Dando Mole pra Kojack

Bezerra da Silva, que junto do Tim Maia devem comandar toda a algazarra no Céu (ou onde quer que eles estejam), eternizou a expressão da malandragem carioca dos anos 60, Dando mole pra Kojack, que, todos sabem, significa ficar vacilando, dando colher de chá pro azar e tal, embora a referência musical faça menção ao malandro que marca toca com a polícia.

Pois acho que é isso mesmo que o Palmeiras está fazendo na renovação com o Kardec. Vacilando. Pela demora também, mas principalmente por permitir que outros interessados, clubes de insignificância muito maior que o Palmeiras mas de situação financeira muito mais confortável, e que com condições de propor muito mais dinheiro ao jogador, comecem a acreditar que não será necessário muito esforço pra tirá-lo do Palmeiras.

Se o discurso do pai do jogador, que só está interessado em conseguir mais $$ pro filho, precisa ser ouvido com ponderação, por outro lado sua irritação deveria sim preocupar, e muito. Se amanhã esse cara cismar que não gostou da postura do Palmeiras e que não quer mais saber de renovar com o clube, dinheiro nenhum vai demovê-lo dessa ideia. Dinheiro, aliás, que o clube não tem, ou diz não ter.

Essa indefinição compromete, aliás, o desempenho técnico do jogador, que se sente desvalorizado pelo clube, ademais depois de ter a certeza que, ao lado de Lúcio, já em fim de carreira, foi a única contratação acertada dessa gestão.

A demora traz a tona, novamente, as feridas do caso Barcos, e o medo de perder dois dos melhores atacantes do país em pouco mais de um ano assombra o torcedor até o último fio de cabelo. A ponto de situações esdrúxulas como a criação de um site para que o atleta não deixe o clube. Como se fosse isso que faltasse pra quem tem o martelo na mão fechar o negócio…

Mas, o que mais preocupa, na minha análise, é que, a não ser pra se livrar do Barcos, o que aconteceu num piscar de olhos – não importando para o fim deste post quais foram os motivos – a marca registrada dessa gestão tem sido a vagareza, e isso tem custado ao clube diversas oportunidades.

Que o Palmeiras queira implementar um novo modelo de contrato baseado na produtividade é algo a se aplaudir, mas não se pode querer reinventar a roda ou o fogo da noite pro dia, e esperar que toda uma cultura de décadas simplesmente seja deixada para trás.

Não são poucos os bons valores que o Palmeiras perdeu e ainda perderá caso deseje continuar levando à ferro e fogo esse modelo, e ninguém tem dúvidas de que não se faz um time campeão apenas com jovens promessas e jogadores em estado físico questionável ou em fim de carreira, os únicos que até aqui, toparam sem ressalvas a produtividade.

Da mesma forma, quantas oportunidades de patrocínio não devem ter sido rejeitadas, por não chegarem no valor pretendido, que dizem ser de R$ 30 milhões? E se ofereceram 20, 17, não teria valido a pena? Ou esses 350 dias de espera por uma proposta messiânica sem patrocínio nos valeram de alguma coisa?

E, enquanto só se fala no Kardec, seguimos sem reserva pra ele, sem um lateral direito, sem um segundo zagueiro, sem goleiro pra substituir o Prass, com o Wesley na iminência de sair também, e todos os outros times contratando – Hudson nos bambis, Elias, Ferrugem e Petros nos Gambás, só pra citar alguns nomes.

E o campeonato já começou, enquanto temos a certeza absoluta que, hoje, não podemos confiar no banco de reservas, a não ser quando o inocente do técnico decide colocar os titulares na reserva…

Por isso, toda essa demora na negociação com o Kardec não me deixa nada tranquilo, e mesmo que tiver dado certo no final, essa estratégia de vencer pelo cansaço não terá valido a pena. Mesmo porque, a chance de dar certo fica cada vez menor. É como diz aquele outro samba: Camarão que dorme a onda leva… 

AVANTI PALESTRA!

 

Criciuma 1 x 2 Palmeiras – BR14

Antes de mais nada, bem vindo, palestino, de volta ao lugar de onde nunca devíamos ter saído, onde somos os maiores, os primeiros octocampeões. Esperamos exatos 38 malditos, insuportáveis, inacabáveis jogos, pra ver de novo o Palmeiras no seu devido lugar.

Cansei de escrever aqui que o importante são os três pontos, sempre. Embora isso jamais deixe de ser uma verdade, precisamos olhar com franqueza pro jogo de hoje e afirmar com convicção: o Palmeiras NÃO mereceu vencer.

Foram 18 dias pra treinar e montar o time ideal, elenco inteiro à disposição. O que me faz Gilson Kleina??????? resolve botar no banco justamente o Wesley, o divisor de águas do time, pra dar lugar ao JO-SI_MAR, sim aquele que não quis jogar a série B pelo Palmeiras. Além disso, Leandro deu lugar ao Marquinhos Gabriel. Fomos de Prass; Wendel, Lucio, Tiago Alves e Juninho; M. Oliveira, Josimar, Bruno Cesar e Valdivia; Marquinhos Gabriel e Alan Kardec, O resultado foi lastimável, com direito a gol de falta de Paulo Baier, e um Palmeiras que não chutou no gol no primeiro tempo. Uma triste realidade de gelar a espinha de qualquer palmeirense sensato.

Fomos pro segundo tempo com duas alterações, maior atestado de burrice de treinador impossível. Me digam um treineiro que com o jogo na mão troca 02 jogadores duma vez só? Se trocou 02 é porque tinha cagado na escalação. Entraram Wesley e Leandro, saíram Marcelo Oliveira e Marquinhos Gabriel. E que não seja surpresa pra ninguém, que o Leandro fez o gol de empate, e  o Wesley cobrou a falta na cabeça do Kardec pra garantir o gol da vitória.

Vão dizer que foi a mão do técnico, os menos afetos, mas a gente que entende de bola sabe que só foi ele consertando a burrice sem tamanho de escalar o time como ele fez no primeiro tempo.

Outra questão preocupante: esse Thiago Alves não serve de lateral, e muito menos de zagueiro. O cara conseguiu fazer 02 penaltis no mesmo lance, uma voadora no jogador do Criciuma  e uma cortada na bola, tudo junto, e o juiz livrou a cara do cabaço não marcando nada,  ficou barato demais.

Enfim, o que vale são os 03 pontos, mas se for pra jogar assim, só podemos pensar que ainda faltam 45 pontos.

Cadê o patrocínio master?

CHUPA João Vitor!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

CRICIÚMA 1×2 PALMEIRAS

Local: Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma (SC)
Data/hora: 20/4/2014, às 18h30
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises (RJ) e Paulo Cesar Silva Faria (MT)
Renda e público: 11.768 pagantes/ R$ 249.590,00
Cartões Amarelos: Marcelo Olivera, Valdivia, Fernando Prass e Alan Kardec (PAL); João Victor, Escudero e Silvinho (CRI)
GOLS: Paulo Baier 12′/1ºT (1-0); Leandro 37′/2ºT (1-1) e Alan Kardec 42′/2ºT (1-2)

CRICIÚMA: Bruno; Eduardo, Fábio Ferreira, Escudero e Giovanni; Serginho, Ricardinho, João Vitor (Bruno Cortez, 44′/2ºT) e Paulo Baier (Wellington Bruno, 29′/2ºT); Silvinho e Bruno Lopes (Vitor, 15′/2ºT). Treinador: Caio Júnior

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Tiago Alves e Juninho; Marcelo Oliveira (Wesley, Intervalo) e Josimar; Bruno César (Rodolfo, 19′/2ºT), Valdivia e Marquinhos Gabriel (Leandro, Intervalo); Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA! 

Não Tem a Menor Graça

Não concordo com os muitos palmeirenses felizes com a derrota do Santos e o título do Ituano.

Primeiro de tudo, porque este foi um dos títulos mais fáceis de todos os tempos que o Palmeiras deixou escapar. Se o Palmeiras tivesse tido um pouquinho de competência, principalmente de seu treinador, hoje estaríamos todos gritando É Campeão!, fazendo a festa pelas ruas da cidade.

Os mais incautos vão dizer - perdemos pro campeão! Errado, perdemos pra nós mesmos. Perdemos pra nossa própria incompetência. Como acontece no mais das vezes.

O Ituano que venceu o Palmeiras não foi nem sombra do time que venceu o Santos semana passada e perdeu hoje. Chutou 03 bolas no gol do Palmeiras e bastou pra acabar com nossa chance de campeonato. Aquele jogo, se o Palmeiras jogasse 100 vezes, sem o Kleina e o Bruno, ganhava as 100.

Depois, não faz o menor sentido comemorar derrota do Santos. O Santos nunca foi rival do Palmeiras, que graça tem rir da derrota do Santos? E mais, esqueceram de todas as vezes que o Palmeiras parou nos pés de um time pequeno? Tão rindo porque sabem o quanto é ruim, é isso?

E, por último, e o pior de tudo, rir da desgraça alheia tem se tornado praticamente a única diversão de parte da torcida palmeirense. Queremos mesmo ser esse tipo de torcedor que só sabe gozar com o pau dos outros? Que não tem motivos pra comemorar os trunfos do próprio time e se rende ao pseudo prazer de ver o torcedor do rival provar um pouco do desgosto que tem sido ver o Palmeiras sucumbir campeonato atrás de campeonato?

Eu não quero. Quero gritar é campeão. Quero ver o Palmeiras calar a boca de todos, a minha inclusive, e poder rir dos outros porque vencemos, e não porque os outros perderam. Quero ver o Palmeiras com patrocínio na camisa, disputando grandes contratações, e não penando pra manter o elenco, perdendo jogador pro mercado, com zagueiro jogando na lateral direita, sem centroavante reserva. Quero ver o Palmeiras disputando título como favorito, etc.

Enquanto esse dia não chega de novo, vou continuar achando tudo isso sem graça nenhuma…

Escrevi antes no twitter que quem tava rindo do Santos não merecia ser palmeirense. Besteira minha. Cada um faz como quer. Mas vale a reflexão: rir do Santos aliviou o desgosto de deixar passar o título mais fácil dos últimos 5 Paulistões? 

AVANTI PALESTRA! 

Palmeiras 2×0 Vilhena – Copa BR14

Um convalescido Palmeiras voltou a campo pela Copa do Brasil, depois da eliminação catastrófica do final de semana.

Um time judiado, com no máximo 03 titulares, esboçando toda a fraqueza do elenco; entraram em campo Bruno; Thiago Alves, Lucio, Wellington e William Matheus; Eguren, Marcelo Oliveira, Mendieta e Bruno Cesar; Leandro e Miguel, para enfrentar o modesto time do Vilhena.

Como sempre, um jogo que era pra ser fácil, pra ser vencido sem problemas, começou a tomar aqueles contornos de desgraça quando, já aos 20 e poucos do 2º tempo, o Vilhena acertou uma cabeçada na trave. Inadmissível.

E não foi por falta de criação, pois os atacantes do Palmeiras – e até o Marcelo Oliveira – foram colocados na cara do gol várias vezes, com o Leandro cabeceando pra fora com o goleiro vendido, e outras sei lá quantas bicudas cara a cara, sempre no peito do goleiro. Falta qualidade, falta tranquilidade.

Aos 27, numa jogada pela ponta do excelente – e inexplicavelmente ausente no domingo – Marquinhos Gabriel, bola rolada pra trás no meio da área pro Bruno Cesar m,arcar, ele que ainda sofreria, pouco depois, e converteria, o pênalti que selaria o placar final.

É impressionante a capacidade do Palmeiras de transformar jogos fáceis em verdadeiros martírios para o torcedor.

E, por falar em torcedor, a arquibancada verde tava interditada ontem? Ou será que ficou exclusiva pras organizadas que estão lá todos os jogos? Porque os verdadeiros, esses que acham bonito ser eliminado pelo Ituano, que não xingam diretoria e jogadores, mas xingam quem o faz, esses não foram ontem. Que estranho…

4.800 Palmeirenses – com P maiúsculo – em campo. E bem que perguntaram e cantaram ontem na bancada, onde andará a verdadeira torcida do Verdão? 

Agora serão 17 longos e inacabáveis dias até nossa estreia no Brasileirão, contra o Criciúma, fora de casa. No Pacaembu, só dia 26, sábado a noite, contra o STJDense, Lusa ou sei lá quem.

Até lá, esperamos: patrocínio master; um lateral direito; um zagueiro; um centro avante; e a reformulação integral da comissão técnica e do departamento médico, que mais parece um necrotério: quando o jogador entra lá, não sai nunca mais.

Isso, é claro, se a diretoria não estiver disposta a fazer o Palmeiras passar apuro mais um campeonato brasileiro. Veremos.

OS GOLS by TV PALMEIRAS:

A FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 0 VILHENA (RO)

Local: Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 2 de abril de 2014, quarta-feira, às 22h
Árbitro: Wanderson Alves de Sousa (CBF-MG)
Assistentes: Luciano Roggenbaum (CBF-PR) e Diego Grubba Schitkovski (CBF-PR)
Público/Renda: 4.430 pagantes / R$ 124.950
Cartões amarelos: Carlinhos, Edilsinho, Júnior, Tayron e Dalton (VIL); Bruno César, Leandro e Eguren (PAL)
Cartões vermelhos: nenhum

GOLS: Bruno César (27′/2ºT) e (31′/2ºT)

PALMEIRAS: Bruno; Tiago Alves, Lúcio, Wellington (Serginho, Intervalo) e William Matheus; Eguren, Marcelo Oliveira (Josimar, 29′/2ºT), Mendieta (Marquinhos Gabriel, 15′/2ºT) e Bruno César; Leandro e Miguel Técnico: Gilson Kleina

VILHENA: Dalton; Júnior, Marinho (Tayrão, 36′/1ºT) e Alex Barcellos; Portela, Maycon (Tiago Silva, 41′/2ºT), Carlinhos, Cucau e Edilsinho; Jaílson (Roallase, 23′/2ºT) e Sandro Técnico: Marcos Birigui

AS FOTOS DA TORCIDA by BOB LIRA:

https://www.facebook.com/bob.lira.10/media_set?set=a.232459413621665.1073741903.100005728242877&type=1

AVANTI PALESTRA!

A valorização da Camisa

Blog do Menon, ontem, trouxe fato alarmante, levantado pelo jornalista Rubens Leme da Costa: nos últimos 31 anos, o Palmeiras sofreu 35 eliminações em casa. Eis os jogos relacionados na matéria:

TODAS AS 35 ELIMINAÇÕES DO PALMEIRAS EM CASA NOS ÚLTIMOS ANOS:
Copa do Brasil (9): Ceará (1994), Grêmio (1995), Cruzeiro (1996), Flamengo (1997), São Paulo (2000), ASA (2002), Santo André (2004), Ipatinga (2007), Coritiba (2011).
Sul-Americana (3): São Caetano (2003), Goiás (2010), Vasco (2011).
Libertadores (4): Grêmio (1995), Boca Juniors (2000), Boca Juniors (2001), Tijuana (2013).
Mercosul (2): Flamengo (1999), Vasco (2000).
Conmebol (1): Bragantino (1996).
Brasileiro (4): Vasco (1983), Corinthians (1989), Cruzeiro (1998), São Caetano (2000).
Paulista (10): XV de Jau (1985), Inter de Limeira (1986), São Paulo (1987), Ferroviária (1990), Corinthians (1995), Corinthians (1999), Santos (2000), Santos (2009), Corinthians (2011), Ituano (2014).
Rio-São Paulo (1): São Paulo (2002).
Supercampeonato Paulista (1): São Paulo (2002).
Lembro de praticamente todos esses tristes dias. Tá bom, vai, 83 eu não lembro muito, tinha 5 anos. Mas foi na minha vigência.
Primeira Academia, Segunda Academia, 06 títulos brasileiros, 20 Paulistas, só ouvi pelo Laurão e pelo Rubinho, meus mentores na palestrinidade.

Pior, dessas 35 eliminações, boa parte delas eu estava, como muitos de vocês, de pé, cantando ao Palmeiras, no concreto do Palestra, do Pacaembu ou do Panetone.

Triste constatar que tão grandes são nossas conquistas do passado quanto são os constantes tropeços dos últimos anos. Nem mesmo épocas áureas como 1996 e 1999 nos livraram de perder, em casa, num jogo eliminatório.

Mas desses todos, nem todos são vexames, podemos excluir os jogos perdidos pra rivais como Flamengo, Gambá, Bambi, Lambari, Vasco, Gremio, Cruzeiro e Boca.

Mesmo assim, impressiona, e incomoda, constatar a quantidade de fiascos pra Ipatinga, Ceara, Asa, Santo André, Coritiba, Tijuana, Bragantino, São Caetano, XV de Jau, Inter de Limeira, Ferroviaria e Ituano. Mais de um terço. “Feitos” praticamente inconcebíveis até os idos de 76.

E o que tanto mudou de lá pra cá, e que vem se repetindo ano depois de ano a acumular essa marca tão frustrante pro palmeirense?

Parabéns a quem souber “a” resposta. Porque não existe uma. São inúmeras as causas.

E nem me proponho aqui a respondê-las. Mesmo porque, transcendem à atual gestão, à anterior, e à que veio antes daquela, etc.

É apenas uma triste constatação. De que, no fim das contas, o palmeirense tem que ser maluco da cabeça pra continuar impondo o manto alviverde nas ruas ano após ano, desgraça após desgraça. Aqui não há, como sempre disse o grande Barneschi do saudoso Forza Palestra, o tal do sofrimento seletivo.

Aqui a gente sangra mesmo, como insiste em publicar por todo o Facebook o lendário Maníaco.

E quanto mais vemos diretores, técnicos e jogadores incompetentes desvalorizarem nossa camisa - SIM, O PALMEIRAS É NOSSO – mais sentimos a obrigação de valorizá-la, estampá-la no peito e empurrar o time além dos limites imagináveis, contra todas as previsões e a secação alheia, que no mais das vezes – mas nem todas – saem vitoriosas às nossas custas. 

E paro pra pensar e percebo que passo semanas sem ver uma camisa do Bambi na rua, meses sem avistar uma do Lambari e dias sem ter o desgosto de encontra o pano de chão da gambazada, mas não tem um santo dia sequer que não vejo o manto alviverde a circular pela cidade. E não é só aqui, como anotou o carioca Edu Goldenberg no seu Boteco do Edu. A ostentação da fibra é pelo mundo afora.

E amanhã, sejam os 6 mil de sempre, ou os 31 mil de de vez em quando do último domingo, estaremos lá no Pacaembu, na frente da TV ou do lado do radinho, 16 milhões de apaixonados, esperando por um triunfo, mas sem nunca arredar o pé caso venha mais um vexame.

Não se esqueça nunca disso, senhor presidente, o Palmeiras só é o gigante de sempre graças à essa torcida, ela inteira e não segregada, todos os milhões e não apenas os 40 mil sócios torcedores, os sei-lá quantos torcedores “verdadeiros”, os sei lá quantos sócios do clube. Somos nós todos que não desistimos nunca, que sempre estamos de volta, que não deixamos de valorizar e honrar esse camisa, não importa o tamanho do fracasso, o quanto vocês a maltratem. Não desmereça isso, ou sucumba como seus antecessores no esquecimento e na mesmice.

Diretores passam, treinadores passam, jogadores passam, mas a torcida, essa é pra sempre.

PORQUE NÓS SOMOS O PALMEIRAS!

AVANTI PALESTRA!

Até Quando? por Rogério Fumo

Mais um vexame para nos Palmeirenses, e quer saber, acho que nós torcedores estamos até se acostumando a isso.

Nos meus 35 anos de vida, e pelo menos 24 deles dedicados à arquibancada, os traumas não se cansam de conviver ao meu lado, e o pior, sempre com times de expressão infinitamente abaixo da nossa grandeza.

É claro que tive ótimos momentos, mas se espera isso de time “grande”, vencer os considerados a sua altura como Flamengo Copa BR 4×2, Colo Colo, Gol do Cleiton Xavier, Cruzeiro Libertadores, Grêmio Copa BR 2012, mas ter que engolir fiascos como:

ASA DE ARAPIRACA , CEARÁ, VITÓRIA DA BAHÊA 7X2, FIGUEIRENSE 6X1  

MIRASOL 6X2, CORITIBA 6X0, é demais!!!!

Temos ainda belíssimas eliminações em mata-mata de campeonato Paulista como Bragantino, Guarani, Ituano….

Meu Deus!!!! é muito para um coração já sofrido e amargurado com tanta falta de respeito que a Diretoria tem como o seu torcedor. Torcedor este que é o MAIOR PATRIMÔNIO do clube, que sem nós, você não seria NADA Palmeiras, NADA!!! entendam isso….

Até quando???? Até quando????

Rogério Fumo

Time sem Vergonha 0×1 Ituano – Paulistão14

Essa derrota vexatória e humilhante de hoje começou há mais ou menos um ano atrás.

O Palmeiras, na última rodada da fase de classificação do Campeonato Paulista, 21 de abril, viajou para Itu, buscando garantir bom lugar na classificação geral do campeonato para a próxima fase. Ao Ituano, só a vitória livrava o time do rebaixamento. Ao fim do jogo, derrota palmeirense, Ituano salvo, e Palmeiras em sexto na classificação geral, pegando o Santos na Vila – que depois nos eliminaria.

Na ocasião esse foi o post pós-jogo:

Uma semana no futebol equivale a cem anos do calendário romano. Na segunda-feira passada riamos a toa depois de 5 vitórias consecutivas, a última uma sonora goleada no Guarani.

E, dois jogos depois, o Palmeiras – aos olhos do torcedor – voltou a ser uma porcaria dum time fraco e limitado.

Penso diferente, acho que o time nunca deixou de ser fraco e limitado, só que foi um time com sangue nos olhos nos 05 jogos que antecederam a semana passada, e o mesmo não se repetiu em Lima e em Itu. O porquê disso é que é dificil de entender…

Pensando só no jogo de ontem, começamos a perder quando aquele desgraçado camisa 9 do Ituano – que deveria ser pendurado pelas bolas por 1 mês – resolveu, de pura má-fé, chocar-se com o Prass na pequena área, sem qualquer reprimenda do juiz safado. Ah, teve aquela bola do Wesley também, sem goleiro, que o cara mais picolé de chuchu do mundo conseguiu perder. Umas outras duas do Vinícius na cara do gol e as falhas grotescas do goleiro reserva mão-de-toco fecharam a cova palmeirense em Itu.

A displicência custou caro, o Palmeiras ficou em sexto num dos campeonatos mais ridículos que já se viu e pega o Santos na Vila em jogo único. E o Mirassol foi rebaixado, pra aumentar ainda mais a vergonha, levamos de 6 de um dos rebaixados num campeonato boçal como esse.

E agora chega a notícia de que o Prass ficará de fora por pelo menos 02 meses. É pra desanimar qualquer um. Pior que isso mesmo foi ter visto uma bandeira do Boca no meio da nossa torcida ontem. O que leva um cara a ir no jogo do Palmeiras com uma bandeira do Boca? Tenha decência…

Sem lances ou ficha técnica, pra não ampliar a tortura.

AVANTI PALESTRA!

O Palmeiras, se tivesse feito sua lição de casa em 2013, teria rebaixado o time medíocre do Ituano. Não o fez, graças a lixos como Vinicius e Bruno. Perdeu, manteve o Ituano na primeira divisão e ainda teve que enfrentar o Santos na Vila em jogo único, vindo a ser eliminado nos penaltis. Vergonha o bastante? Não, é claro que não.

Quis o destino que o mesmo Ituano, que deveria ter sido rebaixado no ano passado, cruzasse nosso caminho rumo às finais do Campeonato Paulista de 2014. Tivesse o Palmeiras sido Palmeiras em 2013, o adversário de hoje, com certeza, não seria o Ituano. Mas, o Palmeiras não foi Palmeiras naquela tarde em Itu.

Assim como hoje, Prass saiu machucado e deu lugar pro “bosta” do goleiro reserva. Escrevo “bosta” por respeito a você leitor, e não tenham dúvida que estou depreciando a palavra “bosta” ao usá-la pra me referir ao goleiro reserva.  A ‘bosta” tem que piorar muito pra se assemelhar ao camisa 1.

E foi o que bastou prum jogo já péssimo se transformar em desgraça. Bola no canto, rasteira, pode vir até em câmera lenta, que entra. Não que se tivéssemos empatado ia ser diferente, ou alguém acha que o BOSTÃO ia defender algum pênalti?

As semelhanças com aquele jogo desgraçado, acho eu, terminam aqui, pois não me lembro do imbecil do treinador ter deixado o Valdivia no banco. Porque, vamos combinar, ou ele tinha condição de jogo, e nesse caso tinha que ser titular, ou então não tinha condições, e nesse caso não deveria ter entrado em campo nem mesmo no segundo tempo. Qualquer que seja a alternativa correta, Kleina errou, e feio.

Errou tanto que merece demissão. Errou ao deixar Valdivia no banco, errou ao mandar ele pra campo, errou ao escalar Vinícius pra substituir Kardec, errou porque essa é a sina dele, técnico sem gabarito pra ser treinador do Palmeiras. Outro bosta. 

Ah, mas ele subiu o Palmeiras. Legal. Muito Obrigado e vá subir o Vasco ou sei lá quem. Vá pra Poutaquepariu. Imperdoável ser eliminado pro Ituano, depois de ter evitado o rebaixamento desse mesmo time um ano antes. Bem feito, taí o seu castigo, que os bundamoles que comandam essa porra não tenham nenhuma piedade de você. Vá com Deus!

E se a vergonha já não era o bastante, ainda tive que ver parte da torcida xingando a Mancha Verde, que não tem nenhuma culpa pela derrota e nada mais fez do que cobrar e xingar, com todo o direito do mundo, o presidente do clube, maior responsável por tudo o que se viu hoje. Parabéns pra quem fez isso, vocês merecem essa eliminação, merecem esse time sem vergonha que não honra as tradições do Palmeiras. Pra minha alegria, sei que a maior parte de vocês, depois dessa derrota, vai voltar pra poltrona na próxima quarta-feira, e deixar a arquibancada pra quem quer ver o Palmeiras campeão. Façam um favor e não voltem mais.

E já basta por hoje. Muita vergonha pra continuar escrevendo. Parabéns aos responsáveis, no ano do centenário, foram eliminados pro Ituano. Parabéns mesmo.

Eu ia até me dar o trabalho de falar do fiasco que foi, mais uma vez, a venda dos ingressos pro jogo de hoje, mas pra que perder meu tempo. Nada irá mudar, o desrespeito com o torcedor, associado ou não, segue sendo absurdo e digno de mais vergonha ainda. A incompetência, dentro ou fora de campo, é palavra de ordem. Vou eu falar o que aqui? Vai adiantar pra que?

LAMENTÁVEL, PALMEIRAS!

Como recuperar o terreno perdido

Salve meus amigos, semi chegando e a ânsia e expectativa de mostrar aos Lambaris a força do manto verde, calma… temos o Ituano antes, em tempo, ansiedade é uma merda!

Excepcionalmente no artigo dessa semana, mudamos um pouco o rumo e vamos deixar o assunto Marketing Estratégico para o início do Brasileirão (tem mais a ver). Pois a 3ª maior torcida do Brasil (excluo os Bambis, pois simpatizantes são “café com leite”) está sendo tratada como palhaça pela detentora dos direitos futebolísticos no Brasil.  Jogo no meio de semana de um time decadente do Jardim Leonor, com 16 mil pagantes na sua partida e com direito a pancadaria no treino do dia seguinte, que beleza!

No final de semana, quando todos esperavam a transmissão ao vivo no canal aberto, vem a bomba : Jogo do Verdão as 18:30 do domingo, num horário mais inadequado do que 22hs do meio de semana. Por que não querem exibir o time que mais ganhou Brasileiros, que já vestiu a camisa da seleção, que teve academias e ganhou simpatizantes por todo país? Simples resposta: somos uma ameaça para a estratégia da toda poderosa e maquiavélica Globosta!

Pois no plano deles, apenas Bambis e Gambás,somados aos urubus e quem sabe um time de Minas deverão ter espaço nas telas dominicais e no meio de semana. Podemos viver sem a emissora? Tranquilamente sim, mas o espaço que essa emissora dá é o peso da balança para o patrocínio e valor envolvido, além de termos mais exposição e com isso aumentar a massa de torcedores.

Porém, não podemos apenas criticar o que estamos colhendo hoje, afinal foram anos e anos de ostracismo e desrespeito ao futebol, com direito a dois rebaixamentos em menos de 10 anos e pior, com dirigentes da época da “válvula” e com interesses escusos, quem não se lembra do festival de contratações e contratos que Cipullo e companhia efetuaram , ou senão das mancadas da dupla Chaves e Kiko, ops, Bananone e Ridifrizzo.

Não adianta chorar o leite derramado e o grande segredo é reverter esse quadro. De forma espontânea e com base na experiência de gestão de marcas , passo aqui 05 lições de casa que devemos fazer:

 

1)    Times competitivos e futebol insinuante: Não podemos mais, não temos mais espaço para jogadores medíocres. Quando houver sondagens, tem que haver consistência. Por exemplo, estão falando de Douglas Tanque, pelo amor de Deus, esse gambá não! Cara ruim e do outro lado da força…Pensem em trazer o Hulk depois da copa. Sei lá,temos profissionais muito bem remunerados no Palmeiras hoje, se virem para viabilizar essa contratação.

2)    Não descartem a classe C : Hoje no Brasil , temos o grande tema em torno da Classe Média Brasileira, que são quase 110 Milhões de pessoas, mais que a metade da população. Não podemos querer elitizar um time popular. O Avanti deve ser explorado, com toda certeza, só que não pode ser o divisor de águas entre bons e maus torcedores, longe disso. Adere quem quer e pode e ingressos mais baratos são garantia de casa cheia e isso tem que ser a tônica na nova Arena.

3)    Metam a boca no trombone: Nesse país o provérbio que mais vale é : Quem tem boca vai a Roma ou senão : Quem não chora não mama. Vamos parar com essa postura britânica e polida, que não combinam com a gente. Critiquem e cobrem a Federação ou CBF quando escalarem um árbitro que já foi FDP com a gente ou quando a tabela não for favorável, pois a que já foi divulgada do BR2014 é uma porrada na exibição da nossa marca. Jogos em casa no meio de semana e no final de semana nos horários mais esdrúxulos possíveis.

4)    Não se apequenar: Ficar indo a público e expor nossa fragilidade financeira ou senão economizar com a nutricionista não são coisas positivas a serem divulgadas. Todos os times estão quebrados e pior, muitosp ficam mamando na teta do governo até não poder mais. Vamos sanar as contas no silêncio, sem fazer alarde. E se possível, sem dinheiro próprio, sabemos muito bem como acabam essas estórias…

5)    Parcerias com times de ponta na Europa: Podemos aprender com times de ponta na Alemanha ou Itália os detalhes de uma gestão profissional, temos a Allianz em comum com o Bayern, além disso somos Adidas, assim como eles. Troca de jogadores, imersões e até mesmo empréstimos de jogadores podem ser uma alternativa mais do que viável.

 

Ainda há tempo para revertermos esse quadro incoerente com a história do mais amado Alviverde do mundo. Vamos arregaçar as mangas e começar esse processo de recuperação o quanto antes. Se os Deuses permitirem, poderemos em 02 semanas comemorar o primeiro título do Centenário. Assim seja.

 

“Pode ir armando o coreto
E preparando aquele feijão preto
Eu tô voltando
Põe meia dúzia de Brahma pra gelar
Muda a roupa de cama
Eu tô voltando…”

 

 

 

 

Palmeiras 2×0 Bragantino – Paulistão 14

Enfim, um jogo digno de Palmeiras, com o time ligado a partida inteira, disputando todas a bolas e sem dar nenhuma chance pro adversário ou pro juiz aprontar.

Dessa vez, não teve primeiro tempo apático, com 21 minutos já tava 1×0, gol do Kardec, sempre  ele, isso sem falar nas várias chances que já tinham sido criadas.

Não sei se essa formação é ideal pra todos os jogos, mas o time funcionou muito bem ontem com Marcelo Oliveira de primeiro volante, fechando o meio com Wesley, Valdivia e Bruno César. Partida muito boa dos 4, a não ser por mais um cartão besta do Valdívia, que já periga ficar de fora se o Palmeiras passar o Ituano.

25.000 pessoas no Pacaembu. Público bom, mas não excelente, ainda mais dada a importância do jogo. Não vou insistir na questão do preço, mas fica claro que não há outro culpado.

Achei excelente a iniciativa da diretoria de vender os jogos contra o Ituano e o Vilhena em pacote com desconto de 1/3 do preço. Essa foi uma das ideias que sugerimos neste post aqui. Mas – e infelizmente sempre tem que ter um mas – a diretoria erra na execução mais uma vez. Ao permitir a compra na pré-venda só pra quem pretende adquirir o pacote dos 02 jogos (como ocorre até o presente momento – dia 28/03, 12:30), deixa de ser respeitado o direito do sócio Avanti que deseje adquirir ingresso apenas para semi final na pré-venda.

Mais uma boa iniciativa só que mal implementada. Falta um ajuste fino. Não tenho dúvidas de que a diretoria tem boa intenção, só falta lapidar melhor na hora de colocar em prática.

Eu, de qualquer forma, já reservei meus dois ingressos.

Então ficou assim: Lambari x Penapolense na Vila, Palmeiras x Ituano no Pacaembu e Gambá x Bambis no playstation, confere? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK (by @lf_SEP)

Alo, Marquinhos Chedid, vai receber quanto pela bilheteria do jogo do Bragantino na semi-final? NÃO, PERA! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Pra cima deles, Palmeiras!

OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

 PALMEIRAS 2 X 0 BRAGANTINO

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Horário: 27/3/2014, às 21h
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Assistentes: Vicente Romano Neto e Daniel Paulo Ziolli
Público/renda: R$861105,00/ 24231 pagantes
Cartões amarelos: Bruno César, Marcelo Oliveira e Valdivia (PAL); Francesco e Geandro (BRA)
Cartões vermelhos: nenhum

 GOLS: Alan Kardec, 21′/1ºT (1-0) e Wesley, 17′/2ºT (2-0)

 PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel (Vinicius – 38′/2ºT), Lúcio, Tiago Alves e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley, Valdivia e Bruno César (Eguren – 27′/2ºT); Leandro (Patrick Vieira – 32′/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

BRAGANTINO: Rafael Defendi; Yago, Alexandre e Guilherme; Robertinho, Francesco, Geandro (Diego – 22′/2ºT), Gustavo e Léo Jaime; Magno Cruz (Diguinho – Intervalo) e Tássio. Técnico: Marcelo Veiga.

COISA LINDA:

AVANTI PALESTRA!

Sardinhas/FPF 2×1 Palmeiras – Paulistão14

Ganhou na Vila o time que jogou com goleiro e juiz a favor.

Como não tínhamos dúvidas, Bruno fez a diferença. Pro adversário. Tomou um gol – o segundo - que o Prass pegava. Nem pulou na cabeçada do primeiro gol dos caras. Não se mexeu. Nem pra fingir que ia na bola…O palmeirense pode começar a torcer pelo corpo fechado do Prass, porque se dependermos desse frangueiro nas próximas fases, pode dar adeus pro caneco.

Os números às vezes enganam. O fato do Palmeiras ter uma das melhores defesas da competição se deve graças a seguidas atuações monstruosas do Prass. A zaga do Palmeiras é pesada e muito fraca. Hoje isso ficou evidente: Marcelo Oliveira, Tiago Alves, Eguren e Juninho são muito fracos na marcação. Quando o Prass não tá, não há quem salve. E há quem diga que o Henrique não faz falta. Sem ressuscitar assunto morto, eu discordo.

E como também não tínhamos dúvidas, o Oliveira garantiu os 03 pontos pros Lambaris, quando não marcou falta escandalosa do Neto no Marcelo Oliveira, que foi segurado com os DOIS BRAÇOS pelo zagueiro rival no lance do primeiro gol. Todo mundo viu, menos o cretino do LFO. Ainda deixou o Lambari sentar a botina, não marcou várias faltas, enfim, teve uma atuação digna de deixar molhadinho o irmão mais velho.

Se essa diretoria sonha em disputar títulos, está mais que na hora de parar de arrumar confusão com a torcida do Palmeiras e começar a azucrinar a Comissão de Arbitragem da FPF. Nenhum Oliveira, nenhum, seja o original, o caçula ou a sobrinha, pode atuar novamente em jogos do Palmeiras. Nunca mais. É momento de mostrar força. Não tinha um VP só pra isso? Então, bora trabalhar, jão! 

De positivo, se é que há algo de positivo numa derrota, o segundo tempo do Palmeiras foi bom, embora tenha ficado muito claro que o Santos resolveu administrar o resultado. E o empate, e talvez até a vitória, só não veio por causa do Aranha, que fez pelo menos 02 defesas que eram gola certos do Porco. E também, por causa do juiz, que também administrou muito bem a derrota do Palmeiras.

Mas, pra quem achava que o Palmeiras tem elenco, precisa repensar um pouco. Um time em que entra Felipe Menezes e Vinicius pra tentar mudar um resultado adverso num clássico, já pode se despedir do mundo.  Wesley não tem substituto no elenco, assim como Lucio, Valdivia, Kardec e Prass. 1/2 time sem peça de reposição adequada não é ter elenco. E precisa saber que porra acontece que Marquinhos Gabriel, Diogo, Wellington e Wesley estão há um cu de tempo sem jogar. Reta final tem que ter força máxima! Alo, DM!!!! 

Por último, diante de todas as circunstâncias, não foi a pior das derrotas, especialmente porque com ela, o Palmeiras evita um possível e difícil cruzamento com os bambis na semifinal, jogo único. Com isso, o caminho do Palmeiras pra taça passa a ser, em tese, mais fácil, com o Bragantino no meio de semana, Botafogo ou Ituano no final de semana e depois ou Bambis, com mando de jogo nosso no segundo jogo, ou os sardinhas com o segundo jogo na Vila, isso se ninguém perder pontos nessas próximas fases. Se, por exemplo, o Palmeiras ganha os dois jogos de quarta e domingo, e o Santos empata um – e decide nos penaltis, a melhor campanha volta a ser do Palmeiras e aí o segundo jogo passaria pro Pacaembu de qualquer jeito.

Chegou a horada verdade. O paulistão começa agora.

O Gambá enfrenta quem mesmo? NÃO PERA! AHAHAHAH

Pra cima deles(as), Palestra!

 OS LANCES:

A FICHA TÉCNICA:

SANTOS 2 X 1 PALMEIRAS

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data/Hora: 23/3/2014, às 16h
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Assistentes: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Danilo Ricardo Manis
Público/Renda: 12.179/R$ 369.066,00
Cartões amarelos: Alison, Bruno Peres, Gabriel, Neto e Thiago Ribeiro (SAN); Valdivia e Eguren (PAL)
Cartões vermelhos: Nenhum

GOLS: Neto, 24′/1ºT (1-0); Thiago Ribeiro, 35′/2ºT (2-0) e Alan Kardec, 43/2ºT (2-1)

SANTOS: Aranha; Bruno Peres, Neto, David Braz e Mena; Alan Santos, Alison (Lucas Otávio – 32′/2ºT) e Gabriel (Lucas Lima – 37′/2ºT); Geuvânio, Thiago Ribeiro e Rildo. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PALMEIRAS: Bruno; Bruninho, Lúcio, Tiago Alves e Juninho; Eguren (Felipe Menezes – 30′/2ºT), Marcelo Oliveira, Valdivia e Bruno César (Patrick Vieira – 24′/2ºT); Leandro (Vinicius – 37′/2ºT) e Alan Kardec. Técnico: Gilson Kleina.

AVANTI PALESTRA!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.810 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: