Arquivo mensal: agosto 2013

Caixa de Pandora

Zeus foi o criador da primeira mulher do universo, Pandora. Deu-lhe um grande jarro (a “caixa”) que continha todos os males do mundo. Pandora, curiosa, abriu a caixa e todo o seu conteúdo foi liberado para o mundo, exceto um item, a esperança. Caixa de Pandora virou sinônimo de criação de um mal que não pode ser desfeito.

No Palmeiras, a caixa de Pandora foi a venda do atacantes Barcos. Com uma grande diferença da caixa original, aqui a primeira coisa a ir embora foi a esperança que o palmeirense tinha na gestão Paulo Nobre / Brunoro.

E cada vez que dão uma sacudida nessa caixa, mais uma desgraça aparece.

Recapitulando:

Primeiro eram cinco jogadores em definitivo, entre eles Marcelo Moreno e Marco Antonio;

Aí o Marcelo Moreno não veio;

Aí o Marco Antonio nunca foi oferecido;

Aí eram 4 jogadores definidos (Vilson, Leo Gago, Rondinelly e Leandro) e um quinto a ser definido;

Aí só o Vilson era em definitivo; e os outros 3 viriam por empréstimo até o fim do ano;

Aí o valor fixado para contratar o Leandro em definitivo era de 5 Milhões de Euros;

Aí se o Palmeiras prorrogasse o empréstimo do Leandro, perderia o direito de preferência na compra dele (ou de receber algum valor caso ele fosse vendido – nem lembro mais);

Aí nunca teve quinto jogador, nem direito a qualquer compensação financeira;

Aí o Rondinelly NUNCA jogou;

Aí o Leo Gago se arrebentou;

Aí o Leandro pintou o cabelo feito uma calopsita e nunca mais fez gol;

Aí só sobrou o Vilson jogando bem;

Aí o Vilson veio em definitivo mas só até o fim do ano;

Aí tinha uma cláusula no contrato do Vilson que o liberava pro exterior por R$ 700.000,00, valor esse que provavelmente não cobre o que o Palmeiras gastou de salário com ele desde que chegou;

Aí o Palmeiras sobrou com 3 jogadores por empréstimo até o fim do ano, sendo que um não joga, o outro no DM e o outro em péssima fase.

Aí xxxxxxxxxxxxxxxxxx LOADING xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Fico imaginando no Sul os caras se mijando de tanto rir às nossas custas. E o pior é que só eles sabem as cenas dos próximos capítulos.

Qual será a próxima desgraça que vai surgir do CASE Barcos?

Façam suas apostas…

Amanhã o CEO dará uma coletiva pra explicar a saída do Vilson. Só pra constar e tentar ajudar nosso grande administrador, listo abaixo as desculpas que já estão gastas de tanto usadas desde janeiro:

– assumimos o clube há 15 dias;

– não temos dinheiro;

– assumimos o clube há 30 dias;

– ele ia entrar na Justiça;

– precisamos compor o elenco;

– não temos dinheiro;

– ele não queria jogar a Série B;

– ele brincava demais no treino;

– não temos dinheiro;

– assumimos o clube há 60 dias;

– ele vai poder ganhar ritmo jogando na Série B do Japão;

– este vai ser o ano do Valdivia;

– não vamos fazer loucuras pro centenário;

– precisamos reduzir o elenco;

– este vai ser o semestre do Valdivia;

– mais importante que comemorar títulos e a alegria der ser palmeirense;

– apesar da saída do zagueiro, o Palmeiras ainda conta com SETE opções para a posição;

– xxxxxxxxxxxxxxxxxx LOADING xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

AVANTI PALESTRA!

Atlético/PR 3×0 Palmeiras/Bamerindus – BRB13

Há algumas semanas, um dia antes do sorteio pras oitavas da Copa do Brasil, pedi no twitter “Que os Deuses do futebol coloquem o Atlético no nosso caminho”. 

Coitado de mim. Apostei “só” na camisa. Foi assim nos últimos trocentos outros jogos que o Palmeiras entrou no mata-mata contra o adversário de hoje. Acontece que hoje a história é outra.

Não importam os títulos, importa ser palmeirense, disse nosso ilustre presidente na segunda-feira. Discurso de marqueteiro e copiado dos gambás, que não vale um grão de arroz. A derrota lastimável de hoje remete a perdas tão vexatórias quanto a Inter de Limeira de 1986 ou o Novo Horizontino de 89 ou 90 ou sei-la-de-que-porra-de-ano-que-foi.

Discurso lastimável este que foi absorvido como um mantra pelo incapaz treinador. Um senhor que não tem um ar de versatilidade, não sabe armar um time senão no jeito-ponte-preta-3-volantes-de-ser, que admite um derrotado chamado Marcio Araujo, o ultimo remanescente do fiasco da Sulamericana de 2010, como titular indiscutível do time.

Já vinham 4 ou 5 jogos que o Palmeiras jogando nesse esquema de CUZÃO saiu atrás e teve que se virar pra reverter. No sábado já tinha sido ridícula a derrota pra o Boa, (quem?), hoje então o vexame foi ainda maior.

Imaginem a mentalidade dos dois treinadores: De um lado, Vagner Mancini, ganhando de 1 x 0 , pensou em mandar a campo o atacante Marcelo, no sacrifício, pra buscar a vantagem necessária. Do outro, um bunda mole de marca maior esperando o adversário marcar 2 gols pra aí sim pensar no que fazer pra correr atrás do prejuízo. Contar com sacrificio do camisa 10? HA HA HA Apostou nos penaltis e se FODEU. Triste, mas, honestamente, bem feito.

Que mandem o Kleina embora amanhã. Que ele enfie esse esquema de merda a três palmos pra dentro da bunda lá em Campinas. E que o Palmeiras comece em 2014, o ano do seu centenário, com um treinador cuja melhor qualidade não seja encher as fraldas.

POR ÚLTIMO, QUERIA DIZER QUE UM TIME QUE JOGA PELO EMPATE E TOMA UM GOL DE LATERAL, MERECE UMA CHACINA.  Do 1 ao 99. TODOS!

Especialmente o vagabundo que veste a 10. Este que alguns insitem em idolatrar, sem qualquer motivo, quero ver o que têm pra falar hoje? Cade o MAGO quando se precisa dele? Contra o coitadinho último colocado da Série B, até eu posso jogar, quero ver aparecer na hora da decisão… Sério, por favor, calem-se, vocês que idolatram jogadores são a vergonha da torcida do Palmeiras.

Enfim, foda-se. Pra  vocês que ignoram a eliminação e estão felizes porque as contas estão no azul, desejo que vocês assumam logo que são gambás e vão todos à merda. Comemorem aí a quantidade de sócios torcedores e continuem regurgitando a cartilha do “bela merda e barato”.

Subir? Já subimos. Mas é muito pouco disputar uma Série A e mais BOSTA NENHUMA no ano do centenário, é vergonhoso, é a cara de derrota dos acomodados/conformados.

AVANTI PALESTRA!

#Palmeiras99Anos em Imagens

Ontem, em prol dos 99 anos do Palestra, a Mancha Verde fez uma festa jamais antes vista.

Foram espalhadas 33 faixas em alusão ao aniversário do Verdão, e no fim de tarde até o fim da noite a Caraibas x Turiassu, o solo sagrado do palmeirense, foi tomado por palestrinos de todas as idades, quando foi inaugurado na sede da torcida o cronometro em contagem regressiva para o centenário, numa festa com direito a bateria, churrasco e cerveja até zerar o estoque do Alvi-Verde.

Tomo a liberdade de publicar a seguir as fotos da @TorcidaMV1983,  do @ThiDurante, e umas minhas também, que registraram esse dia tão especial de comemorações palestrinas.

Mais uma vez, parabéns Verdão querido!

 

AVANTI PALESTRA!

#Palmeiras99Anos de Orgulho

Hoje completa 99 anos o Palmeiras, 28 dos quais vividos como Palestra Itália, e outros 71 como Sociedade Esportiva Palmeiras, 35 desses com a minha presença e paixão incondicionais.

Pensar numa palavra sobre a qual escrever nessa data tão especial é tarefa árdua. Mas não impossível,

Na cabeça vem apenas: ORGULHO.

1 – Orgulho de nunca ter sido o time da moda, ou o queridinho da imprensa e arbitragem;

2 – Orgulho de ser o Campeão do Século XX, título que defenderemos pelo menos até 31.12.2099;

3 – Orgulho de ser o primeiro Octocampeão Brasileiro;

4 – Orgulho de ser o maior Campeão Nacional;

5 – Orgulho de 12 de junho de 1993;

6 – Orgulho de 16 de junho de 1999;

7 – Orgulho de São Marcos de Palestra Itália;

8 – Orgulho do velho Palestra, o Jardim Suspenso;

9 – Orgulho de ser parte da torcida mais apaixonada e exigente, de seguir o Verdão em toda parte, em qualquer divisão;

10 – Orgulho do Bonde e do alambrado;

11 – Orgulho de ser neto e pai de palmeirense.

12 – .

 Parabéns Verdão querido! Eu te venero!

AVANTI PALESTRA #99ANOS

Boa 1 x 0 Palmeiras – BRB13

Vejo duas opções: Ou Kleina é tão arrogante a ponto de querer ganhar todos os jogos de virada, jogando só no segundo tempo, ou então é muito burro e bunda-mole. Depois do resultado de hoje, que já tinha ameaçado ocorrer nos jogos contra o Figueirense, São Caetano, Paraná e Paysandu, a resposta é evidente.

A cena se repete a cada jogo: o Palmeiras entra com 3 volantes, toma um gol numa bobeira, vê o adversário se recuar mais ainda do que já recuaria, e passa o primeiro tempo inteiro tentando furar um bloqueio de 10 caras atrás do meio de campo com 3 volantes, jogadores que, via de regra, não têm habilidade suficiente pra driblar os marcadores.

Na semana passada, no Pacaembu, após o Palmeiras estar perdendo de 2×0 do Paysandu e ter conseguido a virada, o asno, digo, Kleina disse na entrevista que iria repensar o esquema com 3 volantes, dada a baixa produtividade que o time apresentava com essa formação.

Ao que parece, o burraldo não pensou direito. Porque, ok, ele pode até ter pensado que estava jogando com um time que não estava mal no campeonato, e que o fato de poupar jogadores pro jogo da Copa do BR talvez justificasse um esquema mais cauteloso, por falta de entrosamento.

Só que o Palmeiras tomou o gol aos 3 minutos, e depois passou o restante do primeiro tempo inteiro trocando bola no campo de defesa entre Charles, Eguren, o Massa e os zagueiros. O Palmeiras nem chutou no gol. Era pra ter mexido no time logo aos 15, assumido a burrice e tentado vencer o jogo.

Mas não, achou que ia ficar feio começar o bumba meu boi antes do intervalo e deixou o time ser melancólico até o fim do primeiro tempo. Aí já era tarde. De nada adiantou o Mendieta / Ronny / Serginho no Eguren / Charles / Ananias. O Palmeiras melhorou, óbvio, conseguiu até chegar, chutar no gol e tal, mas a essa altura o propósito do Boa era só se defender.

O que o Kleina tem que entender é que ele não está mais em Campinas. Eu até aceitaria, se fosse torcedor da minúscula Ponte Preta, que ele armasse o time mais fechado, com 3 volantes pra desramar as ofensivas do time contrário e jogar no contra-ataque. Mas aqui é Palmeiras, aqui não se entra em campo pra se defender.

Por isso, a derrota que não atrapalhou em nada a situação do Palmeiras no campeonato, vai na conta do burrão que, aliás, se quiser treinar o time no Centenário, é melhor acordar dessa bundamolice sem fim.

24/11/2010, Copa Sulamericana. Deola, Marcio Araujo, M Ramos, Danilo e Gabriel Silva, Edinho, Assunção, Tinga e Lincoln, Luan e Kleber, mais os reservas Ewerthon e Dinei, comandados por Felipão, anotaram um dos maiores vexames que o Palmeiras já sofreu em casa: a eliminação pro rebaixado Goiás na semifinal do torneio sulamericano.

Todos esses desgraçados sumiram do Palmeiras, à exceção de um único salafrário, justamente o que deveria ter sido demitido sumariamente depois de ter levado um chapéu da própria bola e entregado o gol que fodeu com o Palmeiras naquela noite.

Mas não, as coisas são tão do avesso no Palmeiras que essa carranca maldita chamada Marcio Araujo se aproxima do 4.o ano consecutivo como titular absoluto do time. O que fizemos pra merecer tanto castigo ainda remanesce um mistério… O pior é ter que ver o cara dar entrevista e culpar Deus por ele ter se tornado jogador de futebol, quando esse futebol ordinário que ele joga é claramente obra do chifrudo.

E no fim do jogo, mais uma entrevista do Nemo, com cara de choro, explicando mais uma derrota. Com esse, quantos são os gols de cabeça da pequena área que ele tomou? 20, 21? Já perdi a conta… Aliás, o Nemo não tava no banco naquele 24/11/2000? Pois é…

Sem video, sem ficha técnica. Porque não tô a fim.

E que San Gennaro nos proteja no Paraná na próxima quarta.

AVANTI PALESTRA!

 

Palmeiras 1×0 Atlético/PR – Copa do Brasil 2013

A defesa do título da Copa do Brasil começou com uma vitória magra que, se podia ter sido melhor, pra liquidar a fatura, por outro lado não teve gol do adversário, o que conta – e muito – nesse torneio.

Kleina ameaçou jogar com 3 atacantes, com Ananias no lugar do Charles, mas a contusão de Leandro fez o treinador manter o esquema com 3 volantes e Ananias a frente ao lado do Kardec, no 4-3-1-2 de sempre.

E o Palmeiras teve toda a oportunidade do mundo de liquidar a fatura já no jogo de ida. Abriu o placar bem no comecinho do jogo, era só administrar a posse de bola e encaixar um contra-ataque pra fazer o segundo e ir por Paraná mais tranquilo. Mas quem teve chance mesmo foi o adversário, com pelo menos 7 boas oportunidades de empatar. O Palmeiras teve mais 3 chances de gol, duas com Mendieta e uma com o Kardec, mas que também foram perdidas.

Preocupou o volume do jogo do adversário, e a falta de capacidade do time em prender a bola no ataque e evitar as investidas do Atlético que, porém, não reverteram em gol.

Melhor pro Palmeiras. Diante de todas as circunstâncias, 1×0 foi goleada.

Menção honrosa ao Prass. Pegou tudo que foi no gol hoje. Goleiro bom faz a diferença.

E as fazetes do chileno, gostaram do partidão que ele fez ? Não, pera…

William Mendieta jogou muito. De novo. MERECE a 10, que está vaga. Não, pera…

Marcio Araujo e sua incrivel habilidade de deixar o jogador adversário sempre na cara do gol. Até quando?

E o Vilsão salvador, pra alegria do público feminino do alambrado (e de um certo senhor mooquense).

Última coisa: ingresso mínimo a R$ 50,00, 20 mil pessoas no estádio hoje. No jogo contra o Paraná, ingresso a R$ 40, foram 32 mil. Porque será?

Agora, é só marcar um gol no jogo da volta e o caixão do Atlético estará lacrado.

Enquanto isso, no Mato Grosso, teve time queridinho da imprensa levando sapecada do LuVERDEnse. E teve beijoqueiro expulso, aquele mesmo, o exemplo de profissionalismo, que acha feio cavar cartão, mas cavar falta pode, soquenão. Foi pro vestiário beijar o outro gambá que tinha sido expulso. Que dó da formigaynha…

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 21/08/2013, às 19h30
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Guilherme Dias camilo (MG) e Cleriston Clay (SE)

Renda/público: R$ 801.315,00 / 20.856 pagantes
Cartões amarelos: Mendieta, Eguren e Alan Kardec (PAL); Zezinho, Jonas e Everton (ATP)
Cartões vermelhos: Não houve

GOL: Vilson, 3’/1ºT (0-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho (Ronny, 38’/2ºT); Márcio Araújo, Charles (Eguren, 31’/2º), Wesley e Mendieta; Ananias (Serginho, 47’/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo (Jonas, 31’/1ºT), Manoel, Luiz Alberto e Pedro Botelho; João Paulo, Zezinho, Everton e Elias (Ederson, intervalo); Marcelo e Dellatorre (Felipe, 33’/2ºT). Técnico: Vagner Mancini.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×2 Paysandu – BRB13

Agora já são 14 pontos de vantagem para o 5.o colocado. O que – se assim persistir – sacramentará a volta do Palmeiras já no dia 02/11.  Que esse número de pontos continue aumentando, e a data diminuindo. Não é mais do que obrigação.

Apesar da vitória, da virada na raça, Kleina precisa repensar algumas coisas. A primeira delas se chama Marcio Araujo. Falhou bisonhamente nos dois gols sofridos hoje, por não acompanhar o jogador adversário, deixando-os na cara do gol. Isso porque estamos falando do 17.o (agora 18.o) colocado da segunda divisão.

E isso tem se repetido jogo atrás de jogo. Figueirense, São Caetano, Paraná, Paysandu, todos esses jogos o Palmeiras saiu atrás do placar e foi buscar a vitória. Se por um lado isso mostra que o time tem um imenso poder de reação (meio no bumba-meu-boi, mas tem), por outro, fica evidente que começa os jogos jogando mal, tomando gols bobos e vendo os times se trancar com 11 jogadores atrás da linha da bola.

Pra mim, muito por conta do treinador insistir em jogar com 3 volantes, sem se dar ao trabalho de analisar quem o Palmeiras está enfrentando. Hoje, por exemplo, jogando contra um time da rabeira da tabela, era pra ter posto o time pra cima logo de cara. Esperou estar perdendo de 1 pra tirar um volante (Charles) e colocar um meia (F. Menezes), e de 2 pra FINALMENTE sacar o Marcio Araujo do time e colocar o Ronny.

Muito mais coerente seria uma formação no meio com Eguren, Wesley, Mendieta e Ananias (Ronny ou Felipe Menezes). São várias as opções. O que não era opção foi o que foi a campo, 3 volantes pra enfrentar cachorro morto não dá. Alguém precisa explicar pro Kleina que ter padrão de jogo não significa repetir sempre a mesma escalação, mas também pensar o time a partir do adversário: se for fraco, TEM QUE por o time pra cima, aqui é Palmeiras, porra…

Apesar da vitória “heróica” (porque não tem nada de heróico vencer jogo na Série B), um placar como o de hoje na próxima quarta-feira seria a ruína pra defesa do título da Copa BR.

Por isso, sinal amarelo pra escalação do jogo contra o Atlético.

Jogou demais o Mendieta. De novo.

Pra finalizar, chupa Marcelo gambá. Perdeu na bola e no braço. Aqui é Palmeiras!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 2 PAYSANDU

Local: Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 17/08/2013, às 16h20
Árbitro: Gilberto Rodrigues Castro Junior (PE)
Assistentes: Luiz Antonio Muniz de Oliveira (RJ) e Edina Alves Batista (PR)

Renda/público:R$ 565.115,00/16.936 pagantes
Cartões amarelos:
 Leandro (PAL); Pablo, Djalma, Marcelo e Wanderson (PAY)
Cartões vermelhos:
 Wesley, 33’/2ºT (PAL); Fábio Sanches, 33’/2ºT (PAY)

GOLS: Pablo, 14’/1ºT (0-1); Yago Pikachu, 20’/2ºT (0-2); Alan Kardec, 28’/2ºT (1-2); Mendieta, 38’/2ºT (2-2); Leandro, 49’/2ºT (3-2)

PALMEIRAS:  Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson (Tiago Alves – 4’/2ºT), Henrique e Juninho; Márcio Araújo (Ronny – 22’/2ºT), Charles (Felipe Menezes – intervalo), Wesley e Mendieta; Leandro e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina. 

PAYSANDU: Marcelo; Yago Pikachu, Diego Bispo, Fábio Sanches e Pablo; Vanderson (Esdras – 44’/2ºT), Ricardo Capanema, Djalma e Eduardo Ramos; Iarley (Raul – 36’/2ºT) e Marcelo Nicácio (Tallys – intervalo). Técnico: Arturzinho.

AVANTI PALESTRA!                         

Joinville 0 x 1 Palmeiras – BRB13

Se eu fosse o Kleina chamava o CEO no fim do jogo e perguntava: -sabe porque conseguimos vencer o Joinville? Porque o Palmeiras ainda tem elenco.

Vinícius e Leo Gago no DM, Alan Kardec e Valdivia suspensos e Eguren servindo sua seleção já desfalcavam o time. Foram pra campo Mendieta e Ananias. Aí machucou o Mendieta, entrou o Felipe Menezes, sem ritmo mas com qualidade suficiente pro time não perder o ritmo. Aí machucou o Leandro, e a entrada de Caio em campo já mudou um pouco as coisas.

Os contra-ataques que eram puxados por Mendieta, Wesley, Ananias, Leandro já não aconteciam mais e o Joinville, se não fosse tão, er bom, o Joinville, poderia ter oferecido algum perigo.

Agora pega e tira o Wesley do time e estaríamos fodidos. Toda equipe tem uma espinha dorsal. São 3 ou 4 jogadores que não podem faltar em campo nunca. Se um deles sai, o time ainda consegue manter a característica, mas se 2 ou mais não jogam, o time perde o DNA.

Em 2009, o Palmeiras caminhava a passos largos pro nono título brasileiro, quando, num espaço de semanas, perdeu por contusões Cleiton Xavier, Pierre e Maurício Ramos, os 3 jogadores que davam estrutura pro time. Pode até ser que se outros eventos não tivessem ocorrido naquele ano, o Palmeiras teria sido campeão, mas a diferença do comportamento do time com e sem os 3 citados era absurda.

No Palmeiras de hoje, podemos dizer com segurança que os 3 principais jogadores do time, as peças-chave, são o Prass (era pra ser o Henrique, mas não vem bem na minha opinião), o Valpinga e o Wesley. Se um deles não jogar, ok. 2 ou os 3 fora, ai a coisa complica.

Pra jogar a série B não precisa do Wesley, dirão os que defendem (mas não refletem sobre) tudo que a administração do clube faz.

Verdade. Mas e a Copa do Brasil? Não vamos defender o título? Não vamos tentar disputar a Libertadores no ano do centenário?

Respondam ai.

Sobre o jogo, à dificuldade já natural somou-se um campo ruim e molhado, mas tudo isso cessou com o gol de Mendieta, logo aos 5. Depois disso, o Joinville atacava e o Palmeiras teve várias chances de matar o jogo no contragolpe, mas foram todas desperdiçadas, as melhores delas nos pés de Leandro e Wesley.

Mesmo assim, o Joinville não ofertou muito perigo. Wesley chamou a responsabilidade pra si e fiz uma partida muito consciente, ora prendendo a bola, ora tocando rápido, cada qual no momento certo. Felipe Menezes, apesar da falta de ritmo, mostrou que pode ser opção também. O que não pode é a opção virar possibilidade única. Pelo menos ainda não.

Às vésperas da disputa da Copa do Brasil (começa no dia 21/08), temos 4 machucados, além da iminente saída de Wesley, ou seja, podemos entrar em campo sem o que temos de melhor. cabe ao DM trabalhar rápido e à Diretoria refletir bem se a saída de Wesley nesse momento é mesmo pro melhor interesse do Palmeiras. Afinal, só a bilheteria do último sábado paga, sozinha, 4 meses de salário do jogador…

Próxima vítima será o Payssandu, sábado, 16:20, no seu, no meu, no nosso… (sério, ninguém tira aquele narrador de lá?) Pacaembu.

12 pontos do 5º. Hoje faltam apenas 19 rodadas. 

Pra cima Palmeiras!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

JOINVILLE 0 X 1 PALMEIRAS

Local: Arena Joinville, Joinville (SC)
Data/Hora: 13/8/2013, às 21h50
Árbitro: Fabricio Neves Correa (RS)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Pablo Almeida da Costa (MG)
Público/Renda: Não disponível
Cartões amarelos: Lima (Joinville); Ananias (Palmeiras)
Cartões vermelhos: –

Gol: Mendieta, 5’/1ºT (0-1)

JOINVILLE: Ivan; Eduardo (Ricardinho – 11’/2ºT), Sandro, Rafael (Diego Jussani – 13’/2ºT) e Rafinha; Augusto Recife, Carlos Alberto, Wellington Bruno e Marcelo Costa (Ronaldo – 27’/2ºT); Lima e Edigar Junio Técnico: Ricardo Drubscky

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Charles, Wesley e Mendieta (Felipe Menezes – 39’/1ºT); Ananias (Marcelo Oliveira – 40’/2ºT) e Leandro (Caio – 23’/2ºT) Técnico: Gilson Kleina

AVANTI PALESTRA!

 

Palmeiras 2 x 1 Paraná – BRB13

11 pontos a frente do quinto colocado. Gol da vitória do camisa 11. O que está de saída, mais uma vez de forma esdrúxula. Esse, porém, é tema de outro post, que só está aguardando a confirmação da presepada pra ir ao ar.

O fato que importa é que o Palmeiras caminha a passos largos pra antecipar a volta pra Série A, nada mais que a obrigação, que fique claro. 

32 mil pessoas no Pacaembu ontem, o maior público de um time paulista em todas as séries do Campeonato Brasileiro. Coisa de quem é imenso. Parabéns pra torcida que finalmente resolveu abraçar o time. Como deveria ser, sempre.

Sobre o jogo, o Palmeiras enfrentou ontem um adversário direto, um time com jogadores experientes como Lucio Flavio e Reinaldo e, como sempre, um time que joga contra o Palmeiras inteiro na defesa, com a diferença que armava os contra-ataques , coisa que a maioria dos times da Série B não sabe fazer.

Com isso, e principalmente depois do gol contra do Charles – um acidente – o jogo ficou bem complicado. Assim como no último jogo contra o São Caetano, o Palmeiras fez um primeiro tempo fraco.

Dessa vez, ao invés de só conversar com o time no intervalo, Kleina sacou o Charles e colocou o Mendieta, mandou o time pra campo no 4-4-2 (que, depois, na coletiva, classificou como um esquema tático em “desuso” (?)), e logo se viu o resultado: marcação avançada, abafa, e a virada era uma questão de tempo.

Juninho, que vinha errando tudo até então, empatou o jogo, num rebote de chute de esquerda de Luis Felipe, depois de um ótimo passe do Valpinga (pronto, turminha do FC, falei bem dele…). Foi o que precisava pro estádio chapado ficar inflamado.

Leandro, que já tinha tido uma boa chance no primeiro tempo, muito bem defendida por Luis Carlos, parou de novo nas mãos do goleiro, numa finalização da linha da pequena área.

E o gol da vitória saiu em outro rebote, dessa vez feito por Wesley, depois de chute de Mendieta que, por sinal, fez uma das melhores partidas com a camisa do Palmeiras ontem, mesmo entrando apenas no segundo tempo. E foi um belo gol, antes de finalizar, o 11, com um corte, esticou zagueiro e goleiro no chão.

Não vou ser hipócrita. Cansei de pedir a saída do Wesley do Palmeiras. Dele, do Valdívia e do Maikon Leite. O último, graças a Deus, foi embora. Só que os outros dois começaram a jogar bola e passaram a ser titulares absolutos e peças-chave do esquema tático que, depois de 6 meses da saída de Barcos, finalmente foi acertado pelo treinador.

Então realmente a se concretizar a saída do Wesley, a diretoria confirma expressamente que sua principal preocupação não é defender o título da Copa do Brasil e tentar uma vaga pra Libertadores no ano do centenário. O importante é ficar no azul. Tá sertu…

E que se cuidem o Valpinga, o Henrique e o Prass, os outros 3 que ganham acima do teto salarial do Palmeiras. Não se surpreendam se amanhã forem cedidos a outros times por uma baciada de refugos, sempre na base do leve-meu-titular-em-troca-do-seu-terceiro-reserva. Mas como eu disse, isso é tema pra outro post.

Terça, 21:50, o time a ser batido é o Joinville, outro adversário direto, mais um jogo de 6 pontos. Dessa vez, não teremos Alan Kardec, Valpinga, suspensos, e possivelmente, o Wesley, a se confirmar a cagada, digo, o seu empréstimo pro Galo.

Por fim, André Rizek, tome fundo no centro do olho do seu cu, seu gambá sujo. Grato.

Pra cima, Palmeiras.

O BONDE (foto de Forza Palestrina):

1001566_221020654717176_1496747107_n 

 OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 PARANÁ

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 10 de agosto de 2013, às 16h20 (de Brasília)
Árbitro: Antonio de Carvalho Schneider (RJ)
Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Fernanda Colombo Uliana (SC)
Renda e público: R$ 1.015.880 / 29.012 pagantes
Cartões amarelos: Leandro, Alan Kardec, Valdivia, Eguren, Mendieta, Ananias (PAL); Paulinho, Reinaldo, Ricardo Conceição, Alex Alves (PAR)
Cartões vermelhos: –
Gols: Charles (contra), aos 17’/1ºT (0-1); Juninho, aos 14’/2ºT (1-1); Wesley, aos 26’/2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Charles (Mendieta – intervalo), Wesley e Valdivia (Eguren – 32’/2ºT); Leandro (Ananias – 39’/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

PARANÁ: Luis Carlos; Moacir, Anderson, Brinner (Alex Alves – 25’/2ºT) e Paulinho; Cambará, Rubinho, Ricardo Conceição e Lúcio Flávio (Fernando Gabriel – 32’/2ºT); Léo (Paulo Sérgio – 33’/2ºT) e Reinaldo. Técnico: Dado Cavalcanti.

AVANTI PALESTRA!

São Caetano 1×2 Palmeiras – BRB13

Mais 3 pontos, menos 1 rodada pra voltarmos à elite.

Pra quem acreditava que o camisa 10 – o Messias verde – é imprescindível para o time, estão aí os 3 pontos ganhos no maldito Anacleto Campanella pra mostrar o contrário.

Jogamos a Série B e, assim como em 2003, até mesmo um time mesclado com jogadores da base consegue subir. Este ano não é diferente. O Palmeiras joga muito bem quando o Valdivia joga, mas joga bem também quando ele não está. Foi assim nos primeiros 6 jogos da competição e – esperamos – seja assim quantos outros jogos ele fique de fora, como o de hoje (espero que o mínimo possível). O nível do torneio é baixíssimo. A Copa do Brasil é que será o divisor de águas.

E não se enganem, quero que ele arrebente tudo todo jogo. Só acho que ainda é pouco demais em retribuição a tudo que o Palmeiras investiu nele.

Parabéns ao treinador. A aposta num esquema com 3 atacantes precisou de apenas 15 minutos, depois dos ajustes no posicionamento feitos no intervalo, pra dar a vitória ao Palmeiras. E, mesmo com a ausência dos titulares diretos (Valpinga e Vinicius), soube manter a proposta tática acertada para o jogo diante de um adversário fraco. Depois, com o resultado favorável, recompôs o meio e só deu uma escorregada – na minha opinião – quando mandou o André Luis pra campo – o Azulão já tava no papo faz tempo, nem chutou no gol na etapa final…

Por falar em decadência, com a derrota de hoje, o São Caetano entrou no Z4. Mais do que merecido pros competentes dirigentes da equipe do ABC, que tentaram roubar o torcedor palmeirense – a R$ 80,00 o ingresso mais barato – e viram menos de 4.000 pessoas aceitarem a extorsão. Bem feito.

Quanto ao countdown, seguimos 9 pontos a frente do quinto colocado, podendo virar 7 pontos caso o America vença o Chapecoense no jogo que os dois têm a menos. O próximo jogo, contra o Paraná, é de 6 pontos. E logo mais, vem o Paranaense pela Copa do Brasil. O último “campeonato Paranaense” que o Verdão jogou, sabemos como acabou em 11/07/12…

Pra cima Palmeiras! 

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

SÃO CAETANO 1 X 2 PALMEIRAS

Local: Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP)
Data/Hora: 6/8/2013 – 19h30
Árbitro: Flavio Rodrigues Guerra (SP)
Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)

Renda/público: R$ 168.920/ 3960 pagantes
Cartões Amarelos: Pirão, (SCA); (PAL)
Cartões Vermelhos: –

GOLS: Geovane, 22’/1ºT (1-0)Alan Kardec, 10’/2ºT (1-1); Henrique, 14’/2ºT (1-2)

SÃO CAETANO:  Rafael Santos; Samuel Santos, Douglas Grolli, Fred e Diego; Morade (Éder – 32’/2ºT), Pirão (Jael – 41’/2ºT), Vagner Carioca, Danilo Bueno; Geovane (Siloé – 24’/2ºT) e Giancarlo. Técnico: Marcelo Veiga.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Wesley e Mendieta (Felipe Menezes – 36’/2ºT); Ananias (Marcelo Oliveira – 27’/2ºT) Alan Kardec e Leandro (45’/2ºT). Técnico: Gilson Kleina

 AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: