Arquivo mensal: julho 2016

Botafogo 3×1 Palmeiras – BR16

Depois de liderar praticamente metade do campeonato, o Palmeiras deixa a liderança na mão do rival, com ares de crueldade, numa derrota bem humilhante pro Botafogo, que ainda foi premiado com a saída do Z4 (que devia ocupar  desde o começo do campeonato ou algo que o valha). E pior, ainda tomamos 02 gols dum perna dura como Neilton, que desde a Copinha só serve pra fazer gols no Palmeiras e em mais ninguém. Hoje, fez 2. Nos outros 16 jogos do Campeonato, só tinha feito 4… É ou não é de foder?

Ainda mais preocupante é ver que o baixo rendimento do Palmeiras pesa justamente onde perdemos jogadores pra Seleção: no gol e no ataque.

Já na semana passada o gol que o Vagner tomou contra o Galo o Prass teria pego. Hoje, os dois gols do Neilton ele poderia ter defendido -o primeiro com certeza, foi no meio do gol – e jamais teria feito aquele penalti imbecil que matou qualquer chance de reação do Palmeiras no fim do jogo. O Vagner é ruim? Não. Mas o Prass é infinitamente melhor. E provavelmente não jogará mais esse ano, durmam com essa trovoada…

No ataque é a mesma coisa: Erik até está marcando os gols, fez 02 nos últimos 03 jogos, mas nem ele, nem o Pereira e nem os outros suprem nem mesmo proximamente a falta que o GJ faz.

Resultado dessa porra de Olimpíada é que o Palmeiras parou de marcar os gols que estava marcando e começou a tomar os gols que não estava tomando. Desde que o Prass e o Jesus saíram, tomamos 4 gols e só marcamos 1, perdemos dois jogos e o primeiro lugar na tabela.

Pelas escalações que se sucederam desde o Inter x Palmeiras – último jogo com Prass e GJ – vê-se claramente que o Cuca está tentando achar a formação ideal pros jogos sem nossos melhores valores, mas ainda sofremos com a ausência do Moises contra o Galo e do Tche Tche hoje, enquanto amargamos atuações fraquíssimas de Dudu e CX, dois caras que deviam estar segurando a bucha, mas pelo visto isso não é com eles…

Além disso, nos últimos 4 jogos, o Cuca errou nas substituições em 3 – contra o Santos recuou demais o time quando Moises machucou e entrou o MSalles, contra o Galo Barrios e Alecsandro juntos sem um meia de articulação, e hoje contra o Botafogo colocou um inoperante e bem desinteressado Rafael Marques (que demorou 17 minutos pra tocar na bola a primeira vez…). Não que o elenco do Palmeiras ofereça uma infinidade de possibilidades, mas está faltando um pouco de criatividade pro nosso comandante, sei lá, põe o Allione, tira um lateral, sacode a porra toda professor! 

E é claro que o palmeirense queria estar mais uma rodada na liderança, que fosse assim até o fim, mas nossa realidade é outra, nosso sofrimento sempre é maior.

Por mim, que siga no bolo desse jeito, 1 ponto na frente, 1 atrás, e que lá pra novembro assuma a frente de vez pra não sair mais.

E apesar de tudo, perder pro Botafogo, por mais ridículo que possa parecer – e é – jogando fora de casa, e até que quase admissível. Resta saber se Santos, Gambá, Galo e Gremio também perderão pontos jogando lá no RJ, pois é isso que fará a diferença no fim das contas pra um desastre ou um resultado normal. Os 03 primeiros ganharam do Boatfogo jogando em casa, o Gremio joga fora pela 19 rodada, mas só em setembro. Veremos… 

Com Gambá jogando em Curitiba contra o Atlético, e o Santos contra o Flamengo no Pantanal, onde a maioria absoluta da torcida deverá ser flamenguista, ambos os jogos na quarta, a liderança pode voltar a nossa mão já na próxima rodada: é “só” ganhar da Chapecoense lá na casa delesna quinta-feira, (coisa que a gente nunca conseguiu…) e depois manter o bom aproveitamento em casa contra o Vitória no domingo, pra fechar o turno em primeiro.

Ou seja, qualquer coisa que não seja os 06 pontos nos próximos 02 jogos, aí sim o palmeirense pode começar a ficar preocupado…

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0x1 Galo – BR16

Foi uma derrota merecida. Mais pela inoperância do Palmeiras do que pela qualidade do Galo. 

Mesmo porque a proposta do adversário era clara: não deixar o Palmeiras jogar, o que foi feito com marcação alta sobre os nossos laterais e muita, mas muita botinada com a conivéncia sempre existente da arbitragem. 

Fazer o quê se o nosso mandatário acha que o Palmeiras não é prejudicado pela arbitragem…

Mas dessa vez não perdemos pro juiz. Perdemos porque não tivemos Moises e porque não tivemos um 9.  

Erik até que foi bem, mas não funciona de 9, falso ou verdadeiro.

O gol do Galo foi numa jogada bem ridicula, minutos depois que o Thiago Santos saiu do time. E não foi coincidência… Tomar gol dum volante cansado como L. Donizete entrando pelo meio da área, tenham dó…

Daí o Cuca resolveu enterrar o time de vez, tirando o CX, único armador, pra colocar o Barrios, e depois o Erik pra colocar Alecsandro. 

O time virou uma zona só. E até pressionou o Galo, mas nada de efetivo. Dava pra ter mexido melhor, hein professor…

Se na rodada passada ganhamos 8 pontos, nesta perdemos 7, com o empate dos gambás – com aquela ajudinha básica da arbitragem (viu, PN???) e as vitórias de Gremio e Sardinhas (tbm com aquele empurrãozinho do apitador). 

Dos últimos 9 pontos, ganhamos 4. E os 5 pontos perdidos foram em casa. Tudo bem que os adversários eram dificeis, mas agora qualquer coisa que nao sejam os 9 pontos nas 3 ultimas rodadas (Botafogo, Chapecó e Vitoria) irá custar caro.

Mas é isso mesmo. Não tem moleza. Pra cima do próximo e vamos defender essa liderança até o último jogo.

AVANTI PALESTRA!

Inter 0x1 Palmeiras – BR16

Quando o Palmeiras levantar o caneco no fim do ano, vou lembrar do jogo de hoje como um divisor de águas: o dia que o Verdão jogou no Beira-Rio como se estivesse em sua casa. Menos pelo placar magro, mas muito mais pela forma como o Palmeiras praticamente não correu perigo algum de ter sua vitória ameaçada.

Depois de um primeiro tempo em que o Palmeiras foi dono do jogo, tendo feito o gol logo aos 10, e ainda perdido pelo menos outras 03 chances de marcar, o Inter voltou do intervalo com Valdívia e, logo depois, com Anderson, para equilibrar as forças e inverter o domínio da posse de bola, sem que isso significasse perigo para o gol de Fernando Prass, que saiu de campo com o uniforme limpo.

Numa partida impecável do setor defensivo, e quase perfeita do Thiago Santos, o Palmeiras só não foi melhor no placar porque no ataque faltou inspiração pro Jesus e pro Guedes.

E dessa vez, Cuca leu bem o jogo e acertou ao mandar Dudu pro campo no lugar do machucado Cleiton Xavier: Àquela altura, com meia hora de bola por rolar, a entrada de um volante – como o Cuca fez contra o Santos – iria convidar o time dos caras pra dentro da nossa área.

Com a vitória, o Palmeiras encerrou um tabu de 19 anos sem vencer o Inter no Beira-Rio, como já tinha quebrado 7 anos sem ganhar na Ilha do Retiro, e mais de 20 sem ganhar do Gambá no Pacaembu. Abrimos 3 pontos e 1 vitória pra cima do Lixão, que só empatou com os bambis, e ainda fomos ajudados pela derrota do Gremio para o Sport: mais uma vitória de 8 pontos.

Agora começa a série de pelo menos 6 jogos que o Verdão não poderá contar com Prass e Jesus. E o primeiro adversário será o Galo, de quem o Palmeiras também não ganha há um bom tempo. Vem tabu, vem!

AVANTI PALESTRA!  

Palmeiras 1×1 Sardinhas – BR16

A se considerar as circunstâncias que antecederam a partida, com o Palmeiras sem 3 jogadores suspensos e 2 que eram dúvida, bem como as duas contusões que impediram Cuca de modificar o esquema de jogo – principalmente a segunda – o palmeirense pode se dar por satisfeito com o empate.

Já o time do litoral repleto de jogadores que fazem a sobrancelha e tals, nunca mais vão ter outra chance de ganhar do Palmeiras na nossa casa. O auge da vergonha alheia foi o treinador deles – aquele bosta – mandar dois jogadores pra campo aos 46 do segundo tempo, visivelmente pra parar um jogo que ele poderia ter ganho… Mas que se foda o Santos, por essas e outras que não é adversário nosso pelo título.

Para atribuir as responsabilidades pelo empate de hoje, voltemos 8 dias: Gabriel Jesus, Roger Guedes e Thiago Santos, os três, tomaram cartões amarelos absurdamente estúpidos no jogo contra o Sport, os dois últimos quando o jogo tava 3×1 pra gente… Porra, não pode, fomos pro clássico sem 2 dos três titulares do ataque e sem o nosso melhor volante de contenção atualmente à disposição no elenco. Já largamos atrás contra um adversário que veio completo…

Daí veio a escalação, com Mateus Sales, Tche Tche e Moises, com Barrios, Dudu e Erik na frente. Se o DM liberou, não tem porque o treinador não escalar, né…

Ai aos 6 Mina subiu no 7º andar pra abrir ao placar e antes dos 20’já perdemos o Moises, hein DM????. E ai foi a vez do Cuca errar, por ter escolhido o Arouca pra entra no time, e não o Cleiton Xavier… Tá bom, ele não podia imaginar que o Mina também ia machucar ainda no 1º tempo, mas abriu mão de qualquer chance de encaixar um contra-ataque e lacrar o caixão dos bagres…

Ele não esperava partidas tão pífias de Dudu e Erik, mas enfim, abriu mão de atacar bem antes da hora e quando o Mina machucou, perdeu a possibilidade de mexer no intervalo.

Com o Barrios também apagado em campo, Cuca optou por colocar o Leandro, ao invés de tentar consertar o pior problema do Palmeiras no 2º tempo, que foi a falta de criação. Era jogo pro CX, desde o minuto 1, e basta ver que o s bagres tiveram o dominio do jogo no 2º tempo – mas nada a justificar aquele gol cagadasso – justamente porque tinham criação contra um time jogando em casa com 3 volantes…

Não pode faltar menção a mais uma arbitragem péssima contra o Palmeiras, os bagres bateram o quanto quiseram sem levar amarelo, e o juiz ainda não marcou pênalti pro Palmeiras num lance de mão na bola que, se fosse na nossa área, era marca da cal e cartão pro nosso jogador.

E se já não bastasse tudo isso, o Sr. Leandro Pereira ainda consegue me perder um gol dentro da pequena área lá pela 40 e lá vai pedrada do 2º tempo…

Por isso tudo, o empate não foi péssimo resultado, o Palmeiras segue lider isolado e, se precisamos marcar 4 pontos a cada 2 jogos, ganhar naquela latrina no litoral nunca foi problema, vamos passar o carro no 2º turno!

AVANTI PALESTRA!

Sport 1 x 3 Palmeiras – BR16

Eu dizia no último post que hoje era dia de devolver o fiasco da re-estreia no Palestra Italia, quando justo o Sport nos aplicou uma derrota dolorosa, e o que era pra ser festa virou angústia que ainda iria durar mais algumas rodadas daquele lamentável ano de 2014.

Dessa vez, o Palmeiras chegou ao Recife com o mundo torcendo contra, pra defender a liderança contra a equipe do Sport na zona do rebaixamento. Mas era um Palmeiras e Sport, sempre complicado… nunca esqueço o lançamento do primeiro Avanti, num intervalo de jogo no Palestra, que era contra esse time dos inferno, que já  ganhava por 2×0 ainda na primeira etapa.

Mas também lembro de 12 de maio de 2009, a última partida monstruosa, na minha opinião, de São Marcos de Palestra Italia.  Enfim, Palmeiras e Sport é sempre jogo cascudo, não importa em que condições a partida é disputada.

Só que dessa vez o Palmeiras não titubeou. Como tem sido a marca registrada dessa equipe, abrimos o placar logo, com 10 minutos, num lance que começou despretensioso, lateral batida no meio campo com uma bela arrancada do Erik, e cruzamento do Jesus pro 14 finalmente marcar com nossa camisa.

Dedo do Cuca, que bancou o Erik ao invés do que parecia ser o óbvio, Barrios, no lugar do Dudu, cortado de última hora.

Mas, o que também tem sido uma marca registrada dessa equipe, especialmente jogando fora, é que o time para de jogar depois de abrir o placar.

Mesmo assim,  o primeiro tempo ficou nisso, tirando umas duas outras boas descidas que foram desperdiçadas pelo Roger Guedes.

Na volta do intervalo, começaram os problemas. Aos 9 perdemos o Moises, com lesão muscular. Cuca colocou o Matheus Salles, e pra mim errou, porque deixou o time com 03 volantes e sem armação. Não deu 05 minutos e num lance besta demais sofremos o empate, numa falha de bote do VH que deixou o Mina vendido, e a bola sobrou pro 10 do Sport empatar.

Cuca logo corrigiu e tirou Jean, colocando o CX em campo aos 18, e dois minutos depois já sairia o segundo gol do Palestra, em um belo chute do Jesus na entrada da área.

Mais cinco minutos e Cleiton Xavier, de pênalti sofrido pelo GJ, martelou o último prego no caixão do Sport.

Agora o Verdão só volta a campo no dia 12, contra os Lambaris em casa, jogo que seria disputado neste sábado, mas que o Palmeiras pediu pra mudar de data.

Esse tempo extra virá a calhar pra quem saber recuperar Dracena, Dudu, e os substituídos por lesão Moises e Tche Tche. E não teremos Thiago Santos, Roger Guedes e Jesus, que tomaram o terceiro amarelo em jogadas bem estúpidas…

Mas, como o Palmeiras finalmente tem elenco, isso não deve ser problema pra enfrentar os sardinhas.

Pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

 SPORT 1 X 3 PALMEIRAS

Local: Ilha do Retiro, em Recife (PE)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Auxiliares: Alexandre Pruinelli Kleiniche (RS) e Élio Nepomuceno Júnior (RS)
Cartões amarelos: Matheus Ferraz, Samuel Xavier, Agenor e Rodney Wallace (SPO), Erik, Mina, Gabriel Jesus, Thiago Santos e Róger Guedes (PAL)
Público e renda: 24.968 / R$ 491.860,00
Gols: Erik 10′ 1ºT (0-1); Gabriel Xavier 13′ 2ºT (1-1); Gabriel Jesus 20′ 2ºT (1-2); Cleiton Xavier 26′ 2ºT (1-3)
,
SPORT: Agenor; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Rodney Wallace; Serginho (Rodrigo Mancha 32′ 2ºT), Rithely, Gabriel Xavier e Diego Souza; Edmílson (Clayton 37′ 2ºT) e Rogério (Mark González 25′ 2ºT). Técnico: Luiz Alberto

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean (Cleiton Xavier 18′ 2ºT), Yerri Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Thiago Martins 37′ 2ºT), Thiago Santos e Moisés (Matheus Sales 9′ 2ºT); Erik, Róger Guedes e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca 

%d blogueiros gostam disto: