Arquivo mensal: abril 2013

Prantos 1 x 1 Palmeiras (4 x 2) – Paulistão 2013

Honestamente, estou resignado.

Quando o Palmeiras tem um time inferior, joga de igual pra igual fora de casa, joga melhor que o adversário, é assaltado em campo e, mesmo assim, não aceita a derrota, temos que ficar conformados.

Sim, eu queria que ganhasse, que tivesse eliminado as sardinhas na Vila, que tivessem aleijado o escroto do Neymar. Mas nada disso foi possível.

Não faltou fibra. Disso ninguém pode reclamar. Pode até ter faltado qualidade, mas foi compensada em raça e vontade de vencer, que o Palmeiras teve muito mais que os lambaris e inclusive mereceu mais, não fosse a semvergonhice do juiz Guilherme Cereta de Lima que, apesar de discreto,  tendencioso e caseiro, prejudicou demais o Palmeiras.

O curioso é que um dos VPs do Palmeiras tinha justamente a função de estreitar o relacionamento com a CBF e FPF, mas pelo jeito não teve êxito algum: entra presidente, sai presidente, o Palmeiras segue sendo o time mais vilipendiado pela arbitragens, sem que ninguém se indigne.

Saudades dos tempos como ao final de 1941, em que o Palestra, cada vez que se sentia prejudicado além dos limites razoáveis da roubalheira, se retirava das competições e deixava claro que um dos expoentes da competição não ia tolerar safadezas.

Hoje, só se pensa no risco de punição pelo STJD, deixou-se de lado a honra dos clubes e a higidez das competições. Só quem perde é o torcedor, aquele que enfrenta fila pra estar ao lado do seu time do coração.

Então, se é que precisa ter um culpado por essa eliminação, tem que ser a diretoria, vulgo gestão profissional, que admite uma arbitragem safada atrás da outra contra o Verdão no mais espantoso silêncio. Omissão também é incompetência.

Que venha o Tijuana.

AVANTI PALESTRA! 

Que la chupen, y que la sigan chupando

A célebre frase acima pertence a Diego Maradona, e foi proferida logo após o jogo que culminou na desacreditada classificação da seleção argentina para a Copa do Mundo da África do Sul.

Uma tradução não tão chula – se é que é possível – seria “que se fodam e que continuem se fodendo”, dirigida aos jornalistas esportivos que tanto duvidaram de El Pibe no comando da escrete dos hermanos.

Num outro contexto, essa frase encaixaria perfeitamente ao compromisso do Valdivia para com o Palmeiras e sua torcida.

Convocado para servir a seleção depois de ter perdido nada menos do que os últimos 11 (O-N-Z-E) jogos pelo Palmeiras, o gringo queria ter sido liberado, afinal, no começo do ano deixou claro que sua meta pessoal era voltar à seleção de seu País, a Venezuela, ops, o Chile, não pera…

Enfim, a diretoria do Palmeiras não o liberou, afinal, i) era um jogo amistoso e não era uma data FIFA, e ii) o Palmeiras está em fase decisiva nas duas competições que disputa e nas quais não pôde contar com o chileno nos últimos 11 (ONZE, eu disse ONZE) jogos.

Um dia depois do que teria sido seu retorno à seleção chilena, eis que o jogador pede pra ficar de fora dos próximos 02 jogos decisivos do Palmeiras, nos próximas dias 26 e 30 de abril. Alega FALTA DE CONFIANÇA, embora os exames clínicos apontem recuperação da lesão que o tirou dos últimos 11 (ONZE, isso mesmo, ONZE) jogos do Palmeiras.

Alguém me explica, porque provavelmente eu sou muito BURRO pra entender: Tinha CONFIANÇA pra jogar pela seleção, não tem mais pra jogar pelo Palmeiras, confere produção?

E, há um mês atrás, o CEO dando entrevista de que o chinelo seria O Cara do Palmeiras em 2013… Alow, Brunoro, já foi um terço do ano, amigão!!!!!!

Ah, mas faltou confiança…

Confiança? Confiança é o CARALEO! Ah se sou eu que ligo no trampo e falo que hoje não tô confiante pra ir trampar, AHAHAHAH

Devia era faltar confiança na hora de pagar o salário desse puto, isso sim.

Pra mim já chega desse pinguço, e já faz tempo. Resta ver se a Gestão Profissional, que agora é a palavra da moda nas Alamedas, vai adotar as medidas que se espera quando se tem um colaborador de performance deficitária no staff.

Enquanto isso, o Palmeiras, e os palmeireses, que la chupem, y que la sigan chupando.

Certa é a Thati Sinetti, que deixou bem claro pro vagabundo como pensam os palmeirenses… Resta a massa seguir a mesma linha:

VAZA VALPINGA! 

Ituano 2 x 1 Palmeiras – Paulistão13

Uma semana no futebol equivale a cem anos do calendário romano. Na segunda-feira passada riamos a toa depois de 5 vitórias consecutivas, a última uma sonora goleada no Guarani.

E, dois jogos depois, o Palmeiras – aos olhos do torcedor – voltou a ser uma porcaria dum time fraco e limitado.

Penso diferente, acho que o time nunca deixou de ser fraco e limitado, só que foi um time com sangue nos olhos nos 05 jogos que antecederam a semana passada, e o mesmo não se repetiu em Lima e em Itu. O porquê disso é que é dificil de entender…

Pensando só no jogo de ontem, começamos a perder quando aquele desgraçado camisa 9 do Ituano – que deveria ser pendurado pelas bolas por 1 mês – resolveu, de pura má-fé, chocar-se com o Prass na pequena área, sem qualquer reprimenda do juiz safado. Ah, teve aquela bola do Wesley também, sem goleiro, que o cara mais picolé de chuchu do mundo conseguiu perder. Umas outras duas do Vinícius na cara do gol e as falhas grotescas do goleiro reserva mão-de-toco fecharam a cova palmeirense em Itu.

A displicência custou caro, o Palmeiras ficou em sexto num dos campeonatos mais ridículos que já se viu e pega o Santos na Vila em jogo único. E o Mirassol foi rebaixado, pra aumentar ainda mais a vergonha, levamos de 6 de um dos rebaixados num campeonato boçal como esse.

E agora chega a notícia de que o Prass ficará de fora por pelo menos 02 meses. É pra desanimar qualquer um. Pior que isso mesmo foi ter visto uma bandeira do Boca no meio da nossa torcida ontem. O que leva um cara a ir no jogo do Palmeiras com uma bandeira do Boca? Tenha decência…

Sem lances ou ficha técnica, pra não ampliar a tortura.

AVANTI PALESTRA!

 

Sporting Cristal 1 x 0 Palmeiras – Libertadores 13

Numa breve defesa do time, jogamos sem o nosso melhor zagueiro, e sem o jogador que mais se destacou nos últimos dos jogos em casa pela Libertadores – o camisa 19, acreditem ou não – além dos já conhecidos desfalques entre bichados e proibidos de atuar na Libertadores.

Some-se a isso um meio de campo bem mal montado pelo treinador e chegamos à terceira derrota fora de casa no torneio continental, terminando em primeiro do grupo, com a pior campanha entre todos os primeiros colocados.

Nesta primeira fase, foram 03 vitórias em casa dignas da camisa, com a torcida carregando nos ombros o time, e 03 derrotas fora que mostram a triste realidade da parca qualidade do elenco.

Juninho e Maikon Leite ainda me farão, muito, mas MUITO feliz, mesmo o dia que forem embora do Palmeiras. Não servem nem pra disputa da série B.

E é só o que há a ser dito. Nossa parte nos faremos na arquibancada; se bastará ou não pra levar o Palmeiras à próxima fase, isso dependerá, também, que os jogadores não se comportem de forma tão bipolar como temos visto (como bem lembrou o Barneschi no post sobre o jogo de ontem) – um time vibrante em casa e bunda mole fora.

Quem sabe com a volta de todos os jogadores (viu, Sr. Valpinga?), o Palmeiras não consiga oferecer um pouco mais de resistência em Tijuana?

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

SPORTING CRISTAL 1×0 PALMEIRAS

Local: Estádio Miguel Grau, em Callao (PER)
Data/Hora: 18/4/2013, às 19h45
Árbitro: Henrique Osses (CHI)
Assistentes: Carlos Astroza (CHI) e Sergio Román (CHI)

Renda e público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Cazulo e Valverde (SPO); Charles, Emerson e Maikon Leite (PAL)
Cartão vermelho: –
GOLS: Ávila, aos 3’/2ºT (1-0)

SPORTING CRISTAL: Penny, Uribe, Revoredo, Ayr e Valverde; Cazulo, Lobatón (Sheput, 32’/2ºT) , Ross (Chiroque, intervalo), Calcaterra, Ávila e Rengifo (Carpio, 41’/2ºT). Técnico: Roberto Mosquera

PALMEIRAS: Fernando Prass, Ayrton, Vilson, Maurício Ramos e Marcelo Oliveira (Tiago Real, 20’/2ºT); Márcio Araújo, Charles (Maikon Leite, 26’/2ºT), Souza e Juninho; Emerson (Wendel, 30’/2ºT) e Caio. Técnico: Gilson Kleina

 

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 4 x 1 Guarani – Paulistão13

O Palmeiras não teve muito trabalho pra empurrar o Guarani mais um pouquinho ladeira abaixo como o último colocado do Paulistão. Com a vitória do Mogi, o Palmeiras terminou a rodada na quinta posição, e se o campeonato terminasse hoje enfrentaria o Santos na Vila pelas quartas do torneio.

Como já era de se imaginar, somente cerca de 8 mil palmeirenses “puderam” ir ao Pacaembu hoje, os outros 27 mil que estiveram no estádio na quinta-feira deviam ter outros compromissos mais importantes. Sei… Estamos de olho.

Quanto ao jogo, pouco a ser dito, ganhar do Guarani – que nos 17 jogos anteriores tinha perdido 11 – mesmo que goleando, não é nada de extraordinário. Mesmo assim, ver o goleiro que os Gambás ainda pagam uma fábula de salário – mesmo ele jogando em Campinas – tomar 4 gols nossos é sempre divertido.

Boa partida dos 4 que marcaram hoje – Léo Gago, Vilson, Charles e Ronny – e acrescento o Vinicius que se soubesse cruzar as bolas depois que ele infiltra pelas laterais, ia ser um baita jogador. De qualquer forma, ele tá jogando bem jogo atrás de jogo.

De negativo, só a Avenida Weldinho. Deixou o jogador do Guarani entrar sozinho na área, não pode.

E basta. Nada mais a ser dito prum jogo tão sem importância quanto esse.

Pro Verdão terminar no G4, precisará ganhar do Ituano e torcer prum tropeço do Mogi, que joga em casa com as bixas, dos sardinhas, que recebem o Penapolense e até mesmo da Ponte, que vai a Bragança na última rodada. Quanto aos adversários do Palmeiras na próxima fase, os mais prováveis são o Santos ou o Mogi, independentemente se o Palmeiras chegar ou não ao G4.

O foco agora volta a ser a Libertadores. Nesta terça o Verdão viaja a Lima, onde enfrentará, na quinta, o já eliminado Sporting Cristal. Uma vitória ou até mesmo um empate – se o Libertad não vencer – garantem o Palestra como primeiro do seu grupo. Pra cima Palmeiras!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 4 X 1 GUARANI

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 14/4/2013 – 16h
Árbitro: Robério Pereira Pires (SP)
Auxiliares: Fausto Augusto Viana Moretti (SP) e Risser Jarussi Corrêa (SP)
Renda/Público: R$ 185.115,00/ 6.937 pagantes.
Cartões Amarelos: João Denoni, Ayrton, Vilson, Charles, André Luiz (PAL); Welligton Monteiro, Marquinhos e Montoya (GUA)
GOLS: Léo Gago 11’/1ºT (1-0); Vilson 29’/1Tº (2-0); Everton 27’/2ºT (2-1); Charles 42’/2ºT (3-1); Ronny 46’/2ºT (4-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Ayrton (Weldinho, 17’/2ºT) , Vilson, André Luiz e Marcelo Oliveira; João Denoni (Rondinelly 18’/2ºT), Léo Gago, Souza (Charles, 34’/2ºT) e Tiago Real; Vinícius e Ronny. Técnico: Gilson Kleina. 

GUARANI: Renan; Oziel, Montoya, Anderson e Marquinhos; Wellyson, Felipe, Wellington Monteiro (Cadu, 32/2ºT) e Everton; Ronaldo Mendes (Fernando Gaúcho, 20/2ºT) e Erick. Técnico: Paulo Pereira (interino).

 AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1 x 0 Libertad – LIbertadores13

Camisa e torcida juntas transformam qualquer tempo. Um elenco limitado, mas vestido com o escudo mais vencedor do século XX, apoiado pelo público recorde da Libertadores 2013 (de maior público, é claro, o de menor – 4 pessoas – vai pertencer sempre – merecidamente – ao único time brasileiro já eliminado na Pré-Libertadores) e o Palmeiras não paga comédia pra ninguém.

Isso é o que temos cobrado desde o início do ano: porque os dois primeiros jogos da Libertadores não tiveram esse mesmo público de hoje? Quando todos os torcedores entenderem sua importância e passarem a comparecer aos jogos SEMPRE e não só depois de 03 vitórias consecutivas, o Palmeiras poderá mais. É simples.

Ótimas apresentações do Marcelo Oliveira, do Charles e do Prass. Já o Sr. Wesley segue sendo o ponto fora da curva, enquanto todo o restante do elenco se mata em campo, o cara é expulso por uma idiotice. Tá virando o mesmo engodo que o camisa 10 e já não tem cadeira cativa no time titular…

E o Souza, que nos últimos jogos não acertou muita coisa, errou feio na entrevista ao final do jogo. Não era hora de falar de renovação de um contrato que só termina em dezembro. Faz o seguinte, Souza, arruma alguém pra te pagar o que você tá pedindo pra renovar e, se o Palmeiras quiser/puder, cobre a oferta. Até lá, amigão, silêncio e tente se lembrar que você é apenas o So-u-z-a. Se eu sou o Kleina, banco no arroto de crunch…

Mas o destaque principal de hoje vai mesmo pra torcida. Ah, se fosse sempre assim… num jogo as 19:15, com tempestade momento antes do jogo, e mesmo assim nós éramos 34 mil palmeirenses apoiando sem parar. Mas onde estariam os 30 mil a mais de hoje que não compareceram ao jogo contra o Linense? Na moral, ir no estádio só de boa é coisa de bambi, não de palestra…

Semana que vem enfrentamos o Sporting Crystal em Lima, e a meta agora tem que ser classificar em primeiro no grupo. Oitavas de finais com o segundo jogo em casa e o time que ia ser o pior brasileiro da competição, segundo a imprensa “especializada”, vai dar trabalho… Nós, como sempre, estaremos assistindo o jogo ali, no alambrado, também conhecido como a célula B7 da planilha do Excel, segundo o Alma do Samba:

68524_643012235715139_2040329396_n

A camisa, senhores!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 x 0 LIBERTAD (PAR)

Local: estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 11 de abril de 2013- 19h15
Árbitro: Daniel Fedorzuck (URU)
Assistentes: Carlos Pastorino e Carlos Changala (ambos do URU)
Renda e público: R$ 1.324.545,34 / 33912 pagantes
Cartões amarelos: Souza, Wesley, Henrique (PAL); Aquino, Guiñazu, Moreira (LIB)
Cartões vermelhos: Wesley (PAL)
Gols: Charles, aos 7’/2ºT (1-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Ayrton, Maurício Ramos, Henrique e Marcelo Oliveira; Márcio Araújo, Charles (Wendel – 34’/2ºT), Souza (Tiago Real – 26’/2ºT), Wesley  e Juninho; Vinícius (Caio – 28’/2ºT). Técnico: Gilson Kleina

LIBERTAD: Muñoz; Moreira, Benegas, Benitez e Mencia (Gamarra – 23’/2º); Guiñazú, Aquino, Samudio (González – 44’/2ºT) e Mendieta; Nuñez e Romero (Guevgeozián – 28’/2ºT). Técnico: Rubén Israel.

AVANTI PALESTRA!

Tem Jogo! Palmeiras x Libertad – Libertadores 13 – 1ª Fase jogo 05

Como vocês bem sabem, o Maluco é superstição pura. De longa data que não tem Palpite do Maluco antes de clássicos e em jogos decisivos, e nada me tira das cabeça que isso foi decisivo pra sacramentar o título da Copa do Brasil 2012. Uso praticamente a mesma camisa em todos os jogos até que rasgue e NUNCA estreio uma camisa nova do Verdão em jogo importante, NUNCA! Recentemente sismei que se entro no estádio de óculos escuros, vai assim até o fim do jogo, não importa o breu… e por ai vai as doideiras.  

Na última terça-feira não fiz o Tem Jogo! porque não deu tempo, e no fim das contas acabou dando resultado, o Verdão atropelou o Tigre. Como aqui tem mais  mandinga do que mulher que põe Santo Antonio de cabeça pra baixo pra casar, FODA-SE o Tem Jogo! Nada de escalação, expectativa etc… Quem quiser que procure no Verdazzo – que eu jã li e gostei – no IPE, no De Palestra a Palmeiras, enfim, nos blogs dos sãos… 

Só passei aqui mesmo pra dizer que chega o Natal mas não chega a hora do jogo… PQP!

16:40 no Buin, pra encontrar os bons, que pelo que estou sabendo, vão enforcar a tarde numa churrascaria e depois direto pro Seu, pro Meu, pro Nosso s2 Paaaaaaaaacaaaaa… Puta merda, como eu odeio esse narrador do Municipal!

AVANTI PALESTRA!

Ponte 1×2 Palmeiras – Paulistão13

Sem ter me dado ao trabalho de abrir o Forza Palestra, imagino que o post que veio/virá do grande Barneschi sobre o jogo de hoje terá a célebre frase: “A camisa, senhores, a camisa!”, embora logo adiante virá uma justa crítica à vestimenta marketeira de cor grifa-texto.

De fato, nesses últimos dois jogos o Palmeiras foi desacreditado pela imprensa, teve sua capacidade colocada em dúvida por conta dos infindáveis desfalques, da qualidade duvidosa de boa parte do elenco, que não teve reforços de peso e foi montado no atacado, mas o que eles sempre esquecem é da camisa, senhores

Aqui tem camisa. Quando nada mais estiver a favor, é a camisa que vai jogar sozinha e alcançar o resultado improvável – pra marronzada da imprensa, porque pro palmeirense a vitória é sempre provável, não importa o adversário.

Hoje foi a prova disso: o Palmeiras foi pra Campinas com zaga e meio de campo reservas, e atropelou o último invicto da competição na casa deles, abrindo o placar logo no começo do jogo, aos 3, com Thiago Real. Depois, sofremos o empate num lance daqueles que, se é com os rivais, era falta de ataque, afinal, o Prass levou um carrinho no peito e no rosto, mas como é contra a gente, segue o jogo, né juiz safado?? Mas, o Sr. Wendel e o próprio Prass falharam, então fica dificil reclamar só do safado, ops, do juiz… E o Verdão foi pro vestiário com um empate injusto.

No segundo tempo, Vinicius, que tinha ido muito bem na terça-feira, entrou na partida no lugar de Caio, pra não repetir a boa atuação. Mas foi Thiago Real de novo que abriu o caminho pra vitória, depois de ganhar uma disputa de bola no meio, abriu pra Juninho, que cruzou com precisão pro Leandro matar no peito, entrando na área, e mandar por entre as pernas do goleiro da Macaca.

2×1, mais do que merecido, e o Verdão voltou pra casa classificado no Paulista, time titular descansado  e cheio de moral pra partida dessa quinta na Libertadores, contra o Libertad, e que também pode valer classificação pra próxima fase do torneio continental.

Enquanto o mundo for mundo, senhores, a Ponte preta vai ser sempre só a Ponte Preta, o time que vendeu pros gambás o fim da fila, tão pequenininha que em mais de 110 anos de vida nunca ganhou porra nenhuma, e o Palmeiras será sempre o IMENSO PALESTRA, o campeão do Século XX!

Aqui tem camisa, senhores, CA-MI-SA, já diria o Barneschi.

LANCES:

FICHA TÉCNICA:

PONTE PRETA 1 X 2 PALMEIRAS

Local: Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data/Hora: 7/4/2013 – 16h
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e João Edilson de Andrade

Renda/Público: R$ 178.773 / 9.098 pagantes 
Cartões Amarelos: Ramírez, Ferron, Cleber, William e Cicinho (PON); Tiago Real e Charles (PAL)
Cartão Vermelho: Cleber, aos 42’/2ºT (PON)
GOLS: Tiago Real, aos 3’/1ºT (0-1); Ramírez, aos 42’/1ºT (1-1) e Leandro, aos 27’/2ºT (1-2)

PONTE PRETA: Edson Bastos; Artur, Cleber, Ferron e Uendel; Baraka, Cicinho (Diego Rosa, 24’/2ºT), Bruno Silva (Alemão, 40’/2ºT) e Ramírez; Chiquinho (Rildo, 30’/2ºT) e William. Técnico: Guto Ferreira.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Vilson, André Luiz e Juninho; João Denoni, Charles (Souza, 14’/2ºT), Ayrton e Tiago Real (Ronny, 29’/2ºT); Leandro e Caio (Vinícius, Intervalo). Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Tigre – Libertadores13

Futebol é uma coisa absolutamente irracional, bem lembrava o Vinicius Borghese ao final do jogo de ontem, a torcida do Palmeiras fazendo tremer o Pacaembu, saindo do estádio cantando como não se via há tempos, como se 06 dias antes não tivesse ocorrido uma das maiores humilhações já vivenciadas pela camisa do Palmeiras.

Um 2 x0 num time ridículo que só fez bater e em nenhum momento se preocupou em jogar bola e já bastou pro time cair nas graças do torcedor. Porque? Porque houve entrega, raça, determinação, vontade, porque vestiram a camisa do Palmeiras feito homens e não como ratos.

É muito simples, não há fórmula mágica, o torcedor só quer saber de um time aguerrido, brigador, que honre a camisa e lute sem parar, e quando isso está presente, a gente até finge que esqueceu que muitos dos que estavam em campo ontem também participaram da avacalhação ao nome e à história do clube na semana passada.

Chamem do que quiser, isso é a essência de torcer. Infelizmente, dos 17 milhões de palmeirenses espalhados mundo afora, apenas 20 mil se dispuseram/puderam comparecer ao Pacaembu ontem, e cada um deles (de nós, aliás), foi essencial pra que o time tenha se apresentado com tanta vibração em campo.

Destaque seja dado, também, para as dificuldades que o Palmeiras conseguiu superar, entrando em campo com 12 desfalques e com um time totalmente improvisado, que ainda teve a perda de Patrik Vieira logo no começo do jogo, que jogou com Marcelo Oliveira improvisado como zagueiro, e foi o melhor homem em campo, ao lado de Charles, Marcio Araujo e, acreditem se quiser, Vinicius, autor de duas assistências, pros gols de Caio e Charles.

Enfim, foi uma partida digna da camisa do Palmeiras, apesar dos graves problemas de qualidade que o time que foi a campo tem, mas que foram superados com determinação, com tesão de vestir a camisa verde.

E se o clube souber e$vaziar o departamento médico, com a volta das principais peças do elenco o Palmeiras é, no mínimo, um time chato de ser vencido, os 03 clássicos disputados pelo Paulista tão aí pra mostrar que com camisa, com coração e com determinação, ninguém é mais que a gente.

Pra cima, Palmeiras!

OS LANCES:

[youtubhe=http://www.youtube.com/watch?v=UuQEjbjWkkQ]

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 x 0 TIGRE (ARG)

Local: Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 02 de abril de 2013 – 21h30
Árbitro: Patricio Polic (Chile)
Assistentes: Sergio Roman (Chile) e Juan Maturana (Chile)
Renda/Público: R$ 747.287,53 / 19.178 pagantes
Cartões amarelos: Donatti, Paparatto, Donatti, Botta e Ferreira (TIG)
Cartões vermelhos: –
Gols: Caio, aos 18’/1ºT (1-0); Charles, aos 7’/2ºT (2-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Ayrton (Emerson – 43’/2ºT), Maurício Ramos, Marcelo Oliveira e Juninho; Márcio Araújo, Charles, Souza, Ronny (Weldinho – 33’/2ºT) e Patrick Vieira (Vinícius – 16’/1ºT); Caio. Técnico: Gilson Kleina

TIGRE (ARG): Garcia, Paparatto, Orban e Donatti; Galmarini, Diaz, Castaño (Leone – 28’/2ºT), Ferreira e Cisterna (Péres García – 14’/2ºT); Botta e Maggiolo (Leguizamón – 33’/2ºT). Técnico: Néstor Gorosito

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: