeiras andou mal demais no setor defensivo, e é isso que precisa ser muito melhorado pra 2018. Que o Roger consiga montar um sistema de marcação regular e bem definido e que o Mattos traga jogadores que reforcem o setor – pra serem titulares, zagueiros E laterais. Uma reforçadinha nos bastidores não ia fazer mal também, o palmeirense amargurou seguidos “erros” da corja do apito, e muitos deles foram letais…

Se tudo isso acontecer, o palmeirense pode ter esperança de um 2018 vitorioso. O pé no chão que faltou no fim do ano passado, já está aí. Só por isso já saímos em vantagem. Oba-oba nunca foi a cara do Palmeiras…

E a não ser que algo de muito muito muito importante aconteça com o Verdão daqui até 2018, o Maluco vai ficando por aqui. Se esse ano não foi do jeito que a gente queria, e é óbvio que não foi, também não deixou de ser mais um ano de vivência intensa da palestrinidade, e não há nunca como isso ser ruim…

Um Feliz Natal e um Excelente Ano Verde pra todos nós que fazemos do Palestra a Nossa Vida, chega logo que 2018 é tudo nosso!!!!

AVANTI PALESTRA! 

      

 

      

%d blogueiros gostam disto: