Arquivo diário: 10/08/2017

Palmeiras 1 (4)x(5) 0 Barcelona – Libertadores17

Difícil encontrar palavras pra expressar esse misto de raiva, decepção e, principalmente, vergonha.

Em menos de 30 dias jogamos fora a Copa do Brasil, a Libertadores e, no último domingo, abdicamos da já improvável disputa pelo bi-campeonato do Brasileirão.

Como explicar que um time inteiro poupado na última rodada do Brasileiro saía de campo todo arrebentado, com as lesões de Mina e de Dudu?

Assim como na Copa do Brasil, o preço de uma primeira partida muito mal disputada foi cobrado no jogo da volta.

Aquele Palmeiras covarde do jogo em Guayaquil mereceu perder de 1×0 com aquele gol moribundo já nos minutos finais de jogo. Mereceu porque abriu mão de jogar futebol como exige a nossa camisa, pra cima, seja de quem for, onde for.

E hoje, achei que o Cuca errou mais uma vez em cismar de colocar o Dudu no meio de campo, onde ele não consegue render nem a metade do que joga quando está aberto pelas pontas.

Ah o Moises e o Guerra não estavam 100%? Sem problemas, jogasse um cada tempo, e o Dudu aberto na ponta. Mas não, o Cuca sempre tem que inventar, sempre tem que ter alguém fora da sua posição de costume, senão não é o Cuca…

Com isso, além do péssimo jogo em Guayaquil, o primeiro tempo de hoje parecia que ainda estávamos no Equador, tamanha foi a inoperância do time, sequer chutamos no gol. Muito pouco pra quem precisava ganhar por dois gols de diferença.

Veio o intervalo, Cuca colocou o jogador certo mas mexeu errado: era o Keno e não o Roger Guedes que tinha que ter saído.

Poucos minutos do Moisés em campo, e do Dudu na ponta e já parecia outro jogo completamente diferente. Aquele golaço do Moisés foi o tempero que faltava pro time deslanchar, e nos dois lances seguintes fizemos um gol, anulado – parece que bem anulado, nem vou ver o lance – e ainda acertamos o travessão num chute do Keno.

E ai o mais surpreendente: aquele time 100% poupado no final de semana ra grande decisão morreu em campo. E quase levamos o empate. E não tivemos força pra chegar ao segundo gol. E fomos pra loteria dos penaltis. E veio o castigo.

Castigo de ter jogado pra não perder em Guayaquil, e mesmo assim perder. Castigo de ter jogado mais uma vez errado no primeiro tempo, de novo tirando nosso melhor atacante da frente pra fazê-lo jogar no meio. Castigo de abrir mão de tudo pela Libertadores e agora tchau Libertadores. Castigo pelo semestre sabático do treinador que na sua volta não consegue fazer um time repleto de bons nomes jogar bola. Castigo.

E muita gente achando que o problema do Palmeiras era o Felipe Melo, que o afastamento dele iria unir o grupo e blablablá. Agora durmamos com o barulho essa eliminação.

Que amanhã nesse cenário de terra arrasada ressurja o alviverde imponente, e não essa piada de mau gosto que virou o time campeão brasileiro do ano passado.  

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: