Ponte 0x0 Palmeiras – Paulistão18

Faltou grama pro time do Palmeiras poder mostrar seu futebol ontem em Campinas. Faltou estádio também, nunca vi uma punição mais besta, a torcida da Ponte que aprontou e quem é punida é a torcida do adversário. Que lógica tem nisso, MP e FPF?  

Mesmo com o campo sem nenhuma condição de jogo, Dudu teve 03 chances de marcar, e Guerra 02 (no mesmo lance), mas não era dia da bola entrar. Nem lá nem cá, com Jailson tendo mais uma atuação segura e precisa para garantir que o Palmeiras não levasse gols.

Sem opção de referência, já que Borja com dores na perna não foi pro jogo, e o Artur se juntou ao Deyverson nos que vão ficar um bom tempo sem jogar, o Palmeiras foi a campo com Guerra, William e Dudu na frente.

Já disse algumas vezes aqui que o William não consegue produzir no meio de 2 zagueiros e ontem foi mais uma vez o que se viu. Ele ficou o tempo inteiro em campo mas pouco criou. Ontem não tinha opção mesmo, mas que fique claro pra diretoria do Verdão que o Bigode não é alternativa pro Borja, e com os 2 centroavantes reservas machucados, em breve será necessário ir às compras.

Depois veio o Keno no Guerra, certamente não a melhor opção para um campo como o de ontem, talvez o Scarpa fosse uma alternativa melhor pelo chute de média distância num gramado molhado, mas o Roger preferiu deixar ele no banco e colocar o Bruno Henrique (no lugar do LL).

Com o empate, o Verdão mantem a liderança geral do Paulistão e chegou a 20 pontos, 7 a mais que o segundo do grupo e 6 a mais do que o segundo no geral.  

Todas as atenções agora se voltam ao clássico e que na semana cheia de trabalho na Academia o Borja se recupere e mantenha a boa sequência deste início de ano. Pra cima Palmeiras!

AVANTI PALESTRA!    

 

Palmeiras 2×2 Linense – Paulistão18

E finalmente se viu uma atuação do Palmeiras abaixo do esperado refletir no placar do jogo.

Principalmente na defesa, que mostrou falhas até então não vistas, mas também na criação, com Tche Tche, Dudu, Lucas Lima e depois Gustavo Scarpa incapazes de criar jogadas de perigo.

A impressão que deu é que o Palmeiras se acomodou demais em estar duas vezes na frente do placar, criando pouco pra liquidar a partida.

Mas não é motivo pra alarde, a campanha do Palmeiras no campeonato segue sendo quase perfeita e eu prefiro olhar as coisas boas de ontem.

Guerra mostrou que pode ser útil, com uma linda assistência pro primeiro gol, e ainda vimos a melhor partida do Marcos Rocha com a camisa do Palmeiras, responsável direto pelo segundo gol.

E teve dois gols do Borja, né pai? 3 gols seguidos, 5 em 7 jogos, é o artilheiro da competição e até outro dia ai o torcedor palmeirense mais imediatista queria a cabeça do cara numa bandeja…

Como todo jogo, teve bons e maus momentos, acho que no fim o empate trouxe uma boa oportunidade para o Roger trabalhar um pouco de adversidade no elenco, porque ninguem ia querer esse time chegando na fase decisiva do Paulistão achando que é imbatível. Não é, e se nao jogar sério todo jogo, não ganha nem de um dos piores colocados do campeonato.

Que desse jogo fique essa lição e que fique esse 9 artilheiro que sempre soubemos que o Borja é.

AVANTI PALESTRA!

Mirassol 0x2 Palmeiras – Paulistão18

Sexta vitória seguida. 100% Palestra.

Mais uma excelente atuação do Borja. Fez gol, sofreu pênalti marcou, deu carrinho, correu e mostrou que tem condições de merecer a confiança do palmeirense.

Tche Tche fez uma partida digna de 2016. Principalmente no 2T, o volante se achou em campo, esteve por todos os lados, na defesa e no ataque, jogou muito.

Felipe Melo e Jaílson seguem jogando o fino da bola.

E o Roger continua mexendo bem no time, conseguiu fazer o Palmeiras manter e até melhorar de nível com as entradas de Keno (William), Scarpa (LL) e TS (TcheTche). A força e a inteligência do banco seguem fazendo muita diferença.

E pra encerrar, queria dizer que eu vivi pra ver um Oliveira marcando pênalti pro Verdão… esse ano promete!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×1 Santos – Paulistão18

O primeiro verdadeiro teste da temporada foi vencido com tranquilidade pelo Palmeiras.

Um 2×1 que não trouxe qualquer preocupação pro torcedor palmeirense, tamanha que foi a segurança do Palmeiras em campo.

De fato, a vitória não esteve em nenhum momento ameaçada pela equipe santista, nem mesmo depois do gol irregular dos lambaris. Era nítido que não tinham time nem bola pra tentar uma reação.

Felipe Melo segue falando pouco e jogando demais. Hoje, no primeiro tempo, errou uma ou outra saída de bola, mas nada que pudesse tirar o brilho de mais uma atuação precisa, segura, técnica e de muita garra, até carrinho dentro da área o cara dá com a certeza de quem não erra o bote. Levou amarelo, merecido, mas é coisa rara pra ele com a camisa do Verdão. Que início de temporada, o Ousado segue sendo o dono do time.

Tche Tche foi muito bem hoje, esteve literalmente no campo inteiro, deve ter corrido uns 20 km…

E tem o Borja, garantiu mais 3 pontos, né, pai? Contra o Botafogo ele já tinha feito o gol da vitória e hoje de novo fez o dele e garantiu os 100% do Verdão. É claro que ele não joga sozinho, mas que ele fez os gols de duas das cinco vitórias do Palmeiras até aqui, isso ele fez…

Se boa parte da torcida não tem paciência com ele, o que é até fácil de entender, eu ainda acho que ele segue melhorando, e ainda vai nos dar muitas alegrias esse ano. Forza Borja!

Aquela falta na trave do Lucas Lima podia ter entrado, hein?

E pra fechar, seguimos vendo só coisas boas no trabalho do Roger. Alterações corretas, hoje até demorou um pouco pra mexer, mas sempre aproveitando bem o banco de reservas, rodando o elenco, testando novas possibilidades. Hoje, por exemplo, Dudu, Lucas Lima e Tche Tche saíram, Keno, Scarpa e BH entraram, e o time manteve o padrão. Ponto pro treinador.

Próximo jogo será em Mirassol, e será uma ótima oportunidade pra mostrar que os fantasmas do passado realmente sumiram. 

AVANTI PALESTRA!

Bragantino 0x2 Palmeiras – Paulistão18

Se na última quinta-feira já se via a imprensa bostejando sobre um suposto desempenho abaixo do até então apresentado pelo Palmeiras, hoje a má vontade peculiar vai ter que ser engolida à seco, porque o Palmeiras jantou a Escola de Botinaria Marcelo Veiga em Bragança.

Foi uma vitória conquistada com tamanha facilidade, embora os números finais do jogo possam assim não parecer, mas os 0x2 não fazem justiça ao quanto o Palmeiras jantou e dominou o adversário em campo.

Alguns vão dizer que foi o Borja sair pro Palmeiras abrir o placar, e será tamanha injustiça contra mais uma muito boa partida do colombiano com a camisa do Verdão. Sim, está faltando o gol, e atacante vive disso, mas esse começo de temporada do Borja já é infinitamente melhor do que o que ele jogou o ano passado inteiro.

Borja marca, desarma, dá carrinho, ganhou várias bolas dos zagueiros no corpo, muito além do que aquela atitude pacata do ano passado. Sim, ele perde gols que 9 que é 9 não pode perder, mas algo me diz que eles virão, na hora certa…

Por isso não me filio à essa ótica míope de que ele saiu o Palmeiras marcou, embora tenha sido exatamente isso que aconteceu: no primeiro lance do Keno na partida, depois de um excelente cruzamento do MB – outro que hoje superou, e muito, as expectativas -, Verdão 1×0.

Depois, um lançamento de Felipe Melo digno de um passe de 60 jardas de Tom Brady, achou Dudu livre, leve e solto pra limpar o zagueiro e mandar no ângulo do goleiro do Bragantino: Verdão 2, Time que Só Bate 0.

A essa altura Moisés já havia entrado no lugar de Tche Tche, e o Palmeirense pôde ter um pequeno lampejo do que será esse que tem tudo pra ser o meio campo dos sonhos de qualquer time sulamericano.

Depois Guerra entrou no lugar do Dudu e fiquei pensando, quem nessa vida pode ter o luxo de trazer do banco jogadores como Keno, Moises e Guerra? E o Scarpa ainda nem estreou… Se isso não é garantia de nada, por outro lado mostra o quanto o elenco do Palmeiras é qualificado e foi muito bem montado pela diretoria pra buscar tudo que nós sonhamos pra essa temporada.

Agora, uma semana pra descansar e receber os bagres no Allianz, hora de mostrar de verdade que esse time tem muito a nos alegrar nesse 2018 verde.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×1 Red Bull – Paulistão18

Não foi fácil, mas os 3 pontos vieram.

Roger mandou a campo Maike no lugar do Marcos Rocha, TS no lugar do FM e Keno no lugar do William. E o time sentiu um pouco, mas manteve a filosofia de jogo.

E se o time não teve os passes longos do Felipe Melo que fizeram toda a diferença nos últimos dois jogos, foi dos pés e da cabeça do Thiago Santos que a vitória saiu.

O primeiro gol, de cabeça, veio ainda no primeiro tempo, com assistência de Lucas Lima na cobrança de falta.

No segundo tempo, ele quase fez mais um, chegando como elemento surpresa pra cabecear, pra fora, mais um cruzamento perfeito do Lucas Lima.

E já no fim da partida, num improvável cruzamento do Thiago Martins, a bola acabou sobrando livre pro Thiago Santos marcar o segundo.

Antes, Jailsão lacrou a porra toda e pegou um penalti que a arbitragem inventou. Incrível como isso não muda no futebol, entra ano, sai ano, e os erros continuam sempre a favor e contra os mesmos times. Impossível achar que é só ruindade das arbitragens anular um gol como o de ontem no Pacaembu, ou essa pouca-vergonha que aconteceu hoje no Allianz…

Se as coisas não foram fáceis pro Palmeiras na noite de hoje, e realmente não foram, o importante é que além dos 3 pontos, o Verdão rodou o elenco, descansou os jogadores que precisavam descansar e ainda promoveu a entrada de outros que ainda não tinham jogado, como Maike e Guerra.

E com os dois gols do TS, foi coroada a força do banco de reservas, ainda que nas conversas de boteco seja consenso que o Palmeiras ainda precisa de mais uns 2 ou 3 jogadores pra fechar o grupo.

Domingo o Verdão vai a Bragança enfrentar o Bragantino, que perdeu em casa pro São Bento, mas antes tinha ganhado dos Lambaris na Vila. Lambaris que virão ao Allianz pra apanhar de novo no outro domingo, dia 04. E vai ser com lei do Ex e tudo. KKKKK

AVANTI PALESTRA!     

Botafogo/SP 0x1 Palmeiras – Paulistão 18

Com gol de Borja, o Palmeiras venceu o forte calor de Ribeirão Preto e ganhou a segunda partida no Paulistão.

Coube ao colombiano marcar o gol da vitória, depois de jogada em que ele e o William entraram tabelando pela zaga do Botafogo, já na segunda etapa da partida.

Não foi um jogo bonito de se ver. Mas os 3 pontos valeram a falta de espetáculo, como, aliás, sempre valem. Vitória é o que interessa.

Dos destaques de quinta, nenhum repetiu a – tão – boa atuação. FM, apresar de regular, não teve o mesmo aproveitamento nos passes de longa distância e Lucas Lima, senão pela falta que maldosamente parou no travessão, pouco criou, em comparação com o jogo de quinta-feira. Natural, a se considerar que estamos na segunda partida da temporada.

Pelo mesmo motivo não entraremos no mérito das alterações do Roger mas, cá entre nós, professor, William de 9 não vai virar, não seja o terceiro treinador a insistir nesse erro, ok??

Na parte defensiva, a nova dupla de zaga do Verdão – AC e TM – teve mais um bom desempenho, e o Jailsão pouco teve que fazer pra garantir os 3 pontos. Partida muito boa, mais uma, do Victor Luis.

Quinta enfrentamos o Red Bull, 21 hs, no Allianz Parque.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 3×1 Santo André – Paulistão18

Primeiro, um feliz 2018 verde pra todos nós palmeirenses.

Depois de um descanso merecido e também forçado, afinal aqui nunca foi espaço pra especulações de pré-temporada, finalmente voltamos a falar do Palestra neste que tem tudo pra ser um grande ano do Verdão.

Saíram Egídio (AMEM SENHOR) Erik, Arouca, Roger Guedes (GLORIA Ó PAI), Raphael Veiga e Yerri Mina, além do Zé, que aposentou e assumiu um cargo administrativo no Verdão.

Voltaram de empréstimo Thiago Martins, Victor Luis, Allione e se eu esqueci alguém – que já não foi emprestado – me lembrem aí.

E chegaram 6 reforços além do treinador Roger Machado: Lucas Lima, Marcos Rocha, Diogo Barbosa, Emerson Santos, Weverton e Gustavo Scarpa. Faltou algum? Só vale os que já chegaram kkkk

Até o anúncio dos 5 primeiros novos contratados o chorume da imprensa estava no seu nível normal – em se tratando de Palmeiras – aquela má-vontade padrão que a gente já conhece.

Mas foi com a chegada de Gustavo Scarpa, depois de deixarmos bambi e gambás comendo poeira de novo, que os arautos do fair play financeiro mostraram seus dentes cor de mostarda…

Já teve vários posts da mídia palestrina e – um ou outro – da esportiva convencional que arrebentaram os argumentos falhos dos invejosos das redações Brasil afora, então a mim basta dizer: fair play financeiro é meu ovo!

Do atual exemplo nacional de gestão esportiva, quer pelas arrecadações de bilheterias – que vem pros cofres do clube e não prum banco estatal – ou pelas receitas de sócio torcedor, pelo patrocínio legal e lícito de uma empresa privada, ou por ter negociado um dos melhores contratos de tv fechada para o ano de 2019 com umas luvas bem gordas na assinatura do contrato, não há o que se condenar na postura do Palmeiras no mercado, já que apenas desfruta da condição que, com muito suor e competência já de duas administrações, além do apoio massivo de sua torcida na geração de recursos, hoje o clube tem.

E que se explodam os outros, em especial o time do coração da maior parte da imprensa esportiva, que sempre fez vista grossa e passou pano, em especial quando implodiram o clube dos 13 pra receber o dobro do que os demais times da tv aberta. Não tinha fair play financeiro naquela época, hein seus comédias?

Dito isso, passemos ao jogo de estreia do Palestra nessa temporada, um 3×1 sem muito esforço e em ritmo condizente com essa fase do ano.

Verdão jogou com Jailsão, MR, AC, TM e VL, FM, Tche Tche, LL, Dudu e Bigode, Borja. E foi uma partida de destaque de vários jogadores, entre eles o Felipe Melo, monstruoso na cabeça de área e ainda encaixou vários passes de 50m, um deles resultando diretamente no primeiro gol do Verdão. Foi o dono do time em campo.

Lucas Lima, com um gol e uma assistência, também sobrou em campo, jogou o fino da bola com passes e enfiadas milimétricas o jogo inteiro. Esteve muito à vontade com a camisa do Verdão e a torcida gostou bastante do que viu.

E muitos discordarão, mas achei que o Borja fez uma das melhores partidas com a camisa do Palmeiras, tendo participado diretamente do primeiro gol, com uma assistência monstra pro Dudu desviar de calcanhar, na trave, e no rebote o William marcar.

No segundo gol foi jogada dele e William pela direita que, num chute do colombiano bloqueado pela zaga, a bola sobrou pro Lucas Lima bater de primeira e de canhota, pra fazer o segundo, um belo gol.

Ainda que claramente cansado no segundo tempo, continuou participando do jogo, inclusive auxiliando na defesa. Está longe de ser o 9 que a torcida queria, mas se jogar com essa pegada de hoje, merece o meu voto de confiança. Forza Borja!

Na zaga as coisas iam muito bem com AC e TM e Jailsão da Massa no gol, até que num lance em que MR, AC e Tche Tche foram vergonhosamente driblados de uma só vez, o Santo André chegou aos 2×1.

Ok, nada que fosse preocupante já que o Keno, que entrou no lugar do Dudu iria pouco depois fazer o terceiro, depois de um 1-2 com Lucas Lima – o nome do jogo -, jogada de playstation.

Está de muito bom tamanho o futebol apresentado pelo time de Roger Machado nesse primeiro desafio do ano, e ainda tem Guerra, Moises, Scarpa, Diogo, Dracena entre tantos outros, pra entrar nesse time.

As perspectivas são boas, mas os pés no chão é obrigação, pois melhor elenco no papel – e nem sei se temos, pelo menos ainda não KKKK – não é sinônimo de time campeão, e 2017 está aí pra provar pra quem quiser e tiver coragem de lembrar…

Por enquanto, só alegria de finalmente ver o Palestra em campo de novo e de estrear a temporada com o pé direito e vitória tranquila.

AVANTI PALESTRA!

Atlético/PR 3×0 Palmeiras – BR17

Nada como mais uma derrota vexatória pra fechar com a devida melancolia o pior 2017 que o Palmeiras poderia ter.

Saímos das 4 competições disputadas sempre de forma ridícula, abrindo caminho pra equipes muito menos qualificadas se consagrarem. Nunca esteve tão fácil ganhar qualquer um – ou todos os títulos num mesmo ano – e o Palmeiras, por uma combinação sinistra de fatores e muita incompetência, deixou os títulos escaparem entre os dedos.

No Paulista, a derrota pro time da Ponte Preta nos tirou o direito de disputar o título contra o rival. Na Copa do Brasil, um gol nos minutos finais derrubou o Palmeiras contra o Cruzeiro, e o péssimo resultado na partida de ida cobrou sua conta. Na Libertadores uma derrocada nos penaltis prum time muito limitado, depois de um jogo de ida muito mal jogado também. E o Palmeiras só escolheu disputar o Brasileiro depois que tinha perdido todo o resto, mas já era tarde, não conseguimos superar as próprias falhas e os erros seguidos da arbitragem.

O ano em branco foi merecido, fruto de diversas escolhas erradas, a primeira delas tomada a quase um ano, quando o Palmeiras anunciava Eduardo Baptista como treinador, depois de ter deixado Roger Machado, o pretendido, escapar pelos dedos.

Mas não pretendo agora fazer uma retrospectiva do nosso ano, sinceramente, por preguiça de ficar lembrando tanta coisa ruim.

O fato é que o Palmeiras perdeu o ano na zaga, hoje mais uma vez foi exemplo claro de quanto o Verdão regrediu anos-luz em termos de sistema defensivo, fruto de três trocas de treinador e também de contratações muito duvidosas para o setor.

Entramos em campo hoje com Fabiano, Mina, Luan e Michel Bastos na zaga, protegidos por um Thiago Santos que não é nem a sombra do trator de 2016. Curioso ou não – já foi falado aqui – Felipe Melo não jogou, Palmeiras perdeu…

O primeiro gol do Atlético foi um daqueles que só Palmeiras toma, contra-ataque despretensioso e de repente tem um cara entrando sozinho na nossa área e batendo por cima do goleiro. Devem ter sido uns 10 gols assim só nesse semestre…

Depois uma combinação também quase que exclusiva do Palmeiras – Mina tomou um chapéu da própria bola, de novo o peão entra sozinho na nossa e o juiz marca penalti pros caras num lance que não foi absolutamente nada: falha bisonha + tungada do apitador? O Palmeiras devia patentear essa dobradinha…

E pra fechar, mais uma exclusividade palmeirense nesse 2017: levar 3 gols antes dos 30 do primeiro tempo: Ponte Preta, Cruzeiro, Gambá, Vitória, A/PR… esqueci alguém? Deve ter tido mais e meu coração verde foi lá e apagou da cachola…

Ou seja, o Palmeiras andou mal demais no setor defensivo, e é isso que precisa ser muito melhorado pra 2018. Que o Roger consiga montar um sistema de marcação regular e bem definido e que o Mattos traga jogadores que reforcem o setor – pra serem titulares, zagueiros E laterais. Uma reforçadinha nos bastidores não ia fazer mal também, o palmeirense amargurou seguidos “erros” da corja do apito, e muitos deles foram letais…

Se tudo isso acontecer, o palmeirense pode ter esperança de um 2018 vitorioso. O pé no chão que faltou no fim do ano passado, já está aí. Só por isso já saímos em vantagem. Oba-oba nunca foi a cara do Palmeiras…

E a não ser que algo de muito muito muito importante aconteça com o Verdão daqui até 2018, o Maluco vai ficando por aqui. Se esse ano não foi do jeito que a gente queria, e é óbvio que não foi, também não deixou de ser mais um ano de vivência intensa da palestrinidade, e não há nunca como isso ser ruim…

Um Feliz Natal e um Excelente Ano Verde pra todos nós que fazemos do Palestra a Nossa Vida, chega logo que 2018 é tudo nosso!!!!

AVANTI PALESTRA! 

      

 

      

Palmeiras 2×0 Botafogo – BR17

O jogo que marcou a despedida de Zé Roberto do futebol terminou com uma tranquila vitória do Palmeiras por 2×0 sobre o Botafogo.

E foi tranquila porque o Palmeiras tinha em campo Keno e Felipe Melo. O Keno praticamente decidiu o jogo sozinho, ao dar o passe pro gol de Dudu e depois fazer uma pintura monstruosa – matou no peito um lançamento de 40 metros do Melo, cortou pra dentro puxando pra dentro e, de pé trocado, acertou o ângulo do goleiro Gatito Fernandez. Golaçolaçolaço!

Fico imaginando o Cuca na casa dele com o cabelo liso de tanto puxá-los e repuxá-los vendo o Keno pela direita decidindo um jogo depois do outro depois do outro depois do outro… E o preferido do Cuca era o RG… AHAHAHAHA, me poupe professor…. E o Keno quando entrava era pela esquerda, onde ele não rende nem a metade… É Cuca, precisa estudar mais e ser menos rabugento, hein?

Já Felipe Melo é simples a conta. Quando ele esteve fora, perdemos pro Gambá, pro Vitoria e pro Avai. Nos jogos em que ele esteve em campo, vencemos Ponte, Flamengo, Sport e Botafogo.

Pode não ser o mesmo atleta de quando era mais jovem, pode não aguentar o jogo todo, pode até falar mais do que devia, mas a liderança que ele exerce em campo e a qualidade do time quando ele joga são notáveis. E é um cara que em pouco tempo entendeu o que o Palmeiras e a sua torcida.

Assim como o Zé Roberto. Chegou no Palmeiras em meio a piadas dos rivais, perto dos 40 anos, já um jogador realizado, campeão em tudo que é time que passou, sem precisar provar mais nada pra ninguém.

Chegou no Palmeiras na sequência de um dos maiores vexames da nossa história, que foi o quase rebaixamento no ano do Centenário. E já na primeira preleção, mostrou que valeu a aposta que o Palmeiras fez nele.

Se já não tinha a energia e rapidez de tempos outros, foi peça importante nas conquistas de 2015 e de 2016, fez gol no Entulhão, fez gol na Liberta, deu aquele carrinho mágico contra o Cruzeiro em Araraquara e garantiu um dos pontos mais preciosos na campanha da conquista do Enea.

Em 2017 acabou passando a temporada quase inteira na reserva, e não deve ter sido nada fácil ver do lado de fora a lateral esquerda do Palmeiras ter sido tão maltratada como o foi este ano. Era possivelmente o maior sinal de que era hora de pendurar as chuteiras.

Mas o Zé cumpriu também seu papel que a Diretoria decidiu mantê-lo como assessor técnico, vai trabalhar com Roger Machado no ano que vem. Um verdadeiro gol de placa do Palmeiras. Mas não podia deixar de comentar o gol contra que foi manter os preços dos ingressos tão altos prum jogo festivo que já não vale mais nada em termos de campeonato. Os 23 mil de ontem poderiam ser 38…

Obrigado, Zé, foi uma honra ter visto você vestir nossa camisa e ter participado da sua estreia e da sua despedida com o nosso manto, e de ter levado meus dois moleques de 5 anos pra ver como uma carreira vitoriosa deve ser encerrada: com a admiração de muitos e o respeito e gratidão de todos. 

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: