Arquivo mensal: março 2016

Água Santa 4×1 Palmeiras – Paulistão16

Aqui nada de boas esperando a nota oficial dessa diretoria medíocre pra pedir desculpas pro torcedor… Parabéns pra quem endeusa essa administração inimiga do torcedor, que extorque o palmeirense jogo após jogo sob a promessa mentirosa de time competitivo e disputando títulos.

Pobres de vocês que acreditaram que ingresso caro, sócio torcedor caro, e o maior patrocínio do país iriam bastar pra esse time jogar bola. Falta competência, e dinheiro nenhum do mundo compra competência, ou se compra, então estão rasgando o dinheiro suado que o torcedor sangra pra ganhar e gasta com o clube do coração.

Por exemplo: o consenso no fim do ano entre qualquer roda de palmeirenses era que, se a base fosse mantida, e a diretoria trouxesse um zagueiro e um meia para serem titulares, e mais reservas pras laterais e pra camisa 9, teríamos um time competitivo pra temporada.

E o que faz nossa diretoria do Presidente Messiânico e do dirigente de futebol pop star? perdem Jackson e Tóbio, e trazem um zagueiro de Série B, e outro dispensado pelo maior rival, este com 33 anos na lomba, e não contratam ninguém pras laterais.

Daí vem um jogo como hoje e Edu Dracena perde de cabeça num escanteio, 1×0, pros caras; Lucas perde na corrida, 2×1 pros caras; Roger Carvalho marca contra noutro escanteio, 4×1 pros caras… Entendem?

O problema do Palmeiras está longe de ser inexplicável como alguns dizem. Tem nome e sobrenome, e se chama erro de planejamento. Montaram um elenco totalmente desbalanceado, e conseguiram a proeza de transformar um time que precisava de alguns reforços pra ficar competitivo em um catadão que não tem um jogador que se destaque ou que se salve, na defesa, no meio ou no ataque.

Quiseram tapar o sol com a peneira. O título da Copa do Brasil foi ganho com sangue nos olhos dos jogadores – obrigado, Pastor! – e no peito da torcida, mas era obvio que não se podia abrir mão de capacitar o elenco que, apesar do título, despencava no Brasileiro, derrota atrás de derrota, chegando à marca absurda de 15 derrotas em 38 jogos, 22 no ano todo.

E hoje, senhores, com pouco mais de 40 dias de futebol no ano, já amargamos a sétima derrota da temporada, 1/3 do “feito” de 2015. Parabéns aos responsáveis.

 

Sobre o jogo, nem me darei o trabalho de comentar. Se eu sou o Cuca, afasto Lucas, Robinho, Rafael Marques e outros perebas desse elenco, e entraria em campo quinta contra o Rio Claro com todos os zagueiros e volantes à disposição. Faz um 3-5-1-1 ou algo tão bizarro quanto e começa do zero. Vamos primeiro parar de perder, pra depois começar a pensar em ganhar.

Porque se as coisas não estão nada boas do meio pra frente, é na defesa que tudo está totalmente avacalhado, é os caras atacar que é gol. Água Santa hoje, de 7 bolas chutadas no gol, fez 4 e mandou duas na trave, Red Bul semana passada foi a mesma coisa, Nacional idem, E o Grêmio Osasco também.

Coincidência ou não, em 03 desses jogos Edu Dracena esteve em campo, 08 gols sofridos… Pra nossa sorte, ele está suspenso contra o Rio Claro, e até a volta do Leandro Almeida já não parece mais tão crítico quanto quando esse senhor, literalmente, entra em campo.

E o Lucas então, anda me deixando com saudades daquelas bolas nas costas que o Zé Roberto tomou a temporada passada inteira, ou então te toda a trajetória do Wendel com a nossa camisa…

Por isso, a diretoria mais idolatrada no mundo devia a esse momento estar mais preocupada em consertar o rumo dessa nau à deriva do que ficar se preocupando em vociferar por meio de nota oficial contra a torcida.

Menos Nota Oficial e mais Futebol. É pedir muito??

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×2 Red Bull – Paulistão16

Terceira derrota seguida e mais um futebol pífio apresentado, com direito a coisas bizarras como uma substituição aos 8 minutos de jogo por contusão, sendo que o substituído – Dudu – não estava machucado. 

E graças a essa bizareice terminamos o jogo com 10, depois do VH ter sido encaminhado pro Hospital por um choque de cabeça com jogador do Red Bull e o Palmeiras já ter feito as substituições possíveis.

Avaliar os valores individuais aqui seria besteira, porque o que faltou hoje, de novo, foi justamente conjunto. Alguns até foram bem – Egídio, Arouca, Alec – outros foram péssimos – Jean, Erik, Lucas, Robinho – mas no geral, o problema foi coletivo.

Até agora, a troca no comando do Palmeiras não surtiu efeito. A 13 dias do jogo decisivo na Libertadores e a 10 do primeiro Derby, o Palmeiras segue se arrastando em campo sem nenhum padrão contra adversários inferiores, deixando o palmeirense sem nenhuma esperança de que o time vai estar a altura desses grandes desafios futuros.

E a torcida, com razão, perdeu a paciência. Mas há quem ache que protestos e reclamações contra a diretoria neste momento são oportunismo e politicagem. 

Santa inocência: quem poderia em sã consciência estar pensando em política  com esse time despencando pelas tabelas?

A torcida protesta, com toda a razão do mundo, porque vê claramente que apesar de o Palmeiras ter toda a oportunidade do mundo de iniciar 2016 com os reforços certos e suprindo as deficiências do elenco, não foi o que aconteceu.

Montou-se um time com os mesmos defeitos do ano passado. As peças importantes que faltaram em 2015 não vieram. E o resultado tá aí. Se isso não é incompetência da diretoria, eu nao sei então o que é. 

O único que ainda merece alívio da torcida é o Cuca, que mal teve tempo de tentar consertar esse time. E não é por falta de tentativa, ele tá mexendo no elenco, tirando volante pra colocar atacante em campo, enfim, não está se omitindo e, ao menos nas entrevistas, tem prometido um time competitivo a longo prazo. Mas isso vai depender muito da diretoria trazer as peças necessárias…

Água Santa, nosso próximo adversário, perdeu de 4 nesta rodada pro Novorizontino. Quero só ver, hein, Palmeiras…

AVANTI PALESTRA!

Audax 2×1 Palmeiras – Paulistão16

Eu já não tenho mais paciência de vir aqui tentar explicar outra derrota vexatória em que o Palmeiras é colocado na roda por um time pequeno. Que não vê a cor da bola. Que é humilhado em campo por um moleque que podia estar vestindo a nossa camisa – e inclusive estava até outro dia, jogando pela gente na Copinha – justamente na posição em que num temos um jogador de qualidade à disposição.

O jogo de hoje só serviu pra aumentar a vergonha quanto à falta de planejamento do Palmeiras. É óbvio que Juninho não poderia ser titular aqui, mas considerando que o Palmeiras não tem um puto dum jogador pra fazer a criação, deu inveja de ver o camisa 10 do Audax sambando na cara do João Pedro, esse sim que podia estar bem longe daqui…

Ainda é cedo pra reclamar do Cuca e a considerar a falta de qualidade do nosso elenco, nunca será tarde. O problema não era treinador com o Oswaldo, nem com o Marcelo e não será com ele também.

Mas algumas coisas não podem se repetir: Jean no banco e JP titular, Barrios no banco e Alecssandro titular, Dudu com lugar cativo no time pra passar o jogo inteiro andando e perder nossa melhor chance de empatar, tudo isso não dá mais pra aguentar.

Quando o treinador começa a insistir nessas coisas, aí começa a ser parte do problema também. Abre o olho, Stival…

Perder pro Audax não mudou em nada a situação do Palmeiras no campeonato, continuamos líder do pior grupo da competição. Mas com os dias contados até a finalíssima pela Libertadores em Rosario, não há mais tempo a perder e temos que jogar com o que temos de melhor.

E outra coisa: PelamordeDeus, voltem os chutões, é a única coisa que esse time sabe fazer bem, por mais ridículo que pareça, só assim funciona. Bica pro alto sem medo de ser feliz, o palmeirense não quer ver jogo bonito, quer ver 3 pontos na tabela.

Por último, Cuca precisa começar a estapear esses caras no vestiário. O time do Palmeiras em campo hoje parecia sem alma, tem que ter ódio do juiz (aliás, dá-lhe falta de critério do apitador de hoje, hein…),do adversário, dos repórteres, de tudo, não pode aceitar uma derrota dessas e sair de campo como se estivesse passeando no parque! Porra, cadê o sangue no olho?

Tem que chegar pra esses caras e explicar o que é vestir nossa camisa, o Cuca já jogou aqui e sabe como a banda toca, confio nele  pelo menos pra isso.

Bora pro próximo, até quinta-feira esse time tem que ter evoluído um oceano de bola.

AVANTI PALESTRA!  

  

Nacional 1×0 Palmeiras – Libertadores16

Pior do que ter perdido pro fraco (ouviram, uruguaios? FRA-CO!) Nacional ontem, foi o resultado do outro jogo do grupo, em que o River perdeu em casa pro Rosario.

Com 6 pontos para disputar, o Palmeiras chega no máximo a 10, e Nacional e Rosario já tem 8 e 7 pontos, respectivamente.

Isso se conseguirmos vencer o Rosario fora de casa, que é disparado o melhor time do grupo.

Azedou.

As tentativas de Cuca deram todas errado. Zé Roberto no meio foi fraco. E na lateral também. Egídio e Lucas não jogaram absolutamente nada. Alecssandro também. Dudu não pegou na bola. Gabriel Jesus, que teve as melhores chances, desperdiçou. Na zaga, Edu Dracena e Vitor Hugo também foram mal.

E o time, no geral, conseguiu criar apenas 3 chances de gol, todas no segundo tempo.

É muito pouco pra quem sonha com grandes conquistas.

Mas também, não dava pra esperar muita coisa, afinal o treinador teve 03 dias pra trabalhar desde sua chegada.

Agora, terá 03 semanas até a batalha de Rosário. Uma vitória coloca o Palmeiras na briga de novo e Nacional e Rosario terão que se matar na última rodada.

Muita coisa terá que evoluir até lá.

Veremos.

AVANTI PALESTRA!

 

  

 

SPFW 0x2 Palmeiras – Paulistão16

O técnico Alberto Valentim, em 03 dias, conseguiu fazer o que o Marcelo Oliveira Não tinha conseguido em 03 meses: dar algum padrão pro time do Palmeiras.

E não foi muito complexo. Bastou “desinventar as invenções”, primeiro abolindo esse maldito 4-2-3-1 que tava mais do que manjado, depois por escalar Robinho no meio e não pelas pontas, em escalar Dudu no ataque pelas pontas e não pelo meio, Gabriel Jesus no banco, Matheus Salles e Arouca de volta à frente da zaga, Allione como segundo homem de meio de campo, enfim, tudo o que o palmeirense já tava cansado de saber que tinha que acontecer pro time sair daquele marasmo tantas vezes visto em 2016.

Demorou uns 30 minutos pro jogo do Palmeiras encaixar, mas depois disso não teve mais moleza pra escrete do Jardim Leonor.

Bom mesmo ficou quando, no intervalo, Lucas saiu pra entrada do João Pedro, o que decretou o fim das investidas do bambi pela nossa direita. E foi pela direita também que  o Palmeiras começou a vencer o clássico.

E os grandes personagens da vitória foram Allione e Alecsandro, foram deles os passes pros gols de Dudu e Robinho, respectivamente. Mas o time todo mostrou reação e principalmente evolução.

Tudo bem que o time reserva do adversário não inspirava muito desafio – e nem o titular o faria – e que o Palmeiras podia ter jogado bem melhor, especialmente diante de um adversário inferior.

Mas, o que importa é que o Palmeiras soube equilibrar o jogo e construiu as jogadas necessárias pra merecer a vitória. Muita coisa ainda precisa melhorar, e a vida de Cuca não será fácil a partir de amanhã. quando assume o comando do Palestra.

O recado pro novo treinador é simples: escale o jogador na posição que ele rende mais, e não sacrifique nenhum atleta por causa de esquema tático. É o time que faz o esquema, e não o contrário. E sem medo de colocar jogador no banco, seja ele quem for. Se não tiver suando sangue, tem que sair ou nem jogar. Já será um grande começo.

E nada melhor que um grande desafio pra marcar o início de um bom trabalho: pelo que vimos aqui na semana passada, o Palmeiras tem muito mais time que o Nacional, e tem plenas condições de ir a Montevidéu quinta que vem devolver com juros e correção a derrota sofrida na quarta-feira passada.

Pra finalizar, a torcida do SPFW tá cada dia passando mais vergonha: 14 mil pagantes num jogo em que 2 mil, a carga total, era de palmeirenses. Dessa vez, infelizmente, eu não fui um dos integrantes da torcida visitante, por conta de um casamento no início da tarde.

Mas qual não foi a minha gargalhada na cerimônia ao ouvir o padre abrir a missa com um: “Bem-vindos à Igreja Anglicana de São Paulo zero, Palmeiras dois. AHAHAHAHHAHAHAH Nem conheço esse padre e já considero pacas!!!!!! Valeu Reverendo Aldo!!! E se o Lula tá quase sendo preso, por causa de uma cobertura, imagina o Robinho que só no São Paulo já tem 03????? AHAHAHAHAHAH CHUPA BAMBI!

OS LANCES (TV Palmeiras/FAM):

A FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 0 X 2 PALMEIRAS 

Local: estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data-Hora: 13/3/2016 – 11h (horário de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Carlos Augusto Nogueira Júnior
Público/Renda: 13.466 pagantes / R$ 495.978,00
Cartões amarelos: Hudson, Maicon, Caramelo e João Schmidt (SAO) Edu Dracena, Matheus Sales e Dudu (PAL) 
Gols: Dudu 29′ 2ºT (0-1), Robinho 41′ 2ºT (0-2)

SÃO PAULO: Denis; Mateus Caramelo, Rodrigo Caio, Maicon e Carlinhos; Hudson, João Schmidt e Daniel (Ganso 15′ 2ºT); Michel Bastos, Rogério (Centurión 26′ 2ºT) e Alan Kardec (Calleri 15′ 2ºT). Técnico: Edgardo Bauza

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas (João Pedro – intervalo), Edu Dracena (Thiago Martins 20′ 2ºT), Vitor Hugo e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca, Robinho e Allione; Dudu (Gabriel Jesus 34′ 2ºT) e Alecsandro. Técnico: Alberto Valentim.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×2 Nacional – Libertadores16

Não existe paz pro sujeito que torce pro Palmeiras. Quando você menos espera, vem um jogo pífio como o de hoje, contra um time ridículo, pra restabelecer o caos na vida do palmeirense.

Começa pela insistência do treinador em escalar jogadores que estão em péssima fase: Lucas anda em campo, parece que está num contra de churrasco, e Robinho, disparado o pior da temporada, e o chefe da igrejinha do treinador, foi retornado ao time no lugar do melhor jogador dos últimos dois jogos. O Allione tinha feito dois gols nas últimas duas partidas, vinha bem ele e o time com ele, mas o burrão que não tem amor ao emprego, resolveu tentar ressuscitar o defunto que veste a 27…

Depois, dá até vergonha do quanto os jogadores do Palmeiras não tem alma. Precisa estudar pra disputar uma Libertadores, tem que saber que o juiz não marca qualquer falta, que deixa o time adversário amarrar o jogo e só com sangue no olho pra evitar desastres como o de hoje. Me desculpem quem quiser botar a culpa no juiz, mas Libertadores se ganha apesar da arbitragem…

Por fim, a bagunça tática crônica do time em campo, somado ao elenco desqualificado e sem equilíbrio pesam de forma decisiva pro time não ter poder de reação ou de criação, tomar gols ridículos e perder tantos outros como este último lance em que o Lucas, ele e o goleiro, conseguiu arrebentar a bola na trave.

Agora o Palmeiras viaja pro Uruguai com a obrigação de pontuar contra o péssimo time do Nacional, caso contrário corre o risco de, a dois jogos do fim da primeira fase, estar a pelo menos 03 pontos da zona de classificação.

Resta saber quem vai estar sentado no banco de reservas, e muita coisa pode mudar até domingo, e inclusive depois dele, já que tem clássico contra as meninas e o Palmeiras vai entrar em campo com a moral no chinelo.

Eu já joguei a toalha. Com Marcelo, Lucas e Robinho não vamos chegar a lugar nenhum. Pra mim que puxem o carro de volta pra Minas, Rio de Janeiro, Paraná ou sei lá que porra de buraco saíram, tchau, obrigado pelo ano passado, mas já deu.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 4×1 Capivariano – Paulistão16

O Palmeiras conseguiu um bom resultado hoje, diante do pior time do campeonato paulista. O 4×1 folgado foi construído sem muito problemas, mas eles houveram.

 Mas no ataque as coisas funcionaram muito bem, obrigado. Com Thiago Santos e Jean na proteção da zaga, Allione, Dudu, Rafael Marques e Cristaldo se encarregavam de comandar os lances ofensivos.

E já antes dos 10, em ótimo passe de Lucas pro Cristaldo, dentro da área, só rolar pro Allione abrir o placar.

  Algum tempo depois, numa falha bisonha dos dois laterais levamos o gol de empate do Capivariano. Lucas, como sempre, foi lento na cobertura e deixou o atacante dominar, levar a bola até a linha de fundo e acertar um cruzamento certeiro pro jogador (que devia estar sendo marcado pelo Egídio), sozinho, igualar a partida. 

 Ainda no primeiro tempo, Egídio se redimiu, cobrando a falta que, no desvio quase de barriga do Thiago Martins, nos colocou de novo à frente. E assim foi o primeiro tempo.

Na etapa complementar, Cristaldo, de penalti, e Alecsandro fizeram os gols que deram números finais à partida. A novidade ficou por conta da substituição de Lucas por Arouca, com Jean assumindo a lateral direita: pela fase atual do Lucas, periga dele realmente perder a vaga.

E por falar em perder vaga, Cristaldo, com 03 gols seguidos, já garantiu a titularidade pra quarta-feira contra o Nacional, resta saber se o Marcelo vai ser justo também com o Allione, ou se vai voltar o até aqui (em 2016) pouco eficiente Robinho, que hoje estava suspenso.

Duas vitórias seguidas devem dar sobrevida ao técnico Marcelo Oliveira, mas ele que não relaxe, porque os próximos dois jogos são decisivos pro time e pra ele também, e ainda estamos longe de jogar o futebol que o palmeirense quer e merece ver em campo.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Rosario Central – Libertadores16

E finalmente saiu a primeira vitória em casa em 2016. Estamos em março…

Foi um jogo com a cara da Libertadores no primeiro tempo, e com a cara do Palmeiras de 2016 no segundo.

E o Palmeiras jogou muito bem a primeira etapa, arrisco dizer que foi o melhor primeiro tempo deste ano, fizemos o gol com o Churry, Dudu mandou uma na trave, Gabriel Jesus sofreu dois penaltis não marcados, ainda teve um impedimento inexistente marcado contra ele, em lance que ele teria entrado no gol com bola e tudo. Podia ter fechado em 3×0 tranquilamente.

Aí  veio o segundo tempo pro palmeirense sofrer como poucas vezes se viu. Se o Verdão já não ficava muito com a bola no pé na primeira etapa, mas criava diversas chances de ataque e tinha solidez na defesa, no segundo tempo abrimos mão de marcar bem e de tentar atacar. O resultado foi um verdadeiro massacre.

Principalmente pelo lado do Lucas e Robinho, o Palmeiras entrou na roda, o time do Rosario avançava a marcação e roubava a bola em menos de 30 segundos, e quando tinha a bola no pé, com um jogador aberto em cada lateral do campo, ia abrindo caminho pela defesa do Palmeiras com poucos toques e as chances de gol foram aparecendo, uma atrás da outra.

E dá-lhe Fernando Prass, pegando uma, duas, três, pegando penalti, operando um milagre atrás do outro. Monstro.

Quando o palmeirense já estava no limite de infartar, lá pelos 48 do segundo tempo, finalmente encaixou aquela uma bola que o time esperou – sem muito merecer – o segundo tempo inteiro: passe do Dudu, Allione driblou o zagueiro e tocou na saída do goleiro: 2×0, fim de jogo e fim do sufoco da palestrinidade aflita no Allianz e mundo afora.

O que vale é sempre os três pontos, mas não precisava ser com tanto sofrimento. É verdade que em parte essa pressão adicional que o Palmeiras sofreu vem desde domingo, por causa da derrota pra Ferroviária, mas a bagunça tática do time continua tornando os jogos uma verdadeira novela mexicana.

Isso é, também, culpa do treinador (hoje, por exemplo, demorou demais pra mexer no time e tirar o Robinho, que fez uma péssima partida, tanto na defesa como no ataque), mas também é potencializado pela falta de opção no elenco pra, por exemplo, ter um meia de ofício à disposição que pudesse cadenciar o jogo e impedir que a bola queimasse no nosso pé.

Em resumo, precisa melhorar muito o sistema de jogo, mas também precisa qualificar o elenco urgente. Esvaziar o DM, pra começar, faria o Palmeiras ter CX, Edu Dracena, Barrios e Gabriel à disposição. E, é claro, equilibrar o elenco, com 02 ou 03 contratações pontuais, é pra ontem.

Como tá tarde pra caraio, sem ficha técnica, notas e lances da partida. Me cobrem amanhã, que agora vou desmaiar ali no chiqueiro do Maluco…

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: