Palmeiras 2×2 São Bento – Paulistão16

Foi uma noite infeliz do Palmeiras. 

Mas imagino que tenha sido uma noite um tanta aclaradora pra Alexandre Mattos e companhia, o que, apesar do péssimo futebol apresentado, é uma coisa boa. 

Porque, de uma só vez, todos os problemas do time do Palmeiras apareceram pra espantar o otimismo injustificável que recai sobre o nosso time.

Não tivemos nenhuma qualidade na saída de bola, muito pelo contrário. A atuação medonha do L. Almeida escancarou o que todos já sabemos – precisamos de mais um zagueiro, pra ser titular. A falta de criação, seja pra manter o time atacando quando estamos gahhando, seja pra buscar reverter o placar desfavorável, mostra o quanto esse time sofre por não ter um camisa 10 decente. A pífia atuação do Alecsandro, mais uma, evidencia o quanto não temos opção quando o Barrios não puder jogar. E a incapacidade do treinador em variar o esquema tático – só muda quando tá perdendo, e aí é 100% pressão sem nenhuma organização – mais uma vez vitimou o bom futebol do Palmeiras. 

Mas não é motivo pra desespero, afinal, estamos no segundo jogo do ano. Basta comprar um 3, um 10 e um 9, que teremos uma ótima temporada. Isso, é claro, se o Marcelo aceitar que há vida na Terra além do 4-2-3-1.

Sem nota hoje, o ódio iria atrapalhar um julgamento coeso. Só Dudu e Vitor Hugo se safaram.

AVANTI PALMEIRAS!

Botafogo 0x2 Palmeiras – Paulistão16

E estreamos com o pé direito, vitória e 03 pontos na primeira partida oficial do ano.

Apesar do placar confortável, não foi uma atuação memorável do Palmeiras. Mesmo sendo o primeiro jogo da temporada, era de se esperar mais de alguns jogadores, principalmente Gabriel Jesus, disparado o pior em campo.

Também começa a incomodar a insistência do treinador comesse esquema tático, que ele não muda nem por decreto, além de não ter promovido as estreias de Jean e Regis, num jogo em que evidentemente se justificava mexer pra aprimorar a saída de bola e a criação, os maiores problemas do time no jogo.

Mas, ganhamos, e isso é o que importa.

E chupa Nunes!

Nos vemos no Paca!

AVANTI PALESTRA!

AS CORNETADAS

  • Prass – Quando precisou, foi preciso. Foi bem
  • Lucas – Vinha mal na marcação, mas abriu o caminho da vitória. Foi bem
  • Victor Hugo – Seguro, não falhou. Foi bem
  • Leandro Almeida – Não atrapalhou. Foi bem
  • Zé Roberto – mais uma boa atuação. Foi bem
  • Arouca – o de sempre. Foi bem
  • Thiago Santos –Foi bem
  • Robinho – Vinha errando tudo, até acertar um passe de 50 metros pro Dudu fazer o segundo. Foi bem
  • Dudu – Azucrinou a zaga do adversário e fez o dele. Foi monstro
  • Jesus – O pior em campo, de novo perdeu gol feito. Foi péssimo
  • Alecsandro – Teve uma chance no primeiro tempo, e uma no segundo, e fez o primeiro gol da partida. Se jogar mal e marcar, tá ótimo. Foi bem
  • Erik – não teve muitas chances. sem nota
  • Egídio – atuou pouco, mas com acerto. Foi bem
  • Roger Carvalho – apareceu pouco – sem nota
  • Marcelo Oliveira – pouca variação tática, demorou pra mexer, e inventou ao colocar mais um zagueiro no lugar do Thiago Santos, mas trouxe os 3 pontos, então… Foi bem

LANCES:

FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO-SP 0 x 2 PALMEIRAS

Data e horário: 31 de janeiro de 2016, domingo
Local: Santa Cruz, Riberão Preto (SP), 19h30
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho e Daniel Paulo Ziolli
Cartões amarelos: Mirita e César Gaúcho (BOT); Alecsandro e Robinho (PAL)
Gols: Alecsandro – 15’/2ºT (0-1); Dudu – 41’/2ºT (0-2)
Renda/Público: R$ 897.130,00 /18.635 pagantes

BOTAFOGO-SP: Neneca; Daniel Borges, Caio Ruan, Mirita e Augusto Ramos; César Gaúcho, Rodrigo Thiesen, Danilo Bueno (Paulinho 32’/2ºT) e Vitinho; Diego Pituca (Serginho 21’/2ºT) e Nunes. Técnico: Marcelo Veiga

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Leandro Almeida, Vitor Hugo e Zé Roberto (Egídio 23’/2ºT) Thiago Santos (Roger Carvalho 32’/2ºT) e Arouca; Robinho, Dudu e Gabriel Jesus (Erik 28’/2ºT); Alecsandro. Técnico: Marcelo Oliveira 

Feliz Ano Velho

E eis que a temporada nem começou e os velhos fantasmas do torcedor palmeirense já voltaram com toda força.

Hoje, enquanto esperava alguma das SETE HORAS que foram necessárias para conseguir reservar meu ingresso pro primeiro jogo da temporada, veio a notícia que ninguém queria, mas todos já imaginavam: Dracena tem lesão muscular e provavelmente perderá a estreia da Libertadores pelo Palmeiras.

Primeiro, falemos do programa de sócio torcedor, a menina dos olhos do Presidente Paulo Nobre. Não há uma entrevista, uma aparição pública, uma palavrinha pra rádio, que nosso administrador não defenda a necessidade de o torcedor ser filiado ao AVANTI. Afinal, um AVANTI mais forte, significa um Palmeiras mais forte e vitorioso, ou é algo que o valha o slogan que é martelado na orelha do palmeirense como uma mensagem nada subliminar.

Pois bem. Embora a falha no sistema ocorrida hoje seja SEM PRECEDENTES, já beirando as 08 (oito) horas de instabilidade/indisponibilidade, não é de hoje que o sistema de funcionamento da reserva de ingresso do Avanti vem mostrando alguma fragilidade, e não foram poucos os jogos do ano passado em que as primeiras horas de venda foram tumultuadas por erros em cadastro, alterações de rating indevidas, problemas de confirmação de pagamento devidamente efetuados, entre outros. Vocês sabem bem quantos de nós passaram por isso.

Fechado o ano passado, era de se esperar que nesses mais de 60 (sessenta) dias desde a última partida disputada em nosso estádio, a diretoria cobrasse e exigisse da administradora do programa melhoras no sistema de aquisição de ingressos.

Não sei dizer se essas cobranças ocorreram ou não. Vou supor que sim, afinal, o sistema hoje pareceu remodelado, embora eu não tenha conseguido identificar qualquer mudança significativa na reserva do ingresso que não fosse puramente estética. 

Agora, se tem uma coisa que não podia ter acontecido em hipótese alguma era, justamente no primeiro jogo do ano, ter ocorrido uma das falhas mais bizarras que esse sistema já viu, e justamente quando o clube alardeava, há nem uma semana atrás, o aperfeiçoamento do serviço, segundo o link, um exemplo mundial de sucesso.

O pior de tudo não é nem a falha, mas sim o silêncio ensurdecedor da Diretoria, que se limitou a publicar no site oficial do clube um pedido de desculpas, não do Palmeiras, mas da FutebolCard, à coletividade palestrina…

Oras, quem é FutebolCard? Eu não sou sócio do FutebolCard, sou sócio do AVANTI, quero que o Avanti se desculpe, pouco importa quem é o terceiro prestador de serviço que foi selecionado pra prestar o serviço de venda de ingressos do CLUBE para o TORCEDOR PALMEIRENSE.

Não torço pra FutebolCard, quem me deve satisfação é o Palmeiras, afinal, pago caro pra ter ingresso à disposição de acordo com o meu rating, e foi justamente o que eu não tive desde as dez da manhã até às 17:21 de hoje, quando, depois de 30 minutos na espera do atendimento por telefone do AVANTI, consegui, depois de uma “atualização de cadastro”, reservar o meu ingresso.

E não tem como participar e colaborar com o mantra do +AVANTI=PALMEIRAS+FORTE se não consigo reservar meu ingresso, se realmente não tem mais nada de interessante que o AVANTI me ofereça que não seja garantir meu lugar ao lado do Verdão.

Por falar nisso, queria aproveitar pra analisar esse tal de Palmeiras+Forte, afinal, me sinto um verdadeiro investidor e, assim, entendo que como acionista do Palmeiras+Forte, tenho direito de analisar os nossos investimentos.

Aí vejo que o zagueiro de 33 anos contratado pra ser titular se machuca e possivelmente não se recupera a tempo para a estreia na Libertadores, o que nos leva a contar com a provável presença de Leandro Almeida no time titular numa partida do torneio mais importante do ano. Le-an-dro Al-mei-da [para ser lido em tom de assombração].

Aí vejo que o camisa 10, que em alguns dias completará um ano de Palmeiras, está machucado de novo, oito semanas fora, não disputou nem dez partidas desde que chegou.

Olho mais um pouco e vejo que nosso atacante reserva é Alecssandro…

Vem cá, Palmeiras, cadê o tal do Palmeiras+Forte que tão prometendo aí pros sócios Avanti? Porque o que eu tô vendo é um time com os mesmos problemas do ano passado, exceção à volância, essa sim, o único setor em que o time não deverá ter os mesmos problemas de 2015…

Mas precisamos urgentemente dum 03, dum 10 e de um 19, presidente, Mattos, alguém PELAMORDDEUS!!

E espero que, até que eles cheguem pra fazer esse Palmeiras+Forte de verdade, já tenham conseguido fazer o AVANTI funcionar de acordo com o que o torcedor paga: CARO.

AVANTI PALESTRA!  

Palmeiras 0 (3) x (4) 0 Nacional – Torneio de Verão do Uruguai

Em mais uma partida de preparação do elenco para a temporada de 2016, o Palmeiras empatou e, nos pênaltis, perdeu para o Nacional a final do Torneio de Verão do Uruguai.

A frustração obviamente não se manifesta em razão da perda de um título de um torneio amistoso, mas sim pela constatação da absoluta falta de variação tática que a equipe apresenta, já que Marcelo Oliveira não abandona o 4-2-3-1 nem por brincadeira…

E, se não vai abrir mão do esquema tático em torneio amistoso, vai abrir quando? Mas, enfim, é cedo demais pra soltar o verbo, alguns já me disseram.

Mas aí, fico pensando, Alecsandro e Leandro Almeida, que evidentemente não servem pra jogar no Palmeiras, foram titulares absolutos, enquanto que outras opções para as posições mal foram testadas…

Difícil de entender, ainda, como o Régis, o único jogador mais próximo que temos de um camisa 10, sequer entrou em campo nos dois jogos pelo Torneio.

De positivo, a atuação de Moisés merece destaque, assim como a melhora de desempenho do time com as entradas de Matheus Salles e Gabriel Jesus no lugar de Arouca e Alecsandro.

E o Nacional, cabeça de chave do nosso grupo na Liberta, embora não pareça nenhum bicho de 7 cabeças, também está longe de ser um adversário imbatível. Vai depender muito mais do que o Palmeiras estiver disposto a jogar.

Sábado em Ribeirão Preto começa o ano pra valer, e diferente dos anos anteriores, o Palmeiras chega pra disputa do Paulistão como favorito, a considerar o desmanche no Gambá e a tímida ida ao mercado dos Lambaris e Bambis.

Se tem um time que se reforçou e ainda manteve a base, fomos nós.

Mesmo assim, a se considerar que nossa única opção na meia foi o Robinho, bem apagado nos dois jogos do Torneio, ao mesmo tempo em que Leandro Almeida e Alecsandro foram titulares, fica a impressão de que o Palmeiras ainda podia ter contratado mais e melhor…

E, por fim, não podia faltar uma reclamação básica quanto ao fato de que não iremos estrear o ano na nossa casa, por culpa do gramado, estando ameaçado inclusive o segundo jogo.

Essa falta de planejamento, esses entreveros em que o clube sempre fica sabendo das coisas por último – o Palmeiras teve que suspender a venda antecipada dos ingressos antecipados pro mês de fevereiro, um dia depois de te-la anunciado, por causa do gramado e do fato de que o primeiro jogo teria que ser no Pacaembu – são frutos da relação deteriorada com a construtora que já se arrasta há anos, sendo que o maior prejudicado é sempre o Palmeiras e a sua torcida. E depois de todo esse tempo, não custa dizer que, não importa quem ganhe na arbitragem, todos já são perdedores.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×0 Libertad – Torneio de Verão do Uruguai

Boa noite, parmerada!

Estamos de volta nesse 2016 que muito promete pro nosso Palestra.

Depois de 08 contratações (Vagner, Rodrigo, Roger Carvalho, Moises, Régis, Erik, Edu Dracena e Jean) e um bonde de caneludo mais o Jackson vazando, o Palmeiras conseguiu manter a base do time que fechou o ano passado com a conquista da Copa do Brasil.

Na minha opinião, falando primeiro de reforços, faltou trazer mais um zagueiro, um 10 e um 9 pra fazer sombra pro Barrios. Basta ver que com a lesão do CX, não teremos o nosso meia titular à disposição até o fim de março, e com as ausências do Barrios e do Victor Hugo, que foram poupados no jogo de hoje, tivemos que aturar mais uma vez as participações de Alecsandro e Leandro Almeida em campo, que tanto nos irritaram em 2015, e desta vez não foi diferente.

Sobre o jogo, foi possível ver que os jogadores até se esforçaram pra sair com a bola no pé ao invés de distribuir bicões pra área adversária, mas durou pouco tempo. Marcelo Oliveira orientou Robinho pra buscar o jogo atrás da linha do meio de campo, mas numa npite pouquíssimo inspirada, o meia – e o time, por consequência – sofreram pra criar oportunidades de ataque.

E o primeiro tempo terminou sem o Palmeiras dar um chute no gol do Libertad, a não ser por uma cabeçada do Dracena em lance de bola parada.

Voltou o mesmo time pro segundo tempo, e até os 20 do segundo tempo pouca coisa mudou, a não ser pelo fato de que o Libertad saiu mais para o jogo e ofereceu o contra-ataque, e ai aos poucos as jogadas foram aparecendo até o Dudu acertar a trave do Libertad. Já ia mais de uma hora de jogo pro primeiro lance de perigo do Palmeiras finalmente aparecer…

As alterações foram sendo feitas, foram embora Jesus, Arouca, Alecsandro, Matheus Sales e Robinho, entraram Erik, Moisés, Cristaldo, Allione e Thiago Santos.

E os gols tiveram participação decisiva dos reservas: no primeiro, em boa arrancada do campo de defesa de Moises, Erik foi lançado pela direita, e depois de deixar o zagueiro do Libertad entortado no chão, colocou na frente pro Allione se antecipar ao goleiro e marcar o primeiro gol do verde em 2016.

Mais pro fim do jogo, cobrança de falta do Zé Roberto pro Moises na linha do penal só tirar o goleiro de cabeça, 2×0 e caixão do Libertad fechado.

No sábado, às 22, enfrentamos ou Nacional, ou Peñarol, na primeira final de campeonato do ano. Que seja a primeira de muitas. De todas.

AS CORNETADAS

  • Prass – Nem sujou o uniforme. Foi bem
  • Lucas – Ainda em ritmo de férias. Foi mals
  • Dracena – fez o feijão com arroz como manda o figurino. Foi bem
  • Leandro Almeida – o de sempre. Foi péssimo
  • Zé Roberto – correu e jogou muito. Foi bem
  • Arouca – o de sempre.Foi bem
  • Matheus Salles – esse garoto promete.Foi bem
  • Robinho – em ritmo de férias. Foi mals
  • Dudu – o de sempre. Foi bem
  • Jesus – jogou só com o nome. Foi mals
  • Alecsandro – visivelmente mais magro, mas continua pensando pesado. Foi péssimo
  • Erik – mostrou a que veio. Foi monstro
  • Allione – pode chamar de All10ne. Foi bem
  • Moises – pra quem abriu o Mar Vermelho, arrumar a cancha do Verdão é sussa. Foi bem
  • Cristaldo – o de sempre.  Foi mals
  • Thiago Santos – o de sempre. Foi bem
  • Marcelo Oliveira – pouca variação tática, demorou pra mexer, mas trouxe os 3 pontos. Foi bem

LANCES:

FICHA TÉCNICA:

LIBERTAD (PAR) 0 X 2 PALMEIRAS

Estádio: Centenário (URU)
Data: 20/1/16 – 19h30
Árbitro: Andres Cunha
Assistentes: Horacio Ferrero e Javier Castrol
Cartão amarelos: Molinas (Libertad)
Gols: Allione, aos 36’/2ºT (0-1); Moisés, aos 45’/2ºT (0-2)

LIBERTAD: Muñoz; Moreira, Balbuena, Benítez e Báez; Molinas, Aquino, Salcedo e Leichtweis (Medina – 22’/2ºT); Zeballos (Recalde – 17’/2ºT) e Salcedo (Maidana – 33’/2ºT). Técnico: Eduardo Rivera.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Edu Dracena, Leandro Almeida e Zé Roberto; Arouca (Moisés – 20’/2ºT), Matheus Sales (Thiago Santos – 35’/2ºT), Robinho (Allione – 26’/2ºT), Dudu e Gabriel Jesus (Erik – 18’/2ºT); Alecsandro (Cristaldo – 20’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira.

Flamengo 1×2 Palmeiras – BR15

Fizemos 15 pontos de 18 possíveis contra os cariocas. Ganhamos os 03 jogos no Rio. Há muito tempo que isso não acontecia. E a única derrota veio quando o time já estava com a cabeça apenas na final da Copa do Brasil, o que não serve de desculpa, pois jogamos em casa.

É verdade que a 9ª posição é muito menos do que esperávamos, mas a vaga garantida na Libertadores é motivo mais que suficiente pra relevar o lugar na classificação.

Sobe o jogo hoje, Marcelo mandou pra campo um time misto, com Fabio, Lucas Taylor, VH, LA e João Paulo, Amaral, Matheus Salles Zé Roberto e Allione, Dudu e Alecssandro.

Incrível como um título deixa os jogadores mais leves em campo. João Paulo, por exemplo, com duas assistências, fez sua melhor partida com a nossa camisa.

Os nossos gols couberam aos dois melhores jogadores do ano – ao lado do Prass -, VH e Dudu. Dudu, aliás, com o gol de hoje, fechou o ano com 16 gols e é o melhor goleador do Verdão na temporada.

E o gol sofrido saiu de uma falha bizarra – mais uma – do goleiro. Nas duas únicas chances que teve no ano, Fabio não correspondeu. Contra o Coxa também foi bem mal, principalmente na saída do gol. A não ser que ele arrebente na pré-temporada, tem grandes chances de puxar a fila de negociáveis pro ano que vem.

No final, o placar refletiu o que foi o jogo, o Palmeiras foi muito mais time – como de fato é – do que o Flamengo, e o jogo, mesmo em ritmo de treino, só teve um time em campo, mandamos no jogo do começo ao fim.

Agora começa aquele período maldito em que i) não tem jogo do Palmeiras; e ii) começam as especulações da imprensa esportiva.

Marcelo vai ter oportunidade de finalmente montar o elenco, afinal, esse time que tá aí foi praticamente todo montado pelo Osvaldinho. Precisamos de pelo menos dois laterais, um zagueiro e dois meias, já que não temos a menor condição de depender de Cleiton Xavier ou Fellype Gabriel.

E como vamos pra Liberta, é natural esperar que sejam todos reforços de primeira linha, e que pelo menos 02 ou 03 sejam pra deixar os rivais com inveja e com muito medo.

É isso. Que tenham medo do Palmeiras. Porque esse time nunca vai chegar tão forte e preparado pruma nova temporada como em 2016.

E o resto, bom, o resto é com a gente.

Parabéns mais uma vez pra torcida palmeirense. Abraçamos e carregamos o time pra mais uma conquista, como ninguém mais consegue fazer. O que porventura faltar no ano que vem, deixa na mão da torcida. 

E com isso, encerramos mais um ano aqui no Maluco pelo Palmeiras. É hora de recarregar as baterias e, por outro lado, sem bola rolando e com toda a especulação que já está começando, não terei nada de útil pra escrever por aqui.

Voltamos em janeiro ou antes, quem sabe, vamos ver…

AVANTI PALESTRA! 

Não Importa o que diga Essa Imprensa de Gambá

 

Não é de hoje que a imprensa esportiva no geral, com as redações infestadas de gambás, vêm faltando com o respeito com a tradição da nossa camisa e com a imensidão do Palmeiras.

10 a cada 9 jornalistas esportivos, no início do mês passado, cravavam que o título da Copa do Brasil já era do Santos. Poderia citar aqui, com rapidez, uns vários, ainda, que garantiam que não só o Palmeiras perderia, como seria humilhado pelo Santos, nos dois jogos.

Até aí, é a opinião de cada jornalista, algumas são embasadas em fundamentos até plausíveis, outras traduzem o mais puro viés contra tudo que o Palmeiras representa. Normal, especialmente em se tratando de imprensa esportiva.

É verdade também que dessa vez a imprensa acabou abusando do desdém.

Por exemplo, vejamos as manchetes do Brasileirão dos dois times nos jogos que antecederam as finais. Parecia até que o Palmeiras não iria disputar a final da Copa do Brasil. A cada novo resultado negativo, e era evidente que eles viessem, principalmente com quase todos jogadores reservas em campo e já com quase nenhuma chance de chegar ao G4, as manchetes vinham com veneno: “TRAVADO”, “VOLTA A JOGAR MAL”, “PALMEIRAS NÃO ENCAIXA”e por aí vai.

Já o Santos, com resultados até piores, e com muito mais chances de se manter no G4, no qual ainda estava antes do jogo contra o Vasco, as manchetes cantavam de outra forma: ‘É QUARTA-FEIRA!”, “CABEÇA NA COPA DO BRASIL” e assim por diante.

Enquanto o Santos se guardava pra decisão, o Palmeiras ia de mal a pior. É assim que a imprensa, que devia ser imparcial, relatava as coisas. Querem exemplos? Tão aqui dois:

 

O Palmeiras entrou com time praticamente reserva contra o Cruzeiro, obviamente priorizando a Copa do Brasil, cujo primeiro jogo, fora de casa, ocorreria em 04 dias. Depois do Cruzeiro sair vencendo, Dudu e Barrios, entre outros, entraram, o Palmeiras melhorou e empatou. Mas a manchete não fez nenhuma referência ao time reserva, e decretou “Alviverde volta a a jogar mal…” seguido de #tropecoemcasa #palmeirasnaoseencontra

Na mesma rodada, o Santos perdeu pro Coxa, quando ainda estava no G4, mas a manchete do mesmo jornal foi beeeem leniente:  “De olho na Copa do Brasil, santistas usam reservas e levam 1 a 0 …” e #cabecanacopadobrasil

Para o Estadão, só o Santos, o provável campeão, que ia humilhar, estava e poupando pra final. O Palmeiras não se encontrava e continuava jogando mal. Imparcial, não?

A mesma coisa fez o Globoesporte.com.

Na derrota para o Coritiba, a manchete foi em tom de funeral: “TRAVADO No 5º jogo seguido sem vencer como mandante no Brasileiro, Palmeiras perde diante do pior público”. Em nenhum momento se preocuparam em i) lembrar que o Palmeiras já não tinha mais chance de chegar ao G4, ou que era quase impossível; ii) que o time inteiro era reserva, à exceção de Lucas que, suspenso, não jogaria a final; e iii) que o Palmeiras jogaria, dali poucos dias, o JOGO DA VIDA neste 2015.

Em São Januário, o Santos acabou de enterrar suas chances de chegar ao G4, contra o segundo adversário seguido na zona do rebaixamento, mas ao invés de criticar como condenou o Palmeiras, o portal global preferiu amenizar com “É QUARTA-FEIRA! Com reservas, Peixe perde, não chega mais ao G4 e agora se concentra na final da Copa do Brasil”.

Nos prognósticos da finalíssima que antecederam os dois jogos, a retórica não mudou: o Santos vai trucidar, vai humilhar, O Palmeiras se jogar o que tá jogando vai se dar mal e blablablá. E aí veio o segundo jogo, o Palmeiras foi o gigante de sempre e deu no que deu.

Mas aí é que temos que refeltir. Ora, não é de hoje que as coisas são assim e o Palmeiras é diminuído pela imprensa especializada. Este blog mesmo, se vocês forem lá ler os primeiros posts, de setembro de 2010, foi criado justamente por não aguentar mais tanta tendenciosidade e má vontade com a gente.

Só que, o que eles não percebem, e eu também não percebia lá no começo, é que isso tudo só nos fortalece. Se não tivessem pisado tanto na nossa cabeça essas semanas e dias todos que antecederam as duas finais, será que o Palmeiras iria entrar em campo com aquela fúria, aquele ódio todo, aquele sangue nos olhos? Talvez não.

No final das contas, a gambazada da imprensa acabou sendo o combustível a mais que precisava pra esse time se superar e superar também um adversário que vinha tecnicamente melhor pros dois jogos decisivos. A continuar assim, que desdenhem sempre, muito obrigado! 

E até prefiro que a imprensa desdenhe mesmo, porque a nossa vitória é muito mais saborosa, improvável (pra eles, pra gente nunca), é contra tudo e contra todos, contra os árbitros, contra os jornalistas, e a conquista é só nossa, não temos que dividir com a CBF, com o STJD, com a Comissão de Arbitragem ou com o dinheiro a mais da cota de TV. Somos campeões, apesar deles!

Melhor que isso, impossível.

Assim é que, no melhor estilo palestrino, com muita gozação e bom humor, que temos que responder pra imprensa como o grande site Mídia Palmeirense fez no vídeo a seguir:

Que a nossa próxima conquista seja festejada em casa,  de preferência abraçando o santista Cleber Machado nos arredores do Palestra enquanto comemoramos mais uma Taça Libertadores da América com direito a eliminação da freguesada.

Deixem os caras falarem, deixem eles virem e verem o quanto o Palmeiras é imenso, porque no final, eles caem de bunda em cima da própria língua.

Não importa o que diga Essa imprensa de Gambá, já dizia o sábio…

AVANTI TRICAMPIONE!

Palmeiras 2 (4)x(3) 1 Santos – Copa BR

De toda a ansiedade, angústia e preocupação que tomaram conta da alma do palmeirense nessa última semana, depois de termos sido absurdamente prejudicados, não termos jogado nada e ainda escaparmos de um 3×0 que teria sido definitivo, uma única coisa acalmava a tensão, pelo menos a minha: a fé incondicional na justiça divina.

Quis o destino que um pênalti mal batido pelo Dudu nos custasse o título Paulista, quando éramos muito mais time que os adversários do litoral, que inclusive fizeram de tudo pra impedir que o Palmeiras jogasse no jogo da ida. No fim, o placar magro não foi suficiente, e o 2×1 na praia levou o jogo pros pênaltis e, enfim, todos lembram o que aconteceu.

Deixamos escapar, nós perdemos, eles não ganharam o Paulistão.

Veio o Brasileiro, foi o Oswaldo, chegou o Marcelo, aí perdemos o Gabriel, disparado nossa melhor contratação. E o time que vinha numa crescente caiu. Da terceira melhor defesa da competição, viramos uma das piores. 02, 03 gols por jogo.

Na fase aguda da Copa do Brasil, despachamos Cruzeiro, Inter e Fluminense, sempre favoritos para a imprensa, até chegarmos na final contra o “infinitamente melhor” Santos, também segundo os ilustres jornalistas esportivos.

Mas aí eu falava de justiça divina.

Antes da finalíssima, o Palmeiras escapou duma surra na Baixada em jogo válido pelo Brasileiro, no qual o camisa 9 do adversário, este moço bom e religioso que todos conhecem, resolveu mexer com o nosso brio.

Fez careta depois de marcar um gol que, afinal de contas, não serviu pra bosta nenhuma, já que esse bom senhor irá assistir a Libertadores no ano que vem do sofá de casa ou na sua congregação religiosa.

Ricardo Oliveira devia ser um adolescente em 1993, mas já devia saber que não se provoca o Palmeiras antes da hora. Lembra do Viola?

E o mais curioso que humildade é uma coisa que não se aprende. Um cara que sempre foi coadjuvante a carreira inteira, nunca foi peça chave pra conquista de nenhum título importante que ele tem no currículo (e não são poucos), de repente se reinventa aos quase 40 anos, vira artilheiro do campeonato brasileiro, é convocado pra seleção, mas ao invés do cara se sentir agradecido, não, resolve tripudiar pra cima dum colega de trabalho.

O gol que ele fez aos 40 e sei la quantos minutos do segundo tempo, e que deu números finais ao jogo de hoje e encaminhou a decisão para a marca de cal, tinha um propósito maior.

E realmente teve. Ricardo Oliveira teve que assistir justo o Fernando Prass, quem diria, marcar o gol do título. CHUPA!

Ainda sobre justiça divina, não ia ser na nossa casa que um zé ninguém como David Braz – que seria ainda mais zé ninguém se não fosse justamente o Palmeiras, de onde saiu mais pelas portas do fundo do que qualquer outro jogador – iria comemorar um título. Pelo contrário, saiu de maca, chorando. Pois é…

Justíssimo também que, passados exatos 360 dias desde aquele maldito e vexatório 07 de dezembro de 2014, em que o Palmeiras pessimamente comandado por Dorival Junior envergonhou sua torcida e dependeu do Vitória não vencer seu jogo para não ser rebaixado, seja dado o troco pra esse treineiro que jamais deveria ter integrado nosso departamento técnico.

Divirta-se você também, Dorival, assistindo a Libertadores na FOX, amigão!

Querem outra justiça? Dudu, que tinha perdido o penalti que nos custou o Paulistão, fez os dois gols que encaminharam a nossa conquista. Amém!

Que gostoso vai ser assistir, ler, ouvir e rir amanhã de todos os comédias das redações esportivas, esses Rizeks, Cerettos e companhia limitada, que tanto menosprezam a camisa verde, mas que justamente pelo time que torcem deviam saber como a banda toca. Nada mais justo.

E, por último, justiça seja feita à festa maravilhosa que nossa torcida fez em campo hoje, nós fizemos a diferença, todos juntos, organizados ou não, fizemos valer o nosso caldeirão e merecemos também essa conquista. E o cara que teve a ideia de colocar o Prass no mosaico merece uma estátua na entrada do Allianz. Que insight!

Finalmente estamos de volta na nossa casa. Agora quero ver segurar…

É nóis na Liberta!!!!

Parabéns, Palmeiras! É CAMPEÃO!!!!

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 0x2 Coritiba – BR15

1) Vi a escalação do time de hoje, juro pra vocês, achei que fosse lista de dispensas pro ano que vem. Pra quem acha que temos elenco, esse jogo de hoje é pra refletir melhor a respeito. Não temos.

2) É por isso que, em 13 edições do BR por pontos corridos,  nossa posição tem sido, salvo raras exceções – a última há mais de 6 anos, da metade da tabela pra baixo.

3) Quem não tem elenco, tinha que ter o melhor DM do mundo, porque não pode se dar ao luxo de perder jogador titular. Também não temos.

4) Algo a se pensar na montagem de elenco e estrutura pro ano que vem. Mas só depois de quarta.

——-

Confio na nossa camisa. Confio na nossa história. Confio na nossa bancada. Confio no nosso time.

Que cada palmeirense – torcedor, jogador, treinador e dirigente – entre em campo na quarta-feira com sangue nos olhos, com ódio, com raiva dessa porra de Santos, com nojo dessa imprensa suja que já elegeu o campeão, que mostraremos pra todo mundo que SOMOS PALMEIRAS, que SOMOS TORCIDA e que É TUDO NOSSO!

PRA CIMA PALMEIRAS! PRA CIMA PALMEEEEEEIRAS!

AVANTI PALESTRA!        

Oliveira 1×0 Palmeiras

E só pa variar, a atuação marcante no jogo de hoje foi de um salafrário, safado, que integra aquela família que tanto mal prestou ao futebol. 

O morfético saiu de campo sem dar um penalti absurdo em Lucas Barrios, e deu lugar ao outro safado, que deixou de dar amarelo pro 20 dos inimigos no mesmo lance em que amarelou e expulsou nosso jogador. 

Apesar da já esperada arbitragem suja, o Palmeiras não foi bem, principalmente por não conseguir manter a posse de bola e criar situaçōes de ataque. 

Mas pra imprensa suja que esperava um massacre do time do litoral, deve ter sido uma decepção o resultado e principalmente o desempenho do Fernando Prass. 

Jackson, meu filho, não se perde um gol dessses em final de campeonato…

Campeonato paulista, jogo de ida, perdemos um penalti que custou o título. Chegou a hora do payback…

Quarta que vem vamos jantar sardinha. 

AVANTI PALESTRA!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.498 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: