Arquivo mensal: agosto 2016

Palmeiras 3×0 Botafogo/PB – Copa do Brasil16

O Palmeiras largou na busca do Tetra da Copa do Brasil com o pé direito do Jean e os pés esquerdos de Rafa Marques e do Tche Tche, os autores dos 3 gols sobre o Botafogo/PB na  noite de hoje.

Cuca não se preocupou em poupar jogadores e mandou pra campo o que o Palmeiras tinha de melhor à disposição: Jaílson, Jean, Mina VH e ZR, Tche Tche, Moises e CX, Dudu Erik e RM. Afinal, com uma semana de intervalo pro próximo compromisso, não tinha mesmo o porque não jogar com força máxima hoje. A não ser que alguém não estivesse 100% em condições…

E eis que lá pela metade do primeiro tempo, perdemos o Moisés por lesão. Mais uma. Justo o nosso melhor jogador. Puta que pariu viu, é foda, tomara que não seja nada, senão é muita zica pra Hope Solo nenhuma botar defeito… Mas não vai ser e quarta tem gol dele contra as gazelas…

Sobre o jogo, um primeiro tempo tão burocrático quanto Cleiton Xavier quis que fosse. Incrível como ele oscila ótimas e péssimas atuações. Pra mim, virou jogador de segundo tempo definitivamente, tanto fora de casa como no Allianz. Rende mais entrando no intervalo do que começando os jogos. Que seja.

Pois foi o Cleiton sair pra dar lugar ao Allione pro Palmeiras começar a jogar bola. E os gols vieram fáceis, fáceis. Tão moleza que o Seo Dewson, o equivalente ao Íbis da arbitragem munidal, conseguiu marcar um penalti pro Palmeiras que tinha sido falta fora da área. Mas o bandeirinha mandou ele marcar penalti e ele, que tinha acertado, errou. E porque? Quando se erra tanto que nem ele, a autoconfiança é absolutamente nenhuma, se o gandula falar que foi penalti, ele marca. Êêê CBF, não aprende mesmo…

Apesar do penalti mal marcado a seu favor, o Palmeiras seguiu muito mais produtivo e, com boas jogadas de Dudu e Allione, os gols foram aparecendo, e até mesmo o mais feito de todos que o Erik perdeu em uma defesa impressionante do goleiro do Botafogo. Ainda era 1×0.

Logo depois Rafael Marques, que vinha na mesma pegada de zonamortista (com a licença poética do O Periquitão) que o CX, marcou um gol com inteligência, de perna esquerda e, pra finalizar, Tche Tche fez o primeiro dele com a camisa do Verdão, também com a canhotinha que a Gambazada treme só de relembrar.

No fim, vitória justa, apesar de mais um vacilo do Dewson, que também não influenciou no resultado nem do jogo de hoje nem do da volta.

E atenção palmeirense, o clássico contra os mulambos já começa amanhã, com o julgamento do Palmeiras no Tribunal mais rubro negro desse país e que pode significar justamente a perda de mando no jogo contra os cariocas. Cheiro de hepta? Não, é cheiro de merda no ar, mesmo.

Vale lembrar que em 2009, o último título da mulambada, um dos times na disputa era a bicharada. Num jogo contra o Grêmio, em 04 de novembro (portanto, bem no fim do campeonato), foram expulsos Jean, Borges e Dagoberto. Mesmo assim elas empataram e assumiram a liderança. Os dois primeiros por 02 amarelos, e o Dagoberto vermelho direto.

E, 15 dias depois, os 03 foram julgados e pegaram 03 (TRÊS) jogos de suspensão cada um, só podendo voltar a atuar na última rodada do campeonato, e olha só que coincidência, o Flamengo foi o campeão daquele ano…

Foi quase na mesma semana também daquele gol do Obina no Maracanã anulado vergonhosamente por Carlos Eugenio Simon (foi no dia 08 de novembro), e olha só que coincidência, o Fluminense não caiu naquele ano…

Por isso, palestras, amanhã é dia de jogo importante, pra todos os efeitos, e não podemos esperar nada menos da nossa diretoria que não seja a defesa veemente e impecável do nosso Verdão e da sua torcida. Ouviram bem? Da sua torcida também!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

[em beve]

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 0 BOTAFOGO-PB
Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data-Hora: 31/8/2016 – 19h30
Árbitro: Dewson Fernando Freitas (PA)
Auxiliares: Marcio Gleidson Correia Dias (PA) e Helcio Araujo Neves (PA)
Público/renda: 24.512 pagantes/R$ 1.012.371,40
Cartões amarelos: Allione (PAL); Plínio (BPB)
Cartões vermelhos: –
Gols: Jean (12’/2ºT) (1-0), Rafael Marques (17’/2ºT) (2-0) e Tchê Tchê (35’/2ºT) (3-0)

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê, Moisés (Gabriel, aos 25’/1ºT) e Cleiton Xavier (Allione, no intervalo); Dudu, Erik (Vitinho, aos 26’/2ºT) e Rafael Marques. Técnico: Cuca.

BOTAFOGO-PB: Michel Alves; João Paulo, Plínio, Marcelo Xavier e David Luiz; Djavan, Pedro Castro (Sapé, aos 32’/2ºT) e Marcinho; Jefferson Recife (Danielzinho, aos 19’/2ºT), Rodrigo Silva e Carlinhos (Assis, aos 34’/2ºT). Técnico: Itamar Schulle.

FluminenC 0x2 Palmeiras – BR16

Ah se todo jogo fora fosse em Brasília… Foi mais uma aula de bola que o Verdão aplicou pra cima do queridinho do STJD. E dessa vez não teve Carlos Simon nenhum pra segurar o Palestra, o passeio foi dos zero aos 90 minutos, sem dó, como deve ser sempre.

Cuca ajeitou a zaga e colocou Mina no lugar do TM. No meio, Gabriel ganhou a vaga de CX, e na frente Erik herdou a posição de RG, enquanto o GJ retomou o lugar que o RM jamais deveria ter ocupado. Com isso, o Palmeiras não demorou a mandar no jogo, e em menos de 30 minutos já fazia 2×0 pra cima do time carioca. 

Dudu, numa releitura do gol porco, e Jean, numa bela patada de primeira de fora da área, fizeram os gols do Palmeiras. E podia ter sido bem mais, tamanha a facilidade com que o Palmeiras chegava no gol do adversário, mesmo com as investidas do Fluminense no 2º tempo, nenhuma que fosse suficiente pra passar pelo Jailson, em mais uma partida de almanaque do nosso goleiro. 

Não fosse a vitória  do Flamengo  com direito a pênalti bem duvidoso lá em Chapecó, o Palmeiras teria aberto 4 pontos de vantagem pra cima do segundo colocado, mas, enfim, três pontos, uma vitória e uma porrada de saldo a mais tá mais do que bom também.
Os próximos 4 jogos serão mais do que cruciais, o Palmeiras vai enfrentar Bambi, Gremio fora, Flamengo e Gambá fora, dois clássicos  e dois adversários diretos numa estilingada só. Se jogar como jogou hoje, 12 pontos vai ser pouco.

Antes disso, tem o Botafogo/PB pela C. Do Brasil. Chance do Cuca dar ritmo de jogo pra quem nao vem atuando, mas sem desrespeitar o adversário, porque não é hora de arrumar pra cabeça…

AVANTI PALESTRA!

OS GOLS

A FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 0 X 2 PALMEIRAS

Local: Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Data/Hora: 28/8/2016 – 16h

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Sidmar dos Santos Meurer (MG) 

Público/Renda: 12.037 pessoas/ R$ 630.135

Cartões amarelos: Douglas, Wellington, Cícero, Marcos Júnior, Marquinho, Gum e Danilinho (FLU); Gabriel Jesus, Yerry Mina, Vitor Hugo, Dudu e Arouca (PAL)

Cartões vermelhos: – 

Gols: Dudu 19’/1T (0-1) e Jean 24’/1T (0-2)

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Douglas (Marquinho, intervalo) e Cícero; Gustavo Scarpa (Danilinho, aos 26’/2T), Marcos Júnior e Wellington; Henrique Dourado (Claudio Aquino, intervalo). Técnico: Levir Culpi

PALMEIRAS: Jaílson; Jean, Yerry Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel (Arouca, aos 30’/2T) e Tchê Tchê; Erik (Róger Guedes, aos 17’/2T), Moisés (Cleiton Xavier, aos 24’/2T) e Dudu; Gabriel Jesus. Técnico: Cuca

Palmeiras 2x2Ponte Preta – BR16

Mais um puta vacilo do Palmeiras. Inadmissível somar 1 ponto de 6 possíveis contra um time absolutamente medíocre, hoje e sempre, como essa porra de Ponte Preta. Se for olhar todos os campeões de pontos corridos, aposto que ninguém foi tão mal contra a Ponte Preta como o Palmeiras.

E apesar dos desfalques, não tem como aliviar a barra do treinador, porque a culpa é dele e de quase mais ninguém por um resultado ridículo como o de hoje. Começa por escolher Rafa Marques pra começar como titular, e termina nas saída do Cleiton Xavier e entrada do Thiago Santos no segundo tempo.

Contra o Coxa, no primeiro turno, o Palmeiras ganhava o jogo fora de casa e Cuca resolveu fazer a mesma substituição covarde: tirar um atacante pra colocar um jogador que só marca. Lá em Curitiba, e hoje, aqui de novo, o castigo não tardou a vir. Tomamos o empate nos dois jogos.

E o que mais surpreende no Cuca, é que ele faz esse tipo de escolha sempre quando jogamos com times pequenos, e isso não costuma se repetir nos jogos contra os times grandes. Vai entender o que pensa nosso treineiro…

Hoje, com menos de 1 minuto que o Cuca tinha tirado o Roger Guedes pra colocar o Thiago Santos, última alteração, tomamos o gol. E aí o Palmeiras já não tinha mais um armador de ofício, CX já tinha saído pra entrada de Allione, e dos três atacantes, estavam em campo apenas Dudu e o inútil Rafa Marques.

Ou seja, o Palmeiras levou o empate e não tinha mais o poderio ofensivo necessário pra reagir. Tudo porque o Cuca quis segurar o resultado contra um adversário mais fraco. Abriu mão de matar o jogo pra privilegiar a marcação, num jogo em que dava pra ter feito 3, 4 gols tranquilamente…

Mas o Cuca não cagou sozinho, Vitor Hugo e Thiago Martins teriam sérios problemas pra deixar o campo se o jogo de hoje tivesse sido numa várzea da vida. Falhas bisonhas, imperdoáveis. E o Dracena no banco, hein professor??

Galo e Flamengo ganharam, o que tornava nossa vitória importantíssima, principalmente porque o Santos depois iria perder, e teríamos colocado 4 pontos de vantagem. Como os lambaris perderam, ficamos 2 na frente do Galo, mas com aquela sensação tremenda de vacilo que time que quer ser campeão não pode dar.

Enfim, a cagada já tá feita, que seja a última, porque daqui pra frente qualquer fraquejada dessa pode ser definitiva pra continuação do campeonato. Ainda bem que ainda tínhamos gordura pra queimar. Seguimos líderes mesmo depois dos desfalques dessa maldita Olimpíada. E o Jesus segue artilheiro ahahah

Que esses pontos jogados fora hoje voltem contra o Fluminense no Rio de Janeiro. Com Jesus em campo, e com uma mudança significativa principalmente na defesa, espero muito mais do verde do que foi visto hoje.

AVANTI PALESTRA!

 

 

Atlético/PR 0x1 Palmeiras – BR16

Virada de turno, 2012. O Palmeiras vinha mal das pernas, no Z4, a ressaca do título da Copa do Brasil já tinha pasado e o Palmeiras precisava reagir pra escapar do perigo do rebaixamento. Fomos enfrentar a Lusa no Canindé, e o que era pra ser o divisor de águas daquele campeonato, foi o início de uma tragédia dolorosa demais pro torcedor palmeirense. 3×0 pros Portugas e a crônica de uma morte anunciada começava a ficar gravada na alma do palmeirense.

Virada de turno, 2016. O Palmeiras chegou no returno o melhor time, mas já não era tão melhor como tinha sido no decorrer do campeonato, diziam alguns. A diferença que chegou a ser de 5 pontos, tinha caído pra um. E o Palmeiras teve pela frente um time que tinha conquistado 23 pontos de 27 disputados em casa, sete vitórias e dois empates, nenhuma derrota sofrida.

Mas dessa vez, as coisas funcionaram bem diferente. O Palmeiras, mesmo desfalcado, entrou em campo determinado a fazer sua melhor partida como visitante no torneio. E fez.

O time inteiro voou em campo, mas foi no meio que o Palmeiras sobrou: Thiago Santos, Tchê Tchê e Moisés jantaram os jogadores do Atlético, e com isso o Palmeiras teve domínio e controle plenos da partida.

O gol de cabeça de Vitor Hugo, no final do primeiro tempo, num escanteio batido por Dudu, apenas confirmou quem era o melhor time em campo: O Palmeiras chegava e não deixava o Atlético chegar.   

No segundo tempo o jogo até podia ter sido mais fácil, um pouco mais de capricho nos contra-ataques teriam garantido placar mais elástico, mas, de novo, aí não seria o Palmeiras…

E mesmo quando a bola passou a nossa marcação quase infalível, lá estava Jailson pra afastar o perigo da nossa meta. Pegou tudo o 49, até lance de impedimento o Jailsão bloqueou…

Que partida, senhores! Que vitória! Ah se fosse sempre assim, acho que esse blog nem ia existir ahahahah

Primeiro grande desafio na parte de cima da tabela, e 03 pontos pro Verdão. Ainda é cedo pra pensar qualquer coisa, o Palestra pode até não ter o melhor elenco, com certeza não é o time queridinho da imprensa, da CBF e da juizado, mas que o Palmeiras está nadando de braçada no caminho certo e mais que todo mundo, isso ninguém pode negar. E que siga assim, pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 0 X 1 PALMEIRAS
Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data-Hora: 14/8/2016 – 18h30
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Auxiliares: Leirson Peng Martins (RS) e Mauricio Coelho Silva Penna (RS)
Público/renda: 23.911 pagantes/R$ 866.100,00
Cartões amarelos: Otávio, Léo, Hernani (APR), Cleiton Xavier, Erik, Thiago Santos (PAL)
Cartões vermelhos: –
Gols: Vitor Hugo (43’/1ºT) (0-1)

ATLÉTICO-PR: Santos; Léo (Matheus Rosseto, aos 26’/1ºT), Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Hernani, Luciano Cabral (André Lima, no intervalo) e Lucas Fernandes; Yago (Marcos Guilherme, aos 27’/2ºT) e Walter. Técnico: Paulo Autuori.

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Thiago Santos, Tchê Tchê e Moisés; Róger Guedes (Cleiton Xavier, 31’/2ºT), Dudu (Rafael Marques, aos 39’/2ºT) e Erik (Fabrício, aos 42’/2ºT). Técnico: Cuca. 

Palmeiras 2×1 Vitória – BR16

Depois de 03 jogos, o Palmeiras voltou a vencer no Campeonato Brasileiro e, na última rodada, retomou a liderança que foi nossa mais do que de qualquer outro time até aqui.

O Palmeiras começou indo pra cima do Vitória e, como se tornou característico dessa equipe, com 15 minutos já tinham sido criadas pelo menos 03 chances de gol, duas com Erik e uma com o Leandro Pereira, mas nada de gol.

Na zaga, os perigos vinham de erros individuais, mas as bolas pararam num inspirado Jaílson, que defendeu quase tudo que pôde, foi uma partida quase impecável, não fosse um azar danado no segundo tempo. Mas, sem discussão, achamos o goleiro que vai suprir a ausência do Prass até o fim do ano.

O jogo começou a mudar quando Leandro Pereira, machucado, deu lugar pro Barrios, e foi nítida a diferença: o paraguaio joga de costas na área com a mesma facilidade que joga indo buscar o jogo (o que o LP não faz), ficando a dúvida do por que ele não é titular nesse time, em especial com a ausência do GJ.  

Lá pelos 20 e poucos, Cleiton foi puxado na área e o juiz não tinha como  não marcar o penalti. Jean bateu no canto oposto da cobrança contra a Chapecoense, fraco e rasteiro, e o goleiro do Vitória, quase 1 km adiantado, pegou a bola sem dificuldade.

Aos 35, em jogada ensaiada de escanteio, depois de um quase golaço de chaleira do Moisés (o melhor em campo), a bola sobrou pra ele, Barrios, só desviar pro gol, 1×0 pro Verdão.

No segundo tempo, o que já havia sido visto na primeira etapa, Dudu (que vestiu a braçadeira de capitão) jogou como o palmeirense sempre espera, foi pra cima  da zaga do Vitória e mostrou que nos últimos jogos tava mesmo pouco a fim de jogar bola. Num desses lances, depois de um belo passe de Barrios, o último dele no jogo (que também saiu machucado), Dudu achou CX entrando sozinho na pequena área: 2×0 pro Verdão.

E aí, achei que o Cuca errou ao colocar o Rafael Marques no lugar do Barrios. Marques sempre entra no jogo sem nenhuma inspiração, parece mesmo que não é com ele. Tirando umas bolas de cabeça em reposições do Jaílson, a única coisa que ele sabe fazer, no resto foi mal demais. Talvez a entrada do Roger Guedes, pra explorar a opção do contra-ataque seria melhor. Pode ser que o Cuca quisesse testar o RM, já que tinha perdido os dois centroavantes do elenco por contusão, mas não deu nada certo pra ele, só pra variar…

E o que se viu foi um jogo fácil começar a ficar complicado. Principalmente depois que o Cuca resolveu inverter Jean e Tchê Tchê (o que já havia acontecido no começo do jogo), e em três vacilos do 32, quase entregamos o empate de mão beijada pro Vitória: Primeiro, numa bola nas costas do Tchê Tchê, que rendeu um cruzamento rasteiro que o Jaílson espalmou e a bola bateu nas costas do Thiago Martins e entrou no nosso gol.

Depois, numa bola que o Tche Tche tentou sair jogando e foi cortando pro meio na frente da nossa área, que acabou num chute perigoso do jogador do Vitória, e por último, numa falta na cara do gol que, por sorte, não passou da nossa barreira.

Até entendo a alternância entre os dois, principalmente porque como o TS não estava jogando, Jean faz a marcação como primeiro volante melhor do que o Tche Tche. Mas precisa treinar melhor isso aí, porque quase nos custou os 3 pontos…

Ainda deu tempo do Jaílson fazer uma defesa monstruosa em outro chute de fora da área, e lá na frente, Allione, que tinha entrado no lugar do CX, driblou o goleiro do Vitória e ao invés de só rolar pro Dudu tocar pro gol vazio, resolveu chutar sem ângulo, e a bola foi pra fora.

No fim, apesar da emoção no fim, foi um bom jogo do Palmeiras e o reencontro com a vitória não viria de mão beijada mesmo.

A se confirmar o 1º lugar, o que só não ocorrerá se o Gambá golear o Cruzeiro no Pacaembu hoje a noite, o Verdão terá sido líder do BR em 10 das 19 rodadas até aqui disputadas e fechará a metade do campeonato com o título simbólico de campeão do primeiro turno.

E o que isso vale? Absolutamente nada, senão indicar que o Palmeiras está no caminho certo, mas as dificuldades daqui pra frente serão cada vez maiores. A começar pelo fato de que, dos 05 adversários diretos que seguem na nossa bota, jogaremos com 4 fora de casa pelo segundo turno: Gambá, Santos, Gremio e Atlético/MG. Só o Flamengo virá jogar no Allianz.

O caminho para o enea será o seguinte:

A/PR (F), PON (C), FLU (F), BAM (C), GRE (F), FLA (C), GAM (F), CTB (C),  STA (F), AME (F), CRU (C), FIG (F), SPO (C), SAN (F), INT (C), A/MG (F), BOT (C), CHP (C) e VIT (F).

A dificuldade da tabela fica ainda mais preocupante quando lembarmos que perdemos pontos pra Ponte Preta, Coritiba, Botafogo e Chapecoense, e que toda a gordura que o Palmeiras tinha, que chegou a ser de 05 pontos, hoje se reduz a 1 único ponto, podendo terminar a noite com uma diferença de saldo de gols apenas.

E os cabelos brancos do palmeirense começar a brotar quando vemos a quantidade de contusões que não para, de acontecer: Prass, Dracena, Mina e Gabriel seguem fora, ontem perdemos Barrios e o Leandro Pereira, e com a suspensão do Alecsandro e o GJ na seleção, pode ser que no domingo não tenha um camisa 9 pra jogar contra o A/PR. Complicado…

Mas, como eu disse aqui outras vezes, quem quer moleza está torcendo pro time errado. Vamos assim até o fim, e seremos campeões, senão antes, naquele maldito Barradão, que tanta coisa ruim faz o torcedor do Palmeiras lembrar…

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 VITÓRIA
Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data-Hora: 7/8/2016 – 16h
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Nadine Schramm Camara Bastos (Fifa-SC) e Helton Nunes (SC)
Público/renda: 30.330 pagantes/R$ 1.975.055,20
Cartões amarelos: Zé Roberto e Tchê Tchê (PAL), Victor Ramos, Euller, Kanu e Marinho (VIT)
Cartões vermelhos: –
Gols: Barrios (36’/1ºT) (1-0), Cleiton Xavier (4’/2ºT) (2-0), Thiago Martins (contra) (29’/2ºT) (2-1)

PALMEIRAS: Jaílson; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê, Moisés e Cleiton Xavier (Allione, 24’/2ºT); Dudu, Erik e Leandro Pereira (Barrios, aos 25/’1ºT) (Rafael Marques, aos 5’/2ºT). Técnico: Cuca.

VITÓRIA: Fernando Miguel; Diego Renan, Victor Ramos, Kanu e Euller; José Welison (Serginho, aos 25’/2ºT), Willian Farias, Flávio (Vander, no intervalo) e Cárdenas (David, aos 36’/2ºT); Marinho e Kieza. Técnico: Vagner Mancini.

 

 

  

Chapecoense 1×1 Palmeiras – BR16

Diante das circunstâncias do jogo, o empate serviu de algum consolo, mas não pode deixar de ser dito que foi um jogo que se apresentou como aqueles em que o Palmeiras tinha obrigação de ganhar.

Muito mais pelo que o Chapecoense não jogou até abrir o placar do que pelo jogo em si. Afinal, em 03 visitas a Chapecó pelo BR até hoje, o Palmeiras não tinha marcado nenhum ponto, marcado um só gol e levado 8.

E hoje, pelo menos até o fatídico lance do goleiro Vagner, o Palmeiras mandou na partida, criou chances – poucas, mas criou – e controlava amplamente a partida.

Até que numa cobrança de falta despretensiosa, Vagner caçou borboleta e o atacante do adversário, que estava impedido na largada do lance, fez o gol. Era uns 30 do primeiro tempo.

E o Verdão sentiu. Morreu em campo, o que se via simbolizado na pessoa do Dudu, disparado o pior em campo hoje, superando até o vacilão que vestia luvas, pelo desinteresse, falta de entrega e de vontade, indignos de quem veste nosso manto.

Veio o intervalo e o Cuca resolveu finalmente acertar na alteração: mexeu no meio, e sacou o volante de contenção – TS – pra colocar um meia – CX. Deu certo: o Palmeiras passou a criar as chances mais claras que não tinha conseguido no primeiro tempo, principalmente depois do gol.

Depois, errou ao tirar o Erik, que vinha sendo o menos pior dos atacantes, para colocar o Barrios – era melhor ter saído o Banana ou o Dudu, principalmente o último, pela falta de empenho.

E o Barrios – mesmo fora de ritmo – foi bem, cavou várias faltas, fez o pivô, marcou, deu carrinho, perdeu gols, obrigou o goleiro da Chape fazer algumas defesa, enfim, fez o que se espera de um atacante, apesar de não ter ido às redes. Foi bem melhor que o apagado Leandro Pereira.

Mais um pouco e saiu o morfético do Dudu e entrou o Allione, outro que há muito não tinha oportunidade, e fez muito bem o que podia ser feito diante das circunstâncias – um adversário totalmente recuado. Mesmo assim, a melhor chance do Verdão de virar o jogo saiu dos pés dele, num cruzamento pela direita que Cleiton Xavier desviou e o goleiro da Chape operou um milagre – um dos muitos que ele fez no segundo tempo.

No fim, o empate devolveu o Palmeiras à ponta da tabela, com 33 pontos, ao lado dos fregueses da Capital e do Litoral, atrás dos praianos apenas por 2 gols de saldo e na frente dos imundos por 1.

Podia ser melhor, mas aí não seria Palmeiras. Aqui é sempre mais difícil, quem ainda não se conformou com isso, tá mais que na hora, vai ser assim até a última rodada…

Que venha então o maldito Vitória. Que o sangue fervente do palestrino de 2002 e 2003 volte às veias e saía pelas vozes dos 40 mil que lotarão o Allianz no domingo, pro Verde virar a tabela na frente de todos e arrancar pro segundo turno rumo ao nono caneco.

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: