D y J 1X2 Palmeiras – Libertadores 2021

Mais uma vitória do Verdão na Liberta, 100% e muito bem, obrigado.

Não foi uma vitória tranquila, muito pelo aguerrido time argentino, com ou sem reservas e que conseguiu competir muito.

O Becacece, como qualquer técnico do Paulista, já percebeu que o Palmeiras sofre muito quando o adversário se fecha e deixa a bola no nosso pé.

No 1T foi exatamente isso que aconteceu. Tanto que o nosso primeiro chute a gol foi depois dos 30 minutos.

E foi quase só isso, a não ser pelo gol que o Rony perdeu no último minuto do 1T.

Mas vai ter coragem de reclamar do Ronielson na Libertadores?

2 minutos do 2T, passe genial do Luiz Adriano e hoje tem gol do Ronygol.

10 minutos do 2T, outro passe genial do Luiz Adriano e hoje tem mais gol do Ronygol.

Mas, como tem acontecido com alguma frequência, o Palmeiras deu o jogo por ganho, e isso sempre cobra o seu preço.

Hoje não foi diferente e aos 22 o DyJ tinha diminuído.

E tome pressão – eu disse pressão e não sufoco – até o fim do jogo.

O nosso único lance de ataque que podia ter virado gol terminou com uma cabeçada do Veiga pra fora.

Mas o DyJ também não teve mais chances, senão uma cabeçada do Bou que o Weverton encaixou.

Resultado excelente do Verdão, que abre 9 pontos contra 4 do DyJ e 1 do Del Valle.

Mesmo q o Del Valle vença, ainda teremos 5 pontos à frente, com 9 para disputar.

Ou seja, tudo indo como esperado, no torneio que importa.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 5 X 0 Independiente del Valle

5 a 0 jogando no 3 5 2, mas vocês não estão preparados pra este assunto.

O assunto que vocês estão preparados é: deixa o Portuga trabalhar!

Ele entende demais de bola, quem sou eu – ou você – pra querer dizer que é pra escalar fulano, ou jogar no sistema XPTO?

Tá bom, eu concordo que o Esteves na ponta esquerda é esquisito.

Mas, eu também concordo  com o Abel quando ele diz que ninguém quer ganhar mais do que ele. Talvez igual, mais do que ele nunca.

E eu confio nesse homem. Nós deu 2 títulos que não ganhávamos há 6 e 22 anos, respectivamente.

Então, vamos deixar o Abel trabalhar, e guardar nossas cornetas e a mentalidade que todo palmeirense tem de acreditar ser técnico de primeira linha da Chanpions League…

Hoje deu orgulho do time inteiro, ninguém foi mal e, muitos foram muito bem.

Rony, por exemplo, nasceu pra jogar Libertadores. Incrível o desempenho dele nessa competição.

Weverton cada vez mais impecável, principalmente porque, apesar do placar, não foi um jogo fácil e ele teve que fazer várias defesas complicadas.

A zaga hoje foi precisa, Renan pela esquerda, Gomez pelo meio e Luan pela direita ganharam a maior parte das disputas.

Marcos Rocha foi regular e a grande surpresa da noite foi Vitor Luis, provavelnebte na sua melhor atuação com a camisa do Palmeiras, com uma assistência e uma patada em cobrança de falta que quase acaba num golaço.

Patrik e Danilo voaram em campo e o Veiga teve atuação discreta, mas sem comprometer.

E o Luiz Adriano deixou o dele, segue sendo importante pro Palmeiras, apesar dos sinais de limitação que a idade trás.

Dos reservas, ainda teve gol do Danilo Barbosa, e participações excelentes do Zé Rafael e do Felipe Melo, que, aliás, entrou em campo pra esculachar.

Bigode e Wesley, finalmente, tiraram um o gol do outro. Nos dois lances era só rolar pro lado, que o outro fazia…

Mas, também, 5×0, vai reclamar do quê, né?

– Ah mas o Paulista blablabla

Eu desisti do Paulista no dia que essa bosta começou.

Torneio que o organizador não respeita o Palmeiras, a arbitragem menos ainda, tá mais que certo colocar a molecada pra jogar, o que eu já queria que estivesse acontecendo desde aquela bandidagem da final de 2018.

Aqui não vai ter reclamação.

Bom, talvez, do Esteves, Gabriel Silva e Papagaio, pq esses aí não se ajudam muito né kkkk

O que importa mesmo é que de novo o Palmeiras larga bem na Libertadores, já são 8 gols em dois jogos num grupo bem complicado.

Um empate no outro jogo do Grupo amanhã e ficaremos bonito na fita…

De qualquer forma, tem que seguir o script de priorizar a Liberta e o Paulista, bom, o Paulista que se foda…

AVANTI PALESTRA!

Universitário 2×3 Palmeiras – Libertadores 21

Começamos a Liberta com vitória com direito a muitos gols perdidos, expulsão, erros inrivididuais infantis e os 3 pontos garantidos literalmente no último lance.

O Palmeiras saiu na frente, ainda perdeu 3 gols, com Patrik, Danilo e Luan, esse último, no travessão.

No segundo tempo, o Palmeiras tinha o controle do jogo, já tinha feito o segundo, numa patada do Veiga, até que veio a expulsão besta do Alan Empereur.

Na sequência saiu o primeiro gol dos caras, falha do Marcos Rocha na bola aérea.

Mas 2 minutos e o Danilo dominou a bola com o braço dentro da area, penalti e 2×2.

E logo veio na cabeça os resultados ruins dos 4 últimos jogos…

Mas hoje não era dia de tropeço, e no último lance, escanteio preciso do Scarpa com uma cabeçada fulminante do Renan.

Vitória justa e sofrida, mas ainda assim, vitória.

Não é o que parece ter ocorrido, porém, pra imprensa rancorosa, segundo a qual o Palmeiras foi derrotado mas ganhou 3 pontos, tamanhas as críticas pra cima do Verdão.

Lembrando que se elogio da imprensa desse título, o Gambá era campeão da Champions todo ano kkkkk

Que se fodam eles, podem vomitar todo o chorume que quiserem, 3 pontos na tabela, liderança e SEGURA OS PORCO!

SEREMOS!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 1×2 DyJ – Palmeiras 0x1 Sp

Semana complicada pro palmeirense. Eu, otimista, esperei a raiva de quarta passar, vai que o jogo de sexta alivia, pensei.

Afinal, nada que um clássico contra um velho freguês não possa resolver…

Não resolveu.

Então vamos falar primeiro da doída derrota pela Recopa.

De 2015 pra cá, foram 10 decisões nos pênaltis, pelos diversos campeonatos que o Palmeiras disputou.

Perdemos 8. E, nesses 6 anos, foram mais de uma centena de jogadores que passaram por aqui.

Não dá pra imaginar que o problema seja só o jogador que vai bater, mas tem alguma coisa sistêmica/institucional que simplesmente faz não combinar o Palmeiras com penaltis…

Falando só de quarta-feira, consigo lembrar de pelo menos uns 3 lances em que o Palmeiras poderia ter matado o jogo.

Todos desperdiçados pela escolha errada dos jogadores e, talvez até do treinador, ao colocar o excelente Gomez pra bater pênalti, o que não é definitivamente o forte dele…

Não matamos o jogo e como o Diabo mora nos detalhes, o castigo foi cruel.

Depois da correta expulsão do Viña – apesar de péssima a arbitragem – não tomamos um chute de perigo no gol, mesmo com um a menos, até o lance fatídico aos 49 do 2T.

Saída errada do Empereur, chute improvável do adversário, espalmada pra dentro do Weverton ainda mais improvável e lá fomos nós de novo para os penaltis…

E mais uma derrota pra assimilar, mas mal o tome pisou em São Paulo e já encarou um clássico pela frente.

Time com 9 reservas, com razão, porque dentre os jogos importantes destas últimas duas semanas, esse era o que valia menos.

E ai vimos mais uma arbitragem sutilmente tendenciosa, como só Raphael Klaus sabe fazer. Quantas dezenas de faltas ele deixou de marcar nos nossos atacantes, sempre por trás, e segue o jogo…

Quantos dúzias de faltas ele deixou a zaga do Sp cometer, até aparecer com aquele “simbólico” amarelo aos 38 do 2T?

Mas não foi isso que provocou a derrota, embora tenha ajudado…

Era jogo prum 0x0, com uma leve vantagem técnica pro adversário titular contra o Palmeiras reserva, mas sempre tem alguém pra fazer uma cagada e entregar os pontos.

Dessa vez foi o Scarpa que, em dois lances seguidos, se atrapalhou na saída de bola, a última com alguma ajuda do goleiro Vinicius, mas mesmo assim cagada dele, que acabou nos custando a derrota.

Em 6 dias, muita bosta aconteceu.

Se domingo eu sai orgulhoso do que vi em campo, apesar dos pênaltis, o decorrer da semana foi pra deixar qualquer otimista preocupado.

De novo estamos vendo um time esgotado em campo, só que dessa vez o ano acabou de começar.

Nossa temporada terminou 8 de março, o time não fez nada de pré temporada e ja estamos numa maratona de absurdos 13 jogos em 28 dias.

Vai ser puxado.

E, em meio a tudo isso, a temporada começa, de novo, sem quase nenhum reforço.

Complicado.

O Palmeiras vai ter que ser gigante de novo pra conquistar seus objetivos este ano.

Ano que começa pra valer quarta-feira, em Lima.

Pro Paulista, acho q o Abel tá certinho: reservas, molecada e paciência da nossa parte.

Muita paciência.

AVANTI PALESTRA!

Varmengo 2(6X5)2 Palmeiras – Supercopa do Brasil 2021

Em primeiro lugar, ,quero deixar aqui minha manifestação de orgulho com o time do Palmeiras, ou a maior parte dele, que enfrentou um adversário qualificado – mas reforçado do Sistema – com a cara limpa de quem não depende de fatores ocultos pra ser campeão dentro de campo.

Começa que este jogo, se o Brasil tivesse um futebol que pudesse ser chamado de sério, seria entre o Palmeiras e o Inter, que, como sabemos, foi assaltado no jogo contra o Gambá, com pênalti mal anulado pelo VAR que acabou decidindo o título do BR em favor do adversário de ontem.

E olhem só que coincidência, mais uma vez o VAR, sempre ele, anulou outro penalti bem do mal anulado a favor do Varmengo, sempre ele também, o que garantiu o empate e jogou a decisão para os pênaltis.

O mais curioso, e nada surpreendente, é que era um lance de interpretação, porque a imagem ajustada e congelada propositalmente pelo VAR para “falta fora da área” não permite que seja vista a sequência do lance e a definição do mais importante, o momento do toque do Isla na perna do Wesley – que foi em cima da linha (e por isso, penalti) – mas, mesmo assim, sequer o árbitro foi ao monitor de vídeo para conferir o lance.

Ainda vimos critérios absolutamente diferentes na aplicação dos cartões – o Diego, do Flamengo, assim como o Isla, tinham que ter sido expulsos, e certamente o seriam , se jogassem de verde e branco – e um rigor bem do parcial no tratamento das comissões técnicas, com duas expulsões para o Palmeiras – Abel e João Martins levaram o vermelho, ao passo que a os membros da comissão do CBF – ou seria CRV, de Varmengo, enfim, o time do Establishment – só levaram amarelo.

Isso sem falar nos “convidados” da organizadora da competição, uma verdadeira torcida única em campo, toda de vermelho e preto…

Uma vergonha, mas a se considerar o nível de afeto que o presidente da CBF – a entidade, e não o clube adversário de ontem – nutre em relação ao Palmeiras, que é absolutamente nenhum, não podíamos esperar nada diferente.

E aí, então, precisamos olhar pra dentro, porque, se já sabíamos o que seria a arbitragem e a cabine do VAR, cabia ao Palmeiras fazer tudo que estivesse ao seu alcance para vencer o adversário do campo e o adversário do apito.

E os dois gols sofridos foram dados de bandeja pelo Palmeiras, o primeiro em mais uma falha em jogo decisivo do Luan e o segundo numa cochilada bisonha do Marcos Rocha.

Não por outra razão, com a saída do Marcos Rocha do jogo, já no segundo tempo, o Palmeiras melhorou bastante com o Mayke pela direita, tanto defensiva como ofensivamente.

Mas o Luan ficou em campo e, inexplicavelmente, foi escalado para cobrar um dos penaltis que poderiam nos dar o título. Perdeu.

Outros nossos perderam também, foram 4 no total, mas o do Luan foi emblemático: 3×1, primeira cobrança de duas, era só marcar e correr pra festa…

Mas, depois de tantas e tantas rameladas seguidas nos jogos decisivos – só este ano foram duas vezes emblemáticas: semifinal do Mundial e partida de ida das finais da Copa do Brasil – que, realmente, fica uma dúvida do porque ele foi escalado pra mais um jogo importante, em especial uma final única e, não bastasse o erro crucial nos 90 minutos, ainda deixam ele ir cobrar um dos penaltis que nos daria o título.

Infelizmente o excelente Luan que era zagueiro do Vasco ficou no Vasco, aqui sempre foi mediano, com esses repentes de vacilos homéricos que nos irrita desde 2018, na semifinal da Liberta contra o Boca. Acho que já deu pra ele por aqui, até porque temos pelo menos 03 zagueiros que, quando entraram pra jogar, não repetiram os erros bisonhos que o Luan comete a cada novo jogo importante.

Dito isso, ainda precisamos lamentar o gol que o Breno Lopes perdeu, com o a bola sendo tirada em cima da linha, ainda no primeiro tempo, que teria nos devolvido a vantagem no placar.

Também tivemos um Wesley abaixo do esperado, muito pilhado, e algumas escolhas erradas de todos no ataque nos vários contra-ataques que criamos e que poderiam ter decidido o jogo a nosso favor.

Precisamos falar também do golaço antológico do Veiga, que ainda faria o segundo gol, quase mais um numa bela cobrança de falta ainda no 1T, e marcaria o seu na disputa de pênaltis também. Só o primeiro gol já devia valer o título, e valeria, não fosse o VAR e os pés de rato do Luan e e do Marcos Rocha.

E não podemos deixar de mencionar o Weverton, que fez mais uma partida monstruosa, com pelo menos 3 defesas absurdas e que serviram pra manter o Palmeiras vivo na partida, e ainda fez duas defesas nas cobranças de penalti.

No geral, considerando o bom nível do adversário e a sujeirada da arbitragem, o palmeirense tem que sair dessa decisão com a certeza de que temos time para mais uma vez disputar tudo este ano, e se não tiver patifaria da organização dos campeonatos, principalmente o nacional, com o calendário, obrigando o Palmeiras a jogar dia sim, dia também, vamos chegar pra disputar título em todas as competições de novo.

Segura os Porco!

AVANTI PALESTRA!

Defensa Y Justicia 1×2 Palmeiras – Recopa Sul-americana 2021

Salve palestrinos campeones de la porra toda!

Como vocês viram, tirei férias junto com o Abel e o elenco titular do Verdão, e volto pra dizer que, assim como acabou 2020, já largamos nessa temporada dando um passo enorme pra mais um título internacional.

Mesmo com toda a dificuldade da falta de ritmo, decorrência do término do ano passado ter ocorrido apenas há 30 dias, em março (!) do ano corrente, o Verdão jogando fora de casa mostrou sua força e, assim como contra o Gremio na CdB, largou na frente na disputa da inédita taça continental.

O começo do jogo foi emblemático, com o Palmeiras errando muitas saídas de bola, sobrecarregando o sistema defensivo e obrigando Weverton a defesas importantes.

Mas foi só encaixar o primeiro contra-ataque bem feito característica do time em 2020, e o Palmeiras já estava na frente do placar.

Na base dos dois toques, interceptação e passe pelo alto do Viña, domínio e passe pelo alto do Bigode, ajeitada de cabeça e toque por cima do goleiro do #hojetemgoldoRonyGol

0x1 que poderia ter sido 0x2 ainda no 1o Tempo, arrancada do Breno com passe pra uma finalização ruim do Bigode.

No 2o tempo, o Verdão seguiu o script e logo de cara teve chance de ampliar, nova arrancada do Breno, num chute cruzado nem pro gol nem pro Rony ou Bigode definirem.

E ai a falta de ritmo pesou. A proteção da zaga é a saída de bola falhavam uma jogada atrás da outra, principalmente nos pés de Zé Rafael.

Aos 13, o castigo: buraco de posicionamento generalizado, do Zé ao Melo, ao Luan. Gol do DyJ.

Abel reagiu, primeiro um pouco estranho. Saíram Veiga e Bigode, entraram Scarpa e Esteves (?).

Eu confesso que as seguidas entradas do Esteves me trazem uma série de dúvidas. Mas, ganhando, que se fodam as minhas perguntas.

Mais um pouco vieram Pk e Danilo, pro lugar do Zé e do Melo, alteração mais do que acertada.

E logo o Palmeiras retomou o equilíbrio do jogo.

Aos 28, a glória. Falta no Rony, batida perfeita e golaço do Scarpa.

A quinta e última alteração veio com Mayke no Breno, num inusitado 6-3-1, com 2 laterais de cada lado. De novo, ganhando, quem sou eu pra criticar.

E ganhamos, com emoção, com gol anulado – BEM anulado – do adversário no fim do jogo.

Passo gigante pra levantarmos o caneco na quarta que vem, no Mané Garrincha.

Antes disso, domingo, no mesmo estádio, enfrentamos o Gambá carioca pela Supercopa do Brasil, em jogo único e com a Globo escalando seu maior flamenguista pra narrar o jogo…

Mas é aquela coisa, esse ano já rebatizamos o Mario Filho para Allianz Parque Rio, a Arena do Gremio como Allianz Parque Porco Alegre, e temos tudo pra batizar e crismar o Mané como Allianz Parque Brasília.

Pra cima, Verdão!

SEREMOS!

SEREMOS!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Gremio – Copa do Brasil 2020

A melhor e a pior temporada dos meus 42 anos de idade.

Eu sou filho da fila.

A primeira vez que vi o Palmeiras campeão, foi logo de baciada, Rio-São Paulo, Paulista e Brasileiro, em 1993, uma temporada avassaladora, que não se repetiria, em termos de conquistas, até o dia de hoje.

E esta temporada foi ainda mais grandiosa. Um título continental. Um nacional. Um estadual. Tríplice coroa com dois rivais derrotados, e um adversário que assombrou toda a minha adolescência, também superado.

Presidente da CBF, desafeto do Palmeiras, entregando medalhas pros nossos jogadores. Presidente da FPF, desafeto do Palmeiras, colocando medalhas ao lado do nosso distintivo. Como fica melhor que isso?

Eu te digo: ficaria melhor que isso com a gente ao lado do time, na arquibancada, vivendo ao vivo e in loco o maior momento da Sociedade Esportiva Palmeiras nos últimos 50 anos.

Nosso momento mais sublime em meio século veio, infelizmente, no ano mais trágico e dolorido para toda a humanidade, com milhões de pessoas sucumbindo pra esse vírus maldito, mas que agride não só os que perderam a vida, mas também quem fica, quem perdeu amigos, filhos, pais, avós, tios, e mesmo quem não perdeu ninguém, mas perdeu emprego, perdeu liberdade, perdeu a vida como a gente a conhecia.

Em meio a tudo isso parece até banal lamentar não poder estar ao lado do time do coração – e eu ainda tive a oportunidade de estar no Maracanã e presenciar a conquista do Bi da América – mas são de fato as coisas mais triviais e mundanas que tanto nos fazem falta num momento de tanta restrição, apreensão e incertezas.

Já não é de hoje que os sentimentos que o Palmeiras me desperta se resumem a tristeza, nas derrotas, e alívio – nada mais do que isso – nas vitórias e nas conquistas. Difícil eu ter alegria com o Palmeiras, tenho mesmo é com os rivais se fudendo e sendo humilhados jogo após jogo.

Mas este ano o alívio veio acompanhado de um pouco da tristeza de não poder estar ao lado dos palmeirenses que eu conheci na laje do antigo Palestra, na curva do gol da Matarazzo, e que viraram minha família pro resto de toda a vida. O Bonde do Imenso, como a gente se apelidou, desde 2012, nunca perdeu um jogo do Verdão em casa, e esteve presente na maior parte dos jogos decisivos fora de casa.

Só contra o Grêmio estivemos na vitória da semi da CdB de 2012 no Olímpico, na vitória das 4as da Libertadores de 2019 na Arena do Gremio e certamente estaríamos no jogo da ida lá em Porco Alegre, quando abrimos o caminho pra mais essa conquista.

Um ano tão brilhante e ao mesmo tempo tão distante do Laurão, meu avô de 94 anos, que me fez palmeirense ao lado do meu tio Rubinho, com quem eu dividi os piores momentos da infância de qualquer palmeirense que vivenciou, ainda criança, aqueles terríveis anos 80 e 14 dos 16 anos da fila.

Que graça tem comemorar longe dos palmeirenses que a gente tanto ama? E eu respondo de novo: muito pouca. É lógico que eu estou com o peito estufado de orgulho por essa temporada tão maravilhosa do Verdão, mas, ao mesmo tempo, trocaria esse título da CdB por ter comemorado o Paulista ou a Liberta ao lado da minha famiglia da arquibancada.

Mas, entre comemorar longe dos nossos, e lamentar longe dos nossos, mil vezes ser campeão, mesmo com essa restrição escrota ao calor humano que tanto iluminou os títulos da CdB de 2015, e os BRs de 16 e 18.

No meio dessa merda generalizada, o Palmeiras foi CAMPEÃO DA PORRA TODA!

É pra se orgulhar, é pra festejar, é pra admirar e, é, também, pra lamentar um pouco, porque a gente certamente podia passar por tudo isso sem passar por tudo isso…

Eu só queria estar suado e melado, bebaço, no quadrilátero da Turiassu, Caraibas, Venancio Aires e Diana, abraçando desconhecidos, invadindo busões e caminhões de lixo e festejando a existência da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Não foi possível. Mas que a gente não se abale.

Se San Gennaro permitir, logo menos estaremos sofrendo ou se orgulhando do Verdão ali no Allianz e nos estádios Brasil e Mundo afora, e iremos apreciar com muito mais vivência cada um desses momentos, porque no menor piscar de olhos a gente se pega sentindo falta de tanta coisa banal, como passar nervoso num estádio de futebol.

Espero honestamente que o mais rápido possível volte tudo ao normal, mesmo que o Palmeiras nunca mais repita uma temporada tão brilhante e vitoriosa, Sinceramente, eu trocava cada uma das conquistas deste ano por uma derrota com a torcida entupindo o Allianz Parque, ou de qualquer estádio visitante.

Menos o Paulistão, né pai? Porque em cima dos dos Gambás, é em cima dos Gambás né pai….

QUE MOMENTO!

AVANTI PALESTRA!

Gremio 0X1 Palmeiras – Copa do Brasil 2020

Auguri palestrinos e palestrinas!

Espero que não tenham sentido minha falta desde o Mundial, eu não senti de vcs kkkk

Mas não fazia nenhum sentido ficar aqui comentando jogos que não valiam porra nenhuma, certo?

Talvez o jogo em que eliminamos os bambis, esse talvez merecia um post. CHUPA BAMBI, tá postado!

E voltemos ao que interessa. O Palmeiras deu um passo gigante para a conquista do 4° título da Copa do Btrasil, o 15° caneco nacional.

Apesar da arbitragem sujismunda que já sabíamos que seria assim, não pela correta expulsão do cabaço do Luan, mas por todo o resto. Diogo Barbosa, Kaneman, só pra citar 02, que podiam ter sido facilmente expulsos, fosse o apitador bem intencionado. Mas a considerar o que foi o pavoroso e vexatório discurso do presidente da cbf – em minúsculas intencionalmente – não era pra ser surpresa pra ninguém – pra mim não foi.

Mesmo assim, o Palmeiras só sofreu no jogo porque quis. Além do GOL do Gustavo Gomez, tivemos mais dois que era INADMISSÌVEL perder, em especial numa final de campeonato. Luis Adriano, na última jogada do 1T, e Rony, na primeira do 2T, perderam o que seria o nosso título por antecipação. O otário do Luan podia ser expulso tranquilamente e não ia nem fazer cocégas.

Sim, o Luan errou, prejudicou, e merece ser multado e até afastado do elenco, pela gravidade da atitude numa decisão, mas ao mesmo tempo não dá pra esquecer os gols feitos jogados no lixo pelos nossos atacantes.

Com um a menos, o Palmeiras mostrou garra e vontade de ser campeão. Gomez, Melo, Alan, pra citar alguns, fizeram o que precisaram para evitar que a bola chegasse ao gol do Weverton que, pelas minhas contas, fez uma única defesa importante o jogo inteiro. Competência do sistema defensivo, da capacidade do Abel de acertar o time pra jogar 10 x 11, e da entrega dos jogadores, que se mataram em campo pra cobrir a merda que o vacilão fez.

Mas que fique claro, a cobrança não pode ser apenas no Luan. Mais nele, mas os Senhores LA e Rony tem que ser cobrados TAMBÉM. Tem gol que não se perde em final jamais.

Passado o sufoco, voltamos pra casa com o direito de empatar pra levantar o 4° caneco do ano – sim, Florida Cup, em cima do Gambá, vale mais que muito torneio oficial kkkk – mas, que venha mais uma vitória, não precisamos de mais sofrimento do que já tivemos hoje.

Meio de semana teremos um Derby pro nosso Sub-15 já ir pegando cancha e aprender o que é surrar o arquirrival lá no Entulhão do antigo Palestra Itália, mas nem vamos perder tempo com esse “amistoso”, muito mais insignificante do que a Flórida Cup, antes do último jogo da temporada 2020.

QUEREMOS A COPA!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0 (2 X 3) 0 – Al Ahly – Mundial de Clubes 2020

Me programei até pra nao ver o jogo, mas o compromisso moiô e aí não tive escolha rsrs

3⁰ ou 4⁰, que diferença iria fazer? Não sonhamos com 2⁰, que dirá então menos ainda?

Foi um jogo bem ruim, talvez nem tanto como o primeiro, mas que deixou mais do que claro e óbvio: o time está esgotado.

Física e psicologicamente, os meses de dezembro e de janeiro finalmente cobraram a conta.

É humanamente impossível esperar que este elenco – que qualquer elenco – siga competindo em alto nível jogando a cada 66 horas.

São pais de família, filhos, irmãos, netos, e não máquinas, robôs que se quebrar uma peça, basta trocar e apertar o “on”…

E nao disputat a final do Mundial não foi a única conta paga, não. O Palmeiras tinha muita chance de chegar pras cabeças no Brasileirão, mas foi outro campeonato que ficou pelo caminho no meio dessa maratona absurda de jogo, jogo, jogo e mais jogo…

Fale a verdade, quando foi que você viu o Palmeiras, ou algum time, disputar absolutamente todos os jogos de todas as competições que disputou numa temporada?

Quem nasceu depois de 1963, eu já respondo por você: não viu. Sim, o Santos de Pelé e cia., da década de 60, foi o último time que conseguiu essa proeza.

Mas aqui parece que nada pode ser valorizado, a começar pela imprensa recalcada e clubista que torce contra com tanta força como torcem a favor dos times do coração.

Primeiro foi que o finalista moral era o River. Depois que a final foi feia. Aì tiveram a pachorra de mandar uma pauta ” A LIBERTADORES FOI SUFICIENTE?” Mano do Céu…

E muita gente compra. Eu não entendo, de coração. Não consigo reclamar desses jogadores, nem mesmo pelos pênaltis bem mal batidos no jogo de ontem, nem pelas partidas ruins, pelas vitorias suadas, pelos títulos mais que merecidos desta temporada. Porra, gente…

Estamos a 4 jogos de terminar o ano com 4 taças.

Campeão paulista em cima do Gambá, Bicampeão da América, podendo ganhar mais um titulo nacional e outro sulamericano, vou reclamar do que, pai?

É claro que o desempenho dos últimos 2 jogos deixa um sinal de alerta ligado, mas já não foi assim depois do massacre que sofremos do River?

E depois disso não fizemos um jogo muito bom contra o Grêmio, 3 dias depois e mais 3 dias depois não surramos o Gamba?

Sinal de que esse time não se abala nos maus momentos, mas aprende com eles e se supera, se recupera.

Vou confiante pras proximas decisões, teremos duas semanas pra descansar, organizar, e recuperar todo o time pra ir com tudo pra cima do Grêmio, e depois para disputar a Recopa Sulamericana.

E nós SEREMOS!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0x1 Tigres – Mundial 2020

Não foi o resultado que a gente sonhava.

A tristeza e a decepção consumiram esses últimos 02 dias e por isso o post chega com tanto atraso.

Mas foi necessário.

Porque nenhum resultado vai mudar o orgulho que esse time me deu nesta temporada.

Eu já estava satisfeitíssimo em 08 de agosto de 2020, quando voltamos a ganhar o Paulista, depois de 12 anos, em cima do nosso eterno freguês.

Num ano de reformulação, de saída do maior ídolo, poucas contratações e o elenco chapado de moleques da base, um título paulista, em cima do rival, estava de excelente tamanho.

E de repente chegamos na final da Libertadores depois de um jogo absolutamente massacrante, que deixou todo palmeirense moído.

E foram quase 100 minutos de uma final rústica até a explosão do gol que eu nunca mais vou esquecer na minha vida. Já assisti o VT 6 vezes, e a narração do gol em todas as rádios, em todos os idiomas, mas nenhuma se compara minimamente ao áudio ambiente do Maracanã e aquele barulho de uuuuooooogoooolllllhhhhhh que só quem já esteve num estádio com o gol do título a segundos da prorrogação sabe o que significa.

Campeão da América, 21 anos depois.

A derrota na semi do mundial doeu sim, não vou mentir.

Mas perto do que já veio esta temporada, e o que ainda está por vir, com duas taças por disputar, foi um grão de areia.

Que na próxima quinta o Palmeiras entre em campo contra o Al Ahly com a força e a honra que temos por padrão e que tanto representou o peso da nossa camisa.

Que venha a vitória, mas se ela não vier, vale uma volta no tempo lá pra janeiro de 2020, Florida Cup. Quem de vocês imaginava que o Palmeiras iria tão longe quanto o Qatar?

AVANTI PALESTRA!

%d blogueiros gostam disto: