Arquivo mensal: outubro 2015

Palmeiras 2 (4) x (1) 1 Fluminense – Copa BR 1ão

Primeiramente, chupa Peter Siemsen, chupa Fred, chupa Vinícius, chupa Scarpa, chupa Gum, chupa Eduardo Baptista e o pai dele também, e chupa pra toda a meia dúzia de integrantes da minúscula, quase pueril, torcida do Fluminense.

Chupa, Somos Palmeiras!!!! Voltem pra Série B e fiquem por lá, obrigado de nada a e até a próxima! AHAHAHAHAHA

Falando do jogo, porque ficar falando de time pequeno não dá liga, o coração do palestrino foi colocado à prova hoje no Allianz Parque, que teve mais de 38 mil torcedores que fizeram sua parte e apoiaram do início ao fim.

E começou bem demais, com 14 minutos já estava 2×0 – dois de Barrios – e parecia que o Palmeiras ia aniquilar aquele time maldito de vez e de novo.

Aí, o Palmeiras foi acomodando, o Robinho que voltava de contusão foi cansando, e o Fluminense começou a crescer em campo. Tiveram 03 chances, nenhuma clara, de gol, antes de encerrar o primeiro tempo, e o Palmeiras teve mais uma com Barrios, num lance que podia muito bem ter sido marcado pênalti.

No segundo tempo, o Robinho já completamente extenuado, o Palmeiras retomou a rotina de correr atrás da bola na defesa e de não ficar nunca com ela no ataque. Jogávamos por um contra-ataque pra trancar o caixão dos caras, uma estratégia bem arriscada, mas era o que tinha pra hoje.

E foi justamente numa saída errada de contra-ataque que os bambis cariocas acharam um gol, o que levaria o jogo para os penaltis.

O Palmeiras conseguiu marcar o terceiro em cobrança de falta de Allione pra área, mas o Dudu estava um pouco a frente, gol bem anulado pelo bandeira.

Já nos acréscimos, num lance péssimo da zaga, num lateral, a bola sobrou pro Fred, ele e o Prass, e nosso goleiro fez uma defesa monstra, anunciando o que estava por vir na cobrança dos penaltis.

Eu não vi, sei que foi 4×1 pra gente, mas eu não assisto pênalti desde Itaquera, e olha, tá dando certo: Prass pegou um, Gum isolou outro, e nem deu tempo do Fred perder o quinto.

Destaques só positivos hoje: Mateus Salles, Barrios e PRASS, com letras garrafais, PRASSSSSS!!!!!!

Estamos na final. E temos 4 semanas pra zerar o DM e acertar o preparo físico desse time, porque tá complicado…

E que venham os lambaris. No Paulista, éramos favoritos – segundo a imprensa – e perdemos o caneco. Agora parece que as coisas estão invertidas pra grande maioria da mídia esportiva. Veremos.

Pra cima Palmeiras, pra cima Palmeiras!!!!

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA: 

PALMEIRAS 2 (4) X (1) 1 FLUMINENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 28/10/2015 – 22h
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Alessandro Rocha de Matos (BA) e Guilherme Dias Camilo (MG)

Renda/Público: R$ 2.760.200,00 / 38.562 pagantes
Cartões Amarelos: Jackson (PAL); Wellington Silva e Fred (FLU)
Cartões Vermelhos: 
GOLS: Lucas Barrios, 13’/1ºT (1-0); Lucas Barrios, 17’/1ºT (2-0); Fred, 25’/2ºT (2-1)

PÊNALTIS: 
Palmeiras: 
Rafael Marques (Gol), Jackson (Gol), Cristaldo (Gol) e Allione (Gol)
Fluminense: Jean (Gol), Gustavo Scarpa (Errou) e Gum (Errou)

PALMEIRAS: Fernando Prass, Lucas, Vitor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Amaral, Matheus Sales e Robinho (Rafael Marques, 17’/2ºT); Dudu, Lucas Barrios (Cristaldo, 38’/2ºT) e Gabriel Jesus (Allione, 29’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Gum, Marlon e Breno Lopes (Osvaldo, 16’/2ºT); Jean, Cícero, Vinícius (Magno Alves, 23’/2ºT) e Gustavo Scarpa; Marcos Junior (Gerson, intervalo) e Fred. Técnico: Eduardo Baptista

Tem Jogo! Palmeiras x Fluminense – Copa BR 15 – jogo de volta

Em pouco menos de 24 horas, o Palmeiras entra em campo no Allianz Parque pra selar seu destino pro ano de 2016.

Passar pelo Fluminense amanhã confirmará o Palmeiras em mais uma final de Copa do Brasil – o Santos deve ser o adversário para o título e mantém as chances do Verdão chegar na Liberta sem depender do BR.

E a campanha desenvolvida nos últimos 05 jogos serviu pra deixar o palmeirense bastante apreensivo: o Palmeiras perdeu pra Chapecoense, Ponte Preta, Fluminense e Sport e só ganhou do Avai nos últimos 5 jogos. Perdeu a chance de consolidar a classificação pra Libertadores no BR com o que seria pelo menos 05 pontos de vantagem pro quinto colocado, e pra isso bastava ter empatado com a Chape e vencido Ponte e Sport dentro de casa.

Mas nunca é assim e a gente sabe bem como a banda toca pro Palmeiras, ora jogando pessimamente, ora sendo assaltado pela arbitragem com a nossa própria conivência institucional, enfim a mesma história dos últimos sei-lá-quantos anos…

Ainda temos que quebrar a cabeça pra tentar adivinhar que time vai entrar em campo, tantas que são as surpresas e invenções de Marcelo Oliveira na montagem do time titular. Quarta passada a escolha injustificável de Vitor Ramos pesou: os dois gols do Fluminense saíram em falhas dele, que também contou com a ajuda de Andrei Girotto nas presepadas. Mas o time reagiu bem com as modificações – os dois perebas saíram – e só não saímos do Maracanã com o empate porque, pra variar, tivemos um gol mal anulado pela arbitragem…

Só que, dessa vez, não dá mais pra errar. Qualquer falha na escolha do time que vai a campo, durante o jogo e até mesmo da arbitragem, vai custar caro pro Palmeiras. E o Fluminense, que nunca foi flor que se cheire, com o perdão do trocadilho, trabalhou pesado nos bastidores pro jogo de amanhã.

Os refletores do Maraca nem tinham apagado e já estava o presidente deles literalmente chorando pras câmeras de TV, como se o Fluminense não tivesse duas Séries B pra pagar…

Ainda foram ao STJD pra “brigar” por 10% dos ingressos pra torcida deles, sendo que nem 600 torcedores compraram ingresso pra ver o time jogar no Allianz. Nítida manobra de bastidores pra tumultuar a partida. Afinal, quanto mais nervoso o Palmeiras estiver, melhor pro Fluminense, na ótica deles.

Mas aí eu espero que Marcelo Oliveira seja um monstro na preleção, e faça virar todo esse nervosismo a nosso favor.

Tem que por no telão o quanto esse Fluminense e um lixo:

E o quanto somos melhores e maiores que eles:

Não custa lembrar a história desse jogo, valido pela última rodada do BR 05. O Palmeiras vinha em franca ascensão no campeonato, saindo da décima sexta posição, e chegou na última rodada em quinto com 67 pontos, pra jogar justamente contra o quarto colocado, o Fluminense, que tinha 68.

A vitória punha o Palmeiras na Liberta, o empate bastava pro Fluminense. Ainda no primeiro tempo, o Fluminense abriu o placar com Tuta.

No segundo tempo o Palmeiras foi pra cima, mas com um ataque que tinha Washington Orelha e Gioino, não ia ser nada fácil…

A virada do Verdão começou justamente nos pés – e não nas mãos – de São Marcos: uma bola quase perdida na zona do escanteio da nossa defesa, ali em frente ao antigo setor família do Palestra, o Marcão correu, evitou a saída, deu um lançamento de 70 metros pro Gioino, que pela primeira e talvez única vez na carreira acertou o domínio, cruzou pro Washington que dominou, ajeitou e sentou a bota: 1×1.

Mas aos 22, um chutaço de fora da área dum moleque da base do Fluminense, que atendia por “Arouca”, indefensável até mesmo pro Santo, e de novo o Fluminense, que só precisava empatar, estava na nossa frente.

E precisou de apenas 12 minutos pro Palmeiras colocar o Fluminense no devido lugar: Juninho Paulista de falta, com ajuda de Petkovic, e Corrêa, também de falta, colocaram o Verdão na Liberta 2006.

10 anos depois e recebemos de novo na nossa casa o time do Fluminense, eles só precisando empatar, pra mantermos viva a chance do título a Copa do Brasil e, por consequência, da vaga na Liberta 2016.

Só que agora, além de mais uma Série B, o Fluminense ainda nos deve aquele jogo sujo do BR 2009, que nos custou o título e valeu pra eles mais uma fuga bem pouco ortodoxa do rebaixamento…

Por isso, espero que os jogadores entrem amanhã com sangue nos olhos, o mesmo que teve um time tão modesto quanto Marcos, André Cunha, Daniel, Gamarra, LúcioMarcinho Guerreiro, Correa, Juninho, Diego Souza (Gioino), Marcinho e Washington. Se eles conseguiram, não vai ser o atual elenco que vai ramelar.

E na bancada não pode ser diferente, estaremos diante de um inimigo genuíno, e temos que fazer a nossa parte com louvor, o Allianz tem que tremer!

PRA CIMA PALMEIRAS, PRAAAAAA CIMAAAA PALMEEEEEEIRASSSSSS!!!!!!!!!!!!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0 x 2 Sport – BR15

O Palmeiras e Marcelo Oliveira seguem tirando o torcedor do sério.

Ontem mais uma atuação apática, principalmente dos múltiplos de 11 – JP (22), Leandro Almeida (44) e Egídio (66) péssimos como sempre, e até o 11 original ZR teve atuação bem discreta, no segundo tempo.

João Pedro é um caso a parte. No primeiro turno, o Palmeiras ganhava de 2×1 do Sport lá no Recife, e ele teve a bola do jogo pra fechar o caixão das cachorras de peruca: ele e o goleiro, sozinho, e o moleque perdeu, aos 43 do segundo tempo (http://globoesporte.globo.com/pe/futebol/brasileirao-serie-a/jogo/12-07-2015/sport-palmeiras/#video-id=4316865). Na sequência, gol dos caras e dois pontos jogados no lixo.

Ontem, assim como já havia acontecido no jogo contra o Goiás, pode por na conta dele (também). Porque aquele pênalti imbecil e infantil tirou toda e qualquer chance do Palmeiras voltar pro jogo. Mas ele não está sozinho nessa, Leandro Almeida deixou uma avenida pro Marlone fazer o primeiro gol e o Egídio, bom, do Egídio eu nem falo mais nada…

E não foi só a zaga que ficou devendo.

Cristaldo perdeu dois gols na cara do goleiro ainda no primeiro tempo e perdeu outro no segundo, embaixo da trave. Gabriel Jesus isolou uma bola depois de ter passado por toda a zaga, e Dudu perdeu outros dois gols, numa atuação de almanaque do goleiro dos caras.

E o mais incrível é que nessas 06 situações de gols, em pelo menos 03 delas dava pra rolar a bola pro lado pra outro jogador fazer o gol. Precisa entender o que acontece, no time do Oswaldinho ninguém chutava pro gol, era irritante. Agora todo mundo chuta, mesmo quando é pra passar, mais irritante ainda…

Outra coisa que preocupa é a apatia de Rafael Marques, que parece estar jogando com a mesma vontade que a diretoria está tratando a sua renovação, Marcelo já devia ter descartado o cara, mas segue latindo pra árvore errada, enquanto o Kelvin ficava só esquentando o banco.

E a última cornetada vai pra falta de vibração coletiva do elenco como um todo. O Palmeiras parece adestrado pra nenhum jogador conversar com a arbitragem, tirando o Cristaldo, ninguém pressionou o juiz em nenhum momento. O Sport fez o que quis, cozinhou o Palmeiras o jogo inteiro, com menos de 20 minutos o goleiro deles já tava pedindo atendimento em campo e nenhum jogador cobrou o juiz, tanto que apesar de toda a cera, ninguém foi amarelado.

Custa entrar na minha cabeça uma declaração infeliz como a do Alexandre Matos ao final do jogo contra a Ponte Preta, de que pra ele aquele lance ridículo tinha sido pênalti. Por mais que isso tivesse a intenção de pressionar comissão e elenco, jamais poderia ter sido feito via imprensa, arbitragem é tudo inimigo, não tem que elogiar, emitir nota oficial, nada dessa porra…

Por outro lado, finalmente o treinador deu oportunidade pro Mateus Salles, e se o moleque não foi perfeito, jogou bola suficiente pra nunca mais termos que ver Girotto e Amaral em campo. Saiu porque tinha amarelo, e o Marcelo com essa filosofia continua prejudicando o time mesmo quando isso signifique abrir mão do que tá dando certo… A substituição do Dudu contra a Ponte foi a mesma coisa.

Feitas as análises individuais, o fato é que, no coletivo, o Palmeiras segue sendo um catadão na defesa e outro no ataque e não existe comunicação nenhuma entre um e outro, o time vive de bicão pra frente e seja o que Deus quiser, não é possível que não tenha padrão de jogo, depois de mais de 25 partidas do treinador no comando da equipe. Não tem jogada ensaiada, não tem bosta nenhuma, é bica pra frente e chuveirinho, desse jeito não vamos a lugar nenhum…

E agora, o resumo dessa ópera é que chegaremos pro jogo de quarta-feira mais pra baixo que cu de cobra, com o elenco mais do que justamente pressionado pela torcida, que antes mesmo do jogo acabar ontem já anunciava que passar do Fluminense não era mais que obrigação. E não é mesmo.

Pior que, com a derrota de ontem, o que era pra ser o G4 vai virar um nono lugar, e a chance do Palmeiras conseguir vaga pra Libertadores passa a ser praticamente o título da Copa do Brasil que, com os desfalques, mas principalmente com o futebol patife que vem sendo jogado, é muito mais um sonho do torcedor do que uma realidade.

E essa maldita quarta-feira que não chega…

AVANTI PALESTRA!

Flor 2×1 Palmeiras – Copa BR 15

O resultado não foi o mais desejado, mas está longe de ser uma tragédia. Seguimos vivendo um dilema no meio de campo, se vale a pena colocar o ZR ali ou na esquerda no lugar do Egídio.

Hoje, o Egídio funcionou bem na esquerda, depois de entrar no lugar do Andrei no 2.o tempo . Não comprometeu e até ajudou, na medida do possível, na zaga. Mas se botar na balança a dívida ainda é muito longa…

O primeiro tempo pode ser definido por duas chances do Flor, de bolas paradas que viraram dois gols, e duas chances pro Palmeiras, uma de bola parada, que não deram em nada.

 Ainda no fim do primeiro tempo, o divisor de águas veio com uma contusão de joelho E tornozelo do Fred, que se Deus quiser vai valer pra hoje e pra semana que vem.

No segundo tempo, Marcelo fez duas mudanças, saíram Andrei e Vitor Ramos, que nem deveriam ter jogado, e entraram Egídio e Jackson.

O Palmeiras cresceu, começou a pressionar o Flor e logo, num passe sinistro do Barrios, ZR entrou sozinho na área e foi derrubado, penalti pro Palmeiras, que o ZR bateu e fez. 

Depois, o Flor se perdeu em campo e o Palmeiras começou a crescer. Falta batida na área e o Amaral, na mesma linha, empatou o jogo, masssss, o bandeirinha fodeu a gente. Só pra variar um pouco…  

Na sequência, moscada da zaga e gol do Flor anulado, absolutamente impedido: seguiu 2 x 1 até o fim, não sem antes o Palmeiras ter mais uma ou duas chances claras de empatar o jogo, mas pra que facilitar…

Diante das circunstâncias, contando as pataquadas de Andrei Girotto e Vitor Ramos (x2), até que saiu barato, o Palmeiras só não venceu porque o jogo foi 2×1, mas gol fora vale ouro, entáo, segue o jogo….

Quarta que vem vamos entupir o Allianz e garantir a vaga na final dessa porra, é tudo nosso!

E os meus parabéns pela empreitada dos amigos que compareceram hoje ao Errejota e fizeram valer a nossa força na bancada! Pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA! 

Avai 1x 3 Palmeiras – BR15

E o Marcelo Oliveira teve uma aula dele próprio hoje. Aprendeu que Cristaldo, Allione e Mouche são excelentes alternativas pro Palmeiras, e dão conta do recado.

Quantos jogos não ficamos sem nenhuma opção na meia por causa das lesões do Robinho, do Cleiton Xavier (quem?) etc, e o Allione e o Mouche ali à disposição? Quantos jogos eles não podiam ter sido titulares – quarta passada, por exemplo – e o Palmeiras teria melhor sorte nesse campeonato?

Então…

Enfim, a vitória – inesperada pra mim – veio até com certa facilidade, mais pelo péssimo time do Avaí do que pela competência do Palmeiras, e até que não faltou tanta.

Depois de uma jogada de perseverança do Mouche, e um passe magistral pro Cristaldo, Gabriel Jesus completou na saída do goleiro pra fazer 1×0 – e aos 15 do primeiro tempo.

Depois disso, logo na sequência, perdemos dois gols feitos. Parece até que existe uma ordem divina pro palmeirense nunca ter sossego. Que seja.

Veio o segundo tempo e depois de uma falha bisonha da zaga do Avaí, Cristaldo fez o segundo. Era pra ter sido o último prego na tampa do caixão avaíano. Mas, aqui é Palmeiras, então, logo menos o jogo já estava 2×1… e Quase 2×2 numa meia bicicleta de André Lima, depois de uma patinada de Leandro Almeida, pois é…

Mas, um pouco depois Dudu limpou a zaga inteira do Avaí e mais o goleiro e fez o terceiro, numa das vitórias mais fáceis do Palmeiras no ano…

Podia ser sempre assim.

Dormimos no G4, mas será uma surpresa fechar a rodada nele, considerando que o Vasco e o Goiás são os adversários de Bambi e Lambaris, ambos jogando em casa.

Agora vira a chave e pra cima do Flor no Rio de Janeiro, é decisão, vale o ano inteiro. Rimou até, mas não foi proposital.

AVANTI PALESTRA!

OS LANCES:

A CAPIVARA:

AVAÍ 1 X 3 PALMEIRAS

Local: Estádio da Ressacada, Florianóplis (SC)
Data-Hora: 17/10/2015 – 18h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva (PE) e Ricardo Bezerra Chianca (PE)
Público/renda: 9.313 pagantes/R$ 208.224,00
Cartões amarelos: Nino Paraíba, Marquinhos e Adriano (AVA), Andrei Girotto, Allione, Dudu e Thiago Santos (PAL)
Cartões vermelhos: –
Gols: Gabriel Jesus (16’/1ºT), Cristaldo (14’/2ºT) e Dudu (32’/2ºT) (PAL), André Lima (23’/2ºT) (AVA)

AVAÍ: Vágner; Nino Paraíba, Jéci, Emerson e Romário; Renan, Adriano (Roberto, aos 18’/2ºT), Pablo e Marquinhos (Nestor Camacho, aos 33’/2ºT); Léo Gamalho (Rômulo, no intervalo) e André Lima. Técnico: Gilson Kleina.

PALMEIRAS: Fernando Prass; João Pedro, Jackson, Leandro Almeida e Egídio; Thiago Santos, Andrei Girotto (Amaral, no intervalo) e Allione (Rafael Marques, aos 35’/2ºT); Mouche (Dudu, aos 21’/2ºT), Gabriel Jesus e Cristaldo. Técnico: Marcelo Oliveira.

Palmeiras 0x1 Ponte Preta – BR15

Mais um episódio pavoroso na história do Palmeiras foi testemunhado hoje por 28 mil pobres coitados.

Primeiro, por mais uma atuação nefasta da arbitragem dentro da nossa própria casa, e não há quem se indigne, não há um maldito dum representante da Sociedade Esportiva Palmeiras pra cobrar, em público, uma semvergonhice dessas, mais uma, praticada contra a nossa instituição.

E o time vai no embalo da diretoria, ninguém se indigna, ninguém reclama com o juiz, ninguém pressiona, pra eles foda-se, tanto faz como tanto fez… O emblema dessa porra toda é o Sr. Gabriel Jesus, devolvendo a bola pros vagabundos de Campinas depois de mais de 02 minutos de jogo parado prum corno daqueles ficar fazendo cera. Alo, Gabriel, Edmundo não foi ídolo no Palmeiras porque era um bom rapaz não, viu? Torcedor quer ver sangue nos olhos e ódio ao adversário, principalmente quando estão de putaria. Vai devolver bola lá na casa do caralho!

Esse é o primeiro motivo da derrota de hoje, que, não fosse o juiz e o time sem brio nenhum, seria um empate safado e canalha de um time extremamente mal montado e sem padrão tático nenhum – o segundo motivo.

É digno de muita reflexão e muito estudo do que pode levar um treinador a, depois de 10 dias de treinamento, depois de ter levado uma surra sem precedentes de um time que estava na zona do rebaixamento, ter mandado a campo Alecsandro e João Paulo, de ter deixado Allione no banco, de ter tirado o Dudu, enfim, de ter contribuído diretamente pra essa merda toda que se viu em campo. 40 lançamentos defesa-ataque, sendo que 27 foram errados, 27 cruzamentos na área, 21 errados, e por aí vai…

Isso porque o time folga dois dias depois de jogos, afinal, com esses números, quem precisa treinar, né?

Como que esse cara foi bicampeão brasileiro?? Começo a pensar que o Cruzeiro conseguiu essa façanha, apesar dele… Não é possível tantos e tantos jogos com as peças erradas na escalação, sem padrão nenhum e, como hoje, errando absurdamente nas substituições também. O cara tá aí há 20 e poucas rodadas e ainda não sabe montar o time, cazzo????

E o terceiro motivo e, pra mim, o verdadeiro campeão, é a lastimável preparação física e a situação vergonhosa do departamento médico do clube, que é incapaz de colocar Fellype Gabriel e Cleiton Xavier em condições de jogo (o primeiro já está há quase um ano no clube e ainda não conseguiu nem estrear), que tem Arouca e Robinho entrando e saindo do DM a cada 3 rodadas, enfim, aquela bosta toda que nós já sabemos.

O mais curioso é que o departamento médico do clube é o mesmo desde mil novecentos e guaraná com rolha e não há um Cristo que olhe pra isso com um pouco mais de atenção.

Investem em cientistas, softwares, fazem congresso e os carario a quatro, mas não há no universo um departamento médico tão lotado de jogadores que nem no Palmeiras…

Enquanto isso nossos 3 melhores jogadores seguem fora de combate, temos os dois melhores volantes do Brasil marcando as enfermeiras do DM, e os 03 meias do elenco CX, Fellype e Robinho armando mais uma sessão de fisioterapia… Até quando, Palmeiras??

Enfim, por essas coisas que o resultado de hoje não me impressiona, embora me deixe absurdamente indignado.

Pra mim, o ano terminou domingo retrasado em Chapecó, não vejo esse time reagindo nos 10 a 12 jogos que faltam pro fim da temporada, minha última esperança era hoje… Não acredito mais na vaga da Libertadores e muito menos em título de Copa do Brasil. Vou torcer, vou apoiar, vou sofrer, mas se algo diferente do fracasso vier, será muita surpresa.

Esse time e comissão técnica chegaram no limite. As peças mais importantes seguirão fora de combate, as de reposição não o são à altura e o fracasso é a única opção, mesmo porque o time e treinador não estão conseguindo se reinventar. 

Embora queiramos acreditar que vai ser diferente, mas só no resta dizer uma coisa:

– Feliz 2016, palestrino.

AVANTI PALESTRA!  

Chapecoense 5×1 Palmeiras – BR15

Desde 2010 o Palmeiras leva uma goleada vexatória por temporada, e este ano parecia que tudo ia mudar, mas daí vai lá o Palmeiras fazer das suas palmeirisses…

A verdade é que esta palhaçada que vimos em campo hoje estava bem mais do que anunciada. Já na primeira partida em Porto Alegre, pela Copa do Brasil, e até mesmo antes disso, no jogo com o time gaúcho pelo BR, podia se ver o sistema defensivo frágil e o ataque displicente.

Mas, tirando a derrota pros gaúchos fora de casa pelo BR, os resultados foram acontecendo, vencemos o Grêmio, empatamos fora com o Inter pela Copa do Brasil, jogo que era pra ter sido ganho, arrancamos um empate não merecido no panetone e selamos a classificação pra semi da Copa do Brasil também sem muito merecimento, mas com muito coração, principalmente da torcida.

Fomos pra Chapecó sem nossos 02 melhores jogadores, Robinho e Zé Roberto, os únicos com capacidade de articular o jogo do time e, por isso mesmo, já sabíamos que seria difícil encaixar um bom resultado na partida de hoje, mas nem o mais corneteiro conseguiria prever uma surra dessas proporções…

Primeira coisa a ser dita é que o Departamento Médico e de Preparação Física do Palmeiras é uma piada de mau gosto. Arouca vem de sabe-se lá quantas temporadas pelo Santos sem uma única contusão, e aqui no Palmeiras, jogo sim, jogo não, sai de campo machucado. Daí volta e machuca de novo. Robinho idem. Até o maluco do filme Corpo Fechado sairia do campo de maca, se vestisse nossa camisa. O curioso é que isso já vem de anos assim, mas é mais fácil cair o cu da bunda do que alguém ser demitido do departamento médico do Palmeiras…

A segunda questão é que o Marcelo Oliveira abusou de errar. Primeiro, voltou o Amaral pro time, e nem preciso explicar o por quê isso é errado. Andrei, por mais limitado que seja, mesmo não sendo um primeiro volante de ofício, não pode ser banco desse grosso.

Depois, o treinador insistiu mais uma vez com o Egídio. Não precisa ser nenhum Rinnus Mitchel pra saber que é só atacar pela nossa esquerda, quando Egidio está em campo, que é batata… Os treinadores dos outros 19 times já aprenderam isso, só o Marcelo Oliveira ainda não entendeu? Começa o jogo sempre com dez, professor? Cazzo…

Depois, o treinador subestimou o adversário ao mesmo tempo quee superestimou nosso time. Mandou 4 atacantes pra campo e nenhum meia. Entregou o meio de campo pro Chapecoense, que só precisou marcar o Arouca na saída de bola para, com tranquilidade, mandar no jogo, enquanto atacava pela nossa esquerda pra achar os gols.

Mas aí é que eu não entendo, porque estavam lá no banco Allione e Fellype Gabriel, meias de oficio, o Palmeiras treinou, quinta, sexta e sábado sabendo que o ZR e o Robinho não iam jogar, e o melhor que o Marcelo pensou em fazer foi mandar 4 atacantes pra campo e ninguém pra organizar as jogadas? PORRA!?

Se ainda tivessem os 4 – GJ, RM, Barrios e Dudu em excelente fase, ok, ainda dava um desconto, mas desses todos aí só o Dudu tá se salvando, os outros 03, principalmente o Jesus, não tão jogando nem a metade do que sabem…

Ainda assim, o 2×0 que ficou barato demais pro Palmeiras no primeiro tempo, especialmente por o time ter tido a capacidade de chutar uma única vez ao gol adversário, podia ser corrigido no segundo tempo, com duas simples alterações – 1 meia e o Egídio fora.

Mas o Marcelo preferiu mexer na direita, onde não tínhamos problema, pra colocar o Lucas no meio, vindo o JP no lugar do Amaral. Daí fodeu de vez. Antes tínhamos uma avenida, agora eram três.

E foi uma questão de tempo pra, em dia que dá tudo errado, a bola aérea falhar bisonhamente na defesa pela segunda vez. 3×1 pros caras e finalmente o Marcelo decidiu colocar um meia em campo, quando já estava tudo bem mais do que fudido.

Ainda deu tempo do Gabriel Jesus matar dois lances claros de gol, um quando ainda tava 3 e outro quando já tínhamos tomado o quarto.

E o fim do jogo não podia ter sido mais melancólico do que mais uma vez levar gol de um pé descalço como Ananias, ô vergonha sem fim…

Parabéns aos responsáveis, de novo saímos do G4 pela própria incompetência e o palmeirense mais uma vez tem que aguentar essa humilhação que, se os senhores tivessem um pingo de vergonha na cara jamais aconteceria…

Agora vamos às coisas boas, se é que algo de bom dá pra se tirar de uma presepada dessas. Primeiro, é que o Egídio está suspenso, e por nada neste mundo entrará em campo contra a Ponte Preta. Ponto pro Palmeiras.

Segundo é que teremos 10 dias sem bola rolando, e Deus queira que seja tempo bastante pra recuperar esse time fisicamente, por que é uma vergonha uma equipe de futebol profissional da grandeza do Palmeiras estar se arrastando em campo desse jeito. Contra o Inter, nada menos que 05 jogadores, metade da linha, saíram com cãimbras e extenuados, isso não existe…

Por fim, depois de tantos e tantos jogos mal jogados, e o Palmeiras escapando duma tragédia sempre por um triz, finalmente ela veio, e com ela devem vir algumas mudanças significativas no modo desse time jogar.

Porque só um energúmeno sem amor ao emprego iria insistir nesse esquema tático sem meia e totalmente manjado, num Egidio pela esquerda, num Amaral pelo meio, depois de uma saraivada como essas…

Que o Marcelo não seja imbecil de insistir na mesma cagada, pois os próximos 11 a 13 jogos daqui até o fim do ano valem toda a temporada de 2016.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×2 Inter/RS – CdB15

Falemos primeiro do Argel. O que eu me lembro dele como jogador, era que se tratava de um cara aguerrido, mas grosso. E chorão. Como chorava… E parece que como treinador continua a saga nos mesmos moldes do tempo de boleiro. Falo isso menos pelo jogo, mas mais pela entrevista ao final da partida.

Argel teve a pachorra de reclamar do terceiro gol do Palmeiras, porque segundo ele, um dos jogadores do Inter não tinha voltado pro campo de defesa. Peraí, amigão???? E o primeiro gol do Inter depois de uma solada criminosa que o juiz deixou passar; e o segundo gol que o Dourado estava impedido quando desviou a bola pro jogador que faria o gol? Nada disso conta?

Então, meu caro Argel, vá encher o Guaíba com esse chororô todo…

Sobre o jogo, o Palmeiras teve dois momentos bem distintos no primeiro tempo: com Robinho e sem Robinho. Com ele, fizemos 1×0 logo aos 7, com Vitor Hugo de cabeça na cobrança de corner do ZR. Mais alguns minutos e o Robinho num guentou e saiu, entrando Rafael Marques.

E o Palmeiras perdeu tanto na criação, como na capacidade de ficar com a bola no pé. Até que mais pro fim do primeiro tempo, Alex fez penalti em Lucas, e apesar de ser o último homem, e de ter escapado de um merecido amarelo momentos antes, o juiz não o expulsou. Zé bateu e fez o segundo, fechando o placar do primeiro tempo.

Depois do intervalo, Marcelo sacou o Amaral, que já tinha amarelo, e colocou Andrei Girotto pro campo. E foi ele o responsável pela nossa salvação…

Mas não sem antes fazer o palmeirense sofrer e pagar por todos os seus pecados. Sim, porque, como vimos, o Palmeiras ganhava de 2×0 mas conseguiu tomar dois gols do Inter, placar que classificava o time gaúcho. Dois gols irregulares, mas foram 2 gols a favor dos gaúchos, e o que valia a nossa tragédia num jogo que estava praticamente ganho. Algo a se pensar.

Mas logo na saída, jogada do Dudu, melhor em campo, aliás, a bola sobrou na direita pro Lucas, que esticou a bola pro Allione cruzar na cabeça do Andrei, 3×2.

Não deu tempo nem do Palmeiras sentir a pressão pelo gol de empate e já estávamos ganhando de novo, e assim o placar ficou até o fim.

Enquanto isso, no Sul, o morto Fluminense ressurgia das cinzas com um empate com gols, eliminando os gaúchos e se tornando nosso novo adversário da semi final.

Vejam como são as coisas: trombamos e eliminamos o time que – graças ao uso indevido do recurso de TV – no custou 03 pontos no BR 12 – e todos sabemos  no que deu.

E agora enfrentaremos o time que, em 2009, nos roubou 03 pontos também fundamentais e que podiam ter nos dado o título daquele ano.

Tá na hora de pagar essa conta.

AVANTI PALESTRA! 

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA 

PALMEIRAS 3  X 2 INTERNACIONAL
 
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 30 de setembro de 2015, quarta-feira
Horário: 22h (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (FIFA)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva – GO (FIFA) e Cristhian Passos Sorence – GO
Cartões amarelos: Dudu, Amaral e Lucas (Palmeiras); Alex e William (Inter)
Gols: Vitor Hugo, aos sete, e Zé Roberto, aos 38 minutos do primeiro tempo; Anderson, aos 11, e Lisandro López, aos 28, e Andrei Girotto, aos 29 minutos do segundo tempo.
 
PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Amaral (Andrei Girotto), Arouca e Robinho (Rafael Marques); Dudu, Barrios e Gabriel Jesus (Alione). Técnico: Marcelo Oliveira.
 
INTERNACIONAL: Alisson, William, Paulão, Réver e Ernando (Rafael Moura); Rodrigo Dourado, Nilton, Anderson (Alisson Farias), Alex e Valdívia; Lisandro López. Técnico: Argel Fucks 
%d blogueiros gostam disto: