De Chorar: Despedida de Ademir da Guia no Allianz Parque

FullSizeRenderMuita gente foi às lágrimas em mais um evento teste do Allianz Parque, que dessa vez abrigou o jogo de despedida de Ademir da Guia, que contou com a presença do Divino, Marcos, Evair, Tonhão, Velloso, Sampaio, Clebão, Cafu, Odair, Celio, Rosemiro, Pires, Leivinha, Dudu, Galeano, Denilson, Claudecir, Adãozinho, dentre vários outros ex-jogadores do Verdão.

Não podia ser diferente, ver nossa casa receber novamente uma partida de futebol, depois de 4 anos, é de emocionar qualquer um. Dez mil pessoas puderam matar saudades dos nossos ídolos e ainda conhecer um pouco mais do que será nossa casa daqui pra frente.

O estádio impressiona. Já fui lá 04 vezes desde o início da obra e ainda é como se fosse a primeira vez, tantos são os detalhes e a perfeição que prendem a atenção. Não há nada igual no Brasil, ou na América do Sul. A casa do Palmeiras é, sem dúvida, a melhor do continente.

O jogo de despedida de Ademir terminou num muito bem ensaiado 3×3, e teve direito a gol do Célio sem goleiro – pra compensar aquele perdido contra os Gambás há 30 anos atrás, teve até gol do Gottino, o apresentador mais palestrino da TV Record.

FullSizeRender-4E, claro, teve gol do Divino, que ainda perdeu um pênalti batido em Sergio, mas não perdoou o Santo. O primeiro gol na Arena foi de Ademir, e o primeiro gol sofrido foi de São Marcos de Palestra Itália. Como deveria ser.

Teve a torcida pedindo pro Cafu voltar a jogar.

E teve esse cara aí da foto, parando de torcedor em torcedor e fazendo uma pose pra cada máquina fotográfica que lhe foi apontada. Tonhão, Tonhão, Tonhão, Tonhão, Tonhão!

A seguir mais algumas fotos do que nos aguarda:

FullSizeRender-2 FullSizeRender-3 FullSizeRender-5 FullSizeRender-6 FullSizeRender-7 FullSizeRender-8 FullSizeRender-9 FullSizeRender-10 FullSizeRender-11 FullSizeRender-12

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 1×1 Gambá – BR14

Novamente o Palmeiras foi melhor e não soube converter a vantagem em 03 pontos. De novo no fim da partida, cedemos o empate. Era pra termos 40 pontos, precisando de mais 06. Só que não, ainda faltam 10 pra termos sossego. E só faltam 07 jogos, precisaremos de 50% de aproveitamento nos próximos jogos.

E o que foi igual nos dois últimos jogos? O Palmeiras marcou, entregou o campo pro adversário, recuou demais e acabou sofrendo o gol de empate. Injusto. De novo com a trave impedindo a vitória, dessa vez duas vezes…

Dorival, na minha opinião, errou ao colocar o Diogo ao invés do Mouche. O argentino tinha ido muito bem contra o Gremio e contra o Cruzeiro, e seria a melhor opção para os contra-ataques. Diogo entrou mal, não ajudou em nada. E pra mim Marcelo Oliveira sobrecarrega a defesa, apesar de Tobio e Nathan terem jogado muita bola hoje.

E de novo tomamos o gol numa dessas cagadas malditas que só acontecem com a gente: uma bola que ia pra fora desvia nas costas do zica do Juninho e entra.

Injusto.

Ganhar do Bahia lá passou a ser obrigatório. Tá na hora do Kleina pagar a dívida que tem com a gente.

AVANTI PALESTRA!  

Evento Teste no Allianz Parque: Despedida do Ademir

Boa noite, Palestras!

Pra quem for amanhã no jogo de despedida do Adelir da Guia, seguem as informações sobre entradas, estacionamentos, horários de abertura dos portões, etc.

comochegar_jogoademirEu e o Marcelo estaremos lá, e depois publicaremos as fotos e nossa impressão de ver a bola rolando de novo em casa.

AVANTI PALESTRA!

  

Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras – BR14

Tem duas maneiras de se interpretar o jogo de hoje. Se analisarmos que o Palmeiras marcou aos 43 do segundo tempo e tomou um gol aos 48, sentiremos um gosto de derrota. Se analisarmos o jogo inteiro, as defesas absurdas do Prass durante todo o jogo, sentiremos que o empate foi de muito bom tamanho.

Vai na conta da diretoria mais um jogo em que o Palmeiras foi vergonhosamente prejudicado: primeiro pela não expulsão de Egidio, que tirou um gol do Palmeiras de cima da linha quando já era pra estar no chuveiro, e ainda fez mais uma falta pra amarelo não marcada, e depois pelos inexplicáveis 05 minutos de acréscimo dados pelo safado do juiz dentro dos quais o Cruzeiro conseguiu empatar. Enquanto isso, a FPF passando pano pros gambás não se foderem… É então…

O jogo foi o que a gente esperava, o Palmeiras sem Valdivia se limitou a defender e o Cruxeiro a atacar. Uma partida fantástica de Fernando Prass, até mesmo pelo último lance, que resultou no gol do Cruzeiro, que um corta luz involuntário da nossa zaga elimina qualquer hipótese de se falar em falha.

Um único chute no gol durante todo primeiro tempo, contra nove do Cruzeiro. O empate estava ótimo.

Daí começou o segundo tempo, o Prass continuava operando um milagre atrás do outro e o Palmeiras foi se soltando, especialmente nos pés de Bernardo, que jogou bola hoje como nunca tinha feito com nossa camisa.

Daí, o primeiro lance capital: Egidio parou um contraataque com falta por trás, lance pra amarelo, e já tendo tomado um cartão, foi “perdoado” pelo Pericles Bassols. Logo na seqüência, ataque do Palmeiras, bola na trave do Mouche e coube ao mesmo Egidio tirar a bola em cima da linha.

Daí, tudo que ninguém jamais sonhou: 43 minutos, contra-ataque perfeito do Palmeiras, Menezes/Henrique/Golaço do Mouche.

Coube de novo ao Pericles Bassols resolver pro Cruzeiro: absurdos 05 minutos de acréscimo num jogo que não teve uma interrupção, uma cera, um atendimento em campo, absolutamente nada. Safado. E depois dos 48, o Cruzeiro empatou, num lance de novo pela direita, 03 gols em 02 jogos, viu Dorival…

Foi triste não ter ganho os 03 pontos, mas convenhamos, pontuar em Minas contra o líder e sem o nosso principal jogador está de muito bom tamanho. Mas os 03 pontos iam ser perfeitos. Que sirva de lição pra que o Palmeiras entre com sangue nos olhos contra os Gambás malditos no sábado.

Pra cima Palmeiras! PRA CIMA PALMEEEEEEEIRASSSSS!!!  

 

Se liga Dorival!

Salve meus amigos Centenários e parceiros de bipolaridade.

Nesse final de semana, o céu virou inferno em menos de 30 minutos e a cena que se viu nos arredores do Pacaembu foi de pais e filhos com moral baixo e andando em passos hesitantes e rápidos, procurando em cada canto uma resposta do que estava acontecendo, nem Freud explica! PQP!

E a partida se mostrava tão previsível, pois por inúmeras vezes o lado direito do time estava exposto, onde o jovem lateral João Pedro, com Mena, Robinho e Geuvânio caindo por lá e o morfético do Wesley correndo no melhor estilo ameba revoltada, deu no que deu. Prá piorar, o meio campo estava torto, pois as investidas dos Sardinhas eram todas por aquele lado e tínhamos 03 laterais esquerdos em campo, prá quê?

Amanhã contra os Marias será a mesma coisa, pois irão explorar esse lado e por sorte teremos Washington, que se mostrou sério e comprometido.  Mas é limitado tecnicamente…

Outra coisa, mandem Wesley e Leandro treinar em Guarulhos, o comportamento deles desanima todo o elenco, dê chances para o mendieta, Renato, Bernardo, sei lá, mas não coloque esses amebas em campo. Afinal o pior estilo comportamental que existe é gente descompromissada e com talento, pois sabemos que ambos sabem jogar bola e estão de sacanagem conosco.

Nesses próximos 03 jogos, deveremos jogar com “sangue nos zóio”, brigando por cada bola e não deixando os Marias, Gambás e Bibas do Axé jogar, reduzindo espaço – Lembre-se que jogar na espera do erro do adversário é marcação do meio campo prá frente, sem sufocos na nossa área.. No último dérbi do Porcoembu o Valpinga jogará e sendo assim, é dar a vida prá mostrar aos mulambos quem manda no estádio.

Dorival, por favor, faça o básico e não pense em 2015 agora. Tente salvar 2014, que era prá ser um ano de celebrações e alegrias e virou isso aí…

Palmeiras: um filme tão imprevisível quanto uma película de Tarantino.

Palmeiras 1 x 3 Sardinhas – Br14

E voltamos à realidade do Palmeiras, depois de 03 vitórias, a última até improvável, coube ao competente time do Santos mostrar o quanto incompetente é o Palmeiras.

A começar pelo treinador, que insiste em montar o time com dois laterais esquerdos, insiste com Marcelo Oliveira depois de uma partida excelente do Washington, insiste em não estudar o adversário, deixando pro Santos justamente o contra-ataque que é a arma forte do time dos caras.

O castigo foi pouco. Voltamos ao Serra Dourada, o que chegou no gol entrou, a não ser uma defesa impossível do Prass num chute do Arouca, mas já fava 03… E do outro lado, o que o Palmeiras perdeu de gol foi incrível, Wesley e Henrique principalmente. Wesley que, aliás, foi xingado pelos 33 mil presentes quando foi substituído. Não sei porque esse morfético ainda veste nossa camisa, já que não vai renovar, devia ficar apodrecendo em Guarulhos…

E o pior é que o Palmeiras não jogava mal quando sofreu o primeiro gol, e até continuou tomando a iniciativa do jogo, mas a fragilidade da nossa defesa é um convite pra desgraça, Parei de contra, mas desde que o Dorival chegou já foram mais de 25 gols sofridos, um absurdo.

E nem vou perder tempo reclamando do impedimento no terceiro gol dos caras, porque pra isso o Palmeiras teria que ter feito pelo menos 02, mas como não fez, deixa pra lá…

E o pior que era a rodada perfeita – mais uma – uma vitória e terminaríamos em décimo lugar, sete pontos fora da zona da degola. E o pior mesmo é que teremos que correr atrás justamente contra o líder, em Minas, e depois contra a gambazada, seguindo com o confronto direto contra o Bahia fora e os Bambis, no Panetone. Esses 7 pontos – que ficaram sendo os mesmos 4 do início da rodada – seriam importantíssimos pra esse momento.

Tá na hora do Dorival mostrar que não é cego ou burro, essa defesa tá acabando com o Palmeiras.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 2×1 Gremio – BR14

Uma vitória com V maiúsculo. Era o que faltava pra esse time ganhar a confiança necessária pras 04 vitórias que faltam.

E o melhor jogador do time foi a torcida. 30 mil pessoas num Pacaembu estrumado não pararam de empurrar o time pra cima do Gremio, mesmo depois dos gaúchos terem aberto o placar, em mais um lance contra o Palmeiras marcado pelo árbitro adicional, essa categoria maldita de juízes cuja única função na Terra é marcar lances contra o Palmeiras. Mais uma…

E teve dirigente do Gremio com a sem-vergonhice de culpar a arbitragem. Vai chorar na cama que é lugar quentes tchê! E o Felipão também achou ruim que a torcida pegou no pé dele, e disse que o povo gaúcho, quando ele ia jogar lá no Sul pelo Palmeiras, sempre o recebia com muito carinho. Ok, Felipão, rebaixa o Grêmio e vê o carinho que os caras vão ter… Menos pra você também…

O Palmeiras jogou melhor e mereceu a vitória, e gremista ficar choramingando da arbitragem não diminuirá o fato de que o Palmeiras ganhou e convenceu, mereceu sair com os 03 pontos. Se jogasse assim o ano inteiro…

Diferença feita por aqueles que precisam fazer a diferença sempre: Prass e Valdivia. E Dorival hoje também, fez tudo certo, está longe de ser um treinador de ponta, mas 03 vitórias seguidas era algo que o palmeirense não via desde sei la quando.

Agora é pra cima dos lambaris. Mais 4 vitórias e já pode encerrar o ano.

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 1 GRÊMIO

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 11 de outubro de 2014, sábado, às 21h
Árbitro: Sandro Meira Ricci (FIFA-PE)
Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (FIFA-SE) e Clovis Amaral da Silva (PE)

Público/Renda: 26.940 pagantes / R$ 647.130,00
Cartões amarelos: Lúcio (PAL); Fellipe Bastos, Riveros, Dudu E Ramiro (GRE)
Cartões vermelhos: Barcos, aos 17’/2ºT

GOLS: Barcos, aos 10’/2ºT (0-1); Mouche, aos 22’/2ºT (1-1) e João Pedro, aos 29’/2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; João Pedro, Lúcio, Tobio e Juninho (Mouche, 20’/2ºT); Victor Luis, Washington, Wesley e Valdivia (Bernardo, 46’/2ºT); Cristaldo (Leandro, 35’/2ºT) e Henrique. Técnico: Dorival Júnior

GRÊMIO: Tiago; Pará, Bressan, Pedro Geromel e Zé Roberto; Ramiro, Fellipe Bastos (Riveros, 28’/1ºT), Matías Rodríguez (Lucas Coelho, aos 26’/2ºT), Alán Ruiz (Giuliano) e Dudu; Barcos. Técnico: Luiz Felipe Scolari

AVANTI PALESTRA!

Botafogo 0x1 Palmeiras – Br14

Paro aqui pra escrever esse post tomando uma Gordelícia, pensando em quantos números ruins derrubamos hoje. Foram 23 rodadas sem o goleiro titular. 21 sem ganhar um jogo como visitante. Desde agosto de 2012 sem ganhar no Rio de Janeiro. Desde a parada pra Copa do Mundo sem estar numa posição tão “alta” na tabela.

E mesmo assim ainda faltam alguns 14 pontos pra esse ano ser mais um daqueles que o palmeirense conseguirá apagar da memória.

O que mais marcou hoje foi, de novo, a falta de capacidade do Palmeiras em matar um jogo relativamente fácil. Dois lances do Allione ressuscitaram o fantasma de Florianópolis, quando o argentino deixou de passar, ora pro Wesley, ora pro Leandro, bolas que seriam o prego na tampa do caixão do Botafogo.

E coube ao Henrique, ele mesmo, do joelho direito que não dobra, a garantir os três pontos, com um improvável gol depois de uma também improvável matada de bola daquelas que o Henrique nunca dá, isso numa jogada mais que genial do Valdivia, que girou duas vezes sobre a zaga dos cariocas antes de cruzar.

Coube também ao Prass espalmar pra frente aquelas bolas que o Deola sempre espalmava pra dentro.

Resultado final foi um jogo ruim, tenso, teste de nervos pro palmeirense, e que culminou nos três pontos e, até aqui, 12a posição na Tabela. Faltam 14 pontos, ou um pouco menos.

9 pontos ganhos dos últimos 12 disputados. E só não é excelente porque perdemos em Floripa os 3 pontos mais ganhos da história do futebol…

Sábado o Felipão tem dívida a pagar com o palmeirense. Estaremos lá.

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO 0 X 1 PALMEIRAS

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data-Hora: 8/10/2014 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Fabricio Neves Correa (RS)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) Jose Antônio Chaves Franco Filho (RS)
Renda e público: R$ 218.760,00 / 9.122 pagantes / 10.200 presentes
Cartões amarelos: Matheus, Carlos Alberto (BOT); Marcelo Oliveira, Juninho, Valdivia (PAL)
Gols: Henrique 4’/2ºT (0-1)

BOTAFOGO: Helton Leite; Régis, Matheus, André Bahia e Junior Cesar; Airton (Wallyson 15’/2ºT), Gabriel, Fabiano (Carlos Alberto 31’/1ºT) e Ramírez; Rogério e Zeballos (Yuri Mamute 30’/2ºT) – Técnico: Vagner Mancini.

PALMEIRAS: Fernando Prass; João Pedro, Lúcio, Tobio e Juninho; Marcelo Oliveira, Victor Luis, Wesley (Washington 41’/2ºT) e Valdivia; Cristaldo (Leandro – intervalo) e Henrique (Allione 32’/2ºT) – Técnico: Dorival Júnior.

AVANTI PALESTRA!

Palmeiras 4 x 2 Chapecoense – BR14

No intervalo do jogo, o clima de revolta e de deja vu era intenso. Mais um jogo em que o Palmeiras havia dominado todas as iniciativas, perdido gols incríveis, e na única bola chutada no nosso gol, o maldito do Deola aceita. São 13 gols em 05 jogos. Deve ser um recorde. E o pior é que o penoso chega na bola, mas espalma tudo pra dentro. Enfim, que o Jailson seja milhões de vezes melhor que ele, o que não é pedir demais. Basta espalmar pra frente, já será um enorme avanço.

Mas no segundo tempo, logo as coisas começaram a mudar. Aos 7 já estava 1×1, gol de Wesley de canhota. Aos 8 uma defesa monumental do goleiro deles (já tinha feito outra incrível no primeiro tempo, chute do Victor Luiz). Aos 12, cobrança de escanteio de Wesley, desvio de Valdivia e gol de Henrique, aos 15 pênalti pro Palmeiras não marcado pelo Vuaden (o segundo, já tinha deixado de não marcar um pênalti escandaloso no João Pedro no primeiro tempo), aos 18 finalmente marcado o pênalti, gol de Henrique, e aos 24 outro pênalti pro Palmeiras, mais um gol de Henrique.

Quem diria, Henrique, ex-Lusa, com apenas um joelho que dobra – podem reparar que o outro é fixo, não tem articulação – chegou à artilharia do campeonato, com 12 gols…

A virada a la Figueirense parecia ter dado números finais ao jogo, e a torcida já até ensaiava um olé, quando Lúcio, repetindo uma saída de bola errada, como aconteceu n vezes durante o jogo, entregou a bola nos pés dos homi, perdeu na corrida pro atacante e só assistiu a bola ser cruzada na área para, advinham, desviar no Deola e ir parar no fundo do gol do Palmeiras…

Com o resultado, o Palmeiras assumiu o 15º lugar (que era da Chape), com 28 pontos, e aconteça o que for até o fim dessa rodada, não volta pro maldito Z4. Além disso, conquistou a oitava vitória, o mesmo número de jogos ganhos pelo Atlético/PR, 11º na tabela, o que será o mais importante dos critérios de desempate, já que o Palmeiras tem a pior defesa (41 gols) e o segundo pior saldo de gols (-16) do Campeonato, além de ser também o time que mais perdeu (14 derrotas) e menos empatou (4 jogos) na competição.

Marcas sofríveis, e que dão a  real dimensão do problema crônico no Palmeiras na defesa, do goleiro ao primeiro volante, todo mundo tá devendo, e muito. Dorival precisa começar a pensar em um esquema tático que não deixa a zaga tão exposta, afinal em 08 jogos desde que chegou o novo treinador, são 17 gols sofridos… 

E mesmo com frio e alguma chuva, fomos mais de 15 mil pagantes hoje no Municipal. Na Gaiola, terça, nem 5 mil assistiram a uma partida eliminatória de um torneio internacional do ex-vice líder do Brasileirão. Pois é… Enfiem a pesquisinha mentirosa do Lance no centro do rabo. 

Faltam 12 jogos. Faltam 17 pontos. Pra cima do Botafogo! Se segura formiguinha!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 4 X 2 CHAPECOENSE

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data-hora: 2/10/2014 – 19h30
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: José Antônio Chaves Franco Filho (RS) e José Javel Silveira (RS)

Público / Renda: 14.299 / R$ 304.500,00
Cartões amarelos: Zezinho, Fabinho, Rafael Lima e Rodrigo Biro (CHA)
Cartões vermelhos: – 

GOLS: Leandro (aos 39’/1ºT e 47’/2ºT), Wesley (aos 7’/2ºT) e Henrique (aos 12’/2ºT, 20’/2ºT e 24’/2ºT)

PALMEIRAS: Deola, João Pedro, Lúcio, Gabriel Dias e Juninho; Marcelo Oliveira, Victor Luis, Wesley (Bruno César, aos 30’/2ºT) e Valdivia (Bruninho, aos 37’/2ºT); Diogo (Cristaldo, aos 38’/1ºT) e Henrique – Técnico: Dorival Júnior

CHAPECOENSE: Danilo; Fabiano (Ednei, aos 22’/2ºT), Douglas Grolli, Rafael Lima e Rodrigo Biro; Abuda, Ricardo Conceição (Wanderson, aos 32’/2ºT), Zezinho (Nenén, no intervalo) e Camilo; Fabinho Alves e Leandro – Técnico: Jorginho.

03 músicas

Salve meus amigos Centenários, depois de um suspiro no meio de semana contra o Vitória e nos 75 minutos iniciais contra os Gambás da Ilha de Floripa, tivemos uma falsa impressão que o time estava entrando nos eixos, ledo engano!

Prá tentar relaxar- após a derrota mais sofrida do ano-  fui ouvir um som no isolamento dominical noturno e em 03 músicas, de três grandes compositores Brasileiros (Renato Russo, Cazuza e Raul Seixas), encontrei o enigma do nosso amado Palmeiras, em trechos que descrevo abaixo:

“Nas favelas, no Senado, Sujeira pra todo lado

Ninguém respeita a Constituição

Mas todos acreditam no futuro da nação

Que país é esse?”

A mensagem fica clara, desde os jogadores até a pseudo Diretoria de futebol que temos, não há respeito às regras de representar o Palmeiras, o modelo de gestão é arcaico, os estatutos são ignorados, onde os controladores só pensam no próprio umbigo e nas benesses que o cargo de Conselheiro ou Diretor traz.

“Terceiro mundo, se for

Piada no exterior

Mas o Brasil vai ficar rico

Vamos faturar um milhão

Quando vendermos todas as almas

Dos nossos índios num leilão

Que país é esse? “

Nesse trecho, mostra a que nível chegamos, sendo a Série B o nosso bloco de emergentes (justo o Palmeiras?) , motivo de piadas diversas e as promessas de prosperidade com a Arena e os ganhos que teremos, tudo vinculado à perda da essência, da alma alviverde.

Na música de Cazuza, chamada Brasil, identifiquei outra correlação com  a nossa história:

“Brasil!

Mostra a tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil!

Qual é o teu negócio?

O nome do teu sócio?

Confia em mim

Grande pátria

Desimportante

Em nenhum instante

Eu vou te trair

Não, não vou te trair”

Essa é a dúvida que paira em milhões de cabeças apaixonadas pelo Palmeiras, quem paga prá ficarmos assim? A resposta mais simples seria: Mustafá Contursi , mas algo diz que há mais gente nesse esquema que montaram no Palmeiras desde a década de 70, com um pequeno hiato na era Parmalat.  A única certeza nessa letra é que a traição nunca ocorrerá oriunda das arquibancadas, que eles insistem em evitar e se afastar.

Terminei meu domingo depressivo ouvindo um Raul, mais precisamente “Aluga-se” e aí fica escancarada a única solução viável para essa sofrida marca :

“A solução pro nosso povo

Eu vou dá

Negócio bom assim

Ninguém nunca viu

Tá tudo pronto aqui

É só vim pegar

A solução é alugar o Brasil!…”

Melhor que tentar vender espaço para patrocínio, deveriam investir suas forças (se é que existem…) na aquisição do Palmeiras por um grande Investidor Internacional, pois tudo leva a crer que em breve, o Ministério dos Esportes irá liberar esse tipo de operação, ainda mais com os débitos trabalhistas e fiscais que os falidos clubes têm com a união.

E nós que passamos os anos 90 ouvindo “we are the Champions”do Queen…PQP!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.906 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: