Arquivo mensal: maio 2014

Visita à obra do Allianz Parque

Foram exatos 04 anos e 08 dias desde que pisei a última vez no solo sagrado do Palestra Itália, quando fizemos um 4×2 de respeito nos fregueses do Sul. Um pouco menos de tempo, a se considerar o amistoso de 09.07.2010 contra o Boca que eu, dado o fiasco que foi, prefiro esquecer.

Acho que o fechamento do velho Palestra teve um pouco de culpa nos motivos que me levaram a, 4 meses depois, iniciar o Maluco pelo Palmeiras, dentre outras razões, dado o vazio de se sentir sem casa pela primeira vez, desde sempre. 

Hoje, voltei à terra sagrada, pra conhecer um pouco mais do que será a nossa  nova casa e a impressão foi muito positiva.

Estrutura do velho PalestraPrimeiro de tudo, porque resiste ali, embaixo de toda a modernidade que o Allianz Parque terá, um pequeno pedaço do nosso velho Palestra que, por razões burocráticas, políticas ou pouco importa, teve que ser mantido, garantindo que o nosso eterno Jardim Suspenso siga respirando abaixo de toda a nova roupagem, como um totem que nos remeterá sempre às nossas raízes. Tanto no térreo como no subsolo, estão preservadas as colunas e parte da estrutura da arquibancada que ficava atrás do gol da Matarazzo, ali onde mais pulsava o concreto, ali onde mais balançava, onde mais víamos os degraus subindo e descendo, ali onde só se via o jogo em pé. Justamente a estrutura mais exigida, foi a que perseverou. E isso há de significar alguma coisa no futuro.

A grandeza da obra impressiona, será um estádio imenso, do tamanho do gigante que é o Palestra. Apesar dela, a proximidade entre o futuro gramado e a bancada, marca registrada do velho Palestra, parece ter sido preservada. E a inclinação das arquibancadas, menor no anel inferior e maior no superior, tratará de promover o impulso final para que o efeito de caldeirão que tanto nos empurrou para vitórias incríveis no passado continue existindo.

SONY DSCSe, por um lado, a área destinada às torcidas organizadas (ao lado), não será livre de assentos, como queria a torcida palmeirense, por causa do tal “padrão FIFA”, por outro, é plenamente possível ficar em pé em frente aos assentos, embora deva ser impossível de acomodar duas ou três fileiras de torcedores por degrau, como muitas vezes acontece em clássicos e jogos decisivos. Além disso, a existência das estruturas que dão suporte aos assentos, e eles próprios, dificultarão a movimentação entre um degrau e outro. Ou seja, não será a mesma coisa. Ainda tenho esperança que abandonem esse conceito, mas parece pouco provável que isso ocorra a essa altura dos acontecimentos.

No piso superior (e nos demais também), toda a comodidade e conforto dos camarotes, cadeiras especiais, restaurante panorâmico, áreas com acessibilidade, elevadores, escadas rolantes, lojas etc, prometem buscar um público diferente que há muito tempo abandonou os estádios. Acho válido, mas isso não pode vir em contrapeso à atender, também, quem nunca sai do lado do time, quem nunca se importou com amenidades num estádio de futebol. Mas, pelo que eu vi, o estádio foi pensado e desenvolvido para atender a cada público específico, exceção feita à colocação de assentos na área onde ficarão as organizadas, quase uma promessa dos tempos de twitter do Walter Torre e que foi deixada de lado.

Não tenho dúvidas, porém, que todos os palmeirenses, sem exceção, vão se sentir orgulhosos da nova casa que estar por vir logo mais. Se a obra vai ser entregue em agosto mesmo, como afirma a W. Torre, honestamente seria leviano da minha parte dizer, por absoluta falta de conhecimento técnico.

SONY DSCEspero que até lá, o Palmeiras já consiga ter resolvido quaisquer impasses com a construtora, e que o preço absurdo que vem sendo exigido dos torcedores palmeirenses nos últimos jogos seja reavaliado. Porque um estádio dessa grandiosidade, pra 7 mil pessoas por jogo, será muito, mas muito vexatório mesmo.

Por fim, registro aqui o agradecimento à Daniela da Allianz Parque e à Karina da assessoria da W Torre pela oportunidade. Obrigado, mesmo!

AVANTI PALESTRA!

SONY DSC SONY DSCSONY DSC SONY DSC SONY DSC

 

 

 

 

.    

Palmeiras 0x2 Botafogo – BR14

Vai tomar no cu, Palmeiras.

Por esse time medíocre, que não merece uma lágrima de ódio do torcedor;

Por essa diretoria estúpida que não sabe o que é logística (até eu já sabia que Chapecó fica sem teto três vezes por semana, o ano inteiro);

Por mandar jogos em Presidente Prudente, pra 6 mil pessoas;

Por ter o ingreso mais caro do Brasil;

Por ser o time mais sem bastidores das Séries A, B, C e D;

Por ter um treinador que se apresenta e não assume o time;

Por reabilitar todos os times que estão na zona do rebaixamento;

Por manter um vagabundo sem vergonha como Wesley no elenco;

Por ter como gestor Brunóqio, que aceita Felipe Menezes em definitivo por 3 anos, pra ressuscitar um zé bosta como Alan Kardec pra reforçar rival e que apostou em mentiras como Bruno Cesar, William Matheus, Marquinhos Gabriel, entre tantos outros;

Por aceitar Heber Roberto Lopes na arbitragem de um jogo com o seu mando;

Por perder 5 gols no primeiro tempo e tomar um no primeiro chute a gol do adversário;

Por fazer uma torcida tão bonita quanto a sua sofrer a rodo, ano que entra, ano que sai….

Vão todos tomar no cu.

Vem logo, 2015, se Deus quiser na série A…

AVANTI, DESGRAÇADOS PALESTRINOS!

Chapecoense 2×0 Palmeiras – BR14

Vão dizer que eu tenho dedo podre. Escrevi no fim do post da vitória contra o Figueirense que todo cuidado contra o Chapecoense seria pouco. E, pra minha tristeza, eu tinha razão.

Quem quiser por a culpa em mim e dizer que eu ziquei, legal, mas vale a pena olhar pro elenco antes e ver se é correto mesmo atribuir uma derrota como a de hoje à sorte ou ao azar.

Esse time do Palmeiras que tem ido a campo nos últimos jogos é de dar vergonha na torcida. Wendel, Marcelo Oliveira, Renato, Wesley sem tesão nenhum, Mentireta, qualquer um dos dois laterais esquerdos que o Palmeiras tem, enfim, esse apanhado de jogadores horríveis que temos que aturar toda santa partida é de foder…

E o pior é que muita gente tava fazendo continha, olhando pra tabela, vi até falarem que era “só” o Cruzeiro perder e a gente “ganhar de 6”, que seríamos lideres. Como sonha alto o palmeirense, esse bicho engraçado e bem singular na arte de torcer.

A verdade cruel é que o Palmeiras que tomou um baile de bola do Chapecoense é o mesmo que levou 4 do Flamengo, que perdeu em casa pro Tapetense, que tomou virada do Sampaio Correa, e que conseguiu vitórias com um péssimo futebol contra o mesmo Sampaio Correa,  Criciuma, Goias, Vitória e Figueirense, times muito fracos. Ainda temos Gremio, Cruzeiro, Inter, Galo e três clássicos pela frente.

Por isso, nossa meta, com o time que aí está, não pode ser outra que não somar mais 34 pontos pra respirarmos aliviados. Caso venham jogadores decentes, pelo menos meio time pra ser titular, aí podemos até sonhar com alguma coisa diferente. Por ora, conseguirmos nos manter no primeiro quarto da tabela, mesmo jogando contra vários bagres, é uma proeza.

Sobre as atuações, Fabio merece um busto por nos livrar de mais um vexame, Wesley e Mentireta seguem mostrando que não dá pra contar com eles, e os que vieram do banco entraram na maior roubada, mal da pra avaliar. Mas o Bernardo, até aqui, dois jogos, mostrou nada…

Seguimos pra Prudente pra encarar o Botafogo e, jogo em casa, vitória é obrigação.

AVANTI PALESTRA!     

Palmeiras 1×0 Figueirense – BR14

Foi mais um jogo digno da qualidade do elenco do Palmeiras, ou seja, fraco. Mais uma vez coube à camisa jogar pelos jogadores.

Que seja assim sempre, até porque, exigir bom futebol de um time aos pedaços como o Palmeiras foi a campo hoje, com volantes de zagueiro e lateral, é pedir demais.

Sob a supervisão do novo treinador, o time que foi a campo em relação ao que jogou contra o Vitoria teve Wendell e William Matheus no lugar de Wellington e Juninho. O primeiro temo se arrastava como um replay fidedigno do jogo do domingo, Wesley errando tudo, Mendieta sumido em campo…

E, assim como o Vitoria, o Figueirense oferecia pouca ou quase nenhuma resistência. Só a Gambazada mesmo pra conseguir tomar gol dum time que tem Rivaldo, Ricardo Bueno, Thiagus Helenus, e aquele Zé Bosta do Marco Antonio que não quis vir pro Palmeiras do Grêmio ano passado. Pois é, trouxa, olha onde você está agora…

Numa das pouquíssimas oportunidades que o Palmeiras soube aproveitar, num 1-2 bem executado entre William Matheus e Marquinhos Gabriel, o lateral acertou na cabeça/coxa do DeGOLador, e ele não perdoou. Quinto gol em seis jogos, mais do que o seu antecessor na camisa 19 fez em cento e sei-lá-quantas partidas pelo Palmeiras… Ele pode não ser um atacante badalado, mas que a camisa do Palmeiras caiu feito uma luva no cara, isso ninguém pode negar… Porque, no fim das contas, o que importa mesmo é a camisa, essa que transformou jogadores como Evair e Cesar Maluco em verdadeiros mitos do futebol. A camisa, senhores, a camisa…

E foi praticamente isso o jogo. No segundo tempo, uma única chance pro Figueirense foi barrada numa saída monstruosa do goleiro Fabio, que me fez até pensar se o Prass seria o Veloso de 99… Joga demais esse moleque, vai ser difícil recuperar a titularidade…

Bernardo ainda estreou no lugar do pouco interessado Mendietta, fez uma ou outra boa jogada, mas a falta de ritmo não permitiu mais do que isso. Mesmo assim, o pouco que fez, já foi mais do que o pacato paraguaio.  

E ainda teve tempo do Valentim kleinar geral nas alterações, tirou o Marquinhos Gabriel pra colocar o volante Victor Luiz, e ainda sacou Wesley pra assombrar o palmeirense com Mazinho. Mas, olhando pro banco também, difícil praguejar demais o treinador, só um pouquinho pra não perder o hábito…

Valentim que, aliás, merece nossos sinceros agradecimentos, 4 jogos, 100% de aproveitamento, 7 gols marcados e nenhum sofrido, isso tudo com três simples mudanças. Saiu Bruno entrou Fabio (alteração que foi promovida pelo Kleina mas mantida por ele), saiu Josimar entrou Diogo, e saiu Leandro entrou Marquinhos Gabriel. Valentim entrega o Palmeiras ao Gareca a um ponto do líder, melhor impossível…    

Com o empate do Goias contra os Lambaris, o Palmeiras chegou à quarta colocação, o famoso G4, o que não acontecia sabe-se-lá quanto tempo fazia… E a vitima da próxima rodada é o pior time da competição, o que, em se tratando de Palmeiras, tem que ser sinal de alerta, mas que, a se repetir os bons resultados das últimas 03 rodadas, pode significar o último incentivo que essa diretoria precisava pra montar um time competitivo pro ano do centenário, ainda que com um puuuuuuta atraso…

Mais um atacante, que a essa altura chegaria pra disputar posição com o DeGOLador, um camisa 5, um 4 e um 2 pro Gareca ter mínimas condições de trabalho e podemos começar a ter esperança. Ah, e claro, ingressos a preços decentes, pra torcida chegar junto em peso e dar o tempero final pra mais uma Arrancada Heróica!

OS LANCES:

 

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 X 0 FIGUEIRENSE

 

Data e Hora: 22/5/2014
Local: Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Árbitro: Paulo H Schleich Vollkopf (MS)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO), Paulo Cesar Silva Faria (MT)

 

Público/renda: Não disponíveis
Cartões amarelos: Wendel e William Matheus (Palmeiras), Luan e Thiago Heleno (Figueirense)

 

GOLS: Henrique, aos 36’/1°T (1-0)

 

PALMEIRAS: Fábio; Wendel, Lúcio, Marcelo Oliveira e William Matheus; Renato, Wesley, Mendieta (Bernardo, aos 22’/2°T) e Marquinhos Gabriel (Victor Luis, aos 31’/1°T); Diogo e Henrique. Técnico: Alberto Valentim.

 

FIGUEIRENSE: Tiago Volpi; Leandro Silva, Thiago Heleno, Marquinhos e Guilherme Lazaroni; Paulo Roberto (Marco Antonio, aos 34’/1°T), Luan, Rivaldo (Léo, aos 11’/1°T) e Giovanni Augusto; Everton Santos (Everaldo, aos 28’/1°T) e Ricardo Bueno. Técnico: Guto Ferreira.

ADELANTE, PALESTRA!

Bienvenido, El Tigre

Serei extremamente honesto. Conheço muito pouco do trabalho do novo treinador do Palmeiras, Ricardo Gareca. Sei o que li a respeito do ex-atacante de Boca e River, que teve grande passagem como treinador do Vellez Sarsfield, onde ficou por nada menos que 5 anos, uma eternidade em se tratando do tempo médio de permanência dos treinadores no cargo no Brasil.

O Palmeiras dá um chapéu na mesmice e acerta em cheio ao fugir de nomes carimbados e gastos por aqui. Dorival, Luxemburgo, entre outros que foram cogitados, vinham de péssimos trabalhos no ano passado, e dificilmente teriam muito a acrescentar ao futebol manjado que vinha sendo desenvolvido por Gilson Kleina.

Neste aspecto, a vinda de um treinador de fora pode permitir ao Palmeiras inovar tanto em campo, como também na procura de reforços para o time, saindo da quase-sempre armadilha de apostar em jogadores que se destacaram nos fracos campeonatos estaduais ou que pretendem voltar do leste europeu ou do Oriente Médio, gordos, ricos e bichados…

Legal. Mas tudo isso só sairá da teoria se o time for reforçado à altura da aposta. Se o Palmeiras se desfizer de Wesley e Valdivia, como tudo indica deva ocorrer até o fim da Copa, a reposição terá que ser no mesmo nível, além de contratarem zagueiro, volante lateral direito e centroavante, desses que vão chegar-para-jogar.

Da mesma forma que não sabemos muito do Gareca, pode ser que ele também não conheça muita coisa sobre o Verdão. Tomo a liberdade, então, de anotar alguns pontos importantes que El Tigre deve saber agora que irá comandar o Campeão do Século, e desde já me desculpo pelo espanhol by Google Translator:

1. Palmeiras es el primer campeón del Mundo.

2. Palmeiras es el mayor campeón nacional.

3. Globo y CBF odian Palmeiras.

4. La prensa, en general, desdeña Palmeiras.

5. Los árbitros siempre perjudican Palmeiras.

6. Los aficionados del Palmeiras quieren siempre ver a un equipo peleador en el campo.

7. Nosotros siempre vamos a hacer la diferencia en las gradas. Puede contar con nosotros.

8. Tiene que estar enojado ese puto Corinthians (El Possum).

9. Sao Paulo (Los Bambis) no son rivales, son enemigos.

10. En Santos, tenemos una casa en la playa.

11. Bienvenido a El Porco, honra a esta camisa y usted será inmortalizado.

12.   

 Boa sorte, Gareca. Honre essa camisa e será eternizado.

AVANTI EL TIGRE!

Vitoria 0x1 Palmeiras – BR14

A considerar as circunstâncias adversas, foi o resultado mais importante do campeonato até aqui. E foi uma vitória doida, sofrida, quase não merecida, tantas as dificuldades que esse elenco limitado do Palmeiras tem.

Verdade seja dita, o adversário de hoje é péssimo, um time ruim demais que também estava forrado de desfalques, o que transformou o jogo numa lamúria só.

Do nosso lado, não tínhamos o TomaCachaça10, que já está no Chile antes mesmo do treinador e até do roupeiro da seleção, e ainda não tínhamos à disposição o volante-transformado-em-lateral-direito Wendel, já que um time da estirpe do Palmeiras se dá ao luxo de não ter NENHUM jogador dessa posição no elenco. Também não estava à disposição o Leandro, mas a considerar os últimos  jogos deste ano (todos), tenho pra mim que essa ausência veio pra somar.

Sabem o Mendieta, aquele jogador eterno reserva que fez um gol contra o poderosíssimo Sampaio Corrêa e resolveu que podia mandar a torcida calar a boca? Então, estivemos desfalcados dele também, ninguém viu em campo hoje, nem o Valentim que esqueceu de tirá-lo…

Valentim que, aliás, abusou da sorte, ao escalar Wellington pro lugar do Wendel, e mandou a campo Fabio, Wellington, Lucio, Marcelo Oliveira e Juninho, Renato, Wesley e Mendieta, Marquinhos Gabriel, Diogo e Henrique. Poderia ter colocado o Wellington na zaga, Wesley na direita, Marcelo Oliveira de volante, Bernardo no lugar do Renato, e talvez não teria sido um jogo tão sofrido assim.

Mas, se o Valentim abusou da sorte, ela também sorriu pro Valentim. Logo no começo do jogo, Juan, o lateral esquerdo que ia deitar e rolar no Wellington, saiu machucado, dando lugar prum reserva bem do grosso. Foi o que salvou a lavoura na defesa, embora o Palmeiras tenha abusado de errar a saída de bola e depois ter que fazer a falta. Só o Lúcio entregou 4 saídas de bola erradas pro Vitoria, o Juninho mais umas tantas, como de praxe…

Por sorte, esse time do Vitoria é pior que ruim. Não aproveitou nenhuma das chances que o Palmeiras dava. E, nas poucas vezes que ofereceram perigo, ainda contamos com um Fabio MONSTRUOSO embaixo das traves, devolveu a segurança pro torcedor que nunca tivemos ou teremos com o camisa 1.

E foi também muito mais por sorte do que por merecimento, que o Palmeiras abriu o placar, num bom chute de Marquinhos Gabriel, de primeira, no rebote de um escanteio, que talvez não entrasse no gol se não tivesse desviado generosamente em Nilo Paraíba no percurso, e que deu números finais ao jogo, não sem antes demorar 27 horas pra acabar…

Partidas memoráveis do já citado Fabio, do Henrique, que apesar de não ter marcado sentou a botina na zagueirada adversária, como manda o figurino, e do Diogo, que aos 47 do segundo tempo tava marcando na lateral esquerda como se fosse final de campeonato. Humildade, raça e determinação, é 95% do que o palmeirense quer ver em todo jogador.

Nós que vimos o Palmeiras sucumbir duas vezes ao inferno, sabemos que o time que cai, além de ruim, tem que ter goleiro fraco e muito azar. E hoje temos goleiro, e também estamos com sorte. Sorte necessária, também, pra quem vai ser campeão, mas querer pensar nisso com um elenco desses, é forçar demais a barra de San Gennaro. Quem sabe se chegam uns 05 nomes de respeito, aí a história muda um pouco…

Mudando de assunto, queria dar os parabéns pra Gambazada. Porra, acho que jamais vai ser batida uma marca tão histórica quanto a de hoje, em qualquer esporte do mundo… Ficaram 104 anos sem sofrer um gol ou uma derrota em casa, hoje foi a primeira vez, duvido que alguém no mundo consiga quebrar esse recorde. AHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAH #eternofazmerir Dia 27/07, é nossa vez de deitar e rolar no #Puxadão Olelê, olalá se segura gambazada que o bixo vai pegar!

Próximo jogo é contra o Figueira em Araraquara, deviam entregar faixa pros jogadores catarinenses escrito Troféu Eu Nunca Vou Parar de Rir! Campeões 2014 (por enquanto) AHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHA Chora banguelada!!!!!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

VITÓRIA 0 x 1 PALMEIRAS

Data: 18/5/2014
Horário: 18h30
Local: Estádio Pituaçu, em Salvador (BA)
Píblico e Renda: Não divulgado
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (FIFA/RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Cartões: Não tiveram cartões amarelos

Gol: Marquinhos Gabriel, aos 04’/2°T

Vitória-BA: Wilson, Nino Paraíba, Alemão, Matheus Salustiano, Juan ( Mansur, aos 22’/1ºT); Neto Coruja, José Welison, Mauri (Léo Costa, aos 29’/2°T); Caio, Marquinhos e Alan Pinheiro (Willian Henrique, aos 22’/2°T). Técnico: Carlos Amadeu

Palmeiras: Fábio, Wellington (Tiago Alves, aos 33’/2°T), Lúcio, Marcelo Oliveira e Juninho; Renato, Wesley e Mendieta (Victor Luís, aos 45’/2°T); Diogo, Marquinhos Gabriel (Mazinho, aos 27’/2°T) e Henrique. Técnico: Alberto Valentim

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×0 Sampaio Corrêa – CopaBR14

Teria sido excelente se o placar fosse construído no primeiro tempo, e no segundo, víssemos apenas o futebol da etapa inicial. Ninguém ia passar nervoso, e aquela sensação maldita de deja vu não ia assombrar o Pacaembu durante os primeiros 65 minutos de jogo.

Mas, com o Palmeiras tudo é mesmo diferentes, o frio na espinha sempre anda junto com a gente, em tão maior proporção quão mais fraco o adversário da vez. Coisas de Palmeiras…

Eu ia elogiar a boa partida do camisa 8, mas depois que vi a comemoração do gol, mandando o torcedor calar a boca, que vá pro inferno! Entendam de uma vez por todas, jogador, se quiser vestir a camisa do Palmeiras, tem que saber lidar com pressão, e uma pressão sem precedentes, aqui não tem lugar pra jogador bunda mole e sem personalidade.

Onde eu vi o jogo, no amarelo, onde estava 65% da torcida do Palmeiras, ninguém o vaiou, ninguém o xingou (aliás, nem ele nem o time), e é inadmissível que depois de um vexame da estirpe de perder prum Sampaio Correa de virada e ainda passar 2/3 do jogo da volta sem reverter o resultado, o cara queira achar que a torcida vai ficar sossegada vendo a vaca ir pro brejo… Mesmo assim, o apoio não cessou nem antes e nem depois dos gols.

Parabéns ao Lucio que chegou junto desse comédia e abafou a comemoração ridícula e injusta com os 8 mil abnegados que aceitaram pagar uma fábula pra apoiar esse restolho de time de futebol que tanto maltrata o manto mais sagrado da história do futebol.

Recado dado, se orienta paraguaio vacilão!

Elogio hoje, então, só pro Diogo e pro Marquinhos Gabriel, que, aliás, tem que assumir a posição do 38 faz tempo. Que fase do Leandro que não acaba mais… Só joga bola na Série B? Assim até eu…

Alguém podia explicar – ou até uma nota oficial, ferramenta essa tão usada pela assessoria – o porquê da liberação do Valdívia antes do recesso da Copa. A pergunta é QUE VANTAGEM TEVE O PALMEIRAS NESSA HISTÓRIA? Se ninguém explica, vão pensar por aí que colocaram em risco a sequência da Copa do Brasil só pra ficar bem na fita com os chilenos, seja lá pra que isso sirva…

Afinal, depois de 4 anos no Palmeiras, metade dos quais nosso camisa 10 se dedicou a frequentar o spa do Departamento Médico, não seria coerente fazer concessões a um jogador de tão baixo rendimento justamente quando ele está começando a render um pouco.

Ao que parece, o projeto xauuuu Valdivia foi startado: liberaram antes pra ele jogar bem a Copa e em boas condições físicas e venderem o jogador, a terceira vértebra daquela tal de espinha dorsal Prass – Henrique – Wesley – Valdivia – Kardec. Aposto que se ele não sentir a coxa durante a Copa, não joga mais pelo Palmeiras.

Mudando de assunto, faço aqui um apelo. Não vou falar de time, patrocínio ou treinador, porque já cansou. Mas, PELAMORDEDEUS, ABAIXEM O PREÇO DO INGRESSO! É lastimável ver no máximo 8 mil pessoas a cada jogo do Palmeiras. 

Em 4 rodadas no Brasileiro, o Palmeiras é o 8º melhor público entre os visitantes (quando não é ele quem define o preço do ingresso), número este que cai pra 13º quando o Verdão joga em casa, e 15º em número total de espectadores. 15 de 20… Tão divicil de entender onde estão os 60 erros?

Caro Presidente, faça um teste, dê ouvidos ao torcedor, RETRIBUA! Fixe o ingresso a R$ 10,00 (pelo menos no tobogã – bancada R$ 20,00) e depois conte as moedinhas e veja a diferença. PRA ONTEM!

Só voltaremos ao Pacaembu ao final da Copa do Mundo. Antes disso, pelo BR, visitaremos Salvador, Araraquara, Chapecó, Prudente e Porto Alegre. De 10 pontos em diante, estaremos no lucro. Até a volta oa Municipal, MUITA coisa tem que ter mudado. E só para melhor. Veremos.

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 0 SAMPAIO CORRÊA

Local: estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 14 de maio de 2014, quarta-feira, 22h
Árbitro: Marcos André Gomes da Penha (ES)
Assistentes: Fabiano da Silva Ramires e Vanderson Antonio Zanotti (ambos do ES)
Público e Renda: 7.958 pagantes/ R$ 240.560,00
Cartões Amarelos: Leandro; Wendel; Diogo (PAL); Válber; Edimar (SCO)

GOLS:: Mendieta, aos 19’/2°T (1-0); Henrique, aos 45’/2°T (2-0); e Felipe Menezes, aos 47’/2°T (3-0);

PALMEIRAS: Fábio; Wendel, Lúcio, Marcelo Oliveira e William Matheus (Wellington, 35’/2°T); Renato, Wesley e Mendieta (Felipe Menezes, aos 44’/2°T); Leandro ( Marquinhos Gabriel, 14’/2°T), Henrique e Diogo. Técnico: Alberto Valentim (interino).

SAMPAIO CORRÊA: Rodrigo Ramos; Paulo Ricardo (Anderson Pimenta, aos 26’/2°T), Edimar, Paulo Sérgio e Willian Simões; Jonas, Uillian Correia, Arlindo Maracanã e Valber ( Eloir, 17’/2°T); Waldir (Edgar, aos 24’/2°T) e Willian Paulista. Técnico: Flávio Araújo.

AS FOTOS DA GALERA, por BOB LIRA: (clique aqui

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Goiás – BR14

Com um time bem escalado – na medida das limitações do atual elenco – não é que as vitórias aparecem? Era essa percepção que faltava ao Gilson Kleina, que tantas e tantas vezes errou ao escalar, mexer e até na hora de montar o banco de reservas.

Embora tenha optado por manter Marcelo Oliveira na zaga, o que é um erro, o interino Valentim abandonou o time infestado de volantes do Kleina e mandou pra campo 3 atacantes, com Henrique centralizado, Diogo na direita e Leandro na esquerda, num 4-2-3-1 – ou 4-3-3, se preferirem – que fez com que o Palmeiras marcasse o Goias no campo de defesa do adversário.

O resultado foi o domínio pleno do jogo, um 2×0 construído ainda no primeiro tempo que não foi ameaçado nenhum momento. Lucio, impedido, fez o primeiro em arremate numa cobrança de falta de William Matheus, e Henrique – 3 gola em 3 jogos – fez de cabeça após cobrança de lateral também do William Matheus. 2 assistências num só jogo podiam nos livrar algumas rodadas do Juninho, embora eles sejam tão parecidos que é difícil ver diferença.

Partida excelente do Valdívia, até tomar, de forma burra e irresponsável, e aos 42 do segundo tempo, o terceiro cartão amarelo, 3 em 3 jogos, e conseguir um descanso no final de semana contra o Vitória. Não dá pra entender o que passa na cabeça dele. Pede o cartão o jogo inteiro, enche o saco do juiz sem pear, totalmente desnecessário. Por isso que não dá pra confiar no cara. Puta jogo dificil na Bahia e o cara não vai jogar… é foda!

Seguimos aguardando o novo treinador e, é claro, a meia dúzia de reforços que esse time precisa pra ficar razoável. Enquanto isso não acontece, só podemos dizer que faltam 40 pontos…

Menos de 8 mil pagantes. Uma vergonha. Nem falo mais nada. Por hoje…

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras demite técnico Gilson Kleina

Realmente, não tinha mais jeito do Kleina continuar.

A gota d’água foi até menos a derrota vexatória pro Sampaio ontem a terceira seguida, a segunda consecutiva de virada, mas sim a forma excessivamente cautelosa como o treinador mandou o time pra campo, infestado de volantes. Um time da grandeza do Palmeiras não pode NUNCA, entrar com 05 volantes em campo contra um time do porte do Sampaio Corrêa.

Ficou claro que o excesso de defensividade na armação do time pelo Kleina era muito mais pra evitar o pior – a sua demissão – do que pra impedir o revés contra o Sampaio, que pra quem viu o jogo mereceu mesmo ganhar e, não foi de muito graças à boa atuação do goleiro Fábio. E todo palmeirense tá cansado de saber que quando o Palmeiras joga pra não perder, perde.

A grande verdade, como eu disse no post de ontem, é que o Kleina, por mais fraco que seja, nunca teve condições de trabalho à altura do cargo de treinador da Sociedade Esportiva Palmeiras. Entrou com o time com um pé na Série B e viu, seguidas vezes, seus titulares e os melhores jogadores do elenco deixarem o time por uma única razão: falta de dinheiro. Viu o Palmeiras em véspera de Centenário, abrir mão da Libertadores e Copa do Brasil pra montar um time recheado do restolho dos rivais, priorizando, acreditem, a Série B.

Convenhamos, Gilson Kleina nunca foi treinador da S. E. Palmeiras, do alviverde imponente que todos nós conhecemos, mas sim de um rascunho adoentado e diminuto do maior gigante do futebol nacional.  

E o pior é que a falta de dinheiro, tenham certeza, não vai se resolver com a simples troca do treinador. Se o Palmeiras não fechar um patrocínio com urgência e montar um time no mínimo razoável, ainda tão cedo quanto na 3ª Rodada do Brasileirão, podemos esperar o pior, mais uma vez, com o requinte de crueldade de podermos terminar como o pior ano do Centenário entre todos os grandes clubes do Brasil.

Não é hora de especulações sobre quem assume a bucha, mesmo porque, mantidas essas condições, nem o Guardiola ou o Mourinho resolvem. Vamos aguardar a coletiva das 17:00hs. Mas como eu disse, muito mais importante do que contratar um novo treinador, é obter receitas imediatas para os cofres palestrinos e montar um elenco no mínimo razoável com urgência.

No fim das contas, há pouco mais de 30 dias do início da Copa do Mundo, o palmeirense deve olhar para os Céus e agradecer pela paralisação de mais de um mês, será a última chance de por ordem na casa daqui pro fim do ano, colher de chá esta que não tivemos em 2012. Chance, aliás e por outro lado, que não será só do Palmeiras, mas de todos os concorrentes para a zona da desgraça.

SAN GENNARO, OLHAI POR NÓS!

REAGE PALESTRA!

Sampaio Corrêa 2×1 Palmeiras – Copa BR14

Que mais essa derrota vergonhosa tenha servido para que nesta quinta-feira tenhamos notícia da demissão de Gilson Kleina.

Todos nós sabemos que isso não irá mudar em nada a situação do Palmeiras, dado o material humano medíocre que o time tem à disposição.

Mas vamos aos fatos, e vejam se o cara não está com a faca da degola no pescoço…

No jogo desta quarta ele mandou pra campo nada menos que CINCO volantes – seis se, como eu, considerarmos que o Mendieta é muito mais volante do que meia: 1 na lateral direita, outro na zaga, e 03 (ou 4) no meio de campo. O resultado que se viu foi um Palmeiras sem nenhuma criação, com os zagueiros bicando tudo pra frente e os atacantes sem receber uma bola decente pra mandar a gol.

Postura covarde de quem já está com o cu na mão de perder o emprego, especialmente se levarmos em conta que o adversário de hoje é o nono colocado da Série B.

Daí, pro segundo tempo, sai um volante, entra um atacante e o meio de campo continua entregue ao Deus dará… Vejam o segundo gol do Sampaio Corrêa o buraco no meio de campo do Palmeiras… Não é possível que ninguém vê isso? E o Marquinhos Gabriel, não joga nunca?

Nessas condições, não há como admitir a permanência do treinador. O único ponto que ele tinha a seu favor no início do ano, de que os jogadores o apoiavam, já foi pro saco, os lixos, digo, os atletas já não correm mais por Gilson Kleina e ele já não pensa mais sem a isenção do medo de perder o emprego. Três derrotas seguidas não deixam quaisquer dúvidas…

Ele já caiu, já perdeu o comando do time, só falta a diretoria oficializar. E aí que bate a maior vergonha, porque parece que não demitem porque não têm dinheiro pra pagar a multa rescisória. A que ponto chegamos…

Mas, a essa altura, simplesmente demitir o treinador não vai mudar muita coisa em termos de agonia pro torcedor palmeirense. Um time que não tem patrocínio há mais de ano, que não tem nenhum lateral direito, não tem um zagueiro, não tem um primeiro volante, e não tem um centroavante titular, vai chegar aonde? Olhem o time que foi a campo, olhem o time que terminou jogando, e digam, honestamente, o que podemos esperar, senão sofrer o ano inteiro pra não terminarmos o Centenário rebaixados pela terceira vez, a segunda em três temporadas? Nem Rinus Michels salvaria…

Se o Palmeiras não investir em capacitar urgentemente a equipe, teremos desgraça à vista, pouco importando o treinador que esteja no comando. Gilson Kleina aceitou, aliás, trabalhar em condições inaceitáveis de trabalho (talvez até pra não deixar passar a oportunidade que dificilmente terá novamente na carreira), com um elenco fraquíssimo, e perdendo os poucos valores que o time ainda tinha por inabilidade total da diretoria, circunstâncias como estas que, por muito menos, já fizeram o Profexô pular do barco no início de 2002…

A verdade é que se o Kleina sair, é porque não conseguiu ser o mágico que todos gostariam, de transformar tanto cara grosso num time de futebol competitivo, isso sem isentá-lo, é claro, das próprias limitações pessoais, que certamente passariam desapercebidas tivesse o Palmeiras uma equipe de futebol decente e à altura da camisa.

E quando eu digo capacitar o elenco, obviamente não é trazer jogadores bichados, encostados em outros times ou afastados por indisciplina e falta de compromisso. Sim, estou falando do Bernardo antes mesmo dele chegar, como deveria ter feito com a vinda do França, mas este ninguém conhecia, embora pudéssemos desconfiar que não era lá grande coisa… Que queime minha língua, mas a tendência é que será mais um pra queimar a paciência do torcedor…

E não há nada mais a ser dito sobre o jogo, sobre a derrota, sobre os “jogadores”, senão que, como bem definiu o Barneschi, o Palmeiras está à deriva

Nos vemos sábado, e agora também na terça, lá no Municipal. Haja o que “hajar”… 

AGONIZA PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: